A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CONVÊNIO Nº ECV-279 / 2008 FIERGS x ELETROBRÁS Conselho de Infraestrutura – GTE Junho de 2009.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CONVÊNIO Nº ECV-279 / 2008 FIERGS x ELETROBRÁS Conselho de Infraestrutura – GTE Junho de 2009."— Transcrição da apresentação:

1 CONVÊNIO Nº ECV-279 / 2008 FIERGS x ELETROBRÁS Conselho de Infraestrutura – GTE Junho de 2009

2 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA ATORES PRINCIPAIS ELETROBRÁS: Através do Programa PROCEL INDUSTRIA coloca recursos financeiros e Técnicos altamente qualificados para preparação dos instrutores ( multiplicadores regionais) e do desenvolvimento de um Programa específico de Eficiência Energética para o Setor Industrial; FIERGS: Como representante do Setor Industrial Gaúcho, atua na : - Gestão do convênio; - Aplicação dos recursos financeiros; - Organização e implementação dos procedimentos para capacitação das pessoas; - Na busca de resultados e na divulgação de resultados.

3 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA SETOR INDUSTRIAL GAÚCHO: Participarão as Indústrias interessadas e que fizerem Adesão ao Convênio junto com a FIERGS. Benefícios para as Industrias participantes: -A qualificação de profissional(is) da empresa na condição de Agente(s) - sem custo; - O treinamento do(s) seu(s) Agente(s) para execução de pré- diagnósticos energéticos futuros na empresa - sem custo; - Poderão (**) ampliar o programa de eficiência energética em força motriz nas suas instalações( após convênio) - sem custo; - Iniciar um processo para redução de despesas com energia elétrica; -Ganho de competitividade comercial pela redução das despesas com energia elétrica. (**) – Devem

4 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Estados com Convênios : MG BA RS SP MS MT PA AM PE CE AL PR RJ Ações em andamento Em negociação

5 1 – Origem: Convênios anteriores com a ELETROBRÁS (1º em 1997); 2 – Plano de Ação: Definido pela ELETROBRÁS como PROCEL INDUSTRIA (voltado para redução do desperdício na área de força motriz); 3 – Forma : O Convênio prevê a realização de dois Trabalhos ( I e II ); 4 – Duração prevista : Três anos (inicio 30 dezembro de 2008) 5 - ATIVIDADE PRÉVIA= ESTUDO SETORIAL (Realizado em 2007/2008). Realização de uma pesquisa setorial junto ao segmento industrial Gaúcho para obter informações sobre o perfil de consumo de energia das empresas, como forma de subsidiar as ações seguintes. Parâmetros da Pesquisa realizada : - Foram enviados questionários para industrias independente do segmento industrial ao qual pertenciam; - Foram considerados os questionários das indústrias que possuíam uma potência motriz instalada mínima de 200 cv. CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA

6 TRABALHO I OBJETO: SENSIBILIZAÇÃO DOS SUBSETORES INDUSTRIAIS E TREINAMENTO DE MULTIPLICADORES EM OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MOTRIZES INDUSTRIAIS Neste trabalho a FIERGS, deverá executar as seguintes atividades: Realizar levantamento dos principais subsetores industriais no Estado do Rio Grande do Sul, visando identificar os maiores potenciais para aplicação do PROCEL INDÚSTRIA; Sensibilizar e buscar o comprometimento das indústrias para participação no PROCEL INDÚSTRIA objetivando minimizar perdas nos sistemas motrizes, constituídos de acionamentos, acoplamentos, bombas, compressores, ventiladores e exaustores; CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA

7 Selecionar Multiplicadores, que poderão ser professores universitários e/ou consultores de reconhecida experiência, que serão responsáveis pelo treinamento dos Agentes ( pessoas das indústrias); para tanto, os Multiplicadores serão previamente habilitados pela ELETROBRÁS/PROCEL e FIERGS para o desempenho desta tarefa, adotando metodologia da ELETROBRÁS/PROCEL para este fim. Os Multiplicadores irão ministrar cursos de 40 horas para capacitação dos Agentes( profissionais da indústria) em diversas localidades do RS.Após os cursos os Multiplicadores vão participar ativamente, na orientação dos Agentes que capacitarem na elaboração dos auto-diagnósticos das suas próprias empresas, e acompanharão sua posterior implementação ( pelas Indústrias) a ao final, na medição dos resultados obtidos; A atividade dos Multiplicadores visa a realizarão de um trabalho institucional junto às indústrias, destacando as vantagens e estimulando-as a adotar medidas concretas para a redução/ eliminação das perdas elétricas detectadas no processo industrial.

8 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA METAS QUANTITATIVAS Seleção de 04 (três) subsetores industriais alvos ( Já realizada); Realização de 01 (um) workshop de sensibilização de empresários; Adesão (mínima) de 100 (cem) indústrias ao convênio (assinatura de termos de adesão); Formação de 18 (dezoito) Multiplicadores + 03 oriundos de concessionárias de energia elétrica participarão, na condição de ouvintes; Capacitação de, no mínimo, 200 (duzentos) agentes; Realização de 100 (cem) autodiagnósticos; Implementação das medidas economicamente viáveis indicadas em 100 (cem) autodiagnósticos; Realização 100 (cem) medições posteriores às implementações; Realização de 01 (um) workshop para apresentar todos os resultados obtidos com o Programa de Eficiência Energética Industrial - PROCEL INDÚSTRIA, neste convênio

9 TRABALHO II OBJETO : MONTAGEM DE CASES DE SUCESSO. Neste trabalho, a FIERGS, tem como objetivo a elaboração de diagnósticos energéticos detalhados em (4) quatro unidades industriais em correspondentes a quatro sub-setores industriais distintos que se comprometam, através de termo de compromisso, a implementar as medidas identificadas nos diagnósticos. Os custos referentes à implementação das medidas serão de responsabilidade das Indústrias, cabendo a FIERGS somente o acompanhamento do processo de implementação e divulgação de três casos de sucesso selecionados, através de workshop direcionado para os vários setores da indústria do Estado. CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA

10 METAS QUANTITATIVAS Realização de 04 (quatro) diagnósticos energéticos. Implementação dos 04 (quatro) diagnósticos pelas Indústrias selecionadas; Realização 04 (quatro) medições posteriores às implementações; Realização de 01 (hum) workshop setorial de divulgação dos casos de sucesso. Análise e aprovação de relatório conclusivo com medições finais. CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA

11 SITUAÇÃO ATUAL DO CONVÊNIO – Trabalho I ESTUDO SETORIAL - (Já realizado) Objetivo: Identificar (via pesquisa) os Setores Industriais com a maior capacidade instalada de motores elétricos. Base do Estudo: As Empresas que responderam a pesquisa e que possuíam na ocasião uma potência elétrica instalada em motores igual ou superior a 200 CV. Setores Industriais Selecionados: (base nos questionários de pesquisa recebidos) Produtos Alimentícios e Bebidas; Fabricação de Produtos e de Materiais Plásticos; Metalúrgico; Mecânico.

12 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Informações obtidas com base nos questionários recebidos.

13 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Ações desenvolvidas para reduzir o consumo de Energia

14 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Curso de Formação de Multiplicadores: Foi iniciado em 24 /abril e deve (180 horas/aula) estar concluído em 7 de agosto. PRÓXIMAS ETAPAS DO TRABALHO I DO CONVÊNIO: Formar o Grupo de Indústrias que irão participar do Convênio mediante Termo de Adesão ( mínimo de 100 industrias); Formar o Grupo de Agentes ( pessoas indicadas pelas Indústrias - (mínimo de 200 pessoas) ; Realização dos Cursos de Formação de Agentes (mínimo de 10 edições); Realização dos Auto-diagnósticos Energéticos das Indústrias (mínimo de 100); Implementação (pelas Indústrias) das medidas economicamente viáveis (mínimo de 100 auto diagnósticos); Realização de medições posteriores as implementações (mínimo de 100 ); Realização de Workshop para divulgação dos Resultados.

15 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA SITUAÇÃO ATUAL DO CONVÊNIO – Trabalho II Seleção dos Quatro Setores que receberão um Diagnóstico com recursos do Convênio: Já identificados através do Estudo Setorial quais o setores que terão uma empresa como Case de sucesso. Produtos Alimentícios e Bebidas; Fabricação de Produtos e de Materiais Plásticos; Metalúrgico; Mecânico. PRÓXIMAS ETAPAS DO TRABALHO II DO CONVÊNIO: Seleção de uma empresa de cada Setor selecionado; Celebração do Termo de Compromisso de implementação das medidas de eficiêntização com as empresas selecionadas;

16 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Licitação para escolha das empresas de consultoria que farão o Diagnóstico; Implementação pelas empresas das medidas apontadas nos diagnósticos; Licitação para escolha das empresas de consultoria que farão as Medições nas empresas eficientizadas; Realização do Workshop Final do Convênio para divulgação dos cases de Sucesso.

17 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA O que é necessário para as Indústrias participar do Convênio ? Assumir as seguintes contrapartidas: Indicar e disponibilizar um empregado de nível superior/técnico ou com formação compatível, para atuar como facilitador responsável pelo fluxo de informações entre a INDÚSTRIA e a FIERGS ; Identificar o (s) profissional (is) de nível técnico e superior, de seu corpo funcional que será (ão) treinado(s) no curso de capacitação de AGENTES, distribuindo as vagas preferencialmente entre todos os setores da INDÚSTRIA, entre os profissionais que possuam autonomia para tomada de decisões ou que estejam envolvidos com a operação e manutenção dos diversos sistemas a serem avaliados no DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO – Previsão inicial 2 por empresa; Autorizar os profissionais selecionados a participarem do curso de capacitação de AGENTES em otimização de sistemas motrizes, com duração de 40 horas;

18 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Autorizar os AGENTES capacitados a realizarem as atividades necessárias à elaboração do DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO nas dependências da INDÚSTRIA, para que este seja realizado no prazo máximo de 90 (noventa) dias após a conclusão do curso de capacitação de AGENTES e encaminhar cópia completa deste DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO à FIERGS; Durante todo o processo e vigência do trabalho, garantir o livre acesso dos MULTIPLICADORES e demais profissionais indicados pela FIERGS a suas instalações para a realização e acompanhamento do DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Permitir a FIERGS, supervisione os trabalhos dos AGENTES que se dará sob a forma de consultoria a ser fornecida pelos MULTIPLICADORES

19 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Colocar a disposição do MULTIPLICADOR e dos demais profissionais indicados pela FIERGS, toda a documentação técnica e informações necessárias para a realização do DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO em suas instalações; Fornecer as facilidades necessárias para que um consultor e os representantes da ELETROBRAS e a FIERGS tenham livre acesso às instalações, quando da necessidade de realização e acompanhamento do DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO e da implementação e acompanhamento das ações decorrentes do diagnóstico realizado; Somente após a aprovação do DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO pela ELETROBRAS e a FIERGS, implementar as medidas economicamente viáveis, nele indicadas, respeitadas as seguintes condições: - Realizar medição antes e após a implementação das medidas; - As medidas administrativas e/ou aquelas que não acarretem investimentos serão implementadas imediata e integralmente;

20 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA - As medidas que necessitem de investimento para a sua implantação e que tenham um prazo de retorno do investimento inferior ou igual a 06 (seis) meses, serão implementadas logo. Caso a INDÚSTRIA não possa arcar imediatamente com os investimentos necessários à implementação, esta poderá ser feita por etapas, constando no plano anual de investimentos da mesma; - As medidas que necessitem de investimento para a sua implantação e que tenham um prazo de retorno do investimento superior a 06 (seis) meses, serão implementadas desde que tais medidas sejam compatíveis com o planejamento da INDÚSTRIA, respeitando a sua capacidade de investimento. Submeter à apreciação da FIERGS, os DIAGNÓSTICOS ENERGÉTICOS e os resultados obtidos com sua implantação, para estruturação do banco de dados com informações técnico-operacionais, metodológicos, sociais (de sensibilização) e econômicas; Apresentar relatório de avaliação dos resultados da implementação das ações considerando os efeitos setoriais e geral da planta;

21 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Permitir a divulgação dos resultados obtidos com a implementação das ações do DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO, relativas às reduções no consumo de energia, consumo específico e demais informações de caráter energético que venham a comprovar a efetiva diminuição do consumo de energia elétrica na planta. Recursos Financeiros Necessários A capacitação do(s) Agente(s) e a realização dos DIAGNÓSTICOS ENERGÉTICOS serão custeados com recursos financeiros do Convenio ECV-279/2008, sendo que o recurso alocado pela ELETROBRAS será prioritariamente destinado a avaliar quantitativamente, através de instrumentação específica para medição de energia e armazenamento de dados, todos os sistemas motrizes da planta. Os custos para a implementação das medidas apontadas no DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO serão integralmente assumidos pela INDÚSTRIA, cabendo a FIERGS somente o monitoramento do processo de implementação e posterior divulgação como um caso de sucesso, respeitadas a condições anteriores ( contrapartidas ).

22 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Como as Indústrias podem se beneficiar do Convênio? No TRABALHO I No TRABALHO I Engajar-se ao Convênio formalmente mediante a celebração de um Termo de Adesão ao mesmo. No TRABALHO II No TRABALHO II Estar participando no TRABALHO I, ser selecionada como uma dos Case. Para maiores informações sobre a forma de participar do Convênio ( Trabalho I e II ) preencher o formulário entregue que manteremos contato.

23 CONSELHO DE INFRAESTRUTURA - COINFRA Ronaldo Mabilde Lague Consultor do Conselho de Infraestrutura - COINFRA-FIERGS – GETEC Gerência Técnica –Av. Assis Brasil, Porto Alegre - RS Fone:(51) Ramal Fax: (51)


Carregar ppt "CONVÊNIO Nº ECV-279 / 2008 FIERGS x ELETROBRÁS Conselho de Infraestrutura – GTE Junho de 2009."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google