A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profa Dra Maria Ignez Saito Unidade de Adolescentes ICr – HC FMUSP Vacina quadrivalente contra o HPV: Desafios e reflexões Declaração de potencial conflito.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profa Dra Maria Ignez Saito Unidade de Adolescentes ICr – HC FMUSP Vacina quadrivalente contra o HPV: Desafios e reflexões Declaração de potencial conflito."— Transcrição da apresentação:

1 Profa Dra Maria Ignez Saito Unidade de Adolescentes ICr – HC FMUSP Vacina quadrivalente contra o HPV: Desafios e reflexões Declaração de potencial conflito de interesse: Speaker - Vacina quadrivalente contra HPV - MSD

2 DST/AIDS DST/Sífilis DST/HPV

3 HPV e Morbidade A infecção pelo HPV é bastante comum e geralmente de pouca significância clínica (80% a 90% resolução espontânea no primeiro ano). A maioria dos casos de morbidade esta associada à displasia cervical ou às verrugas genitais. Os mecanismos de transformação do HPV foram elucidados e ficou demonstrado seu desempenho como vírus tumoral, que carrega genes, interfere no controle do ciclo celular, levando a um crescimento descontrolado de células. A manifestação mais grave do vírus é o câncer cervical A displasia cervical é causada tanto pelos tipos oncogênicos como pelos não oncogênicos e as verrugas pelos não oncogênicos Neoplasia intraeptelial cervical: NIC 1 – Displasia leve inclui verrugas anogenitais NIC 2 – Displasia moderada NIC 3 – Displasia grave inclui carcinoma in situ

4 HPV >100 tipos identificados 2 ~30–40 anogenitais 2,3 ~15–20 de tipo oncogênico *,2,3, incluem 16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 58 4 – –HPV 16 (54%) e HPV 18 (13%) foram responsáveis pela maioria dos cânceres cervicais em todo o mundo. 5 Tipos não-oncogênicos ** incluem: 6, 11, 40, 42, 43, 44, – –HPV 6 e 11 são mais frequentemente associados a verrugas genitais externas Howley PM. In: Campos da Virologia. Filadélfia, Pa: Lippincott-Raven; 1996:2045– Schiffman M, Castle PE. Arch Pathol Lab Med. 2003;127:930– Wiley DJ, Douglas J, Beutner K, et al. Clin Infect Dis. 2002;35(suppl 2):S210–S Muñoz N, Bosch FX, de Sanjosé S, e outros. N Engl J Med. 2003;348:518– Clifford GM, Smith JS, Aguado T, Franceschi S. Br J Cancer. 2003:89;101–105. Vírus com molécula de DNA circular de duplo filamento.1 *alto risco; **baixo risco.

5 HPV: Vírus Democrata! População com poucos recursos… População com mais recursos…

6 Estatísticas Globais do HPV O risco em vida de acordo com os Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos para homens e mulheres SEXUALMENTE ATIVOS É DE PELO MENOS 50% Centros para o Controle e Prevenção de Doenças. Rockville, Md: CDC Rede Nacional de Informação e Prevenção; O risco mais alto de infecção pelo HPV ocorre em adolescentes, mas o risco de infecção permanece ao longo da vida.

7 Mecanismos da Transmissão e Aquisição do HPV Contato Sexual Por intermédio de intercurso sexual Genital-genital, manual-genital, oral-genital A infecção genital pelo HPV em virgens é rara, mas pode resultar de contato sexual não penetrativo O uso de preservativo pode reduzir o risco, mas não é totalmente seguro Rotas não-sexuais. Mãe para o recém-nascido (transmissão vertical, rara) Objetos (roupas íntimas, luvas cirúrgicas, fórceps para biópsias, etc.) – –Hipóteses ainda não devidamente documentadas

8 Esse tal do HPV realmente assusta você, não é mesmo?

9 Adolescência Transformação Prevenção e Risco

10 ADOLESCÊNCIA: ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE E DESPROTEGIDA UNESCO: 2004 (14 capitais) 10 – 19 anos: 12,2% (Florianópolis) a 36,9% (Recife): grávidas alguma vez 10 – 14 anos: 33,3% (Fortaleza): grávidas alguma vez Desde a década de 80 até junho de 2008 o Ministério da Saúde notificou casos de Aids no Brasil casos em jovens 13 a 19 anos casos em menores de 13 anos Jovens de 15 a 24 anos representam aproximadamente 45%das novas infecções de HIV no mundo Machado JKC. Tese de Mestrado. Santa Casa de Misericórdia, 2009

11 HPV - Infecção/ Prevenção Sexo feminino Idade precoce da primeira relação sexual Idade precoce (faixa de pico: 20–24 anos de idade) Número de parceiros recentes e ao longo da vida vida Comportamento sexual do parceiro masculino Uso de contraceptivo oral Sexo masculino Idade precoce (faixa de pico: 25–29 anos de idade) Número de parceiras durante vida sexual ativa Não ser circuncidado Total abstinência de contato genital é o mais efetivo método de prevenção. Mútua monogamia por toda a vida.

12 Verrugas Genitais: Uma Doença dos Jovens 1 Índices de diagnósticos de verrugas anogenitais (primeiro ataque) em clínicas de medicina geniturinária na Inglaterra e no País de Gales (2000) 1. CDR Wkly (Online). 2001:11(35). Disponível em: Índice por Habitantes Idade (Anos)

13 Incidência Mundial Estimada do HPV - Doenças e Diagnósticos Relacionados Câncer cervical: milhões em Lesões pré-cancerosas de alto risco: 10 milhões 2 Lesões cervicais de baixo risco:30 milhões Verrugas genitais: 30 milhões 3 Infecção pelo HPV sem anormalidades detectáveis: 300 milhões 2 1. Parkin DM, Bray F, Ferlay J, Pisani P. CA Cancer J Clin. 2005;55:74– Organização Mundial de Saúde. Genebra, Suíça: Organização Mundialo de Saúde; 1999:1– Organização Mundial de Saúde. Departamento de Informações da OMS. Destaque da OMS. 1990;152:1–6. 20%Orofaríngeo 95%Cervico-uterino* 90%** Não-melanoma da pele/célula escamosa cutânea >70%Anal 50%Peniano >50%Vulvar* 50%Vaginal* % Associada a Certos Tipos de HPV Câncer Dos agentes infecciosos relacionados com Ca: 30% HPV 60% Hepatite B, C e Helicobacter pilori 10% outros

14 CONDILOMAS GENITAIS: PATOLOGIA DE INCIDÊNCIA CRESCENTE Incidência de condilomas genitais no Reino Unido (1993–2002) PHLS. CDR Weekly 2001;11(35). 2. Bozon M. A quel âge les femmes et les hommes commentcent-ils leur vie sexuelle? Comparaisons mondiales et évolutions récentes. Population et Sociétés 2003;391:1–4.

15 HPV e Verrugas Anogenitais. Infectividade >75% remissão expontânea - até 40% Terapias tópicas e cirúrgicas; tratamento pode ser doloroso e constrangedor. Taxas de recorrência variam bastante. HPV 6 e 11 são responsáveis por >90% das verrugas anogenitais¹ Risco estimado de desenvolvimento de verrugas genitais ~10%

16 Papilomatose Respiratória Recorrente Papilomatose Respiratória Recorrente (PRR) 1 Afeta crianças e adultos Geralmente causada pelos tipos de HPV 6 ou 11 Embora histologicamente benigna, a PRR causa morbidade e mortalidade significantes devido à sua natureza recorrente. 1 A PRR desempenha possível papel nos cânceres do pescoço e da cabeça. 1,2 1.Abramson AL, Nouri M, Mullooly V, Fisch G, Steinberg BM. J Med Virol. 2004;72:473– Steinberg BM, DiLorenzo TP. Cancer Metastasis Rev. 1996;15:91–112.

17 Tipos oncogênicos de HPV - Importante causa do Câncer Cervical. O HPV é a causa principal do câncer cervical. O câncer cervical é o tipo mais frequente de câncer depois do de mama O câncer cervical é uma doença tanto de jovens como de mulheres mais velhas nos países em desenvolvimento, com alta incidência na América Latina. Mortalidade: mortes anualmente.

18 Persistência do HPV e Câncer Infecção Persistente: Detecção do mesmo tipos de HPV duas ou mais vezes em um período de alguns meses até 1 ano A integração do HPV ao DNA da célula hospedeira é comumente associada aos tipos oncogênicos de alto risco. A persistência de tipos de HPV de alto risco pode ser crucial para o desenvolvimento do pré-câncer e do câncer cervical, mas não é necessária para a progressão. Outros fatores associados Infecção com tipos múltiplos de HPV Infecção com tipos múltiplos de HPV Imunossupressão Imunossupressão Paridade elevada, tabagismo, fatores nutricionais, anticoncepcionais orais Paridade elevada, tabagismo, fatores nutricionais, anticoncepcionais orais A idade tem sido descrita como fator de risco e de persistência de risco.

19 Co-fatores para ocorrência de câncer Paridade elevada –ajustada pela idade da primeira relação e número de parceiros Tabaco –Possíveis mecanismos incluem redução da resposta imunitária do colo do útero Anticoncepcionais combinados –Poderiam potencializar a expressão de genes do HPV na cérvix Fatores nutricionais –Efeito protetor: provável – folatos, retinol e vit. E possível – verduras, vit. C e B12 Circuncisão –Diminui em 3 vezes o risco de câncer de pênis: reduz a superfície de epitélio queratinizado –Evita o acúmulo de secreções vaginais infectadas. Co-infecção pelo HIV e Chlamydia trachomatis provável vírus do Herpes

20 Objetivos centrais de um programa de vacinação contra o HPV A administracão da vacina deve reduzir o risco de: De infecção pelo HPV Câncer cervicouterino Neoplasia intraepitelial cervical Neoplasia intraepitelial vulvar e câncer vulvar Neoplasia intraepitelial vaginal e câncer vaginal Verrugas genitais

21 Vacina Quadrivalente Recombinante 6,11,16,18 Vacina quadrivalente contra HPV - MSD Julho / 2006 aprovação pelo FDAAgosto / 2006 aprovação pela ANVISA

22 Vacina Quadrivalente de PPV de L1 do HPV Vacina tetravalente recombinante contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) de PPV de L1 PPV produzidas em Saccharomyces cerevisiae Adjuvante de alumínio, 225 μg por dose Volume de injeção, 0,5 ml 3 doses em 6 meses – 9 a 26 anos

23 Condiloma Vulva Cond. Colo Cond. Penis Cond. Anus Por Que Recomendar a Vacina Contra HPV? Ca Colo/Vagina Ca Vulva Ca Penis

24 A imuno-resposta natural a infecção pelo HPV é demorada e imprevisível. Só em 50% das mulheres com infecção natural a HPV são detectados anticorpos O período que transcorre entre a infecção do queratinócito basal e o aparecimento de lesões é muito variável o que demonstra a capacidade do HPV de escapar do sistema imunológico durante anos A imunidade inata é relevante para o controle do HPV: mulheres com infecção transitória tem menor possibilidade de desenvolver anticorpos ou respostas celulares. O desenvolvimento de anticorpos específicos é mais característico naquelas com história de exposição prolongada As partículas do HPV são eliminadas por descamação natural; não existe morte citopática e portanto pouca inflamação para ativar o sistema imunológico HPV e Imune - resposta

25 Vacina Quadrivalente e Imune-resposta As proteínas do capsídeo são os únicos antígenos acessíveis para uma resposta neutralizadora clássica pelos anticorpos para prevenção da infecção (resposta forte e duradoura) A vacina conferirá respostas imunes mais potentes do que aquela da exposição natural: Maior quantidade de antígenos Títulos de anticorpos mais elevados Anticorpos neutralizantes específicos diretamente relacionados a eficácia Novos estudos estabeleceram a possibilidade de proteção cruzada para alguns tipos de HPV (HPV 16 [31,33,35,52,58], 18 [39,45,59])

26 Proteção cruzada Classificação Filogenética do HPV – Gêneros e Espécies – Alta homología entre as proteínas L1 1 determina a afinidade 1. de Villiers EM, Fauquet C, Broker TR, et al. Virology. 2004;324: Espécie A09: Relacionado HPV 16 31,33,35,52,58 Espécie A07: Relacionado HPV 18 39,45,59 Espécie A05: Relacionado HPV 51 Espécie A06: Relacionado HPV 56

27 VACINAS CONTRA HPV –PROTEÇÃO CRUZADA Conselho Consultivo para Práticas de Imunizações (ACIP) CDC. MMWR 59 (20), May 28, Disponível em Em análise posterior, a eficácia contra HPV 31 relacionada à NIC2+ de acordo com a população por protocolo foi de 89.4% (IC 99.7% [ ]). É importante notar que o ACIP se refere apenas a eficácia de proteção cruzada obtida após controle da coinfecção e apenas menciona eficácia contra 31 para a vacina bivalente. A eficácia da vacina quadrivalente contra HPV 31 foi de 70% (CI 95%: 32, 88) (dado não incluído nesta publicação do MMWR – dado publicado no Brown DR et al. J Infect Dis. 2009;199:926–935).

28 Níveis de anticorpos e maior proteção Para as vacinas contra o HPV não foi detectado um nível mínimo de Ac que se correlacione com a protecção conferida Daí a avaliação de eficácia ser baseada em eficácia profilática clínica (prevenção de lesões causadas por HPV) Desconhecemos o nível de anticorpos necessário para garantir eficácia protetora. Stanley, M: 22WC.IFCPC. Auckland Out 2008 Position Paper OMS Vacinas HPV Abril 2009

29 EFICÁCIA DAS VACINAS CONTRA HPV Conselho Consultivo para Práticas de Imunizações (ACIP) CDC. MMWR 59 (20), May 28, Disponível em Vacina Controle Eficácia da vacina Vacina/Desfecho/Tipo de HPV No. Casos No. Casos % IC* VACINA BIVALENTE (96.1 IC) NIC2/3 ou AIS HPV 16 e/ou ( ) HPV ( ) HPV ( ) VACINA QUADRIVALENTE (95 IC) NIC2/3 ou AIS HPV 6,11,16 e/ou ( ) HPV ( ) HPV ( ) NIV2/3 ou NIVA 2/3 HPV 6,11,16 e/ou ( ) HPV ( ) HPV (< ) VERRUGAS GENITAIS HPV 6 e ( )

30 Tanto a vacina bivalente como a quadrivalente é recomendada para prevenção de pré-cânceres e cânceres. Ambas as vacinas poderiam proteger contra outros cânceres relacionados ao HPV, porém existem dados atuais suficientes apenas para recomendar a vacina quadrivalente para proteção contra pré-cânceres e cânceres vulvares e vaginais. A vacina quadrivalente também está indicada para prevenção de verrugas genitais. EFICÁCIA DAS VACINAS CONTRA HPV Conselho Consultivo para Práticas de Imunizações (ACIP) CDC. MMWR 59 (20), May 28, Disponível em

31 Demonstração da memória imunológica com mudança antigênica em 60 meses 10,000 1, week Vacina Quadrivalente n = 78 Placebo (Sero (-) and PCR (-) n = 70 Anti-HPV response (GMT levels with 95% CI [log 10 scale]) Vaccination on Day 0, at 2 and 6 months Immune challenge at 60 months Anti-human papillomavirus (HPV) 16 responses* in 16- to 23-year-old females through 5 years of follow-up and evidence of anamnestic response to immune challenge Months *In subjects naïve to the relevant HPV type from Day 1 through Month 60. Data on file, MSD. 6 Immune memory demonstrated after immune challenge Olsson SE et al. Vaccine 2007; 25:

32 American Academy of Pediatrics Comittee on Infectious Diseases 1. 1.Meninas entre 11 e 12 anos deveriam ser imunizadas rotineiramente com 3 doses da vacina quadrivalente contra o HPV 2. 2.Todas as meninas e mulheres entre 13 e 26 anos devem ser vacinadas com a vacina quadrivalente contra o HPV 3. 3.A vacina contra o HPV pode ser administrada com todas as outras vacinas recomendadas na mesma visita e 4. 4.Pode ser dada nas seguintes circunstâncias especiais: Em pacientes com anormalidade ou dúvida no Pap test Pacientes em amamentação Pacientes em imunossupressão por doença ou medicação Administração da vacina não modifica as recomendações do uso de métodos de barreira para prevenção do HPV

33 Calendários Academia Americana de Pediatria, Sociedade Brasileira de Pediatria Sociedade Brasileira de Imunização. Calendário Oficial – Ministério da Saúde?

34 Vacina Quadrivalente Custo X Benefício Impacto da vacina (incidência e prevalência) Imediato sobre a infecção Mediato sobre as verrugas Tardio sobre lesões pré cancerígenas A longo prazo sobre câncer cervical Custo econômico X custo econômico, social e repercussão nas novas gerações A implementação destas vacinas é impossível em países em desenvolvimento e com poucos recursos por ser muito cara?

35 Organização Mundial de Saúde Vacina / calendário oficial Vacina / calendário oficial Adolescentes sexo feminino 10 a 13 anos Adolescentes sexo feminino 10 a 13 anos Vacinação antes do início da atividade sexual Vacinação antes do início da atividade sexual Cobertura vacinal >70% Cobertura vacinal >70% Duração da proteção > 10 anos Duração da proteção > 10 anos Países de baixa renda Países de baixa renda Posição da OMS - vacina quadrivalente Ca cervical e outras doenças relacionadas ao HPV Ca cervical e outras doenças relacionadas ao HPV Priorizar alta cobertura em adolescentes jovens Priorizar alta cobertura em adolescentes jovens Pode ser utilizada durante o aleitamento materno Pode ser utilizada durante o aleitamento materno Intercambialidade deve ser evitada

36 Comparação entre grupos populacionais (p <0.001)* Sexo masculino - HPV e Imune Resposta: Comparação entre grupos populacionais (p <0.001)* Adolescentes femininas 10–15 anos Adolescentes masculinos 10–15 anos Adolescentes e jovens 16–23 anos Vacina quadrivalente 6, 11, 16, 18 - eficácia proteção contra infecção 86%proteção contra infecção 86% proteção contra doença 90%proteção contra doença 90% Aprovação da vacina pelo FDA – sexo masculino entre 9 e 26 anos 9/2009 Em avaliação pela ANVISA

37 . APROVAÇÃO DA VACINA QUADRIVALENTE EM HOMENS Conselho Consultivo para Práticas de Imunizações (ACIP) Esta indicação não é ainda aprovada no Brasil O FDA aprovou o uso da vacina quadrivalente para uso em homens de 9 a 26 anos para prevenção de verrugas genitais causadas para HPV tipo 6 e 11 (out/2009). Em programas nacionais de imunização, quando a cobertura vacinal de mulheres é alta (>80%), modelos matemáticos sugerem que vacina contra HPV em homens em adição a programa de vacinação em mulheres não é a estratégia de vacinação mais custo-efetiva para reduzir o ônus total de condições associadas ao HPV em homens e mulheres. Devido ao fato que o ônus de saúde é maior em mulheres do que homens, melhorar a cobertura em meninas de 11 e 12 anos é estrategicamente mais custo-efetiva do que a adição da vacinação em homens. CDC. MMWR 59 (20), May 28, Disponível em

38 . APROVAÇÃO DA VACINA QUADRIVALENTE EM HOMENS Conselho Consultivo para Práticas de Imunizações (ACIP) Esta indicação não é ainda aprovada no Brasil Homens que fazem sexo com homens (HSH) são de risco particular para condições associadas aos HPV 6,11,16 e 18; doenças e cânceres entre HSH incluem neoplasia intraepitelial anal, câncer anal e verrugas genitais. A vacina quadrivalente tem alta eficácia na prevenção de neoplasias intraepitelial anal em HSH; entretanto esta informação não estava disponível no encontro do ACIP em outubro de 2009 e não foi revisada pelo FDA. CDC. MMWR 59 (20), May 28, Disponível em

39 Vacina Quadrivalente Questões freqüentes Número de doses Efeitos Adversos Adolescentes: Educação e conscientização de adolescentes e familiares Abandono de estereótipos Participação efetiva dos adolescentes Gravidez Mulheres previamente expostas Eficácia Reações adversas Recomendações da vacinação Mulheres entre 26 e 45 anos

40 Vacinação de rotina em meninas de 11 a 12 anos. A vacinação pode ser iniciada aos 9 anos.Vacinação de rotina em meninas de 11 a 12 anos. A vacinação pode ser iniciada aos 9 anos. É recomendada para adolescentes e mulheres de 13 a 26 anos que não foram previamente vacinadas. Se uma mulher alcança 26 anos sem ter completado o esquema vacinal completo, as doses remanescentes podem ser administradas após os 26 anos.É recomendada para adolescentes e mulheres de 13 a 26 anos que não foram previamente vacinadas. Se uma mulher alcança 26 anos sem ter completado o esquema vacinal completo, as doses remanescentes podem ser administradas após os 26 anos. Idealmente, a vacina deve ser administrada antes da exposição potencial ao HPV através do contato sexual.Idealmente, a vacina deve ser administrada antes da exposição potencial ao HPV através do contato sexual. Mulheres em lactação podem receber a vacina contra HPV.Mulheres em lactação podem receber a vacina contra HPV. CDC. MMWR 59 (20), May 28, Disponível em RECOMENDAÇÕES VACINAS CONTRA HPV Conselho Consultivo para Práticas de Imunizações (ACIP)

41 RECOMENDAÇÕES VACINAS CONTRA HPV Conselho Consultivo para Práticas de Imunizações (ACIP) Doses realizadas com intervalos menores do que o recomendado devem ser refeitas. Se o esquema vacinal é interrompido, o esquema vacinal não deve ser reiniciado. A administração da vacina contra HPV, simultânea, antes ou depois de outra vacina viva ou inativada é permitida porque a vacina contra HPV não é uma vacina de vírus vivo. Quando possível, a mesma vacina contra HPV deve ser utilizada para completar o esquema vacinal; Nenhum estudo avaliou a intercambialidade entre as vacinas de HPV. Ambas as vacinas contra HPV são não-vivas e podem ser administradas para mulheres que são imunossuprimidas (secundário a doença e ou medicações). Entretanto, a resposta imune e a eficácia contra vacina podem ser menores do que em indivíduos imunocompetentes CDC. MMWR 59 (20), May 28, Disponível em

42 Mulheres que tem anormalidades nos resultados do rastreamento do câncer do colo do útero e/ou história genital de verrugas genitais estão/foram infectadas por um ou mais tipos de HPV. A vacinação é recomendada para estas mulheres, porque a vacinação pode fornecer proteção contra infecção pelos tipos de HPV contidos na vacina e não adquiridos. Mulheres devem ser avisadas que a vacinação não tem efeito terapêutico nas infecções preexistentes por HPV ou nas alterações no Papanicolaou. Avaliações pré-vacinação (por exemplo, Papanicolaou ou rastreamento com teste de DNA de HPV de alto risco, tipagem específica de HPV ou mensuração de anticorpos de HPV) para estabelecer a indicação da vacina contra HPV não são recomendadas em nenhuma idade. CDC. MMWR 59 (20), May 28, Disponível em RECOMENDAÇÕES VACINAS CONTRA HPV Conselho Consultivo para Práticas de Imunizações (ACIP)

43 Risco de infecção por HPV mantém-se ao longo da vida da mulher Koutsky. Am J Med1997;102:3–8 Jacobs et al. Int J Cancer 2000;87:221–227.

44 * FUTURE III EFICÁCIA EM MULHERES ANOS Muñoz N_Lancet June, (373); 1) *Casos de CIN ou LGE pelo HPV 6/11/16/18 População Por-Protocolo APROVAÇÃO PELA EMEA E INCLUSÃO RCM - SET 09 Eficácia 90,5% (IC 95% 73,7-97,5 ) Em avaliação pelo FDA e pela ANVISA

45 1ª Avaliação de Impacto Populacional Vacinação contra o HPV Austrália Mulheres < 28 anos Mulheres 28 anos Homens homossexuais Homens heterossexuais Herpes genital primário PROPORÇÃO DE NOVOS PACIENTES COM VERRUGAS GENITAIS Fairley et al. Rapid decline in presentations of genital warts after the implementation of a national quadrivalent human papillomavirus vaccination programme for young women. Sex Transm Infect Dec;85(7): Atualização IPV 2010 – Montreal/Canada Redução de 60% das verrugas em mulheres até 27 anos Redução de 30% em homens heterossexuais não vacinados até 27 anos Taxa constante em homens homossexuais e heterossexuais > 27 anos Meninas/mulheres viajantes e vacinadas em outros países, maior índice de verrugas (vacina bivalente?) 80% DE ADESÃO DE MENINAS/MULHERES ATÉ 27 ANOS

46 Conclusão: Comprovou-se em relação a vacina quadrivalente recombinante 6, 11, 16, 18: Alta eficácia na prevenção de câncer cervical, vulvar, vaginal e outras doenças ano-genitais causadas pelos tipos 6, 11, 16 e 18. Substancial redução de CIN 2/3 e AIS comparada ao uso de placebo Imunogenicidade comprovada em adolescentes e mulheres jovens Evidência de resposta anaminéstica Segurança Boa tolerância Boa aceitação Efeitos colaterais locais e apenas febre como efeito adverso sistêmico

47 AUTORIDADES DE SAÚDE CONFIRMAM PERFIL DE SEGURANÇA DA VACINAÇÃO CONTRA O HPV Mais de 50 milhões de doses distribuídas em todo o mundo Autoridades de Saúde mundiais, norte-americanas, europeias e nacionais têm confirmado o bom perfil de segurança da Vacina Quadrivalente contra HPV WHO. Weekly Epidemiological Record nº 5 (2009);84: Slade B et al. JAMA 2009 (vol 302 nº7);

48

49

50

51 História Natural do HPV: o FUTURO está em Nossas Mãos... Somente a prevenção modifica a história natural da doença


Carregar ppt "Profa Dra Maria Ignez Saito Unidade de Adolescentes ICr – HC FMUSP Vacina quadrivalente contra o HPV: Desafios e reflexões Declaração de potencial conflito."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google