A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 TEMA: O RELACIONAMENTO DO EDUCADOR COM CRIANÇAS E JOVENS ASSISTIDOS EXPOSITORA: IRENE WENZEL GAVIOLLE Psicanalista – Psicóloga Clínica

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 TEMA: O RELACIONAMENTO DO EDUCADOR COM CRIANÇAS E JOVENS ASSISTIDOS EXPOSITORA: IRENE WENZEL GAVIOLLE Psicanalista – Psicóloga Clínica"— Transcrição da apresentação:

1 1 TEMA: O RELACIONAMENTO DO EDUCADOR COM CRIANÇAS E JOVENS ASSISTIDOS EXPOSITORA: IRENE WENZEL GAVIOLLE Psicanalista – Psicóloga Clínica 04/2010

2 2 Mostrar a importância do Educador e as relações que deve estabelecer com as crianças e jovens assistidos OBJETIVO

3 3 Educar é toda a influência exercida por uma pessoa sobre outra no sentido de despertar um processo de evolução. Promove autonomamente o aprendizado moral e intelectual. É um processo SEM FORMA DE COAÇÃO, pois o Educador apela para a vontade do educando e conquista-lhe a adesão voluntária. O que é Educação ?

4 4 Na condição de bebê é um corpinho frágil entregue à boa vontade e aos cuidados de seus semelhantes. Repousa confiante e indefesa diante dos adultos que o recebem. Quem é a criança?

5 5 1.Confiança e Ingenuidade – Incapacidade de ver malícia nos mais velhos 2.Curiosidade e Interesse – Formular perguntas – observar coisas – Usar todos os sentidos p/ captar o mundo exterior. 3.Absorção do ambiente e imitação. Particularidades comuns das crianças

6 6 4.Sinceridade – A criança não sofre de dissimulação Mentiras – São frutos do medo – Educação repressiva Manifestações da fantasia Infantil Sofrem o reflexo do hábito dos adultos à sua volta Particularidades comuns das crianças

7 7 Obs: Qto. Mais autoritária a educação mais depressa encontra os meios p/ se defender das surras A criança deve encontrar um ambiente acolhedor e pessoas que procurem melhorá-la, sem massacrar a sua individualidade. Particularidades comuns das crianças

8 8 5- Afetividade – Beijar – Abraçar – O adulto não ter entraves para mostrar a afetividade. Isto é saudável no Educação como em qualquer relação humana. Particularidades comuns das crianças

9 9 6- Fantasias e Brincadeiras – Fantasia ---- Capacidade de imaginar e criar com o pensamento coisas que à primeira vista não pertencem à realidade. Brincar É a capacidade de fazer de conta de agir dentro desse mundo da fantasia, de sair da lógica comum. SORRIR – BOM HUMOR – ALEGRIA - Não alimentar as fantasias da criança com conteúdos sombrios e negativos. Particularidades comuns das crianças

10 10 7- Criatividade É a inteligência em ação, em abertura, em dinamismo de aprendizagem e progresso. A criança precisa ser criativa para crescer. Educador ---- Estimular a criatividade da criança. Particularidades comuns das crianças

11 11 Puberdade --- (11 a 12 anos) Adolescência --- (13 a 18 anos) Na adolescência começa a se manifestar mais fortemente a personalidade do ser. Período muito diferente para cada indivíduo dependendo do tipo de infância do qual ele está saindo. Quem é o Jovem?

12 12 1- Impulsos diversos e repentinos 2- Melancolia ou Revolta 3- Desejo de Liberdade 4- Carência Afetiva 5- Rebeldia e Reivindicações 6- Autenticidade 7- Hipersensibilidade 8- Atração pelo Grupo 9- Despertar da sexualidade Quem é o Jovem? Características

13 13 Os impulsos sexuais torturam e atormentam o jovem. Hormônios (Testosterona (meninos) – Estrógenos (meninas) Os meninos se masturbam com freqüência. Comichão de mexer nos genitais. As meninas – Reúnem-se para falar de si mesmos. Sonhos do príncipe encantado. Menstruação – Masturbação. Quem é o Jovem? Despertar da Sexualidade

14 14 É aquele que procura despertar a consciência do educando, facilita o seu progresso integral. Um educador pode amar muitos educandos mas com cada um deve estabelecer uma relação individual. Amamos indivíduos e não massas ou grupos. Educação verdadeira é um ato de amor. Hoje --- AUTORITARISMO - Tentativa de moldar o outro à minha imagem e semelhança ou nos parâmetros de uma moldura social. - Domínio violento de um ser humano sobre outro. Abuso da força física. Quem é o Educador?

15 15 Exercem influência decisiva na vida de um ser. Se as relações entre ambos forem prolongadas. Se houver afinidade de tendências. Se o Educador tiver carisma e um magnetismo próprio de uma personalidade – Líder O Educador não pode deixar que o jovem crie uma idolatria sobre ele. Estimular para que o jovem siga seus próprios caminhos. Quem é o Educador? Sua Influência sobre o jovem e a criança

16 16 Diálogo. Não é algo que se improvisa repentina. Ele é sempre fruto de uma relação de confiança entre duas pessoas. Se inicia desde a infância. Condição básica para o diálogo é a compreensão derivada do AMOR. Quando alguém se preocupa conosco, que nos aceita a confiança será natural. O VERDADEIRO DIÁLOGO BASEIA-SE NA ACEITAÇÃO DO OUTRO, MAS NÃO NA CONDESCENDÊNCIA COMPROMETEDORA COM VÍCIOS, ERROS E DESVIOS MORAIS. Quem é o Educador? Sua Influência sobre o jovem e a criança

17 17 Autoridade. Medo de perder o amor da criança. Os jovens não dão afeto a pessoas que não respeitam. Engolir sapo – significa deseducar Grande probabilidade de estar criando um tirano. Negociações – Estabelecer através do diálogo o prazo de execução e deixar claro as conseqüências caso não cumpra a parte do acordo. O que é combinado é barato Quem é o Educador? Sua Influência sobre o jovem e a criança

18 18 A pedra filosofal dos relacionamentos humanos globais pode ser buscada por meio da compreensão e prática da convivência no cotidiano. O relacionamento perfeito pode não existir, mas é uma constante aspiração de todo cidadão que se preze e queira o bem da sociedade. CONCLUSÃO

19 19 A Educação – Dora Incontri Adolescentes – Quem ama, educa Uma Vida para seu filho. Bruno Bettelheim. BIBLIOGRAFIA


Carregar ppt "1 TEMA: O RELACIONAMENTO DO EDUCADOR COM CRIANÇAS E JOVENS ASSISTIDOS EXPOSITORA: IRENE WENZEL GAVIOLLE Psicanalista – Psicóloga Clínica"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google