A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RISCO ECOTOXICOLÓGICO E SAÚDE HUMANA Helena M. T. Barros Disciplina:Ecologia BIOMEDICINA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RISCO ECOTOXICOLÓGICO E SAÚDE HUMANA Helena M. T. Barros Disciplina:Ecologia BIOMEDICINA."— Transcrição da apresentação:

1 RISCO ECOTOXICOLÓGICO E SAÚDE HUMANA Helena M. T. Barros Disciplina:Ecologia BIOMEDICINA

2 CONCEITOS: Saúde e Doença; Toxicologia e Ecotoxicologia O PRODUTO QUÍMICO Toxicocinética: absorção, distribuição, metabolismo, excreção Toxicodinâmica: receptores, efeitos, efeitos adversos RISCOS A SAÚDE HUMANA

3 SAÚDE HUMANA Saúde (antropologia médica)= relação equilibrada entre as pessoas; pessoas e natureza; entre pessoas e mundo sobrenatural Distúrbios X Doenças O que o paciente sente e que o leva a procurar ajuda Debilitação; degeneração; invasão; desequilíbrio; estresse;

4 SAÚDE HUMANA Saúde (antropologia médica)= relação equilibrada entre as pessoas; pessoas e natureza; entre pessoas e mundo sobrenatural Distúrbios X Doenças Uma alteração orgânica, constatada à partir de alteração na função (sintoma) em um órgão, decorrentes de alterações bioquímicas ou morfológicas causadas por uma agressão predisposição hereditária; causas mecânicas ou químicas: uso individual ou contato ambiental;

5 Teorias Leigas de Enfermidade Indivíduo Mundo natural Mundo social Mundo extranatural

6 SAÚDE HUMANA Saúde (OMS) = um estado de completo bem estar físico, mental e social Doenças X Saúde Uma alteração orgânica, constatada à partir de alteração na função (sintoma) em um órgão, decorrentes de alterações bioquímicas ou morfológicas causadas por uma agressão Causas Psicoquímicas

7 SAÚDE HUMANA Saúde (OMS) = um estado de completo bem estar físico, mental e social Doenças X Saúde (Patologia) X (Medicina Preventiva) O QUÊ? (sinais e sintomas) PORQUÊ? (etiologia) PORQUE COM AQUELE INDIVÍDUO? (etiologia x comportamentos, alimentos, hereditariedade, trabalho, moradia) PORQUE AGORA? (patofisiologia da doença) QUAL A EVOLUÇÃO? (história natural do evento sem tratamentos) QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS ? (morbidade/mortalidade) QUAL O TRATAMENTO? COMO PREVENIR? (primária, secundária, terciária)

8 TOXICOLOGIA CIÊNCIA QUE ESTUDA OS EFEITOS NOCIVOS DECORRENTES DA INTERAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS ou DE FENÔMENOS FÍSICOS COM O ORGANISMO Doença TOXICANTE x TOXICIDADE X INTOXICAÇÃO Tóxico ou toxicante (toxicon =veneno de flecha)- substância capaz de agir de maneira nociva, dose- dependente, provocando alterações estruturais e/ou funcionais) X Saúde SEGURANÇA- A certeza de que uso na quantidade e maneira proposta não resultará em dano- ALTA PROBABILIDADE DE NÃO PRODUZIR MALEFÍCIOS

9 ECOTOXICOLOGIA CIÊNCIA QUE ESTUDA OS EFEITOS NOCIVOS DECORRENTES DA INTERAÇÃO DE SUBSTÃNCIAS QUÍMICAS E DE FENÔMENOS FÍSICOS LIBERADOS PARA O AMBIETE Doença TOXICANTE x TOXICIDADE X INTOXICAÇÃO X Saúde SEGURANÇA RISCO- Probabilidade de um efeito adverso (MALEFÌCIO) ocorrer sob condições específicas

10 O produto químico Princípios ativos com finalidade terapêutica ou xenobióticos (qq substância estranha ao organismo vivo) em geral Intoxicações Fármaco/aditivos/ Produtos em geral = Veneno TOXICANTE Antídotos

11 EXPOSIÇÃO Via de introdução Toxicante Disponibilidade química CLÍNICA Intoxicação Sinais e sintomas TOXICOCINÉTICA TOXICODINÂMICA Absorção Distribuição Eliminação biotransformação Toxicidade Biodisponibilidade Natureza da ação

12 DOSESAN GUE LOCAL DA AÇÃO TECIDOS ELIMINAÇÃO Efeito ABSORÇÃO DISPOSIÇÃO DISTRIBUIÇÃO TOXICOCINÉTICATOXICOCODINÂMICA Relação dose-resposta Relação concentração-resposta AÇÃO EXCREÇÃO TOXICOCINÉTICA

13 APRESENTAÇÃO COMERCIAL DISSOLUÇÃO DESINTEGRAÇÃO TOXICANTE EM SOLUÇÃO FÍGADO VO PELE EV Livre ligado Tecidos periféricos Sítio de ação Barreiras lipóides Tecidos de eliminação Enzimas metabolizadoras

14 APRESENTAÇÃO DISSOLUÇÃO DESINTEGRAÇÃO DROGA EM SOLUÇÃO FÍGADO VO PELE AR Livre ligado Tecidos excretores Sítio de ação ABSORÇÃO TGI, cutânea, sc, mucosas, puilmão METABOLISMO ativação, desativação, polarização EXCREÇÃO urina, bile, saliva, mamas, pulmão REABSORÇÃO renal, enterohepática TECIDOS INDIFERENTES

15 toxicante inativo toxicante ativo ELIMINAÇÃOELIMINAÇÃO ATIVIDADE QUALITATIVAMENTE SEMELHANTE E QUANTITATIVAMENTE MAIOR, IGUAL OU MENOR ATIVIDADE QUALITATIVAMENTE DIFERENTE, MAIS TÓXICO AGENTE MENOS TÓXICO OU INATIVO

16 toxicante Lipofílico metabolicamente lábil polar hidrofílico Lipofílico metabolicamente estável Conversão metabólica oxidação redução hidrólise Conjugação ac. glicurônico sulfatos glicina Secreção ativa Excreção passiva RIM - urina FÍGADO-bile Metabólito polar Metabólito hidrofílico Acumulação Sequestração tecidos lipofílicos

17 DOSESAN GUE LOCAL DA AÇÃO TECIDOS ELIMINAÇÃO Efeito ABSORÇÃO DISPOSIÇÃO DISTRIBUIÇÃO TOXICOCINÉTICA TOXICODINÂMICA Relação dose-resposta Relação concentração-resposta AÇÃO

18 RECEPTORES Moléculas responsáveis pela regulação das funções de todas as células do organismo. Funções: ligação a moléculas ativas e propagação da mensagem.

19 RECEPTOR Estrutura bioquímica da membrana celular ou órgão onde o evento molecular de ligação com o fármaco ocorre, levando à um efeito. = Sítio da ação FFFCMPA

20 SUPERFAMÍLIAS Receptores ligados a canais ou ionotrópicos ou canais regulados por ligantes Receptores acoplados à proteína G ou metabotrópicos Receptores ligados à quinase Receptores que atuam na transcrição de genes

21 Quantificação da ação do toxicante R + DDR Efeito K A ligação K 1 K dissociação K -1 Atividade intrínseca (CLARK) FFFCMPA

22 EFEITO = [DR] (ARENS) FFFCMPA

23 EFEITO = (S) Função de Transdução do sinal Estímulo S = eficácia x fração ocupação do receptor (STEPHENSON) FFFCMPA HOJE: EFICÁCIA = ATIVIDADE INTRÍNSECA

24

25 H H CH 3 HO C - C - N OH H H I-Adrenalina HO C - C - N OH H H OH H CH 3 d-Adrenalina CH 2 -N-CH 3 \ H CH 2 -N-CH 3 \ H C CONTATO DE TRÊS PONTOS C CH 2 -N-CH 3 \ H CH 2 -N-CH 3 \ H CONTATO DE DOIS PONTOS FFFCMPA

26 Acetilcolina Propionicolina B Dose ( g/ml) Escala Logarítmica Máximo de Contração (%) Dose ( g/ml) Escala Aritmética 10.5 A Propionicolina Acetilcolina FFFCMPA

27 VARIAÇÃO EFEITO MÁXIMO MÍNIMOEFEITO DETECTÁVEL INÍCIO DOSE FFFCMPA

28 EFEITO MÁXIMO FFFCMPA DT DT 84 DT 16

29 a b c d e toxicante (mg/kg) Aumento no batimento cardíaco (batidas/min) FFFCMPA Nocivo Tóxico Muito tóxico

30 EFEITOS ADVERSOS TOXICIDADE AGUDA (SISTEMAS) TOXICIDADE SUB-AGUDA TOXICIDADE CRÔNICA MUTAGÊNESE CARCINOGÊNESE REPRODUÇÃO E TERATOGÊNESE EFEITOS LOCAIS-PELES E OLHOS; S. Respiratório SENSIBILIZAÇÃO CUTÂNEA (irritação, fotossensibilização)

31 RISCOS À SAÚDE HUMANA

32 MODO DE VIDA Local de moradia: Hemisfério Norte (osteomalácia) Hemisfério sul (Ca pele, desidratação)

33 RISCOS À SAÚDE HUMANA Vestuário / aderêços Tipo de tecido Tipo de modelos (justo/apertados; longos/curtos) Bijouterias/Jóias

34 RISCOS À SAÚDE HUMANA Higiene pessoal Água Troca de roupas Produtos utilizados Rituais de purificação

35 RISCOS À SAÚDE HUMANA Moradia (urbana x rural) Construção Localização Tamanho/divisões Número de ocupantes Aquecimento/resfriamento Tipo de fogão Parasitas: moscas, baratas,mosquitos, ratos

36 RISCOS À SAÚDE HUMANA Animais domésticos Natureza: (linforeticulose ou toxoplasmose –gatos; psitacose- papagaio; raiva- cães) Número Fora / dentro de casa Contato físico Animais selvagens

37 RISCOS À SAÚDE HUMANA Saneamento básico Destino do lixo: (pessoal ou coletivo) Forma de destino: (céu aberto; incineração; aterramento) Quem é encarregado Local: (residências, suprimento de alimentos, áreas de banho)

38 RISCOS À SAÚDE HUMANA Ocupação O que? (tipo; remuneração) Onde (pneumoconiose-carvão; ca bexiga-tinturarias; silicose-minérios, mesoteliomas-amianto)

39 RISCOS À SAÚDE HUMANA Hábitos Alimentares (aditivos; conservação) Lazer (sol, exercícios, turismo, artes) Sexuais Tatuagem-piercing Uso de reconfortantes químicos (ÁLCOOL E DROGAS) Estratégias de autotratamento (fitoterapia, automedicação)

40 Fatores que contribuem para o uso de álcool e outras drogas Leis federais Custo da droga Marketing Idade mínima para compra comunidade Pais Amigos Cumprimento da lei local Personalidade Genética Atitudes e crenças Resistência O indivíduo Influências sociais Influências ambientais Influências individuais Traficantes Acesso

41 RISCOS À SAÚDE HUMANA Uso intensivo e extensivo de substâncias químicas Efeitos para o homem + Efeitos ambientais ESTRESSOR AMBIENTAL: Agentes químicos, físicos ou biológicos que podem induzir efeitos adversos

42 RISCOS À SAÚDE HUMANA ESTRESSOR AMBIENTAL: Programa Internacional de Segurança Química O que- proteção da saúde, do ambiente e da vida Porque- risco decorrentes da produção, comercialização, uso, armazenagem, transporte, manuseio, descarte de produtos químicos, incluindo os industriais e os domésticos Para que- implementar estratégias de controle, avaliação, prevenção, gerenciamento dos efeitos adversos, para humanos e meio ambiente

43 RISCOS À SAÚDE HUMANA x RISCO ECOLÓGICO Probabilidade de efeitos adversos em seres humanos como resultado da exposição a estressores ambietais Efeitos adversos da exposição da biota a um ou mais estressores ambientais Contaminantes da água Aditivos alimentares Resíduos de pesticidas em alimentos Fármacos de uso veterinário Etc....

44 AVALIAÇÃO DE RISCOS À SAÚDE HUMANA Avaliação de risco socio-ambiental (ARSA) PARA prevenir, reduzir, controlar os riscos de um empreendimento, para manter a atividades dentro dos requisitos de segurança O QUE- avalia a probabilidade de efeitos adversos para biota ou humanos a um estressor em um dado sistema ambiental COMO - por simulação de vários cenários de exposição, sempre incluindo um cenário conservador, para não subestimar um problema PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO – GERENCIAMENTO DOS EFEITOS ADVERSOS- CORREÇÃO BASEADA EM RISCOS

45 PRINCÍPIO DE AVALIAÇÃO DE RISCO INTEGRADO Avaliação de risco socio-ambiental integrado Expressão coerente da avaliação dos resultados- consistência dos resultados humanos/ambientais, escalas temporais e espaciais iguais, coservação do ecosistema Interdependência- de efeitos adversos para biota e humanos Ex:´ algas; morte de peixes;

46 1)Tarefa (deverá será preparado para ser colocado no site da Farmacologia): O que fazer: Cada aluno escolhe um dos assuntos e prepara um slide show didático em Power Point (um por assunto). Como fazer: Resumido, usando palavras chave, com boa qualidade gráfica (letras suficientemente grandes para permitir a leitura na tela do computador) e com criatividade ( Ex: ilustrações, animação personalizada, cores agradáveis para o aprendizado). No máximo 4 slides para cada assunto. Não usar 1 slide só para título e nome do aluno, mas não esquecer de incluir o nome do aluno (no início) e a bibliografia utilizada (no transcorrer do material ou no rodapé do slide ao final- Ver formas de fazer citações tipo Vancouver) Pode conter hiperlinks com trabalhos ou www disponíveis na internet. Para quando: até 02 de maio- 1a versão OU até 14 de maio - última versão Para quem: OBS; Não serão considerados recebidos os trabalhos que não contenham a discriminação do assunto (FAVOR detalhar o assunto: 1a versão OU última versão: trabalho (1,2,3,ou...etc...) E título Caso voce não receba uma confirmação de recebimento em 48 horas, envie novamente

47 Tarefa (deverá será preparado para ser colocado no site da Farmacologia): Tópicos obrigatórios do slide show (sempre condizente com o título do assunto escolhido): 1.Uma descrição da(s) substância(s) ou agentes patogênicos envolvidos ou plantas) 2.Da população em risco toxicológico incluindo dados epidemiológicos nacionais e internacionais 3.Os ambientes propícios ou mais freqüentemente envolvidos nos riscos 4.Descrição das manifestações clínicas da intoxicação (de preferência com avaliação da freqüência e de gravidade) 5.Métodos de prevenção primária (individual, regulamentação de manipulação, leis locais, nacionais e internacionais de transporte e de eliminação) 6.Métodos de tratamento dos indivíduos envolvidos e de alteração do meio ambiente (de preferência com exemplos de algo que já está sendo feito no Brasil ou no mundo

48 Risco à Saúde Humana X Risco ambiental 1. Arsênico 2. Cádmio 3. Exposição ocupacional com Chumbo 3. Exposição ambiental ao Chumbo 4. Cromo 5. Manganês 6. Mercúrio 7. Acidentes nucleares 8. Exposição de pacientes à radiação (medicina e odontologia) 9. Exposição hospitalar à radiação (profissionais da saúde) 10. Exposição à radiação em usinas nucleares 11. Solventes: Benzeno 12. Exposição de trabalhadores a Solventes: Tolueno 13. Exposição proposital a Solventes: Tolueno

49 Risco à Saúde Humana X Risco ambiental 14. Exposição ocupacional ao formol 15. Exposição ocupacional ao xilol 16. Exposição ocupacional ao sangue e liq biológicos humanos 17. Intoxicação por medicamentos em crianças 18. Inseticidas 19. Herbicidas 20. Fungicidas 21. Domissanitários: Desinfetantes 22. Domissanitários: Agentes de limpeza 23. Plantas ornamentais 24. Fitoterapicos 25. Agentes metahemoglobinizantes 26. Amianto 27. Toxicologia gastrointestinal: Intoxicação alimentar (toxinas microbiológicas) 28. Toxicologia respiratória: Ar ambiental

50 Risco à Saúde Humana X Risco ambiental 29. Exposição ambiental a Plásticos 30. Exposição ocupacional a Plásticos 31. Acidentes ofídicos 32. Acidentes com aranhas 33. Acidentes com escorpiões 34. Aditivos alimentares: edulcorantes 35. Aditivos alimentares: conservantes 36: Aditivos alimentares: realçador de aroma 37. Aditivos alimentares: corantes 38. Micotoxinas: Aflatoxinas 39. Abuso de álcool 40. Tabagismo passivo

51 LEITURA COMPLEMENTAR Azevedo, F.A. e Chasin A. A.M. As bases toxicológicas da Ecotoxicologia. São Paulo: Intertox, Lubchenco J. Entering the century of the environment: a new social contract for science. Science 279: , Helman C.G. Cultura, Saúde e Doença. 4a Ed. Porto Alegre: Artmed, 2003 Oga, S. Fundamentos de Toxicologia. 2ª ed. São Paulo Editora Atheneu, 2003.


Carregar ppt "RISCO ECOTOXICOLÓGICO E SAÚDE HUMANA Helena M. T. Barros Disciplina:Ecologia BIOMEDICINA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google