A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Motivações e Aprendizado Incubadora de Desenvolvimento Social

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Motivações e Aprendizado Incubadora de Desenvolvimento Social"— Transcrição da apresentação:

1 Motivações e Aprendizado Incubadora de Desenvolvimento Social
7º Encontro – Rede de Incubadoras, Parques Tecnológicos e Pólos do Rio de Janeiro Motivações e Aprendizado Incubadora de Desenvolvimento Social José Alberto S. Aranha - Instituto Gênesis - PUC-Rio Rio, 27 de agosto de 2004

2 Situação do Jovem no Mundo
Desemprego Global 2003 – 186 milhões de pessoas 47% dos desempregados entre 15 e 24 anos Total de jovens desocupados - 88 milhões de pessoas Crescimento da população jovem nos últimos 10 anos – 10,5% Crescimento do emprego dos jovens no mesmo período – 0,2% Crescimento da taxa global de desemprego dos jovens - 26,8% Tendências globais do emprego para a juventude OIT

3 Situação do Jovem no Brasil
15% da população economicamente ativa estava desempregada em 2000, . Censo Demográfico de 2000 ( IBGE) Jovens de 16 e 24 anos representavam 20% da população economicamente ativa e 44% de todos os desempregados. Total de 61 Milhões de jovens entre 15 e 34 anos. Ministério do Trabalho e Emprego – Veja 4/6/03

4 Importância das Micro empresas De 1995 a 2000, as firmas de até 100 funcionários criaram 96% dos novos empregos no Brasil. Hoje 45% dos trabalhadores registrados estão em MPEs.

5 Problemas das Micro empresas
As MPEs representam 96% das empresas que faliram entre 2000 e 2002 sendo que 49,4% fecharam em até 2 anos Apenas 6% das MPEs faturaram acima de R$ 120 K/ano com média de 3,2 empregados 82% dos empreendedores que fecharam, perderam mais da metade do valor investido (R$ 19,8 b). 74% destes eram de recursos próprios. Pesquisa Sebrae

6 Principais causas da falência
Diagnóstico Principais causas da falência interna - falta de habilidade gerencial (falta de planejamento) externa – dificuldade em fazer capital de giro e carga tributária. Perfil do empreendedor 47% iniciaram sem experiência ou conhecimento do ramo 63% eram homens com idade entre 30 e 49 anos, 30% vieram do setor privado e 26% eram autônomos 46% terminaram o ensino médio e 29% concluíram o superior Pesquisa Sebrae

7 Inovação e as MPEs Nos EUA, as empresas inovadoras recém-criadas (micro e pequenas) são responsáveis por 95% das inovações radicais desde a II Guerra, 77% dos 34 milhões de novos empregos desde 1980 e 50% das inovações tecnológicas. Jeffrey Timmons

8 Nova Missão da Universidade Cursos de Pós Graduação
Desenvolvimento Regional Pesquisa Foco Académico INOVAÇÃO Graduação Extensão Disciplinas Empreendedoras Cursos de Pós Graduação Sociedade Seqüencial de Empreendedorismo

9 Pesquisa como produção de conhecimento
Missão da PUC-Rio Foco Comunitário Pesquisa Ensino Extensão Pesquisa como produção de conhecimento Ensino associado à transmissão de conhecimento Extensão como apropriação pela sociedade

10 Missão do Gênesis Transferir conhecimento da Universidade para a Sociedade contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de uma determinada região através da formação de empreendedores e da geração de empreendimentos inovadores.

11 Incubadora Tecnológica da PUC-Rio
2003 2002 2001 Empreendimentos Incubados Gênesis ,00 ,00 ,00 Empreendimentos Graduados Gênesis ,00 ,00 ,00 TOTAL ,00 ,00 ,00 Residentes e Graduadas – 329 pessoas Graduadas que permanecem no mercado - 95% Êxito de incubadas – 88% Lygia Magacho

12 Motivação da Incubadora Cultural
Mercado Cultural no Rio de Janeiro* Setor Cultural no PIB do Estado do Rio – 3,8% Indústria Cultural – R$ 5,1 bilhões R$ 429 milhões ICMS Arrecadação igual indústria de bebidas e maior que metalurgia e alimentos Arrecadação igual a da indústria de bebidas e maior que setores tradicionais como metalurgia e alimentos. Criação da Inc. Cultural para atender essa demanda de conteúdo, criatividade e tecnologia que surge. *Dados de 1999 do livro Economia da Cultura

13 Artes no Brasil O setor cultural brasileiro emprega mais do que as indústrias automobilísticas e eletrônica juntas. O número de empregados na cultura representa: 90% a mais do que os empregados na fabricação de equipamentos eletrônicos 53% a mais do que os da indústria de material de transporte 78% a mais que os serviços industriais de utilidade pública (energia elétrica, abastecimento de água e esgoto)

14 Capacitação Empreendedora
Incubadora Cultural Cadeias Produtivas Música Áudio Visual Design Gráfica Editorial Equipe: Administração Especialistas Capacitação Oficinas Setoriais Oficinas de Produto Capacitação Empreendedora Equipe: - Est. Educação Novos Negócios Convênios Cadeias Produtivas Incubadora de Desenvol-vimento Social Casa de Cultura da Rocinha Incubação Core Business Apoio Gerencial Equipe: - Gerente de contas - MKT Julia Zardo

15 Economia da Cultura De acordo com o RDH 2004, manifestações artísticas musicais ou cinematográficas, entre outras, devem ser entendidas não como mero entretenimento, mas como bens culturais, por seu caráter representativo de um determinado grupo social. A questão tem sido discutida nos principais fóruns internacionais do comércio global, como o Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT) e a Organização Mundial do Comércio (OMC).

16 Formação de Clusters Em 1990 ocorre a proposta do novo paradigma pós guerra fria, a de que o papel do Estado deixa de ser regulador e passa a ser o de facilitador de empreendimentos. As pequenas cidades, regiões e empresas passam a pensar localmente e agir globalmente. Precisam fazer primeiro o mundo conhecer a região como uma marca e depois os produtos e os serviços. Yuichi Tsu Kamoto

17 Impacto Regional Os territórios passam a ser centros de produção com imagem e competitividade própria e se apropriam da pesquisa sob forma de produtos, serviços e da propagação do conhecimento. Mais que um território ou um conglomerado de empresas passam a ser um “ente sistêmico” que necessita praticar a “aprendizagem coletiva”. Vinicius Lage – Sebrae - Brasil

18 Empreendedor Cívico Empreendedores Cívicos são pessoas capazes de lidar com igual habilidade com o mundo da vida (qualidade de vida comunitária) e com o mundo do trabalho (qualidade do mundo empresarial). O empreendedor cívico é sobretudo capaz de lidar com interações dinâmicas entre estes dois mundos, cumprindo o papel de pioneiro numa modalidade de desenvolvimento capaz de tornar a sociedade crescentemente mais próspera e competitiva.

19 Desigualdades sociais no Brasil
Rendimento dos 10% mais ricos cresceu 38% e dos 40% mais pobres cresceu 40% nos anos 90, isto é, manteve-se a mesma concentração de renda. Os 10% mais ricos detém 47% da renda, enquanto 20% dos mais pobres detém apenas 3,5%. Em 1999, 50% dos mais pobres detinham somente 14% da renda do país. IBGE – Síntese dos Indicadores Sociais e Censo 2000 Obs: O PIB cresceu à taxa média de 2,65% no mesmo período.

20 Jovens Pobres 26,2% 41,4% 74,3% Jovens Ricos 11,6% 77,1% 51,0%
Situação do Trabalho com a Diferença Social Desemprego Assalariados Sem carteira Jovens Pobres 26,2% 41,4% 74,3% Jovens Ricos 11,6% 77,1% 51,0% Pobres – Renda familiar per capita inferior a R$ Projeto Juventude – Instituto Cidadania (IC)

21 Incubadora de Desenvolvimento Social da
Incubadora Tecnológica + Incubadora Cultural = Incubadora de Desenvolvimento Social da A Incubadora de Desenvolvimento Social foge do modelo de desenvolvimento econômico tradicional. Sua definição diz respeito a um modelo de desenvolvimento da sociedade civil e das suas relações sociais.

22 Dupla Incubação Assim, as Incubadoras de Desenvolvimento Social não incubam somente organizações de fim produtivo e econômico, como empresas e cooperativas, mas também organizações sem fins lucrativos, em conjunto com a própria sociedade civil e de seus movimentos sociais.

23 O processo da Incubadora de Desenvolvimento Social
PROCESSO DE ENTRADA PROCESSO DE SAÍDA INCUBADORA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (Empreendedorismo Cívico) Social e Cívico) Empreendimentos de Desenvolvimento Social ·Organizações 3o Setor Desenvolvimento Econômico da Região Agentes de Desenvolvimento Econômico Local (pessoas e organizações) APOIO DAS UNIDADES DO INSTITUTO GÊNESIS

24 Agentes da Incubadora de Desenvolvimento Social
1) Comunidades com baixo desenvolvimento econômico; 2) A sociedade civil organizada; 3) Empreendedores potenciais pré-capacitados; 4) Universidade e Centros de Pesquisa (processo de apropriação de tecnologias); 5) Agentes de Fomento; 6) Agentes Facilitadores.

25 Agentes Facilitadores Conselho Consultivo
(IV) Centros de Inovação – Núcleo de geração de conhecimento em Universidades e Centros de Pesquisa (processo de apropriação de tecnologias e inovação); (III) Agentes Facilitadores de Trabalho – composto por Comunidades com baixo desenvolvimento econômico; Organizações do Terceiro Setor; Empreendedores potenciais pré-capacitados; Incubadora Cultural Agentes Facilitadores Conselho Consultivo Articulação da Incubadora de Desenvolvimento Social GRUPO DE TRABALHO (V) Agentes de Fomento; (II) Grupo de Trabalho – Composto pelo diretor do Instituto Gênesis, pela gerente da Incubadora Cultural e pela equipe da Incubadora de Desenvolvimento Local; (I) Conselho Consultor - composto por diversos departamentos e núcleos da Pontifícia Universidade Católica, entre os quais se destacam: Departamento de sociologia e ciências políticas, Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA) e Departamento de Arquitetura; (VI) Agentes Facilitadores (grupos de pessoas que fazem a ponte de transferência de conhecimentos inseridos nas comunidades locais),

26 Parceiros

27


Carregar ppt "Motivações e Aprendizado Incubadora de Desenvolvimento Social"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google