A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O MUNDO ANTIGO, GRÉCIA E ROMA Se um homem livre fura o olho de um homem livre, terá seu olho furado. Se um homem livre furou o olho de um escravo ou lhe.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O MUNDO ANTIGO, GRÉCIA E ROMA Se um homem livre fura o olho de um homem livre, terá seu olho furado. Se um homem livre furou o olho de um escravo ou lhe."— Transcrição da apresentação:

1 O MUNDO ANTIGO, GRÉCIA E ROMA Se um homem livre fura o olho de um homem livre, terá seu olho furado. Se um homem livre furou o olho de um escravo ou lhe fraturou um osso, pagará uma mina de prata. (Código de Hamurábi, par. 196 e 198). Apresentação organizada por Cristina Lazzarotto Fortes e Tassiane Andressa Wiprich História Geral - Antigüidade Profº João Luís

2 História Geral - Antigüidade Profº João Luís HISTÓRIA DO DIREITO O que hoje chamamos Direito é bastante diferente do que foi o direito de civilizações já desaparecidas; Recebemos a herança romana e a herança grega, sendo que o direito romano foi redescoberto e verdadeiramente reinventado duas vezes na Europa ocidental (nos séculos XII a XV pelos juristas da universidade medieval, glosadores e comentadores e no século XIX pelos professores alemães).

3 História Geral - Antigüidade Profº João Luís O Direito nos Impérios Orientais - Código de Hamurábi; - Direito egípcio e direito hitita por volta dos anos 1500 a. C.; - Bíblia = conserva a justiça das aldeias de cunho familiar patriarcal, que provavelmente existiu em todo o oriente; - Oposição entre cidade e campo;

4 História Geral - Antigüidade Profº João Luís O Direito nos Impérios Orientais A cidade é o centro do controle que detém a escrita (memória escrita), os livros, faz o censo e cobra os tributos, isto é, a forma de apropriação externa à comunidade tribal. A cidade antiga torna-se um reservatório de riqueza a que poucos têm acesso – em torno do rei, os sacerdotes e os escribas, os conselheiros e os generais. Impérios (centros de federações de cidades submetidas) precisam de redes de administração: satrapias e governadores. Função: arrecadar os tributos e manter a indispensável paz interna e externa.

5 História Geral - Antigüidade Profº João Luís O Direito nos Impérios Orientais As comunidades do campo têm a sua própria justiça, em geral presidida por um conselho de anciãos ou alguém escolhido pelos mais respeitados. Weber = justiça do cadi oriental (ou justiça da aldeia – trata das regras cotidianas de relações comunitárias), em oposição à justiça pessoal e burocrática.

6 História Geral - Antigüidade Profº João Luís O Direito nos Impérios Orientais Figura do rei justo: escolhido por Deus pela sua imparcialidade, coragem, capacidade. Fortalece-se como um mito importante. Ele julga e decide os casos passados e ordena para os casos futuros. Tradição judaica = justiça como um atributo divino (segundo ela não se desvia o julgamento nem por dinheiro e nem por afeição, nem por temor ao rico e nem por favor ao pobre) Justiça da aldeia = regula a disputa entre os iguais.

7 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia

8 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia A Grécia clássica conhece várias formas de organização e institucionalização. Diferença entre Atenas e Esparta: ambas compartilham um elemento fundamental de nossa tradição jurídica: a laicização do direito e a idéia de que as leis podem ser revogadas pelos mesmos homens que as fizeram.

9 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia Relações de família: conhecia-se o divórcio recíproco, com iguais direitos para homens e mulheres. Era legal (não se sabe se costumeiro) abandonar crianças recém- nascidas. As roupas eram uniformes para homens livres e escravos, não se percebendo a diferença entre eles (era possível, isto sim, saber a diferença entre ricos e pobres). Diferente de Roma, na Grécia não há uma classe de juristas, nem um treinamento jurídico (escolas de juristas, ensino do direito como técnica especial). Há escolas de retórica, dialética e filosofia (argumentação dialética que vai ter uso forense ou semiforense).

10 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia Tinham o costume de aprender de cor (recitando em forma de poemas) textos jurídicos, como os poemas de Homero. As leis de Sólon eram ensinadas como poemas. A literatura jurídica era fonte de instrução e prazer. Presumia-se que o direito devia ser aprendido vivenciando-o. As leis, então, deveriam fazer parte da educação do cidadão. As discussões sobre justiça versavam sobre a justiça da cidade, entre cidadãos e iguais. As leis menores não importavam para a discussão pública. Atenas: não havia carreira burocrática e, não existindo juristas profissionais, a argumentação dita forense voltava-se para os leigos, como num tribunal de júri.

11 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia - Havia muitas diferenças de classes. De um lado, os latifundiários que formavam a oligarquia conservadora; de outro, os hoplitas, artesãos, agricultores, homens livres, que favoreciam uma democracia moderada; e, ainda, os miseráveis, abertos a uma democracia radical. As lutas sociais promoveram muitas reformas feitas ao longo da história ateniense. - Sofistas = é a partir deles que a filosofia vai refletir controladamente sobre a lei. - Os gregos descartaram, de algum modo, a idéia de que as leis são reveladas pelos deuses exclusivamente, ou são apenas as tradições herdadas. Com a positivação do direito os gregos fazem uma primeira reflexão clássica sobre a natureza da lei e da justiça.

12 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia A cidade não podia depender da justiça do cadi, como nas aldeias. Assim, acima das solidariedades familiares construiu-se uma solidariedade cívica e, ainda mais universal, uma solidariedade cosmopolita. A cidade e a consciência de que ela é um artefato humano se sobrepõem à tradição e aos laços familiares (embora estes também fossem determinantes na sociedade grega). As formas de resolução de controvérsias: Duas espécies de órgãos de jurisdição em Atenas. Para os casos de crimes públicos, o julgamento é feito por grandes tribunais de dezenas ou centenas de membros. A Assembléia de todos os cidadãos, repartidos em distritos territoriais, elegia o grande conselho de supervisão.

13 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia Nos tribunais era preciso provar o direito (a lei, o costume) além dos fatos. Não havia a execução judicial: o queixoso recebia o julgamento e se encarregava de executá-lo, ou passava a uma fase de ação penal. Discursos perante os tribunais: era moralmente indigno receber dinheiro para a defesa. Na teoria, qualquer cidadão podia se apresentar perante os tribunais, juízes e árbitros para defender seus interesses. Na prática, cresceu a atividade dos redatores de peças judiciais. O advogado, como conhecemos hoje, ainda não existia.

14 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia A resposta nos tribunais era sempre sim ou não, culpado ou inocente. Nos tribunais populares, as provas poderiam ser feitas por escrito. Nos arbitrais, eram informais. Os juízes – eram leigos e membros de uma assembléia – podiam testemunhar sobre os fatos e julgar pelo que sabiam das coisas (não vinculavam-se às provas). Os depoimentos de escravos deveriam ser precedidos de tortura (senão mentiriam). O privado e o público eram distintos, bem como a associação voluntária (contratos – é grega a doutrina de que os contratos são consensuais) e a associação involuntária (delitos), sendo que ambas geravam responsabilidade. Aristóteles: diferencia regras de justiça corretiva (comutativa) e os deveres para com a polis e para com todos (justiça distributiva).

15 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia Inexistia órgão público de acusação: qualquer um poderia denunciar os crimes públicos (denúncia não era apenas a informação, mas uma petição: era o início de um processo). Porém, se o denunciante não obtivesse ao menos 1/5 dos votos do tribunal, pagava multa e não podia abandonar a acusação no meio do processo. Os denunciantes tinham parte nas multas e penas aplicadas aos culpados. O processo tornou-se uma praga em Atenas, mas a liberdade de processar era inerente à democracia. As penas eram em geral: castigos, multas, feridas, mutilações, morte (cuja forma era de acordo com o delito cometido) e exílio.

16 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia A lei positiva – o centro do debate filosófico: a promulgação a lei e sua revogação nada têm de divino. Abre-se uma fenda entre o direito divino e o direito dos homens (Antígona, de Sófocles, demonstra este conflito). Lei e Constituições: de Drácon (621 a. C.) em Atenas = põem fim à solidariedade familiar. Objetivo: abolir a justiça familiar: a cidade tem a competência de decidir e manter a paz.

17 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Grécia Leis de Sólon (594-3 a. C.): - seguem a grande revolta contra a concentração de renda; - as reformas limitam o poder paterno (o filho maior se torna autônomo); - as mulheres continuam sob a tutela dos pais e maridos, mas têm uma grande liberdade de ir e vir (inclusive freqüentam escolas); - os thetes (mais pobres dos homens livres) assumem assento e voz na assembléia legislativa; - cria o tribunal dos Heliastas e respectivos dicastérios, o Conselho dos 500. Os gregos promoveram o debate e a reflexão sobre o justo e sobre a justiça, o que foi além do debate sobre as normas.

18 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Phanteon - local de culto aos deuses

19 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Ruínas do Foro Romano

20 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Do período arcaico à idade clássica: Desaparece a figura do rei e as magistraturas passam a ser anuais. O Senado é vitalício. O senado era o conselho dos anciãos e responsável pela ligação da cidade com a sua história, sua vida, sua autoridade. Em casos especiais respondia a consultas e opinava sobre os negócios. Só no Principado o senado poderá ser equiparado à lei.

21 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma As assembléias tinham uma função legislativa. Na República eram três: comitia centuriata, comitia tributa e o concilium plebis. As decisões das duas primeiras podiam se tranformar em lex, as da última em princípio. Obrigavam apenas a plebe e eram conhecidas como plebis scita. As magistraturas eram cargos eletivos para funções determinadas, com prazo de um ano, exercidas, muitas vezes, em grupos de dois ou mais (colegialidade) o que permitia um controle recíproco do poder.

22 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Magistraturas: cônsules, censores, questores, pretores (que participavam do poder geral de mando – imperium – detendo os poderes civis de coercitio – disciplina - e iurisdictio – dizer o direito), excepcionalmente os ditadores. Relação entre romanos = direito civil = pretor urbano; Relação entre estrangeiros ou entre estrangeiros e romanos = pretor peregrino Pontífices: sacerdotes-funcionários autorizados a usar as fórmulas legais e interpretá-las. Inicialmente só eles poderiam interpretar e aplicar as fórmulas da Lei das XII Tábuas.

23 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Lei das XII Tábuas = redigidas no período republicano (aproximadamente 450 a. C.). Foi uma conquista dos plebeus. Esta lei pretende reduzir a escrito as disposições e mandamentos que antes eram guardados pelos patrícios e pontífices. Pode-se dizer que foi uma coletânea e não um código. Por ser escrita, tornou o direito público acessível a quem pudesse ler. Perfil do direito romano arcaico = só se aplica aos romanos, cidadãos, descendentes dos quirites. Ius civile = direito dos cidadãos. Os não romanos ficam excluídos do âmbito de validade das regras de propriedade (quiritária), do casamento e de família do ius civile. O direito arcaico era repleto de fórmulas que precisavam ser pronunciadas no lugar certo pelas pessoas certas.

24 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma O processo formular e o período clássico - O processo formular é o ambiente próprio do desenvolvimento da jurisprudência clássica. Criado pela Lex Aebutia ( a.C.), redefinido pela Lex Iulia (17 a.C.). Personagem central: o pretor urbano e o peregrino, que remetiam o julgamento a um juiz ou árbitro privado.

25 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Dividido em duas fases: 1) in iure = ocorre perante o magistrado, o pretor. Sua função é organizar a controvérsia, transformando o conflito real num conflito judicial (administra a justiça e não julga); 2) apud iudicem, ou in iudicium = a controvérsia desenvolve-se perante um juiz ou árbitro (cidadão particular). Atenção: nem pretor e nem juiz são juristas. Os juristas começam como consultores particulares dos magistrados, juízes e partes do processo formular.

26 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma O direito pretoriano foi introduzido pelos pretores para a utilidade pública, visando corroborar, suprir ou corrigir o direito civil. Seu poder de magistrados permitia-lhes promulgar anualmente a sua política no exercício do cargo por meio do editio. Editio = nele os pretores detalham, corrigem e suprem o direito civil, tem em vista as mudanças nas condições da vida da cidade. Aceitam as fórmulas do ius quiritium e criam outras novas fórmulas (hipóteses que serão verificadas por um juiz). Não era um código, mas uma proclamação verbal da tribuna (sua redução a escrito era simples memória). Só com a Lex Cornelia (67 a. C) o pretor ficou obrigado pelo seu próprio edito, que poderia ser invocado como se fosse lei).

27 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Cognitio extra ordinem (terceira fase do direito romano) Desaparece a divisão de tarefas entre pretor e juiz. Valorizam-se os juristas, centralizam-se os poderes de julgamento em um único órgão e tem-se a novidade do recurso ou apelação.

28 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Pretores e Juristas Séc. IV a.C: total laicização da jurisprudência, o que não significa democratização. Os juristas formam uma categoria aristocrática: são notáveis, fidalgos. Não era exatamente uma profissão: prestavam serviços à cidade porque preservavam a tradição, mas prestavam-no dando conselhos. Não advogam no foro (esta advocacia era considerada inferior). O que os juristas fazem é uma honra, uma dignidade. Sua remuneração não era dinheiro, mas influência, prestígio e popularidade.

29 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Durante o Principado aconteceu a harmonia entre juristas e imperador. Durante o Dominato: o jurista independente perdeu o seu lugar da mesma forma que pretor e juiz desapareceram porque o processo passou a ser concentrado perante um só órgão. Aqui, o papel da legislação imperial é crescente e o dos juristas deixa de ser somente o de dar conselhos aos pretores, juízes e às partes para ser especialmente assessorar o príncipe ou imperador. Consolida-se ou codifica-se a jurisprudência clássica.

30 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma As fontes As leis eram normas votadas nas assembléias, gerais e propostas pelos magistrados superiores; O senatus consultus, a partir do principado, torna-se fonte normativa. Os atos do imperador são constituições. São edicta (editos) quando contêm disposições de ordem geral para o império; são decreta os julgamentos, decisões ou sentenças, que constituíam precedentes a serem observados nos casos semelhantes; são rescripta as respostas a consultas feitas por magistrados em casos fiscais, dirigidas a governadores de províncias, funcionários. Por tais meios o imperador criava direito novo. A opinião dos prudentes são usadas de modo a dar um precedente em casos concretos. A opinião era dada a pedido das partes, dos pretores e juízes ou na feitura de documentos.

31 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma Juristas e filosofia A filosofia grega participa, de alguma forma, do pensamento jurídico romano. O direito privado romano – casa e família O direito privado é um sistema de regras pelo qual se mantém unida a família como unidade produtiva. As regras de sucessão determinam quem se torna o chefe da família e com que meios.

32 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma As regras do matrimônio determinam como se unem e separam patrimônios e como se acrescem, pelos regimes dotais e pelo regime de poder que há entre marido e mulher, as unidades familiares, verdadeiras sociedades que unem homem e mulher por uma affectio (não aquele sentimento romântico moderno, mas como a affectio dos sócios de uma sociedade). O direito de propriedade é uma espécie também de jurisdição, de poder de comandar as coisas e as pessoas da família (pai dá origem a patrão).

33 História Geral - Antigüidade Profº João Luís Roma O sujeito por excelência do direito romano é o pai de família, capaz de deter propriedade, realizar negócios, dar unidade de ação a este complexo produtivo que é a casa (podia aceitar ou abandonar os filhos e, também, adotar). Casamento podia ser de duas formas: cum manu – a mulher sob o poder da família de seu marido, realizado formalmente pela confarreatio, pela coemptio ou pelo usus; e sine manu – a mulher não estava sob o poder da família de seu marido. Efeito do casamento: gerar filhos legítimos.


Carregar ppt "O MUNDO ANTIGO, GRÉCIA E ROMA Se um homem livre fura o olho de um homem livre, terá seu olho furado. Se um homem livre furou o olho de um escravo ou lhe."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google