A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Fonte : Artigo de Sérgio Biagi Gregório. 2 Religião de Jesus SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1 Religião; 2.2. Jesus Cristo. 3. Contexto Histórico.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Fonte : Artigo de Sérgio Biagi Gregório. 2 Religião de Jesus SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1 Religião; 2.2. Jesus Cristo. 3. Contexto Histórico."— Transcrição da apresentação:

1 1 Fonte : Artigo de Sérgio Biagi Gregório

2 2 Religião de Jesus SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1 Religião; 2.2. Jesus Cristo. 3. Contexto Histórico da Vinda de Jesus: 3.1. Judaísmo; 3.2. O Messias. 4. O Problema da Religião. 5. Jesus Cristo: 5.1. Nascimento e Infância; 5.2. A Pregação; 5.3. A Perspectiva da Cruz. 6. A Religião de Jesus: 6.1. Evangelho; 6.2. Jesus e os Apóstolos; 6.3. As Instruções aos Discípulos. 7. Conclusão. 8. Bibliografia Consultada. SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1 Religião; 2.2. Jesus Cristo. 3. Contexto Histórico da Vinda de Jesus: 3.1. Judaísmo; 3.2. O Messias. 4. O Problema da Religião. 5. Jesus Cristo: 5.1. Nascimento e Infância; 5.2. A Pregação; 5.3. A Perspectiva da Cruz. 6. A Religião de Jesus: 6.1. Evangelho; 6.2. Jesus e os Apóstolos; 6.3. As Instruções aos Discípulos. 7. Conclusão. 8. Bibliografia Consultada.

3 3 1. INTRODUÇÃO Professava Jesus alguma religião? Qual o alcance que devemos dar ao termo religião? Devemos ter uma religião ou sermos religiosos? Professava Jesus alguma religião? Qual o alcance que devemos dar ao termo religião? Devemos ter uma religião ou sermos religiosos? Estas e outras questões são pertinentes a este assunto. Estas e outras questões são pertinentes a este assunto. Assim, o nosso objetivo é enaltecer o ser religioso que há dentro da cada um de nós, independentemente da religião que venhamos a professar. Assim, o nosso objetivo é enaltecer o ser religioso que há dentro da cada um de nós, independentemente da religião que venhamos a professar.

4 4 CONCEITO RELIGIÃO CONCEITO RELIGIÃO A palavra religião é de origem latina (religio). O significado não é claro. Cícero ( a. C.) no De Natura Deorum afirma que a palavra vem da raiz relegere ("considerar cuidadosamente"), oposto de neglere, descuidar. Já Lactâncio, escritor cristão (m. 330 d.C.), diz que vem de religare ("ligar", "prender"). Para Cícero, a religião é um procedimento consciencioso, mesmo penoso, em relação aos deuses reconhecidos pelo Estado. Para Lactâncio, a religião liga os homens a Deus pela piedade. Um termo de partida e um de chegada, em que princípio e fim são os mesmos. As duas raízes complementam-se. (Enciclopédia Luso-Brasileira) A palavra religião é de origem latina (religio). O significado não é claro. Cícero ( a. C.) no De Natura Deorum afirma que a palavra vem da raiz relegere ("considerar cuidadosamente"), oposto de neglere, descuidar. Já Lactâncio, escritor cristão (m. 330 d.C.), diz que vem de religare ("ligar", "prender"). Para Cícero, a religião é um procedimento consciencioso, mesmo penoso, em relação aos deuses reconhecidos pelo Estado. Para Lactâncio, a religião liga os homens a Deus pela piedade. Um termo de partida e um de chegada, em que princípio e fim são os mesmos. As duas raízes complementam-se. (Enciclopédia Luso-Brasileira)

5 5 JESUS CRISTO JESUS CRISTO Jesus Cristo (de Jesoûs, forma grega do hebraico Joxuá, contração de Jehoxuá, isto é, "Jeová ajuda ou é salvador", e de Cristo, do grego Christós, corresponde ao hebraico Moxiá, escolhido ou ungido). Jesus Cristo (de Jesoûs, forma grega do hebraico Joxuá, contração de Jehoxuá, isto é, "Jeová ajuda ou é salvador", e de Cristo, do grego Christós, corresponde ao hebraico Moxiá, escolhido ou ungido).

6 6 CONTEXTO HISTÓRICO DA VINDA DE JESUS CONTEXTO HISTÓRICO DA VINDA DE JESUS 3.1. JUDAÍSMO 3.1. JUDAÍSMO O povo judeu, ao qual Jesus e os apóstolos pertenciam, fazia parte do grande império romano que estendia as asas das suas águias do Atlântico ao Índico. O jugo romano, porém, pesava de modo especial sobre a Palestina ao contrário dos outros povos. O povo judeu, ao qual Jesus e os apóstolos pertenciam, fazia parte do grande império romano que estendia as asas das suas águias do Atlântico ao Índico. O jugo romano, porém, pesava de modo especial sobre a Palestina ao contrário dos outros povos. O ambiente histórico-religioso em que os ensinamentos de Jesus floresceram é o do judaísmo, formado e alimentado pelos livros sacros do Antigo Testamento, condicionado pelos acontecimentos históricos, pelas instituições nas quais se encontrou inserido e pelas correntes religiosas que o especificaram. O ambiente histórico-religioso em que os ensinamentos de Jesus floresceram é o do judaísmo, formado e alimentado pelos livros sacros do Antigo Testamento, condicionado pelos acontecimentos históricos, pelas instituições nas quais se encontrou inserido e pelas correntes religiosas que o especificaram. Embora o cristianismo seja uma religião revelada, diferente da judaica, apareceu historicamente como continuação e aperfeiçoamento da revelação dada por Deus ao povo de Israel. Jesus era um judeu, que nasceu e viveu na Palestina. Os apóstolos eram todos da sua gente e da sua religião. (Battaglia, 1984, p. 118) Embora o cristianismo seja uma religião revelada, diferente da judaica, apareceu historicamente como continuação e aperfeiçoamento da revelação dada por Deus ao povo de Israel. Jesus era um judeu, que nasceu e viveu na Palestina. Os apóstolos eram todos da sua gente e da sua religião. (Battaglia, 1984, p. 118)

7 7 O MESSIAS O MESSIAS A idéia de um messias geralmente atribuída ao Judaísmo, é historicamente anterior e encontra-se em outras crenças, entre vários povos. Ela é explicada, porém, com base na concepção de um passado remoto em que os homens teriam vivido situação melhor e que voltaria a existir pela mediação entre os homens e a divindade, de um Salvador. A idéia de um messias geralmente atribuída ao Judaísmo, é historicamente anterior e encontra-se em outras crenças, entre vários povos. Ela é explicada, porém, com base na concepção de um passado remoto em que os homens teriam vivido situação melhor e que voltaria a existir pela mediação entre os homens e a divindade, de um Salvador. Emmanuel entretanto explica que os Capelinos, ao serem recebidos por Jesus, teriam guardado as reminiscências de seu planeta de origem e das promessas do Cristo, que as fortalecera ao longo do tempo, "enviando-lhe periodicamente os seus missionários e mensageiros. Emmanuel entretanto explica que os Capelinos, ao serem recebidos por Jesus, teriam guardado as reminiscências de seu planeta de origem e das promessas do Cristo, que as fortalecera ao longo do tempo, "enviando-lhe periodicamente os seus missionários e mensageiros. Os enviados do infinito falaram na china milenar, no Egito na Pérsia etc. Os enviados do infinito falaram na china milenar, no Egito na Pérsia etc. Entre os judeus a idéia do Messias Salvador surge entre os séculos IV e III a. C. pela literatura profética. É o ungido, o enviado de Iavé com a missão de instaurar o reino de Deus no mundo. (Curti, 1980, p. 35) Entre os judeus a idéia do Messias Salvador surge entre os séculos IV e III a. C. pela literatura profética. É o ungido, o enviado de Iavé com a missão de instaurar o reino de Deus no mundo. (Curti, 1980, p. 35)

8 8 O PROBLEMA DA RELIGIÃO O PROBLEMA DA RELIGIÃO Esta palavra, como tantas outras, quando estudada em profundidade, traz dificuldade de entendimento. Esta palavra, como tantas outras, quando estudada em profundidade, traz dificuldade de entendimento. Depois de evocada, vem à nossa mente um sistema de crenças, cuja ortodoxia dogmática deve ser seguida pelos seus adeptos. Depois de evocada, vem à nossa mente um sistema de crenças, cuja ortodoxia dogmática deve ser seguida pelos seus adeptos. O Espírito Emmanuel, contudo, esclarece-nos a diferença entre religiões e religião: religião é o sentimento divino que une a criatura ao Criador; as religiões são organizações dos homens, falíveis e imperfeitas como eles próprios, embora dignas de todo o acatamento pelo sopro de inspiração superior que as faz surgir. O Espírito Emmanuel, contudo, esclarece-nos a diferença entre religiões e religião: religião é o sentimento divino que une a criatura ao Criador; as religiões são organizações dos homens, falíveis e imperfeitas como eles próprios, embora dignas de todo o acatamento pelo sopro de inspiração superior que as faz surgir. Assim, se quisermos falar em RELIGIÃO DE JESUS, não podemos nos prender a nenhuma ortodoxia existente, mas ao sentimento que une o indivíduo a Deus. Negligenciando esta observação, podemos cair em graves erros e discussões infindáveis que não nos levam a lugar nenhum. Assim, se quisermos falar em RELIGIÃO DE JESUS, não podemos nos prender a nenhuma ortodoxia existente, mas ao sentimento que une o indivíduo a Deus. Negligenciando esta observação, podemos cair em graves erros e discussões infindáveis que não nos levam a lugar nenhum.

9 9 JESUS CRISTO NASCIMENTO E INFÂNCIA JESUS CRISTO NASCIMENTO E INFÂNCIA A história de Jesus, tal como se processou sua vida, é muito difícil de se reconstituir hoje, porque os Evangelhos são praticamente a única fonte existente a fornecê-la, e eles descrevem muito mais o que Jesus vem a significar, após a sua morte para a Igreja, do que os fatos tal como aconteceram. A história de Jesus, tal como se processou sua vida, é muito difícil de se reconstituir hoje, porque os Evangelhos são praticamente a única fonte existente a fornecê-la, e eles descrevem muito mais o que Jesus vem a significar, após a sua morte para a Igreja, do que os fatos tal como aconteceram. O Evangelho nos diz que para fugir à matança das crianças, a Sagrada Família julgou conveniente fugir para o Egito. Depois da morte de Herodes regressou do exílio e estabeleceu-se em Nazaré, na Galiléia. Aí passou Jesus a infância e a juventude, exalçando pelo exemplo, como operário na oficina de José, a dignidade do trabalho, no qual a Antigüidade vira unicamente a função própria do escravo. O Evangelho nos diz que para fugir à matança das crianças, a Sagrada Família julgou conveniente fugir para o Egito. Depois da morte de Herodes regressou do exílio e estabeleceu-se em Nazaré, na Galiléia. Aí passou Jesus a infância e a juventude, exalçando pelo exemplo, como operário na oficina de José, a dignidade do trabalho, no qual a Antigüidade vira unicamente a função própria do escravo. Além disso, pouco ou nada se sabe acerca de sua infância. Lucas limita-se a dizer que "...crescia e se fortalecia cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre Ele". (Lucas, 2, 40) Narra-se que certa vez, na Páscoa, quando contava 12 anos, seus pais o perderam, reencontrando-o só após três dias "...assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. E todos que o ouviam admiravam a Sua inteligência e respostas". (Lucas, 2, 46 e 47) Além disso, pouco ou nada se sabe acerca de sua infância. Lucas limita-se a dizer que "...crescia e se fortalecia cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre Ele". (Lucas, 2, 40) Narra-se que certa vez, na Páscoa, quando contava 12 anos, seus pais o perderam, reencontrando-o só após três dias "...assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. E todos que o ouviam admiravam a Sua inteligência e respostas". (Lucas, 2, 46 e 47)

10 10 A PREGAÇÃO A PREGAÇÃO Contava trinta anos quando começou a pregar a "Boa Nova". Compreende a sua vida pública um pouco mais de três anos (27 a 30 da era cristã). Utilizou-se, na sua pregação, o apelo combinado à razão e ao sentimento, por meio de parábolas ilustrativas das verdades morais. Contava trinta anos quando começou a pregar a "Boa Nova". Compreende a sua vida pública um pouco mais de três anos (27 a 30 da era cristã). Utilizou-se, na sua pregação, o apelo combinado à razão e ao sentimento, por meio de parábolas ilustrativas das verdades morais. As duas regiões de sua pregação: As duas regiões de sua pregação: 1) Galiléia (Nazaré) - as cercanias do lago de Genesaré e as cidades por ele banhadas, e principalmente Cafarnaum, centro a atividade messiânica de Jesus; 1) Galiléia (Nazaré) - as cercanias do lago de Genesaré e as cidades por ele banhadas, e principalmente Cafarnaum, centro a atividade messiânica de Jesus; 2) Jerusalém - que visitou durante quatro vezes durante o seu apostolado e sempre por ocasião da Páscoa. 2) Jerusalém - que visitou durante quatro vezes durante o seu apostolado e sempre por ocasião da Páscoa. Na Galiléia, percorrendo os campos, as aldeias e as cidades, Jesus anunciava às turbas que o seguem o Reino de Deus; é aí, também, que recruta os seus doze apóstolos e os prepara para serem as suas testemunhas. Ao mesmo tempo, vai realizando milagres. Na Galiléia, percorrendo os campos, as aldeias e as cidades, Jesus anunciava às turbas que o seguem o Reino de Deus; é aí, também, que recruta os seus doze apóstolos e os prepara para serem as suas testemunhas. Ao mesmo tempo, vai realizando milagres. Em Jerusalém, continuamente perseguido pela hostilidade dos fariseus (seita muito considerada e muito influente, que constituía a casta douta e ortodoxa do judaísmo), ataca a hipocrisia deles e esquiva-se às suas ciladas. Como prova de sua missão divina, apresenta-lhes a cura de um cego de nascença e a ressurreição de Lázaro. (Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira) Em Jerusalém, continuamente perseguido pela hostilidade dos fariseus (seita muito considerada e muito influente, que constituía a casta douta e ortodoxa do judaísmo), ataca a hipocrisia deles e esquiva-se às suas ciladas. Como prova de sua missão divina, apresenta-lhes a cura de um cego de nascença e a ressurreição de Lázaro. (Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira)

11 11 A RELIGIÃO DE JESUS Em que se funda a religião de Jesus? Onde podemos encontrar argumentos para fundamentar a sua existência? Em que se funda a religião de Jesus? Onde podemos encontrar argumentos para fundamentar a sua existência?

12 12 EVANGELHO O Evangelho é a única fonte fidedigna da vida e missão de Jesus Cristo. O Evangelho é a única fonte fidedigna da vida e missão de Jesus Cristo. Esta palavra vem do grego euangelion e significa "boa notícia", "boa nova". Buscando o conteúdo narrado por Mateus, Marcos, Lucas e João, teremos os subsídios necessários para a compreensão da religião de Jesus, ou seja, da boa nova que ele quis nos passar. Esta palavra vem do grego euangelion e significa "boa notícia", "boa nova". Buscando o conteúdo narrado por Mateus, Marcos, Lucas e João, teremos os subsídios necessários para a compreensão da religião de Jesus, ou seja, da boa nova que ele quis nos passar. Observe que Allan Ka12rdec, na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo escolhe, dentre as 5 divisões, o ensino moral, o único que não está afeito a controvérsias, podendo, inclusive, unir todas as crenças em torno da sua mensagem universalista. Observe que Allan Ka12rdec, na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo escolhe, dentre as 5 divisões, o ensino moral, o único que não está afeito a controvérsias, podendo, inclusive, unir todas as crenças em torno da sua mensagem universalista.

13 13 JESUS E OS APÓSTOLOS Em muitos aspectos, a relação entre Jesus e seus discípulos era semelhante às relações entre o rabino hebreu e seus discípulos. Em muitos aspectos, a relação entre Jesus e seus discípulos era semelhante às relações entre o rabino hebreu e seus discípulos. Os rabinos ou doutores da Lei reuniam em torno de si muitos discípulos, aos quais transmitiam a sua doutrina. Esses discípulos, por seu turno, podiam tornar-se rabinos e continuar a tradição que tinham recebido. Os rabinos ou doutores da Lei reuniam em torno de si muitos discípulos, aos quais transmitiam a sua doutrina. Esses discípulos, por seu turno, podiam tornar-se rabinos e continuar a tradição que tinham recebido. Os hebreus consideravam o próprio Jesus como um rabino que tinha os seus discípulos. Os hebreus consideravam o próprio Jesus como um rabino que tinha os seus discípulos. As relações entre Jesus e seus discípulos não eram exatamente iguais às relações que havia entre um rabino e seus discípulos. As relações entre Jesus e seus discípulos não eram exatamente iguais às relações que havia entre um rabino e seus discípulos. Jesus pedia uma adesão pessoal mais completa do que aquela que era pedida pelos rabinos. O seu discípulo deveria estar disposto a abandonar pai, mãe, filho e filha, a tomar a sua cruz e dar a vida no seguimento de Jesus. Como seu mestre, os discípulos deveriam abandonar suas casas, ficando sem ter onde repousar a cabeça. (Mackenzie, 1984) Jesus pedia uma adesão pessoal mais completa do que aquela que era pedida pelos rabinos. O seu discípulo deveria estar disposto a abandonar pai, mãe, filho e filha, a tomar a sua cruz e dar a vida no seguimento de Jesus. Como seu mestre, os discípulos deveriam abandonar suas casas, ficando sem ter onde repousar a cabeça. (Mackenzie, 1984)

14 14 AS INSTRUÇÕES AOS DISCÍPULOS "A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: Não tomeis rumo aos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos; mas, de preferência, procurai as ovelhas perdidas da casa de Israel; e, à medida que seguirdes, pregai que está próximo o reino dos céus. Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, purificai leprosos, repeli demônios; de graça recebestes, de graça dai. "A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: Não tomeis rumo aos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos; mas, de preferência, procurai as ovelhas perdidas da casa de Israel; e, à medida que seguirdes, pregai que está próximo o reino dos céus. Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, purificai leprosos, repeli demônios; de graça recebestes, de graça dai. Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de cobre nos vossos cintos; nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias, nem de bordão: porque digno é o trabalhador do seu alimento. Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de cobre nos vossos cintos; nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias, nem de bordão: porque digno é o trabalhador do seu alimento. E em qualquer cidade ou povoado em que entrardes, indagai quem neles é digno; e aí ficai até vos retirardes. Ao entrardes na casa, saudai-a; se, com efeito, a casa for digna, venha sobre ela a vossa paz; se, porém, não o for, torne para vós outros a vossa paz. E em qualquer cidade ou povoado em que entrardes, indagai quem neles é digno; e aí ficai até vos retirardes. Ao entrardes na casa, saudai-a; se, com efeito, a casa for digna, venha sobre ela a vossa paz; se, porém, não o for, torne para vós outros a vossa paz. Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras, ao sairdes daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés". (Mateus, 10, 5 a 14) Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras, ao sairdes daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés". (Mateus, 10, 5 a 14)

15 15 CONCLUSÃO Como vimos, Jesus não teve uma religião no sentido ortodoxo do termo, mas deixou-nos todos os fundamentos para a verdadeira religião, aquela que une todas as almas crentes num vínculo comum, em que o amor se expressa como o alimento de todas as almas. Como vimos, Jesus não teve uma religião no sentido ortodoxo do termo, mas deixou-nos todos os fundamentos para a verdadeira religião, aquela que une todas as almas crentes num vínculo comum, em que o amor se expressa como o alimento de todas as almas.

16 16 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA BATTAGLIA, 0. Introdução aos Evangelhos Um Estudo Histórico-crítico. Rio de Janeiro, Vozes, CURTI, R. Monoteísmo e Jesus. São Paulo, FEESP, Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura. Lisboa, Verbo, s. d. p. BATTAGLIA, 0. Introdução aos Evangelhos Um Estudo Histórico-crítico. Rio de Janeiro, Vozes, CURTI, R. Monoteísmo e Jesus. São Paulo, FEESP, Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura. Lisboa, Verbo, s. d. p. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Lisboa/Rio de Janeiro, Editorial Enciclopédia, s.d. p. Polis - Enciclopédia Verbo da Sociedade e do Estado. Lisboa/São Paulo, Verbo Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Lisboa/Rio de Janeiro, Editorial Enciclopédia, s.d. p. Polis - Enciclopédia Verbo da Sociedade e do Estado. Lisboa/São Paulo, Verbo Artigo de Sergio B. Gregório Artigo de Sergio B. Gregório

17 17


Carregar ppt "1 Fonte : Artigo de Sérgio Biagi Gregório. 2 Religião de Jesus SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1 Religião; 2.2. Jesus Cristo. 3. Contexto Histórico."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google