A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Expositora: Ana Nilce Silveira Maia Elkhoury Data: 06 de novembro de 2003 OFICINA DE TRABALHO MANUAL DE LEISHMANIOSE DE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Expositora: Ana Nilce Silveira Maia Elkhoury Data: 06 de novembro de 2003 OFICINA DE TRABALHO MANUAL DE LEISHMANIOSE DE."— Transcrição da apresentação:

1 Expositora: Ana Nilce Silveira Maia Elkhoury Data: 06 de novembro de 2003 OFICINA DE TRABALHO MANUAL DE LEISHMANIOSE DE VISCERAL » Vigilância Canina

2 Vigilância Canina

3 Ações de Vigilância Canina Alertar quanto ao risco de transmissão da LVC; Divulgar sobre a ocorrência da LVC; Desencadear outras ações de prevenção; Desencadear as ações de investigação de foco, em municípios silenciosos, com suspeita ou confirmação de caso canino

4 Monitoramento Inquérito Sorológico Amostral Inquérito sorológico Censitário Ações de Vigilância Canina

5 Monitoramento Inquérito sorológico Amostral: Municípios silenciosos e receptivos: FINALIDADE – verificar a ausência de enzootia. Municípios com transmissão moderada e/ou intensa: FINALIDADE – identificar as taxas de prevalência em cada setor, a fim de identificar as áreas prioritárias para implementar as ações de controle. Inquérito sorológico Censitário: Municípios silenciosos e receptivos com população canina menor que 500 cães; Setores urbanos classificados como de transmissão moderada ou intensa; Zona rural de municípios classificados em qualquer uma das situações de LV. FINALIDADE – controle e avaliação da prevalência.

6 Inquérito Sorológico Amostral Estratégia: 1.Definir a área a ser avaliada 2.Estratificar o município –Setores do PEAa –Outra * É necessário que os quarteirões ou outra unidade de agregação de residência estejam numerados.

7 Amostragem: –Amostragem estratificada por conglomerados: quarteirão –Cada setor será calculada uma amostra Considerando: »número de cães do setor (conhecido ou estimado) e »a prevalência canina conhecida ou esperada ou utilizar a 2%. Escolha do tamanho da amostra Inquérito Sorológico Amostral

8

9 Estimando o número de cães por quarteirão: Supondo-se que o Município X tem em média: –1 setor = 1500 imóveis = 75 quarteirões –1 quarteirão = 20 imóveis –1 imóvel = 4 habitantes –1 cão = 5 habitantes Inquérito Sorológico Amostral

10 Calculando o número de cães por setor: 1 cão - 5 habitantes x - 80 habitantes x = 16 cães, i é, o número médio de cães /quarteirão. Então: 75 quarteirões x 16 cães = 1200 cães /setor

11

12 Calculando o número de quarteirões a serem sorteados = Q Q = n x2 = 430 x 2 = 53,75 = 54 Â 16 Onde: n = nº de cães previstos na amostra por setor 430 Â = número médio de cães por quarteirão 16 portanto deveremos sortear 54 quarteirões para visitar 50% dos imóveis existentes neste quarteirão.

13 Sorteio dos quarteirões: Para o sorteio dos quarteirões utilizar: – cartões, sem reposição ou –a tabela de números aleatórios: Dado um setor com quarteirões numerados onde o maior número de um dos quarteirões no setor é 389, Sortear o primeiro número da tabela, que será o primeiro quarteirão; e prosseguir seguindo para baixo e a direita.

14 Seleção do primeiro quarteirão :

15 Sorteio dos quarteirões:

16 Coleta das amostras: Uma vez sorteados os 54 quarteirões; Deverão ser visitadas 50% dos imóveis, isto é, casa sim – casa não. N

17 Coleta das amostras: RECUSA N

18 Atenção! Setores com população canina inferior a 500 cães deverão ser reagrupados a um ou mais setores contíguos; Municípios com população canina inferior a 500 cães, deverá ser realizado o inquérito censitário.

19


Carregar ppt "Expositora: Ana Nilce Silveira Maia Elkhoury Data: 06 de novembro de 2003 OFICINA DE TRABALHO MANUAL DE LEISHMANIOSE DE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google