A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 1 ANDROPAUSA Prof. Bruno Barbosa Enfermagem na Saúde do Homem.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 1 ANDROPAUSA Prof. Bruno Barbosa Enfermagem na Saúde do Homem."— Transcrição da apresentação:

1 1 1 ANDROPAUSA Prof. Bruno Barbosa Enfermagem na Saúde do Homem

2 2 O que é? É conhecida como menopausa masculina. Ocorre na faixa etária dos 50 anos, devido à diminuição do tamanho dos testículos e conseqüente queda da produção de testosterona (hormônio sexual masculino).

3 3 Andropausa ou Androclise Deficiência androgênica do envelhecimento masculino " Partial Androgen Deficiency in the Aging Male" (PADAM) Como chamam por aí??

4 4 O HORMÔNIO MASCULINO A testosterona na adolescência é responsável pelas características sexuais Desenvolvimento do pênis Aumento dos pelos Mudanças da voz Aumento da massa muscular

5 5 ANDROPAUSA 20% dos homens saudáveis entre 60 e 80 anos apresentam testosterona total abaixo do normal Ocorre na faixa etária dos 50 anos, devido queda da produção de testosterona (hormônio sexual masculino) O quadro clínico das alterações hormonais no homem idoso pode ser apenas sutil ou mesmo imperceptível.

6 6 EPIDEMIOLOGIA IDOSOS Em 1950 menos de 5% da população mundial tinha mais do que 65 anos de idade e que em 2025 essa taxa será maior do que 15%; A população de homens com mais de 100 anos no mundo em 1998 era de 0,1%, devendo atingir os 2,2% no ano países do mundo terão pelo menos 10% de sua população com mais de 80 anos de idade por volta de 2050 A expectativa de vida pulou de 46,5 anos em 1950 para 66,5 anos em 2000 devendo chegar a 76 anos de idade em 2040.

7 7 ANDROPAUSA FISIOPATOLOGIA A secreção do hormônio do crescimento diminui 14% por década após a puberdade Redução da produção de melatonina Perda do ritmo circadiano da produção de testosterona Diminui a resposta do testículo aos hormônios Diminui amplitude dos pulsos de LH

8 8 FATORES CAUSADORES DE DISTÚRBIOS NA PRODUÇÃO DA HORMÔNIO MASCULINO Falta de Exercício Obesidade Alimentação deficiente Stress, crise da meia idade

9 9 RAÇA Desde 140/90 mmHg Deficiências hormonais ou Hipertensão Tabagismo Bebida Alcoólica FATORES CAUSADORES DE DISTÚRBIOS NA PRODUÇÃO DA HORMÔNIO MASCULINO

10 10 POSSÍVEIS CONSEQÜÊNCIAS Aumento da proporção da gordura corporal Diminui a massa muscular e a resistência física Tendência à anemia Tendência a Osteoporose 15 a 16% dos homens acima de 90 anos terão fratura de bacia Diminuição do desejo sexual Dificuldade de ereção Ondas de calor e sudorese

11 11 POSSÍVEIS CONSEQÜÊNCIAS Dificuldade de concentração Irritabilidade Problemas de memória Apatia depressão Mau humor Perda de cabelo Insônia Perda do apetite

12 12 COMO A TESTOSTERONA É PRODUZIDA A hipófise Libera os hormônios LH e o FSH No testículo, o LH atua nas células de Leydig estimulando a produção da TESTOSTERONA O colesterol é o precursor da maioria dos hormônios sexuais. Nas glândulas, responsáveis pela produção dos hormônios, o colesterol sofre reações até virar testosterona.

13 13 MÉTODOS PARA A CONSTATAÇÃO Espermograma Exame urológico (toque retal) Densitometria óssea, Ecografia da próstata e abdome. DosagemTestosterona Livre e Total Dosagem FSH E LH

14 14 O PROBLEMA DA ANDROPAUSA Com a idade, a produção de espermatozóides diminui porque o processo de transformação do colesterol em testosterona não se realiza com eficácia.

15 15 QUANDO REPOR TESTOSTERONA Homens com avaliação laboratorial normal ou assintomáticos não devem ser tratados Quando a testosterona total estiver 1 a 2 desvios-padrão abaixo da faixa normal para o adulto jovem, ou entre 7 a 12,2 mM/L (200 a 350 ng/dL) associado a quadro clínico. Quando há diminuição de libido com testosterona total e/ou livre abaixo do normal (e prolactina normal) É controversa quando existe disfunção erétil e testosterona total e/ou livre nos limites inferiores da normalidade e nos casos de osteoporose

16 16 TRATAMENTO 1 – Reposição de testosterona Deve ser feita com acompanhamento médico. Injeção intramuscular - Semanais ou mensais - É o método mais usado no Brasil. Adesivos - São colocados sobre a pele. Há relatos de até 80% de reações alérgicas Comprimidos por via oral - A absorção pelo intestino é irregular e os remédios são mais tóxicos para o fígado. Gel de testosterona - Tem as mesmas vantagens dos adesivos, sem as reações na pele.

17 17 CONTROLE Inicialmente a cada 3 meses no primeiro ano, passando-se após para um controle anual Próstata: toque retal e PSA Perfil lipídico Enzimas hepáticas Eritropoese Apnéia do sono Benefícios do tratamento Retardo da osteoporose Melhora no desempenho sexual Melhora dos distúrbios neurológicos Melhora da qualidade de vida

18 18 RISCOS DA REPOSIÇÃO HORMONAL COMPROVADOS Crescimento das mamas Aumento do número de glóbulos vermelhos no sangue, o que pode predispor a derrames e infarto. Lesões no fígado, desde uma hepatite ( inflamação até câncer). Retenção de água e sais minerais, o que pode agravar a insuficiência cardíaca e a hipertensão. Aceleração do crescimento de tumores na próstata. Atrofia dos testículos e infertilidade Apnéia do sono (piorar ou induzir) Aumento do risco cardiovascular

19 19 No homem, a chegada do envelhecimento físico pode vir junto com a falta desejo sexual, esta última muito ligada ao fator psicológico e, em alguns casos, à diminuição da produção de testosterona, o hormônio sexual masculino. Essa fase pode ser chamada de Andropausa. A Andropausa não é igual para todos os homens, mas todos experimentam alguma diferença no modo de sentir a vida a medida em que a velhice vai chegando. Embora a idade seja a causa da Andropausa, os homens mais emotivos, menos autoconfiantes e seguros de si estão mais predispostos aos efeitos da apatia. O diálogo e o espaço para o mesmo são de grande importância para minimizar os efeitos da Andropausa


Carregar ppt "1 1 ANDROPAUSA Prof. Bruno Barbosa Enfermagem na Saúde do Homem."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google