A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Jornada pedagógica Outubro 2009 Laranjeiras do Sul Marlene Lucia Siebert Sapelli

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Jornada pedagógica Outubro 2009 Laranjeiras do Sul Marlene Lucia Siebert Sapelli"— Transcrição da apresentação:

1 Jornada pedagógica Outubro 2009 Laranjeiras do Sul Marlene Lucia Siebert Sapelli

2 Relembrando o último encontro Texto enviado para leitura: Educação socialista, pedagogia histórico-crítica e desafios da sociedade de classes (Saviani) Quem definiu historicamente conteúdo escolar Quem define hoje e com que objetivos De onde vem o conteúdo escolar (relação entre trabalho, conhecimento, educação e pedagogia) Critérios para selecionar o conhecimento Que assuntos não abordamos Objetivos da escola (aprendizagem, desenvolvimento, intervenção social) Como nos apropriamos do conhecimento (síncrese, análise, síntese) Exemplo de geografia (objetivos)

3 Tema de hoje TEORIA E PRÁTICA COMO ABORDAR OS TEMAS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS NOS CONTEÚDOS CIENTÍFICOS

4 São esses nossos OBJETIVOS? 1.(Apropriar-se) e socializar conhecimento amplo e profundo da realidade (DOMÍNIO DOS FUNDAMENTOS); 2.Desenvolver capacidades humanas superiores (abstração, memória reflexiva, atenção intencional, raciocínio lógico, imaginação....) num processo de formação omnilateral 3.Compreender dialeticamente a realidade 4.Comprometer-se com a realidade enquanto sujeito de pensamento e ação, posicionando-se diante da sociedade de classes.

5 RELAÇÃO TEORIA PRÁTICA Segundo Vasquez (1968), a atividade prática pressupõe uma ação efetiva sobre o mundo e atividade teórica transforma nossa consciência dos fatos, nossas idéias sobre as coisas. Para Marx (apud VASQUEZ, 1968) a reflexão teórica é ascenso do abstrato ao concreto em e pelo pensamento, ou seja, a teoria sustenta-se na prática, a atividade do homem exerce influência sobre seu pensamento. A consciência vem do social. A busca de reflexões e compreensão aprofundada da prática, contribui para intervir consciente e significativamente na mesma.

6 Com que princípios olhamos para a realidade?

7 Positivismo Preocupa-se em descrever e mensurar os fatos Quantificar Analisar de forma objetiva a experiência, portanto reduzindo o grau de subjetividade Analisar a constância das leis naturais Em geral, leva a um conhecimento quantitativo, isolado e parcial O homem que pesquisa a realidade torna-se mero coletor de informações e fatos presentes em documentos e assume postura de neutralidade já que não deve emitir juízos de valor sobre as questões

8 Materialismo histórico dialético Qualificar o quantitativo, pois as mudanças são quantitativas e qualitativas Qualificar o quantitativo, pois as mudanças são quantitativas e qualitativas Ultrapassar a descrição para explicar a concretude do fato, explicitando suas contradições Ultrapassar a descrição para explicar a concretude do fato, explicitando suas contradições Construir o concreto pensado Construir o concreto pensado Busca da realidade em suas múltiplas determinações, pois tudo se relaciona e se transforma Busca da realidade em suas múltiplas determinações, pois tudo se relaciona e se transforma Ter como categoria central de análise o trabalho humano (o homem é produto produtor do que produz) Ter como categoria central de análise o trabalho humano (o homem é produto produtor do que produz)

9 Pós-modernismo Movimento que nasce no final do séc XIX; começa pela arte e literatura (quem criou a expressão nessa área foi Federico de Onís) e ganha mais força depois da II Guerra Mundial. Nos anos 1950/60 vem para as ciências humanas Movimento que nasce no final do séc XIX; começa pela arte e literatura (quem criou a expressão nessa área foi Federico de Onís) e ganha mais força depois da II Guerra Mundial. Nos anos 1950/60 vem para as ciências humanas Foram inspiradores dessa visão: Kierkegaard, Nietzche, Heidegger e Freud Foram inspiradores dessa visão: Kierkegaard, Nietzche, Heidegger e Freud muitos não o entendem como teoria mas como um conjunto de pressupostos muitos não o entendem como teoria mas como um conjunto de pressupostos hibridismo (descontextualiza as teorias e usa alguns dos seus elementos em outro contexto) hibridismo (descontextualiza as teorias e usa alguns dos seus elementos em outro contexto)

10 Privilegiam noções de pluralidade, alteridade, igualdade e portanto, identidades particulares (e suas lutas distintas) Privilegiam noções de pluralidade, alteridade, igualdade e portanto, identidades particulares (e suas lutas distintas) natureza eclética (síntese de tradições) ou relativismo julgamental (se toda teoria está predicada a um esquema conceitual próprio e se esse esquema pressupõe valores diversos, então a verdade passa a ser o que há de consensual em determinada comunidade interpretativa) natureza eclética (síntese de tradições) ou relativismo julgamental (se toda teoria está predicada a um esquema conceitual próprio e se esse esquema pressupõe valores diversos, então a verdade passa a ser o que há de consensual em determinada comunidade interpretativa) escolher é o ingrediente essencial do paradigma pós-moderno escolher é o ingrediente essencial do paradigma pós-moderno rejeita conhecimento totalizante, questiona a credibilidade das metanarrativas modernistas (o que contribuiu para isso foi, principalmente, o colapso do bloco soviético) – mas acaba se tornando uma metanarrativa que propõe o fim de tudo (da história, da luta, da apreensão objetiva da realidade...) rejeita conhecimento totalizante, questiona a credibilidade das metanarrativas modernistas (o que contribuiu para isso foi, principalmente, o colapso do bloco soviético) – mas acaba se tornando uma metanarrativa que propõe o fim de tudo (da história, da luta, da apreensão objetiva da realidade...) Autores : Foucault, Lyotard, Lacan, Deleuze, Derrida, Sarah Kofman, Richard Rorty, Gianni Vattimo e outros Autores : Foucault, Lyotard, Lacan, Deleuze, Derrida, Sarah Kofman, Richard Rorty, Gianni Vattimo e outros

11 culto à subjetividade (o que vale é a interpretação que cada um faz) culto à subjetividade (o que vale é a interpretação que cada um faz) relativização da ciência e da história (perda do sentido da continuidade histórica implica em visão superficial, sem profundidade) relativização da ciência e da história (perda do sentido da continuidade histórica implica em visão superficial, sem profundidade) ênfase na mudança pelo desejo pessoal ênfase na mudança pelo desejo pessoal prefere o local e o contingente ao universal e ao abstrato prefere o local e o contingente ao universal e ao abstrato a epistemologia (estuda a origem, a estrutura, os métodos e a validade do conhecimento) dá lugar à hermenêutica (interpretação) a epistemologia (estuda a origem, a estrutura, os métodos e a validade do conhecimento) dá lugar à hermenêutica (interpretação) conhecer é interpretar (toyotismo do pensamento) – poder discursivo (Foucault) e jogos de linguagem (Lyotard) conhecer é interpretar (toyotismo do pensamento) – poder discursivo (Foucault) e jogos de linguagem (Lyotard) relativismo – deprecia-se a noção de ter uma visão, tudo vale relativismo – deprecia-se a noção de ter uma visão, tudo vale é a lógica cultural do capitalismo avançado (HARVEY) é a lógica cultural do capitalismo avançado (HARVEY) intuição, subjetividade e sentimentos intuição, subjetividade e sentimentos

12 O que podemos mudar na abordagem das disciplinas se nos posicionarmos criticamente diante da realidade? Língua Portuguesa: romperíamos com práticas que pregam a suposta neutralidade dos textos e que enfatizam no ensino aprendizagem da língua o domínio da forma padrão como objetivo prioritário de maneira acrítica e desprovida da interferência das relações de poder e construiríamos uma prática que ao promover a apropriação da língua padrão, o fizesse no sentido de instrumentalizar o sujeito para uma leitura crítica da realidade que lhe impulsionasse a ações de intervenção significativa na mesma.

13 Matemática: romperíamos com práticas que consideram os mesmos apenas parte de uma ciência exata e a colocam de forma positivista isenta do caráter político e classista. Deixaria de ganhar ênfase a seqüência e o aprofundamento da lógica e ganharia significação o atrelamento dos mesmos com a leitura dos fatos reais no sentido de explicitar-lhes a contradição, a totalidade, a mediação e as possibilidades. Assim, os números expressariam as desigualdades humanas, a supremacia de classe, os limites do progresso.

14 História: romperíamos com práticas que trabalham a história como uma seqüência linear de fatos, engendrados pelos heróis da classe dominante com a participação secundária dos personagens da classe dominada e construiríamos uma prática na qual esses aspectos fossem trabalhados para explicitar todas as vozes, as relações de poder que expuseram tantos à morte, ao sofrimento, à subjugação e poucos ao domínio, à hegemonia. Superaríamos práticas nas quais a memorização é enfatizada em detrimento da capacidade de análise e síntese.

15 Geografia: romperíamos com aquelas práticas nas quais se trabalha de forma fragmentada os aspectos físicos, econômicos, etc. e trata-se o homem ou países como estatísticos e construiríamos uma prática na qual esses aspectos seriam trabalhados para instrumentalizar o sujeito para realizar uma leitura mais crítica da realidade a partir da análise histórica da formação das diversas configurações espaciais a partir da análise das relações sociais de produção, o que levaria o sujeito a uma visão de totalidade do espaço geográfico.

16 Ciências: romperíamos com práticas que adotam a análise evolucionista e que contribuem para legitimar o processo de desenvolvimento da produção e suas conseqüências de crescente exclusão social ou de aceitação de cada nova fase desse desenvolvimento como algo inquestionável e inevitável e construiríamos uma prática que objetivasse compreender o dinamismo das transformações explicitando seu caráter excludente e instrumentalizando-se o coletivo para admitir e posteriormente construir novas formas de desenvolvimento da produção não excludente.

17 Arte: romperíamos com práticas que enfatizam num extremo o mero domínio da técnica e noutro a expressão espontaneísta e construiríamos uma prática que estimulasse a partir da realidade social a capacidade criadora do homem e a leitura das expressões artísticas a partir do seu contexto unindo o fazer, o olhar e o pensar

18 Cultura corporal: romperíamos com práticas de mero adestramento do corpo como propriedade do trabalhador para o capitalismo ou do exercício para o prazer e construiríamos uma prática na qual se trabalhasse o movimento objetivando desenvolver coordenação ampla buscando o controle total do corpo para servir como instrumento de possibilidades de posicionamento na relação com os outros e no processo de trabalho, ou seja, um sujeito que domina seu corpo pode usá-lo para criar, para defender suas idéias, para relacionar- se e para exercitar a empatia.

19 Língua Estrangeira Moderna: romperíamos com práticas que enfatizam a memorização e o trato de conteúdos distantes da realidade do aluno e construiríamos uma prática na qual se contemplasse os vários tipos de textos aproximando-os da realidade dos alunos, contribuindo para que o aluno se situasse como sujeito. Assim, a apropriação da Língua Estrangeira Moderna tornar-se-ia um instrumento para que o aluno tivesse acesso mais amplo às informações e para que ele percebesse as relações de poder engendradas entre países e conseqüentemente entre culturas, economias, e outros.

20 As armas da crítica não podem, de fato, substituir a crítica das armas: a força material tem de ser deposta por força material, mas a teoria também se converte em força material, uma vez que se apossa dos homens. Marx


Carregar ppt "Jornada pedagógica Outubro 2009 Laranjeiras do Sul Marlene Lucia Siebert Sapelli"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google