A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prevenção de LER/DORT no trabalho de caixa e ineficácia da norma José Marçal Jackson Filho FUNDACENTRO/RJ Brasília, 25 de abril de 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prevenção de LER/DORT no trabalho de caixa e ineficácia da norma José Marçal Jackson Filho FUNDACENTRO/RJ Brasília, 25 de abril de 2012."— Transcrição da apresentação:

1 Prevenção de LER/DORT no trabalho de caixa e ineficácia da norma José Marçal Jackson Filho FUNDACENTRO/RJ Brasília, 25 de abril de 2012

2 Introdução Campo da saúde, Trabalho e Direito (Vasconcelos e Oliveira, 2011) –Relação entre trabalho de caixa e LER/DORT, como explicar o adoecimento –O que fazer para prevenir? Como proteger os trabalhadores de determinantes organizacionais? Eficácia da norma que visa a proteção da saúde –NR 17 e seu anexo I –Não é eficaz, pois o adoecimento é inerente ao modo de produção? ou porque sua elaboração final não contempla fatores essenciais para a prevenção?

3 Os efeitos da reestruturação tecnológica nos supermercados Setor passou por forte reestruturação: automação do trabalho dos operadores de caixa (DIEESE, 1999). Objetivo: aumentar o fluxo de produtos. Intensificação do trabalho com introdução do scanner: 2 a 3 min por cliente, 1 artigo a cada 3s, 20 clientes por hora (INRS, 1994). Desenho do trabalho multi-tarefa: atendimento, segurança, entrada de dados, cobrança, ensaque, pagamentos diversos...

4 Contradição entre: modelo industrial prestação de serviço

5 Características da população e do estado de saúde Alta prevalência de problemas músculo- esqueléticos: 37,2% (Ryan, 1989) e 15% (INRS, 1994). A escanerização aumentou as queixas referidas (INRS). População jovem (< 25 anos) baixo tempo de serviço. Fenômeno de auto-exclusão.

6 Trabalho físico 20% dos objetos pesam de 1 a 7 kg. Trabalho de pé em boa parte da jornada. Postura imposta pela pressão das filas, clientes e hierarquia. A tarefa de ensaque provoca aumento da taxa de freqüência e de acidentes e maior número de dias de afastamento. Deve ser proibida (INRS, 1994) Desenho do trabalho e dos check-outs.

7 Trabalho sob pressão e sob tensão: aspectos emocionais e cognitivos Manipulação de valores, violência Injunções contraditórias: amáveis com clientes, mas desconfiados; rapidez e qualidade. Pressão da fila, dos clientes e da hierarquia Recebem efeitos dos disfuncionamentos Atenção permanente (visão, escuta, etc), memorização.

8 duro fisicamente, sob pressão e sob tensão, Embora aparentemente simples, o trabalho dos operadores de caixa é complexo, além de: A margem de ação dos operadores é limitada.

9 Pode-se, então, compreender a relação entre DORT e trabalho dos OC e, sobretudo, do peso dos fatores organizacionais. As DORT são efeito inevitáveldo sistema de produção?

10 Análise Ergonômica do Trabalho (NR-17) Dirigida por um problema Atividade (trabalho real) é analisado a partir das exigências colocadas pela empresa (trabalho prescrito) Princípios metodológicos Diagnóstico e transformação

11 Determinantes Trabalhar Construção Saúde

12 demanda hipóteses observações diagnóstico Primeiras pistas: ensaque ou pesagem?

13 Pesagem ou ensaque Primeiras pistas: ensaque ou pesagem?

14 Produtos pesados tais como leite, os operadores chamam sempre os orientadores de caixa pra contar as mercadorias, pra conferir Em relação ao acondicionamento do produto, a gerência afirma que estaria a cargo do operador de caixa, e que há pessoas no apoio mas que não cobrem a frente de caixa toda. Acha que os problemas de saúde dos operadores são muito mais relacionadas a pulso do que a ombro; na sua opinião estão mais relacionados com a digitação do que com carregar os produtos; mais digitação dependendo da forma de pagamento A tarefa segundo o supervisor

15 Loja SM, movimento

16 Observações sistemáticas Diagnóstico Mais tempo no ensaque Gestos extremos no ensaque. Compatível com perfil de morbidade. Loja SM

17 produtos clientes Estado dos equipamentos fila Formas de pagamento Desenho dos check-outs

18 Observações sistemáticas Diagnóstico Mais tempo no ensaque Gestos extremos no ensaque. Desenho inibe ajuda dos clientes, bloqueia fluxo. Poucos embaladores. Loja SM

19 Conclusões baseadas na AET Adoecimento Projeto organizacional e dos equipamentos

20 O que fazer para prevenir? Como proteger os trabalhadores da intensidade do trabalho e dos riscos biomecânicos?

21 Prevenção depende da limitação da exposição e controle das fontes de pressão.

22 Para prevenir é preciso ir para além da norma (anexo 1 da NR17)

23 A organização do trabalho Princípio: através de medidas organizacionais manter nível de densidade de trabalho adequado e evitar formas de avaliação de desempenho através de estímulo à produção.. Medidas para garantir pausasMedidas Tarefas de risco: pesagem e ensaque (não é recomendável) Anexo 1 NR 17

24 Proibir a realização do ensaque pelos operadores de caixa Pausas para diminuir a exposição aos clientes, permitir a recuperação diante da grande manipulação É PRECISO PORTANTO

25 Após compreender a relação entre DORT e trabalho dos OC e, sobretudo, do peso dos fatores organizacionais pode-se dizer que: As DORT são efeito INEVITÁVEL do sistema de produção? A adoção de medidas normativas como as propostas poderá diminiur substancialmente a prevalência das LER/DORT.

26 26 Obrigado a todos e a todas!


Carregar ppt "Prevenção de LER/DORT no trabalho de caixa e ineficácia da norma José Marçal Jackson Filho FUNDACENTRO/RJ Brasília, 25 de abril de 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google