A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VIII. PATOLOGIA NUTRICIONAL E AMBIENTAL. RESPOSTA A SUBSTÂNCIAS EXÓGENAS A resposta a substâncias exógenas pode variar devido a: Sistemas enzimáticos:Sistemas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VIII. PATOLOGIA NUTRICIONAL E AMBIENTAL. RESPOSTA A SUBSTÂNCIAS EXÓGENAS A resposta a substâncias exógenas pode variar devido a: Sistemas enzimáticos:Sistemas."— Transcrição da apresentação:

1 VIII. PATOLOGIA NUTRICIONAL E AMBIENTAL

2 RESPOSTA A SUBSTÂNCIAS EXÓGENAS A resposta a substâncias exógenas pode variar devido a: Sistemas enzimáticos:Sistemas enzimáticos: –São compostos por várias isoenzimas –A presença das diferentes isoenzimas é determinada pelo perfil genético do indivíduo Vias bioquímicas:Vias bioquímicas: –Várias vias estão envolvidas no metabolismo de uma substância –O predomínio de uma via sobre outra é diferente em cada etnia, sexo e grupo etário Estado nutricional e hormonalEstado nutricional e hormonal –Afeta a atividade enzimática Outras substâncias exógenas podem induzir ou inibir a atividade de enzimasOutras substâncias exógenas podem induzir ou inibir a atividade de enzimas

3 LESÃO CELULAR POR OXIDAÇÃO A oxidação de substâncias pode gerar radicais livres derivados do oxigênio, lesivos às célulasA oxidação de substâncias pode gerar radicais livres derivados do oxigênio, lesivos às células * SATURAÇÃO OU DEPLEÇÃO DOS MECANISMO PROTETORES LESÃO * UMA DAS TEORIAS DO ENVELHECIMENTO CELULAR APONTA OS RADICAIS LIVRES COMO GRANDES RESPONSÁVEIS REAÇÃO DE OXIDAÇÃO LESÃO CELULAR RADICAIS LIVRE DE O 2 CATALASE SUPERÓXIDO DISMUTASE GLUTATIONA VITAMINAS C e E -CAROTENO NEUTRALIZAÇÃO Mecanismos protetores

4 TABAGISMO Maior causa isolada de morte prematura evitávelMaior causa isolada de morte prematura evitável Mais de 40 carcinógenos na fumaça do tabaco já são conhecidos (entre eles, o benzopireno)Mais de 40 carcinógenos na fumaça do tabaco já são conhecidos (entre eles, o benzopireno) Causas mais comuns de morte associada ao tabagismo:Causas mais comuns de morte associada ao tabagismo: –Cardiopatia isquêmica –Câncer pulmonar –DPOC

5 TABAGISMO O tabaco é responsabilizado por:O tabaco é responsabilizado por: –30% das mortes por câncer –90% das mortes por câncer pulmonar Aumento do risco de:Aumento do risco de: –IAM –AVE –Vasculopatia periférica Eventos agudos desencadeados pelo tabaco:Eventos agudos desencadeados pelo tabaco: –adesão e agregação plaquetária trombose –Desencadedamento de arritmias –relação demanda/suprimento de O 2 isquemia

6 TABAGISMO Toxinas contra cílios (cianeto de hidrogênio):Toxinas contra cílios (cianeto de hidrogênio): Gestantes: –carboxihemoglobina hipóxia fetal BAIXO PESO AO NASCER PREMATUROS ABORTAMENTO DESCOLAMENTO DE PLACENTA PLACENTA PRÉVIA DEPURAÇÃO TRAQUEOBRÔNQUICA INFECÇÕES DE VIAS AÉREAS TOXINAS CILIARES

7 TABAGISMO Problemas ocupacionais:Problemas ocupacionais: –acidentes de trabalho –Sinergismo com asbesto e radônio na produção de câncer pulmonar Prejuízo na cicatrização de úlcera pépticaPrejuízo na cicatrização de úlcera péptica Exacerbação de sintomas de asma e bronquiteExacerbação de sintomas de asma e bronquite Acredita-se que o fumo passivo esteja associado a um aumente de: –Câncer pulmonar –Cardiopatia isquêmica –IAM –Infecções de vias aéreas em crianças

8 ALCOOLISMO Etanol = maior agente de abuso do mundoEtanol = maior agente de abuso do mundo Para atingir nível de 100 mg/dl em um adulto de 70 kg são necessários:Para atingir nível de 100 mg/dl em um adulto de 70 kg são necessários: Bebedores sociais: –200 mg/ml embriaguez – mg/dl coma/ morte Alcoolistas toleram até 700 mg/dl devido à indução da citocromo P ml de etanol 90ml de whiskey (50°) 550ml de vinho (8°) 1100ml de cerveja (4°) EQUIVALENTE A

9 ALCOOLISMO Metabolismo do etanol:Metabolismo do etanol: –Álcool-desidrogenase (mucosa gástrica) –Citocromo P-450 (fígado) –Catalase (fígado) Ação aguda do etanol:Ação aguda do etanol: –Depressão do SNC –Euforia (devido à depressão das vias inibitórias superiores) Uso crônico provoca diversas alterações por dois mecanismos:Uso crônico provoca diversas alterações por dois mecanismos: –Efeitos diretos do etanol –Deficiências nutricionais (álcool usado como fonte calórica)

10 ALCOOLISMO – Alterações hepáticas Alterações HEPÁTICAS do alcoolismo crônico: Deposição de gordura hepática: – catabolismo de gordura periférica – síntese de lipídeos – oxidação de ác. Graxos –Compromentimento no transporte de lipoproteínas ACÚMULO DE GORDURA HEPATITE ALCOÓLICA LESÃO IRREVERSÍVEL (CIRROSE)

11 ALCOOLISMO – Alterações hepáticas Lesão por hepatite alcoólica:Lesão por hepatite alcoólica: –Toxicidade direta do etanol – radicais livre de O 2 produção pelo citocromo P-450 produção pelo citocromo P-450 neutralização pela glutationa neutralização pela glutationa –Estímulo imunológico pelo acetaldeído ligado a proteína –Acredita-se ainda em lesão hipóxica devido ao padrão centrolobular Lesão irreversível (cirrose):Lesão irreversível (cirrose): –10-15% dos alcoolistas –Morte hepatocelular –Regeneração micronodular cercada por faixas de colágeno –Perda da arquitetura hepática –Insuficiência hepática –Hipertesão do sistema porta

12 ALCOOLISMO Alterações do SNC: Causadas por deficiência de vitamina B 1 (tiamina):Causadas por deficiência de vitamina B 1 (tiamina): –Degenarção neuronal –Gliose reativa –Atrofia cerebelar e de nervos periféricos –Síndrome de Wernicke (ataxia + confusão + oftalmoplegia) –Síndrome de Korsakoff (graves prejuízos da memória) Alterações CARDIOVASCULARES: Toxicidade direta do etanol cardiomiopatia dilatadaToxicidade direta do etanol cardiomiopatia dilatada Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica * uso moderado de álcool tem efeitos benéficos: – HDL-colesterol e LDL-colesterol – agregação plaquetária

13 ALCOOLISMO Alterações do TRATO GASTROINTESTINAL: Gastrite aguda toxicidade direta do etanolGastrite aguda toxicidade direta do etanol risco de pancreatite aguda e crônica risco de pancreatite aguda e crônica Alterações MÚSCULO-ESQUELÉTICAS: Lesão muscular com degradação de mioglobinaLesão muscular com degradação de mioglobina Alterações do SISTEMA REPRODUTOR: Atrofia gonadal fertilidadeAtrofia gonadal fertilidade Etanol e CÂNCER: Acetaldeído pode atuar como promotorAcetaldeído pode atuar como promotor risco de câncer de cavidade oral, esôfago e fígado risco de câncer de cavidade oral, esôfago e fígado

14 ABUSO DE DROGAS DEPRESSORES DO SNC: Etanol é o mais usadoEtanol é o mais usado Barbitúricos:Barbitúricos: –Rápida tolerância e dependência –Potencialmente fatais quando usados com álcool –Vêm sendo substituídos pelos benzodiazepínicos ESTIMULANTES DO SNC: Cocaína/ crack: –Bloqueio da recaptação de catecolaminas no SNC e SNP –Efeitos agudos: HAS, FC, euforia, evoluindo para deepressão respiratória e arritmias –Uso crônico: insônia, ansiedade, paranóia, risco de IAM e AVE Anfetaminas: –Efeitos semelhantes aos da cocaína –Age nos receptores dopaminérgicos D 4

15 ABUSO DE DROGAS NARCÓTICOS: Prescritos como analgésicos, mas causam sedação e alt. do humorPrescritos como analgésicos, mas causam sedação e alt. do humor Heroína:Heroína: –Ansiedade, sedação, alt. do humor, náuseas, deepressão respiratória –Uso EV: endocardite infecciosa ALUCINÓGENOS: Naturais: –Mescalina (cactos) –Psilocibina (cogumelo) –Machonha (cânhamo) Maconha: –Tetraidrocarbinol (THC) é o ingrediente ativo –Relaxamento e euforia LSD (ácido lisérgico) –Ilusões e outras alterações de percepção por até 12 horas

16 AGENTES TERAPÊUTICOS ???? ESTRÓGENOS EXÓGENOS: Causam pequeno aumento no risco de alguns cânceres (endometrial, de mama)Causam pequeno aumento no risco de alguns cânceres (endometrial, de mama) Apesar do efeito benéfico sobre o colesterol (HDL) causa pequeno aumento no risco de doenças cardiovascularesApesar do efeito benéfico sobre o colesterol (HDL) causa pequeno aumento no risco de doenças cardiovasculares ANTICONCEPCIONAIS ORAIS: Diversas mudanças na composição durante últimos anos torna difícil avaliar seus efeitos a longo prazo Aumento no risco de tromboembolismo parece bem definido, apesar de que formulações mais recentes têm um risco menor

17 POLUIÇÃO EM AMBIENTE FECHADO MONÓXIDO DE CARBONO: Inodoro e incolorInodoro e incolor Liga-se com Hb com muito mais afinidade que o O 2 hipóxiaLiga-se com Hb com muito mais afinidade que o O 2 hipóxia DIÓXIDO DE NITROGÊNIO: Fornos a gás e aquecedores com queroseneFornos a gás e aquecedores com querosene infecções respiratórias em crianças infecções respiratórias em crianças RADÔNIO: Gás radiativo da decomposição do urânio Presente em minas e algumas residências Maior causa de câncer de pulmão em não fumantes FIBRAS DE ASBESTO: Presente em telhas, canos e calhas Pneumoconiose, câncer de pulmão e mesotelioma em profissionais expostos

18 EXPOSIÇÕES INDUSTRIAIS HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS POLICÍCLICOS:HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS POLICÍCLICOS: –Estão entre os carcinógenos químicos mais potentes –Provenientes da combustão de combustíveis fósseis e processamento de carvão e óleo mineral em altas temperaturas –Benzopireno, do tabaco é o protótipo câncer de pulmão e bexiga CHUMBO:CHUMBO: –Fabricação de baterias, mineradores, soldadores, pintores –Se deposita em dentes e ossos em crescimento, sangue e tecidos moles –Anemia hipocrômica, desmielinização periférica, insuficiência renal crônica, dor abdominal intensa –Orla de Burton (linha gengival cianótica) –Pontilhado basofílico em eritrócitos

19 LESÃO POR RADIAÇÃO Radiação ionizante:Radiação ionizante: –Alta freqüência –Ioniza moléculas biológicas –Ondas eletromagnéticas (ex.: raio-X) ou radiação particulada (partículas emitidas por radioisótipos) Radiação não ionizante:Radiação não ionizante: –Baixa freqüência –Causa vibração de átomos –Ex.: ondas de rádio, microondas, infravermelho, UV ESPECTRO DE LESÃO: Necrose francaNecrose franca Destruição de células em divisãoDestruição de células em divisão Lesão do DNALesão do DNA REPARO DANO PERMANENTE MALIGNIZAÇÃO CÉL. COM DNA MUTANTE APOPTOSE

20 LESÃO POR RADIAÇÃO RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA: –UVA não absorvido pelo ozônio atmosférico –UVB parcialmente absorvido pelo ozônio atmosférico –UVC totalmente absotvido pelo ozônio atmosférico Efeitos agudos sobre a pele:Efeitos agudos sobre a pele: –Eritema –Pigmentação –Lesão das cél. de Langerhans e queratinócitos Efeitos crônicos:Efeitos crônicos: –Envelhecimento da pele: degeneração da elastina e do colágeno –Carcinogênese: alterações no DNA epitelial

21 AMBIENTE FÍSICO FERIMENTOS:FERIMENTOS: –Abrasão: lesão somente da epiderme, sem cicatriz –Laceração: rompimento cutâneo com bordos irregulares –Incisão: rompimento cutâneo com bordos regulares, causada por objeto cortante –Contusão: lesão fechada podendo causar equimose (por ruptura de pqnos vasos) ou hematoma (vasos maiores) QUEIMADURAS:QUEIMADURAS: –Espessura parcial (1º e 2º graus): rosadas, dolorosas, exsudação abundante –Espessura total (3º e 4º graus): brancas/ carbonizadas, anestésicas, secas –Complicações: Infecções (Pseudomonas aeruginosa, S. aureus, Candida sp.)Infecções (Pseudomonas aeruginosa, S. aureus, Candida sp.) HipotermiaHipotermia DesidrataçãoDesidratação hipoproteinemiahipoproteinemia

22 PATOLOGIA NUTRICIONAL DESNUTRIÇÃODESNUTRIÇÃO –1 ária : deficiência de nutrientes na dieta –2 ária : má-absorção, perda excessiva, hipermetabolismo DESNUTRIÇÃO PROTÉICO-CALÓRICA:DESNUTRIÇÃO PROTÉICO-CALÓRICA: –Kwashiokor: deficiência de proteína na presença de energia adeqüada. Forma 1 ária mais comum em criançasForma 1 ária mais comum em crianças Forma 2 ária em estados hipermetab. (sepse, trauma...)Forma 2 ária em estados hipermetab. (sepse, trauma...) Perda de peso, anemia, lesões de pele, esteatosePerda de peso, anemia, lesões de pele, esteatose Hipoalbuminemia edema generalizadoHipoalbuminemia edema generalizado –Marasmo: combinação de deficiência protéica e energética. Perda de peso, anemia, imunodeficiênciaPerda de peso, anemia, imunodeficiência Forma 2 ária em doenças crônicas (DPOC, ICC, AIDS...)Forma 2 ária em doenças crônicas (DPOC, ICC, AIDS...)

23 DEFICIÊNCIAS VITAMÍNICAS DEFIC. VITAMINA D Prejudica absorção intest. De Ca ++Prejudica absorção intest. De Ca ++ Ocorre por exposição solar inadequada, malnuntrição ou absorção inadeqüadaOcorre por exposição solar inadequada, malnuntrição ou absorção inadeqüada Osteomalácia/ raquitismoOsteomalácia/ raquitismo DEFIC. VITAMINA E Geralmente decorrente de má absorção severaGeralmente decorrente de má absorção severa Arreflexia, distúrbios da marcha, propriocepção, oftalmoplegiaArreflexia, distúrbios da marcha, propriocepção, oftalmoplegia DEFIC. VITAMINA K Dieta deficiente ou destruição da flora intestinal por ATB Fatores de coagulação dependentes: II, VII, IX e X Diátese hemorrágica DEFIC VITAMINA A Dieta deficiente, má absorção, uso de laxantes Cegueira noturna, xeroftalmia, hiperqueratinização da pele

24 DEFICIÊNCIAS VITAMÍNICAS DEFIC. TIAMINA (VIT B 1 ): Alcoolismo é a causa mais comumAlcoolismo é a causa mais comum Beribéri seco: alt. do sistema nervosoBeribéri seco: alt. do sistema nervoso Beribéri úmido: alt. do sistema cardiovascularBeribéri úmido: alt. do sistema cardiovascular Encefalopatia de Wernicke: ataxia, confusão e nistagmo/ oftalmoplegiaEncefalopatia de Wernicke: ataxia, confusão e nistagmo/ oftalmoplegia Sd. De Korsakoff: amnésia retrógrgada, prejuízo no aprendizado e confabulaçãoSd. De Korsakoff: amnésia retrógrgada, prejuízo no aprendizado e confabulação DEFIC. DE RIBOFLAVINA (B 2 ): Desnutrtição ou uso de medicamentos inib. Da flavocinase Queilite angular, glossite, anemia, estomatite, dermatite seborréica DEFIC DE PIRIDOXINA (B 6 ): Alcoolismo ou medicamentos Dermatite seborréica, queilose, glossite, neuropatia perif., convulsões

25 DEFICIÊNCIAS VITAMÍNICAS DEFIC. DE VIT. C Dieta inadequada e alcoolismoDieta inadequada e alcoolismo Mal-estar, fraquezaMal-estar, fraqueza Hemorragias, artralgiasHemorragias, artralgias Escorbuto: febre baixa, lesões de gengiva, fragilidade óssea, cicatrização retardadaEscorbuto: febre baixa, lesões de gengiva, fragilidade óssea, cicatrização retardada DEFIC. DE COBALAMINA (B 12 ): Causas: –fator intrínseco (anemia perniciosa, gastrectomia) –Insuf. pancreática –Má absorção Anemia macrocítica Glossite Diarréia, anorexia Neuropatia periférica

26 DEFICIÊNCIA DE SAIS MINERAIS DEFICIÊNCIA DE FERRO:DEFICIÊNCIA DE FERRO: –Causa mais comum: perda crônica de sangue –Componente do heme anemia hipocrômica DEFICIÊNCIA DE ZINCO:DEFICIÊNCIA DE ZINCO: –Zinco é componente de enzimas –Acrodermite enteropática, retardo no crescimento DEFICIÊNCIA DE IODO:DEFICIÊNCIA DE IODO: –Iodo é componente de hormônios tireóideos –Bócio e hipotireoidismo DEFICIÊNCIA DE SELÊNIO:DEFICIÊNCIA DE SELÊNIO: –Selênio é componente da glutationa-peroxidase –Miopatia DEFICIÊNCIA DE COBRE:DEFICIÊNCIA DE COBRE: –Cobre é componente da enzimas –Fraqueza, alt. Neurológicas, hipopigmentação

27 OBESIDADE Definida pelo índice de massa corpórea (IMC):Definida pelo índice de massa corpórea (IMC): Obesidade superior (abdome e flancos) tem piores efeitos à saúde que obesidade inferior (nádegas e coxas)Obesidade superior (abdome e flancos) tem piores efeitos à saúde que obesidade inferior (nádegas e coxas) circunferência abdominal (>102cm em homens; >88cm em mulheres) ou índice cintura/ quadril (>1 em homens; >0,88 em mulheres) maior risco de DM, AVE, doença coronária Deposição de gordura visceral é mais danosa do que deposição subcutânea (lutadores de sumô) Associação com vários distúrbios (DM, HAS, hiperlipidemia)IMCClasse 18,5-24,9NORMAL 25-29,9SOBREPESO 30-34,9I. OBESIDADE LEVE 35-39,9II. OBESID. MODERADA >40III. OBESID. EXTREMA

28 DIETA E DOENÇAS SISTÊMICAS Dieta que atende às necessidades calóricas do indivíduo pode ser danosa a indivíduos propensos a desenvolver doenças como:Dieta que atende às necessidades calóricas do indivíduo pode ser danosa a indivíduos propensos a desenvolver doenças como: –Hipertensão arterial (excesso de NaCl) –Diverticulose (carência de fibras) –IAM (excesso de carne hiper-homocisteinemia) Alimentos com efeito protetor:Alimentos com efeito protetor: –Tomate (licopeno) proteção contra Ca de próstata –Uva escura (tanino) proteção contra doenças cardiovasculares –Álcool em doses moderadas e cereais HDL; LDL proteção cardiovascular


Carregar ppt "VIII. PATOLOGIA NUTRICIONAL E AMBIENTAL. RESPOSTA A SUBSTÂNCIAS EXÓGENAS A resposta a substâncias exógenas pode variar devido a: Sistemas enzimáticos:Sistemas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google