A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Construção de Práticas Educacionais para Alunos com Altas Habilidades/Superdotação Supervisora Elenira PCOP Ana Silvia Christina Cupertino CAPE- São.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Construção de Práticas Educacionais para Alunos com Altas Habilidades/Superdotação Supervisora Elenira PCOP Ana Silvia Christina Cupertino CAPE- São."— Transcrição da apresentação:

1 A Construção de Práticas Educacionais para Alunos com Altas Habilidades/Superdotação Supervisora Elenira PCOP Ana Silvia Christina Cupertino CAPE- São Paulo

2 Histórico do atendimento ao PAH - no passado Gama, M. C. S. (2006) O início da atenção ao talento data da Grécia Antiga: a Academia de Platão selecionava moças e rapazes pela inteligência e desempenho físico, independente da classe social, e sua educação não era cobrada. Em Roma a educação superior era destinada apenas aos mais capazes. Na China, desde o século VII, consideravam que a criança talentosa não se desenvolvia sem educação apropriada. Hoje, as Escolas do Tempo Vago vêm colocando alunos do Ensino Médio em posição de destaque em competições internacionais. No Japão, a partir do século XVII, as crianças mais ricas recebiam educação especial. Hoje, embora todos tenham acesso à escola, a educação superior é atingida por mérito, e não é para todos.

3 Histórico do atendimento ao PAH - século XX Europa Gama, M. C. S. (2006) Os primeiros textos são de 1910 (Iugoslávia). Antes da Primeira Guerra, a primeira escola para alunos com inteligência superior surgiu na Holanda em Na Alemanha, William Stern introduziu o conceito de quociente de inteligência. Spranger sugeriu bolsas de estudo para os mais capazes.

4 Histórico do atendimento ao PAH - século XX Europa Gama, M. C. S. (2006) Os primeiros textos são de 1910 (Iugoslávia). Antes da Primeira Guerra, a primeira escola para alunos com inteligência superior surgiu na Holanda em Na Alemanha, William Stern introduziu o conceito de quociente de inteligência. Spranger sugeriu bolsas de estudo para os mais capazes. Na Inglaterra, Galton fez a primeira pesquisa sobre testar a inteligência. Atos Educacionais de 1870 e 1902 tornam a educação obrigatória, e o Ato de 1944 cria formas diferenciadas de Educação, usando testes de aptidão. Os mais ricos, com melhor formação, eram sempre mais aptos. Nos anos 60, o movimento de igualdade de direitos gera a descrença em testes de aptidão, e na educação diferenciada para superdotados. Na Ásia em geral (Coréia, Taiwan, Singapura), a partir dos anos 70, o investimento no potencial humano cresce a cada dia, fortalecendo a educação dos talentos. Israel também enfatiza muito a educação de portadores de altas habilidades.

5 Histórico do atendimento ao PAH - século XX Estados Unidos Gama, M. C. S. (2006) Processo tardio: ainda exceção no século XIX. Desenvolvimento por causa da Guerra Fria. Louis Terman (Universidade de Stanford) começou a medir o Q.I. (Quociente Intelctual) com o teste Stanford-Binet. Leta Hollingworth (Universidade de Columbia) defendia educação diferenciada para PAH. Nos anos 60 esse esforço também foi reduzido em nome da igualdade de oportunidades de educação para todos. Os E.U.A. vivem um dilema: como conciliar dois valores importantes, a eqüidade e a excelência.

6 Histórico do atendimento ao PAH Brasil Gama, M. C. S. (2006); Delou (2007) Anos 30 - Leoni Kaseff publica A Educação dos Supernormais. Os primeiros textos A Educação dos Super-Normaes - Leoni Kaseff O Dever do Estado Relativamente à Assitência aos Mais Capazes (1932) O Problema da Educação dos Bem-Dotados - Helena Antipoff Psicologia do Superdotados - M. Helena Novaes Oswaldo de Barros Santos (definições, políticas e atendimento) Rachel Lea Rosenberg (dissertação de Mestrado - compilação da literatura)

7 Histórico do atendimento ao PAH Brasil Zenita Guenther,Sarah Couto César e M. Helena Novaes Mira (Pirenópolis, 2006); A IMPORTÂNCIA HELENA ANTIPOFF Muitas anotações, nenhum manual, muito fazer. Todo trabalho de Educação é um laboratório. Sem o conhecimento, a educação é mera repetição de técnicas. Fazendo, pensando sobre o que foi feito, modificando; assim se faz a Educação, mais que seguindo manuais e modelos.

8 Histórico do atendimento ao PAH Brasil Zenita Guenther,Sarah Couto César e M. Helena Novaes Mira (Pirenópolis, 2006); A IMPORTÂNCIA HELENA ANTIPOFF Princípios de atitude científica Ler o livro da vida com um olhar apropriado: holístico, experiencial e não linear Ciência exige paciência e persistência - não se deve fazer sínteses antecipadas; mesmo o menor trabalho tem que ter referencial filosófico (por que e para que, o pano de fundo da existência), além de fazer um registro fiel. Ênfase no fazer - aprendizado é um processo; aprendendo o que se faz, fazendo à medida que aprende, ensinar aprendendo o que se está ensinando. Ênfase na imersão ambiental - todos os cursos eram dados em residência, formando uma comunidade educativa.

9 Histórico do atendimento ao PAH Brasil Zenita Guenther,Sarah Couto César e M. Helena Novaes Mira (Pirenópolis, 2006); A IMPORTÂNCIA HELENA ANTIPOFF Estudou as populações rurais Cunhou a palavra excepcional Estudou as excepcionalidades Fundou a Sociedade Pestalozzi Foi a primeira a incluir a superdotação na excepcionalidade (mais que uma curiosidade) Chamou a atenção para a necessidade da educação especial Os superdotados ficaram para o fim de sua vida, sua última área de ação Artigo: O Problema do bem-dotado no meio rural

10 Histórico do atendimento ao PAH Brasil: Datas importantes Gama, M. C. S. (2006); Zenita Guenther,Sarah Couto César e M. Helena Novaes Mira (Pirenópolis, 2006); Delou (Brasília,,2007) Helena Antipoff chama a atenção, na Sociedade Pestalozzi, para os bem-dotados Julieta Ormastroni cria o Cientistas para o Futuro 1966/ primeiros seminários sobre educação dos bem-dotados (Sociedade Pestalozzi) Centro Educacional Objetivo - início do atendimento aos superdotados na rede privada criação da ADAV - Associação Milton Campos para Desenvolvimento e Assistência a Vocações de Bem-Dotados Fundação José Carvalho - aulas de mineração, computação e administração para alunos de baixa renda NAS - Núcleo de Apoio à Aprendizagem do Superdotado ABSD - Associação Brasileira para Superdotados Solange Wechsler cria o Clube de Talentos CEDET/ASPAT - Centro para Desenvolvimento do Potencial e Talento em Lavras programas para superdotados na Universidade Federal Fluminense criação do ConBraSD - Conselho Brasileiro de Superdotação

11 Histórico do atendimento ao PAH Brasil: evolução da legislação Delou (Brasília,,2007) Leis primeira legislação sobre superdotação - Reforma Educacional fala em super-normaes A LDB passa a incluir os excepcionais, e H. Antipoff lembra dos bem-dotados como parte deles a Lei 5692/1971, art. 9º nomeia os superdotados. O artigo não é regulamentado em alguns estados, por causa de uma cultura de exclusão Lei 9394/ reconhecimento das necessidades educacionais especiais dos PAH

12 Histórico do atendimento ao PAH Brasil: evolução das ações Delou (Brasília,,2007) critérios para a identificação e o atendimento ao SD (milagre brasileiro, melhores cabeças) SD passa a ser área prioritária da Educação Especial definição de classes regulares e especiais, atividades de enriquecimento política Nacional da SEESP/MEC: revisão de conceitos, análise da situação, fundamentos Declaração de Salamanca - integração e inclusão: revisão das políticas política de editais - exclusão, concorrência entre os projetos por financiamentos NAAH/S - novo paradigma de inclusão: conhecimento cumulativo Novo paradigma de inclusão para todos os profissionais que aceitarem participar da discussão


Carregar ppt "A Construção de Práticas Educacionais para Alunos com Altas Habilidades/Superdotação Supervisora Elenira PCOP Ana Silvia Christina Cupertino CAPE- São."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google