A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Análise de Projeto do Sistema Produtivo Professor: Fabiano Sá

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Análise de Projeto do Sistema Produtivo Professor: Fabiano Sá"— Transcrição da apresentação:

1 Análise de Projeto do Sistema Produtivo Professor: Fabiano Sá

2 2 UERJ Análise de Projeto do Sistema Produtivo Conteúdo Programático: 2.1 Introdução 2.2 O que é Gerência de Operações? 2.3 Diferenças entre Manufatura e Serviços 2.4 Tendências na Gerência de Operações 2- Operações de Sistemas de Produção

3 3 UERJ O Gerenciamento das Operações é uma atividade que atinge todos os ramos de organizações (indústria, comércio e serviços); Ela está em todos os setores da organização. Sua dinâmica de operacionalização ocorre através da utilização das funções básicas da administração (Planejar, Organizar, Comandar, Controlar e Coordenar), com o objetivo de promover com êxito as atividades inerentes à empresa, é a função administrativa responsável pela produção de bens e serviços. Introdução:

4 4 UERJ Introdução: Originalmente, o Gerenciamento de Operações era visto como muito mais associado ao setor de manufatura. Nos anos de 1970 e 1980 o termo Gerenciamento de Operações tornou-se mais comum. Foi usado para refletir duas tendências: A primeira foi a de que as abordagens utilizadas no setor industrial poderiam igualmente ser aplicadas no setor de serviços; A segunda foi de ampliar o escopo incluindo os processos essenciais relacionados à produção como compras, logística, vendas e assim por diante.

5 5 UERJ Todo negócio pode ser definido como um conjunto de processos relacionados e interdependentes desde o momento em que os insumos entram no processo até o momento que saem na forma de produto acabado ou serviço. Para entender a perspectiva de processos é necessário entender a idéia de que todos os processos transformam entradas em saídas. Introdução:

6 6 UERJ Os processos de transformação podem ser de vários tipos: De materiais - processam suas propriedades físicas (forma, composição, características), localização (empresas distribuidoras ou de frete) ou posse (empresas de varejo). Introdução:

7 7 UERJ Os processos de transformação podem ser de vários tipos: De informações - processam a forma da informação (ex. contadores), localização (ex. empresa de telecomunicações) ou posse (ex. consultoria, serviços de notícias, etc). Introdução:

8 8 UERJ Introdução: Os processos de transformação podem ser de vários tipos: De consumidores – processam condições físicas (ex. médicos), de localização (acomodação: ex. hotéis), de estado psicológico (indústria do entretenimento), etc.

9 9 UERJ Representação Gráfica de um Sistema de Produção Introdução: Fabiano Sá

10 Introdução: Princípios de Operação: As atividades de gerenciamento de operação podem ser agrupadas em quatro grandes categorias: Direcionar a estratégia global da operação; Projetar os produtos; Serviços e processos da operação; Planejar, controlar a entrega e desenvolver o desempenho do processo.

11 Gerência de Operações O que é? É a atividade de gerenciamento estratégico dos recursos escassos (humanos, tecnológicos, informacionais e outros), de sua interação e dos processos que produzem e entregam bens e serviços visando atender a necessidades e de qualidade, tempo e custo de seus clientes.

12 Gerência de Operações Algumas das questões abordadas pela gerência de operações são: pesquisa e desenvolvimento de um novo produto - gerentes de operações estão envolvidos nas decisões sobre a logística de fabricação de um novo produto: os custos, as habilidades necessárias, o equipamento e o treinamento de pessoal para fazer tudo acontecer gestão das instalações - são assuntos em que o gerente pode estar envolvido: regulamentos ambientais, remoção de lixo ou eliminação do lixo dos processos, locações, segurança e saúde dos empregados.

13 Gerência de Operações fabricação e produção - é neste ponto que os gerentes de operações geralmente terão o maior impacto (dependendo do tipo de negócio). Ambos os processos precisam de revisão e melhoramento constantes; cadeia de fornecimento - níveis e preços de compra, assim como armazenamento de matéria-prima e outros componentes do produto fazem parte do trabalho do gerente. Sob o ponto de vista das operações, são todos processos que devem ser revisados e melhorados freqüentemente;

14 Gerência de Operações gestão de qualidade - voltando ao assunto da satisfação do cliente, o nível de qualidade deve ser mantido tanto na produção do produto como no ambiente onde é produzido. Trabalhadores felizes fazem produtos melhores. As operações representam um grande papel na análise e melhora de qualidade em cada aspecto do negócio; vendas e marketing - pesquisa de mercado e feedback de clientes são importantes para a criação de um programa de marketing de sucesso, bem como o desenvolvimento de novos produtos. Trabalhando junto com o marketing, as operações podem ajudar a companhia a preencher todas as necessidades dos clientes (Percepção dos clientes);

15 Gerência de Operações recursos humanos - também podem fazer parte do papel do gerente de operações: identificar o melhor número de empregados para cada departamento e a organização geral de pessoal e estruturas de relatórios; finanças - fornecer os custos para cada fase da operação, a fim de preparar os orçamentos adequados e estimar informações precisas sobre lucro/prejuízo. O reparo e substituição de bens de capital também fazem parte desse assunto.

16 Gerente de Operações O gerente de operações procura criar estruturas e regras de decisão que permitam o sistema desempenhar de acordo com o esperado. Isso é feito, por exemplo, através do desenvolvimento e implementação de políticas que propiciem o uso eficaz e eficiente dos recursos destinados à produção e entrega dos produtos e serviços aos clientes. O gerenciamento de operações deve ser pertinente a todas as funções, unidades e grupos dentro da organização Gerência de Operações

17 Reunião Gerencial 1 Segurança 2 Gerenciamento de Pessoal 3 Qualidade 4 Controle Global da Produção (Input – processamento – output) 5 Custos 6 Projetos 7 ou 1 Situação atual Gerência de Operações

18 Diferenças entre Manufatura e Serviços Classificação dos sistemas produtivos quanto ao tipo de produto: Manufatura: quando há a transformação física da matéria- prima em um bem tangível. Ex. montadora de automóveis, fábrica de móveis, beneficiamento de palmito, de castanha. Prestador de serviços: quando o produto gerado é intangível e não existe conversão de material, mas sim, do consumidor que se submete ao processo de serviço a fim de ser tratado pelo sistema. Ex. salão de cabeleireiro, cinema, hospital.

19 Classificaçao dos sistemas de produçao por tipo de operaçao Operações de Manufatura Cada tipo de operação em manufatura requer uma forma diferente de organização das atividades produtivas, tendo com isso alterações no volume e variedade de produtos fabricados. Sistemas de produção contínua Sistemas de produção em massa Sistemas de produção em lote ou intermitente Sistemas de produção de grandes projetos Diferenças entre Manufatura e Serviços

20 Sistemas de produção contínua Grandes volumes de produção, implicando em um grau elevado de repetição de tarefas; Baixíssima variedade de produtos (produtos altamente padronizados); Alta eficiência, devido ao investimento tecnológico; Grande uso de tecnologia; Os custos fixos são diluídos em um grande número de produtos Tarefas extremamente repetitivas; Acentuada inflexibilidade; Capital intensivo. Exemplos: refinarias petroquímicas, siderurgia, instalações de eletricidade; fábricas de papel.

21 Sistemas de produção em massa Fabricação em larga escala (Menor que na produção contínua) Poucos produtos Pequeno grau de diferenciação nos produtos; Exemplos: montadoras de automóveis, produção de geladeiras, fogões, aparelhos de ar-condicionado etc. Diferenças entre Manufatura e Serviços

22 Sistemas de produção em lote ou intermitente Revezamento de produtos nas máquinas; Equipamentos adaptáveis; Mão-de-obra mais especializada; Ineficiência gerada pela perda de tempo nos rearranjos das máquinas. Exemplos: fabricação de sapatos, móveis, metalúrgicas; alimentos industrializados etc.

23 Sistemas de produção de grandes projetos O produto é geralmente único; Não há fluxo do produto; Seqüência de tarefas de longa duração; Ausência de repetitividade; Elevados custos de projetos; Dificuldade de planejamento e controle; Baixo volume e alta variedade; Período de projeto relativamente longo. Exemplos: pontes, aviões, navios, usinas hidroelétricas etc. Diferenças entre Manufatura e Serviços

24 Operações de serviços Quaisquer atividades colocadas à venda que proporcionem benefícios e satisfações valiosas; atividades que o cliente prefira ou não possa realizar por si próprio. (Bessom, 1973). Características dos serviços: 1. Inseparabilidade 2. Intangibilidade 3. Perecibilidade 4. Variabilidade Diferenças entre Manufatura e Serviços

25 Características de Serviços Inseparabilidade expressa a noção de que um serviço não pode ser separado do provedor do mesmo.

26 Características de Serviços Perecibilidade expressa a noção de que um serviço não pode ser feito com antecedência e armazenado. A produção do serviço e seu consumo se dão no mesmo momento.

27 Características de Serviços Intangibilidade expressa a noção de que um serviço não tem nenhuma substância física. O que fica de posse do consumidor é O RESULTADO da prestação do serviço.

28 Características de Serviços Variabilidade expressa a noção de que um serviço pode variar em padrão ou qualidade de um fornecedor para outro.

29 29 UERJ Classificação dos tipos de processos para serviços Classificação dos tipos de processos para serviços Serviços profissionais Serviços profissionais São baseados em pessoas O ênfase está no processo ou como o serviço é feito. Em geral ocorre nas instalações do cliente. Exemplos: Exemplos: Serviços de consultores, alguns advogados, prestadores de serviço à domicílio.

30 30 UERJ Classificação dos tipos de processos para serviços Lojas de serviço Baseado no contato com o cliente. Possui atividades de linha de frente e de retaguarda distintas. Há um equilíbrio entre processo e produto. Demanda instalações próprias e adequadas ao tipo de serviço.Exemplos: Bancos,lojas de comércio em geral, lojas de shopping, empresas de locação, hotéis, restaurantes.

31 31 UERJ Classificação dos tipos de processos para serviços - operações: Serviço de massa Pouco contato com o cliente. Orientados para produtos específicos. São padronizados, pouco flexíveis.Exemplos: Supermercados, aeroportos, empresas de transporte (aéreo, rodo, ferro e hidroviário), empresas de comunicação (TV, rádio, jornal).

32 32 UERJ Diferenças entre Manufatura e Serviços A uniformidade dos insumos necessários Na indústria é possível controlar com algum rigor a quantidade e a qualidade desses insumos. já no caso de serviços, é muito variado o que se exige em termos de insumos para a prestação do serviço.Ex. No caso da consulta médica, podem variar os instrumentos utilizados no exame do paciente, bem como o que se exige da habilidade do médico. O grau de padronização daquilo que é oferecido No caso da manufatura, é possível colocar no mercado produtos praticamente idênticos para todas as finalidades práticas. Por outro lado, rigorosamente falando, não há possibilidade de se prestar duas vezes o mesmo serviço exatamente da mesma maneira.

33 33 UERJ Tendências na Gerência de Operações As grandes mudanças no cenário competitivo nas últimas décadas do século passado deram um novo conceito a Gerência de Operações. As questões gerenciais acerca da produção de bens e serviços e da logística por longo tempo permaneceram à margem do interesse principal, tanto da academia quanto dos executivos, na suposição de que todos os problemas de produção já estavam resolvidos. Vista como área neutra, a produção mostrava-se fechada sobre si mesma, dando excessiva ênfase ao instrumental quantitativo.

34 34 UERJ A história mostrou que nem todos os problemas de produção estavam resolvidos A busca de explicações, para a então superior capacidade de competir das empresas japonesas, identificou entre as causas do declínio das empresas, práticas gerenciais ultrapassadas baseadas nos princípios da produção em massa, uma ênfase exagerada em aspectos de curto prazo, a fragilidade tecnológica, a negligência com os recursos humanos, sobretudo no chão de fábrica, e falhas na cooperação em todos os níveis e direções. Tendências na Gerência de Operações

35 35 UERJ Dessa maneira surgiu uma tendência na direção de esforços mais colaborativos, desenvolvidos por equipes de pesquisa, podendo-se creditá-la a uma natureza mais integradora da pesquisa em operações, ou seja, mais abrangente funcional e interfuncionalmente. Uma tendência que deve ser cada vez mais aprofundada, o modelo Just in time e o movimento da qualidade. Tendências na Gerência de Operações

36 36 UERJ O resultado esperado para as novas tendências na Gerência de Operações deverá ser: Customização – individualização dos clientes. Automação – computadores e softwares, incorporação de tecnologias. Menor custo operacional – organização, profissionais com múltiplas habilidades. Compromisso com o meio ambiente – reciclar, reusar, reverter, responsabilidade e custos sociais. Gestão do conhecimento – compartilhar conhecimentos para melhoria do desempenho. Tendências na Gerência de Operações


Carregar ppt "Análise de Projeto do Sistema Produtivo Professor: Fabiano Sá"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google