A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CENTRO DE ENERGIA NUCLEAR NA AGRICULTURA

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CENTRO DE ENERGIA NUCLEAR NA AGRICULTURA"— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CENTRO DE ENERGIA NUCLEAR NA AGRICULTURA
AVALIAÇÃO DA FITOTOXICIDADE DE TRÊS ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS A HERBICIDAS UTILIZADOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR. CEN 5738 Ecotoxicologia Responsável: Profa. Dra. Regina Teresa Rosim Monteiro João Paulo Apolari

2 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Introdução produção de biocombustíveis X críticas ao cultivo convencional de cana Subprojeto relacionado a projeto maior: Monotonia da paisagem afetando a biodiversidade sistema de plantio (monocultura), dúvidas quanto a sustentabilidade preocupação atual, aquecimento global, emissão de CO2 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

3 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Introdução adubadeiras, que incorporem M.O. Espécies florestais escolhidas Fixadoras com copa rala Madeireiras, possibilitar corte Ipê Cedro Guapuruvú Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

4 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Croqui da área Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

5 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
O Trabalho Objetivo inicial: B1T A2M C3T A4D C5D A6C A1M C2T B3D B4M B5T B6M C1T B2T A3M C4C A5T C6M A1T A2T B3C C4D A5M B6T B1M B2C C3C A4C C5C C6T C1M C2M A3T B4C B5D A6T C1C B2D A3C B4D A5D C6D A1C C2C B3M A4T B5C B6C B1C A2D C3D C4M C5M A6M A1D C2D B3T A4M A5C C6C B1D B2M A3D B4T B5M B6D C1D A2C C3M C4T C5T A6D Legenda: A: Guapuruvú B: Cedro. C: Ipê amarelo. 1: Velpar–k 2: Advance 3: Ametrina. 4: Volcani (MSMA) 5: Gamit. 6: Sencor. “T”: Testemunha (sem aplicação de herbicida). “M”: Meia dose. “C”: Dose completa; uma dose. “D”: Dose dupla; dose completa duplicada. A primeira letra refere-se à espécie, a última refere-se à dosagem. 3 espécies, 4 repetições = 12 plantas/linha = 72 plantas para o ensaio, = 24 plantas/espécie. Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

6 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
O Trabalho Objetivo : Visando plantio de árvores associado à cultura da cana-de- açúcar em sistema de aléias, procurou-se avaliar o efeito fitotóxico de herbicidas registrados, sobre três espécies florestais nativas: C. fissilis – Cedro S. parahiba – Guapuruvú C. brasiliensis - Guanandi. Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

7 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Metodologia O experimento foi conduzido em campo no Centro de Ciências Agrárias/UFSCar, em Araras, SP: as mudas foram transplantadas (30/05/08) em vasos de polietileno com volume de 18 litros; dispostas em local aberto e ensolarado, e realizando regas quando necessário; para preenchimento dos vasos foi utilizado uma mistura de três partes de terra argilosa de barranco para uma parte de composto orgânico (Ciafértil). Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

8 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Metodologia O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, com parcelas subdivididas, formado por sete tratamentos, quatro repetições: A0 A5 A4 A6 A3 A2 A1 B6 B2 B5 B4 B3 B0 B1 C4 C0 C3 C1 C6 C2 C5 Legenda: A: Guapuruvú, B: Cedro, C: Guanandi. Só testada a dose completa. Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

9 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Metodologia Os produtos utilizados foram: 0: Testemunha 1: maturador etil-trinexapac (300 g i.a ha-1) : moddus 2: diuron + hexazinone ( g i.a ha-1): velpar 3: diuron + hexazinone ( g i.a ha-1): advance 4: clomazone + ametrina ( g ha-1): sinerge 5: ametrina (3000 g i.a ha-1): guapax 6: metribuzin (1920 g i.a ha-1): sencor Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

10 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Metodologia A aplicação foi realizada com pulverizador costal pressurizado por CO2, e pressão constante de 2,5 kgf cm2, barra de aplicação provida de bicos com pontas de pulverização do tipo leque e consumo de calda de 200 L ha-1 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

11 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Metodologia A avaliação visual foi realizada aos 07, 18 e 26 dias após aplicação (DAA); Tomando-se por base as plantas testemunhas, foram atribuídas notas percentuais por meio de uma escala de 0 a 100%, sendo: 0% - nenhuma injúria; 100% - morte total das plantas (ALAM, 1974); Os valores percentuais foram convertidos para valores em arcoseno onde asen=(raiz(x/100)); As análises estatísticas foram realizadas através do programa Statistica Stat Soft 6.1, para análise de variância (tese F); A comparação das médias dos herbicidas foi feita pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade e a precisão das informações foi avaliada pelo cálculo do coeficiente de variação. Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

12 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Metodologia Tabela 1. Avaliação de fitotoxicidade de acordo com escala Alam (1974). Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

13 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Resultados Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

14 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Aléias Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

15 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Aléias Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

16 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Aléias Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

17 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Conclusão Os herbicidas testados não causaram injurias permanentes nas espécies nativas estudadas. Essas espécies poderão ser utilizadas em um sistema de produção de cana de açúcar com aléias de espécies nativas. Também serem utilizadas em áreas de reflorestamento próximo aos campos de cultura da cana, onde existe a possibilidade de deriva da aplicação do herbicida. Ressalva-se cuidados na aplicação para evitar a deriva; uma vez que as árvores ficam no próprio campo da cultura. Importante lembrar que produtos foram aplicados diretamente nas mudas das espécies nativas, superestimando os danos causados. Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

18 Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas
Referências FARRELL, J. Standardization and intellectual property. Jurimetrics J.30 (Fall), p FREITAS, S. P. et al. Controle químico de Rottboelia exaltata em cana- de-açúcar. Planta Daninha, v.22, p , MARGARIDO, L. A. C.; ALVES, J. A.; MACHADO, R.. Sistema alternativo de produção de cana-de-açúcar com aléias. In: II Congresso Internacional de Tecnologia da Cadeia Produtiva da Cana, Uberaba, PROCOPIO, S. O. et al. Seleção de plantas com potencial para fitorremediação de solos contaminados com o herbicida trifloxysulfuron sodium. Planta daninha, Viçosa, v. 22, n. 2, June 2004. Fitotoxicidade de espécies florestais nativas a herbicidas

19 Obrigado!


Carregar ppt "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CENTRO DE ENERGIA NUCLEAR NA AGRICULTURA"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google