A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

João Leonel.. Introdução Igreja como comunidade terapêutica – Mc 2.17. Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "João Leonel.. Introdução Igreja como comunidade terapêutica – Mc 2.17. Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim."— Transcrição da apresentação:

1 João Leonel.

2 Introdução Igreja como comunidade terapêutica – Mc Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim pecadores. Quem são os doentes? Os cristãos? Não, os pecadores! Portanto, somos comunidade terapêutica para os que não crêem! 2

3 1 Igreja e cristianismo. Relação nem sempre amistosa Lucas e Atos demonstram essa crise no início do cristianismo. Por volta dos anos 80 d.C., os cristãos sentiram necessidade de olhar para a vida de Jesus em busca de um modelo para ser seguido. Para resolver o problema, foi escrita uma obra em dois volumes: Evangelho de Lucas – apresenta Jesus como modelo; Atos dos Apóstolos – apresenta a igreja vivendo o modelo de Jesus. 3

4 2 No que consiste a prática da vida de Jesus na vida da Igreja? No cumprimento da missão de pregação do evangelho a todas as nações – At 1.8. Missão que foi anunciada por Simeão (Lc 2.32) e estava implícita na fala (Lc ) e nas ações de Jesus (comunhão com proscritos). A vida da Igreja terá a missão como alvo e como identidade. Tudo girará em torno da missão. Ex: O Espírito Santo foi dado com fins missionários (Lc 3.22 [cf. Is 42.1]; At 2.4, 11; 4.31); A oração está inserida no contexto missionário (Lc 3.21; ; At ; 12.5). 4

5 É significativo que no livro de Atos a Igreja (o termo aparece 23 vezes) não receba destaque. Quase não se fala de organização, e quando se fala, mencionando presbíteros, missionários, profetas, profetizas e apóstolos, é necessário reconhecer que várias dessas funções foram abandonadas no decorrer da história da Igreja. Fala-se, sim, e muito, de missão. A igreja e suas estruturas devem estar à serviço da missão. A missão desenvolve-se, na vida de Jesus e da Igreja, como uma comunhão de mesa com proscritos: prostitutas, cambistas, possessos, doentes, pessoas desprezadas pela sociedade (cf. Lc ; At ). 5

6 3 Mas, em que consiste a missão da Igreja? Em anunciar o evangelho. A palavra significa boas novas. Era usada no contexto grego-romano para anunciar vitórias militares. A boa nova a ser proclamada é que Jesus Cristo, pela cruz e ressurreição, venceu o mundo, o diabo, e a nós mesmos, requerendo seu senhorio sobre o universo e os seres humanos. Portanto, proclamamos um evangelho integral que reintegra o ser humano em todas as dimensões. Na sociedade, proclamamos graça e juízo divinos. A igreja é o contexto em que vivemos livres desses antigos senhores. É o local onde aprendemos a viver como Corpo de Cristo, Imago Dei, como o povo do novo mundo recriado por Jesus Cristo. 6

7 4 Voltando ao começo da conversa... A Igreja é uma comunidade terapêutica para aqueles a quem ela atinge pelo evangelho integral de Jesus. Chegam machucados, oprimidos, sobrecarregados de pecados e são curados pela graça de Jesus Cristo e pelo amor fraterno. A Igreja existe mais na sociedade do que entre quatro paredes. Ela foi estruturada para isso. Quando a Igreja não dedica sua vida àqueles pelos quais ela existe, e passa a importar-se apenas com suas programações, seu nome, sua própria vida, ela nega a obra de Jesus e se auto-nega. Então, sem sermos fiéis ao nosso chamado, pecando por não nos dispormos a compartilhar a graça que nos foi dada, sem darmos chances para o Espírito Santo agir, com orações vazias e sem objetivo, então, nós ficamos feridos. 7

8 Seremos pessoas tristes, com tempo sobrando para nos irritarmos por vermos apenas a nós mesmos, discutindo nossos pontos de vista a respeito do último culto, do lugar em que as flores devem ficar no templo, convivendo com nossos defeitos e pecados. Então pretenderemos curar uns aos outros. Mas sem sucesso. Seremos um hospital sem verdadeiros doentes, onde os médicos e enfermeiras se tornarão doentes por não terem o que fazer, e não conseguirão tratar uns aos outros por terem desaprendido a arte da cura. Mais do que isso. Desenvolveremos entre nós bactérias super- poderosas que tornarão o ambiente onde vivemos fétido e perigoso para a saúde. Seremos um hospital doente, repleto de infecção hospitalar. DEUS NOS LIVRE DISSO! 8


Carregar ppt "João Leonel.. Introdução Igreja como comunidade terapêutica – Mc 2.17. Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google