A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DA PROVA DA PROVA CAPÍTULO III CAPÍTULO III. Durante o curso do processo penal, que segue até o transito em julgado da decisão condenatória, a autoridade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DA PROVA DA PROVA CAPÍTULO III CAPÍTULO III. Durante o curso do processo penal, que segue até o transito em julgado da decisão condenatória, a autoridade."— Transcrição da apresentação:

1 DA PROVA DA PROVA CAPÍTULO III CAPÍTULO III

2 Durante o curso do processo penal, que segue até o transito em julgado da decisão condenatória, a autoridade judiciária de 1º ou 2º grau, a qualquer momento, fora do instante próprio, que é o da citação para interrogatório, pode ouvir o réu. É possível que esteja foragido e seja preso, ou se torne ausente e,tomando conhecimento do processo,compareça espontaneamente, bem como que seja encontrado e intimado a tanto. Por isso,é imprescindível que o magistrado ofereça ao réu a oportunidade de ser ouvido, qualificando-o e colhendo dados pessoais (interrogatório de qualificação), bem como lhe oferecendo a oportunidade de apresentar a sua versão sobre a acusação (interrogatório de mérito) Durante o curso do processo penal, que segue até o transito em julgado da decisão condenatória, a autoridade judiciária de 1º ou 2º grau, a qualquer momento, fora do instante próprio, que é o da citação para interrogatório, pode ouvir o réu. É possível que esteja foragido e seja preso, ou se torne ausente e,tomando conhecimento do processo,compareça espontaneamente, bem como que seja encontrado e intimado a tanto. Por isso,é imprescindível que o magistrado ofereça ao réu a oportunidade de ser ouvido, qualificando-o e colhendo dados pessoais (interrogatório de qualificação), bem como lhe oferecendo a oportunidade de apresentar a sua versão sobre a acusação (interrogatório de mérito)

3 Naturalmente, se o processo já estiver em 2º grau, aguardando para ser julgado, pode o tribunal determinar sejá o réu ouvido pelo juiz de 1º grau ou, se houver preferência, pode ser ouvido pelo relator. A falta do interrogatório, quando o réu se torne presente após o momento próprio, é nulidade relativa, isto é, somente deve ser reconhecida se houver provocação da parte interessada, demonstrando ter sofrido prejuízo. Naturalmente, se o processo já estiver em 2º grau, aguardando para ser julgado, pode o tribunal determinar sejá o réu ouvido pelo juiz de 1º grau ou, se houver preferência, pode ser ouvido pelo relator. A falta do interrogatório, quando o réu se torne presente após o momento próprio, é nulidade relativa, isto é, somente deve ser reconhecida se houver provocação da parte interessada, demonstrando ter sofrido prejuízo.

4 Art O acusado que comparecer perante a autoridade judiciária, no curso do processo penal, será qualificado e interrogado na presença de seu defensor, constituído ou nomeado. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art O acusado que comparecer perante a autoridade judiciária, no curso do processo penal, será qualificado e interrogado na presença de seu defensor, constituído ou nomeado. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) § 1o O interrogatório do acusado preso será feito no estabelecimento prisional em que se encontrar, em sala própria, desde que estejam garantidas a segurança do juiz e auxiliares, a presença do defensor e a publicidade do ato. Inexistindo a segurança, o interrogatório será feito nos termos do Código de Processo Penal. (Incluído pela Lei nº , de 1º ) § 1o O interrogatório do acusado preso será feito no estabelecimento prisional em que se encontrar, em sala própria, desde que estejam garantidas a segurança do juiz e auxiliares, a presença do defensor e a publicidade do ato. Inexistindo a segurança, o interrogatório será feito nos termos do Código de Processo Penal. (Incluído pela Lei nº , de 1º )

5 § 2o Antes da realização do interrogatório, o juiz assegurará o direito de entrevista reservada do acusado com seu defensor. (Incluído pela Lei nº , de 1º ) § 2o Antes da realização do interrogatório, o juiz assegurará o direito de entrevista reservada do acusado com seu defensor. (Incluído pela Lei nº , de 1º )

6 Debate-se o momento mais adequado para o juiz ouvir o réu deve ser o início ou o final da instrução, vale dizer, a primeira inquirição é feita ou a última. Pelo sistema dotado no Código de Processo Penal como previsto no art. 185,é realizado em primeiro plano. Debate-se o momento mais adequado para o juiz ouvir o réu deve ser o início ou o final da instrução, vale dizer, a primeira inquirição é feita ou a última. Pelo sistema dotado no Código de Processo Penal como previsto no art. 185,é realizado em primeiro plano. A Lei 9.099/95 adotou procedimento diverso,prevendo a oitiva do réu, em interrogatório ao final da colheita da prova. A Lei 9.099/95 adotou procedimento diverso,prevendo a oitiva do réu, em interrogatório ao final da colheita da prova. É possível a condução coercitiva para o interrogatório. É possível a condução coercitiva para o interrogatório. Cautela para a revogação da liberdade provisória. Não configura motivo determinante para a revogação da liberdade provisória. Cautela para a revogação da liberdade provisória. Não configura motivo determinante para a revogação da liberdade provisória.

7 Presença do defensor: Presença do defensor: A partir da Lei /2003, torna-se indispensável que o interrogatório seja acompanhado por defensor, constituído ou dativo. A partir da Lei /2003, torna-se indispensável que o interrogatório seja acompanhado por defensor, constituído ou dativo. Para que seja assegurada a ampla defesa e o cumprimento da nova disposição do art. 185, caput, torna-se fundamental que,no mandado de citação, determine o juiz que o oficial indague do réu se ele já possui defensor constituído e qual o seu nome e endereço Para que seja assegurada a ampla defesa e o cumprimento da nova disposição do art. 185, caput, torna-se fundamental que,no mandado de citação, determine o juiz que o oficial indague do réu se ele já possui defensor constituído e qual o seu nome e endereço

8 Efetividade da ampla defesa e a interferência do defensor antes do interrogatório. Efetividade da ampla defesa e a interferência do defensor antes do interrogatório. É imprescindível que o juiz possibilite ao réu, que não possua advogado contituído, avistar-se como defensor público ou dativo nomeado, reservadamente,para que possa ser orientado das conseqüências de suas declarações, de modo a não prejudicar sua defesa. O devido processo legal, especificamente considerando-se a ampla defesa,não se realizaria a contento se o réu fosse interrogado,sem ter advogado constituído, nem ter tido a oportunidade de contratar um defensor. É imprescindível que o juiz possibilite ao réu, que não possua advogado contituído, avistar-se como defensor público ou dativo nomeado, reservadamente,para que possa ser orientado das conseqüências de suas declarações, de modo a não prejudicar sua defesa. O devido processo legal, especificamente considerando-se a ampla defesa,não se realizaria a contento se o réu fosse interrogado,sem ter advogado constituído, nem ter tido a oportunidade de contratar um defensor.

9 Art Depois de devidamente qualificado e cientificado do inteiro teor da acusação, o acusado será informado pelo juiz, antes de iniciar o interrogatório, do seu direito de permanecer calado e de não responder perguntas que lhe forem formuladas. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art Depois de devidamente qualificado e cientificado do inteiro teor da acusação, o acusado será informado pelo juiz, antes de iniciar o interrogatório, do seu direito de permanecer calado e de não responder perguntas que lhe forem formuladas. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Parágrafo único. O silêncio, que não importará em confissão, não poderá ser interpretado em prejuízo da defesa. (Incluído pela Lei nº , de 1º ) Parágrafo único. O silêncio, que não importará em confissão, não poderá ser interpretado em prejuízo da defesa. (Incluído pela Lei nº , de 1º )

10 Art O interrogatório será constituído de duas partes: sobre a pessoa do acusado e sobre os fatos. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art O interrogatório será constituído de duas partes: sobre a pessoa do acusado e sobre os fatos. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) § 1o Na primeira parte o interrogando será perguntado sobre a residência, meios de vida ou profissão, oportunidades sociais, lugar onde exerce a sua atividade, vida pregressa, notadamente se foi preso ou processado alguma vez e, em caso afirmativo, qual o juízo do processo, se houve suspensão condicional ou condenação, qual a pena imposta, se a cumpriu e outros dados familiares e sociais. (Incluído pela Lei nº , de 1º ) § 1o Na primeira parte o interrogando será perguntado sobre a residência, meios de vida ou profissão, oportunidades sociais, lugar onde exerce a sua atividade, vida pregressa, notadamente se foi preso ou processado alguma vez e, em caso afirmativo, qual o juízo do processo, se houve suspensão condicional ou condenação, qual a pena imposta, se a cumpriu e outros dados familiares e sociais. (Incluído pela Lei nº , de 1º )

11 § 2o Na segunda parte será perguntado sobre: (Incluído pela Lei nº , de 1º ) § 2o Na segunda parte será perguntado sobre: (Incluído pela Lei nº , de 1º ) I – ser verdadeira a acusação que lhe é feita; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) I – ser verdadeira a acusação que lhe é feita; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) II – não sendo verdadeira a acusação, se tem algum motivo particular a que atribuí-la, se conhece a pessoa ou pessoas a quem deva ser imputada a prática do crime, e quais sejam, e se com elas esteve antes da prática da infração ou depois dela; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) II – não sendo verdadeira a acusação, se tem algum motivo particular a que atribuí-la, se conhece a pessoa ou pessoas a quem deva ser imputada a prática do crime, e quais sejam, e se com elas esteve antes da prática da infração ou depois dela; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) III – onde estava ao tempo em que foi cometida a infração e se teve notícia desta; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) III – onde estava ao tempo em que foi cometida a infração e se teve notícia desta; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) IV – as provas já apuradas; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) IV – as provas já apuradas; (Incluído pela Lei nº , de 1º )

12 V – se conhece as vítimas e testemunhas já inquiridas ou por inquirir, e desde quando, e se tem o que alegar contra elas; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) V – se conhece as vítimas e testemunhas já inquiridas ou por inquirir, e desde quando, e se tem o que alegar contra elas; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) VI – se conhece o instrumento com que foi praticada a infração, ou qualquer objeto que com esta se relacione e tenha sido apreendido; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) VI – se conhece o instrumento com que foi praticada a infração, ou qualquer objeto que com esta se relacione e tenha sido apreendido; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) VII – todos os demais fatos e pormenores que conduzam à elucidação dos antecedentes e circunstâncias da infração; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) VII – todos os demais fatos e pormenores que conduzam à elucidação dos antecedentes e circunstâncias da infração; (Incluído pela Lei nº , de 1º ) VIII – se tem algo mais a alegar em sua defesa. (Incluído pela Lei nº , de 1º VIII – se tem algo mais a alegar em sua defesa. (Incluído pela Lei nº , de 1º

13 Interrogatório de individualização e interrogatório de mérito: Interrogatório de individualização e interrogatório de mérito: A primeira etapa é denominada de interrogatório de qualificação, cuja finalidade é obter os dados de identificação do réu. Para isso, ele não poderá valer- se do direito ao silêncio, nem poderá mentir sem conseqüência alguma. A primeira etapa é denominada de interrogatório de qualificação, cuja finalidade é obter os dados de identificação do réu. Para isso, ele não poderá valer- se do direito ao silêncio, nem poderá mentir sem conseqüência alguma. A segunda etapa, que se volta à obtençao de dados sobre a pessoa do acusado, cuida do estágio de individualização do ser humano que está em julgamento, garantindo a colheita de importantes elementos para a fixação da pena. A segunda etapa, que se volta à obtençao de dados sobre a pessoa do acusado, cuida do estágio de individualização do ser humano que está em julgamento, garantindo a colheita de importantes elementos para a fixação da pena. Tais como personalidade antecedentes e conduta social são pontos cruciais para a aplicação da pena Tais como personalidade antecedentes e conduta social são pontos cruciais para a aplicação da pena

14 A terceira etapa envolve o interrogatório de mérito,concernente à imputação propriamente dita, obtendo o magistrado dados sobre os fatos e detalhes constantes do § 2º do art 187. Nesse estágio,o réu pode calar-se ou mentir,sem por isso ser sancionado. A terceira etapa envolve o interrogatório de mérito,concernente à imputação propriamente dita, obtendo o magistrado dados sobre os fatos e detalhes constantes do § 2º do art 187. Nesse estágio,o réu pode calar-se ou mentir,sem por isso ser sancionado. Procedimento do interrogante. Procedimento do interrogante. Deve ser neutro, absolutamente imparcial equilibrado e sereno. Não pode o juiz gera no réu medo,insegurnaça,nem tampouco revolta e rancor. O momento é de autodefesa,primordialmente. Em segundo plano,forma-se prova,contra oréu ou em seu benefício, caso deseje falar. Deve ser neutro, absolutamente imparcial equilibrado e sereno. Não pode o juiz gera no réu medo,insegurnaça,nem tampouco revolta e rancor. O momento é de autodefesa,primordialmente. Em segundo plano,forma-se prova,contra oréu ou em seu benefício, caso deseje falar.

15 Art Após proceder ao interrogatório, o juiz indagará das partes se restou algum fato para ser esclarecido, formulando as perguntas correspondentes se o entender pertinente e relevante. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art Após proceder ao interrogatório, o juiz indagará das partes se restou algum fato para ser esclarecido, formulando as perguntas correspondentes se o entender pertinente e relevante. (Redação dada pela Lei nº , de 1º )

16 Art Se o interrogando negar a acusação, no todo ou em parte, poderá prestar esclarecimentos e indicar provas. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art Se o interrogando negar a acusação, no todo ou em parte, poderá prestar esclarecimentos e indicar provas. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art Se confessar a autoria, será perguntado sobre os motivos e circunstâncias do fato e se outras pessoas concorreram para a infração, e quais sejam. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art Se confessar a autoria, será perguntado sobre os motivos e circunstâncias do fato e se outras pessoas concorreram para a infração, e quais sejam. (Redação dada pela Lei nº , de 1º )

17 Art Havendo mais de um acusado, serão interrogados separadamente. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art Havendo mais de um acusado, serão interrogados separadamente. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art O interrogatório do mudo, do surdo ou do surdo-mudo será feito pela forma seguinte: (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art O interrogatório do mudo, do surdo ou do surdo-mudo será feito pela forma seguinte: (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) I – ao surdo serão apresentadas por escrito as perguntas, que ele responderá oralmente; (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) I – ao surdo serão apresentadas por escrito as perguntas, que ele responderá oralmente; (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) II – ao mudo as perguntas serão feitas oralmente, respondendo-as por escrito; (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) II – ao mudo as perguntas serão feitas oralmente, respondendo-as por escrito; (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) III – ao surdo-mudo as perguntas serão formuladas por escrito e do mesmo modo dará as respostas. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) III – ao surdo-mudo as perguntas serão formuladas por escrito e do mesmo modo dará as respostas. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Parágrafo único. Caso o interrogando não saiba ler ou escrever, intervirá no ato, como intérprete e sob compromisso, pessoa habilitada a entendê-lo. (Redação dada pela Lei nº , de 1º Parágrafo único. Caso o interrogando não saiba ler ou escrever, intervirá no ato, como intérprete e sob compromisso, pessoa habilitada a entendê-lo. (Redação dada pela Lei nº , de 1º

18 Art Quando o interrogando não falar a língua nacional, o interrogatório será feito por meio de intérprete. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art Quando o interrogando não falar a língua nacional, o interrogatório será feito por meio de intérprete. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art (Revogado pela Lei nº , de 1º )) Art (Revogado pela Lei nº , de 1º ))

19 Art Se o interrogado não souber escrever, não puder ou não quiser assinar, tal fato será consignado no termo. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art Se o interrogado não souber escrever, não puder ou não quiser assinar, tal fato será consignado no termo. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art A todo tempo o juiz poderá proceder a novo interrogatório de ofício ou a pedido fundamentado de qualquer das partes. (Redação dada pela Lei nº , de 1º ) Art A todo tempo o juiz poderá proceder a novo interrogatório de ofício ou a pedido fundamentado de qualquer das partes. (Redação dada pela Lei nº , de 1º )

20 Teor do ato: PRIMEIRA PARTE DO INTERROGATÓRIO (art. 187, § 1º. do CPP): As perguntas respondeu: que no endereço acima mora com a esposa e três filhos; trabalha com seu primo, que faz propaganda em outdoors; que já respondeu a processos nesta comarca; que não tem processos em Ponta Grossa; não tem vício de cigarro, álcool ou droga; SEGUNDA PARTE DO INTERROGATÓRIO (art. 187, § 2º. do CPP): I que é verdadeira a imputação; II - prejudicado; III que estava na cidade de passagem; IV - desconhece as provas já apuradas; V - desconhece vítimas e testemunhas; VI - prejudicado; VII alega o interrogando encontrou o cartão de crédito perto de uma lixeira, na Av. Atlântica, próximo de uma farmácia; que passou a usar o cartão de crédito com má-fé; que confirma ter utilizado o cartão de crédito nos atos e transações que consta a denúncia; ao que lembra foram só os estabelecimentos que constam a denúncia; que na época estava de férias, com sua mulher e seus filhos; que mora em Ponta Grossa há 3 anos e lá tem apartamento; VIII gostaria de ressarcir o prejuízo; Dada a palavra à defesa, nada perguntou. Intime-se o defensor constituído (fl. 53), para a prévia. Nada mais. Advogados(s): Douglas Haquim Filho (OAB /PR), Gustavo Mussi Milani (OAB /PR) Teor do ato: PRIMEIRA PARTE DO INTERROGATÓRIO (art. 187, § 1º. do CPP): As perguntas respondeu: que no endereço acima mora com a esposa e três filhos; trabalha com seu primo, que faz propaganda em outdoors; que já respondeu a processos nesta comarca; que não tem processos em Ponta Grossa; não tem vício de cigarro, álcool ou droga; SEGUNDA PARTE DO INTERROGATÓRIO (art. 187, § 2º. do CPP): I que é verdadeira a imputação; II - prejudicado; III que estava na cidade de passagem; IV - desconhece as provas já apuradas; V - desconhece vítimas e testemunhas; VI - prejudicado; VII alega o interrogando encontrou o cartão de crédito perto de uma lixeira, na Av. Atlântica, próximo de uma farmácia; que passou a usar o cartão de crédito com má-fé; que confirma ter utilizado o cartão de crédito nos atos e transações que consta a denúncia; ao que lembra foram só os estabelecimentos que constam a denúncia; que na época estava de férias, com sua mulher e seus filhos; que mora em Ponta Grossa há 3 anos e lá tem apartamento; VIII gostaria de ressarcir o prejuízo; Dada a palavra à defesa, nada perguntou. Intime-se o defensor constituído (fl. 53), para a prévia. Nada mais. Advogados(s): Douglas Haquim Filho (OAB /PR), Gustavo Mussi Milani (OAB /PR)

21 CAPÍTULO IV CAPÍTULO IV DA CONFISSÃO DA CONFISSÃO Art O valor da confissão se aferirá pelos critérios adotados para os outros elementos de prova, e para a sua apreciação o juiz deverá confrontá-la com as demais provas do processo, verificando se entre ela e estas existe compatibilidade ou concordância. Art O valor da confissão se aferirá pelos critérios adotados para os outros elementos de prova, e para a sua apreciação o juiz deverá confrontá-la com as demais provas do processo, verificando se entre ela e estas existe compatibilidade ou concordância. Art O silêncio do acusado não importará confissão, mas poderá constituir elemento para a formação do convencimento do juiz. Art O silêncio do acusado não importará confissão, mas poderá constituir elemento para a formação do convencimento do juiz. Art A confissão, quando feita fora do interrogatório, será tomada por termo nos autos, observado o disposto no art Art A confissão, quando feita fora do interrogatório, será tomada por termo nos autos, observado o disposto no art Art A confissão será divisível e retratável, sem prejuízo do livre convencimento do juiz, fundado no exame das provas em conjunto Art A confissão será divisível e retratável, sem prejuízo do livre convencimento do juiz, fundado no exame das provas em conjunto

22 CAPÍTULO V CAPÍTULO V DAS PERGUNTAS AO OFENDIDO DAS PERGUNTAS AO OFENDIDO Art Sempre que possível, o ofendido será qualificado e perguntado sobre as circunstâncias da infração, quem seja ou presuma ser o seu autor, as provas que possa indicar, tomando-se por termo as suas declarações. Art Sempre que possível, o ofendido será qualificado e perguntado sobre as circunstâncias da infração, quem seja ou presuma ser o seu autor, as provas que possa indicar, tomando-se por termo as suas declarações. Parágrafo único. Se, intimado para esse fim, deixar de comparecer sem motivo justo, o ofendido poderá ser conduzido à presença da autoridade Parágrafo único. Se, intimado para esse fim, deixar de comparecer sem motivo justo, o ofendido poderá ser conduzido à presença da autoridade

23 CAPÍTULO VI CAPÍTULO VI DAS TESTEMUNHAS DAS TESTEMUNHAS.

24 TESTEMUNHA TESTEMUNHA Testemunha é a pessoa que, perante a autoridade judiciária, declara o que sabe a respeito do fato criminoso e suas circunstâncias. As características do depoimento prestado pela testemunha são a judicialidade (tecnicamente só é prova testemunhal a prestada em juízo); a oralidade; a objetividade (a testemunha deve limitar-se aos fatos e não externar opiniões); e a retrospectividade ( só se refere a fatos passados, não fazendo prognósticos). Dispões a Lei que toda pessoa poderá ser testemunha, não excluindo portanto, em princípio, os menores, insanos, enfermos, silvícolas, parentes da vítima etc. Entretanto certas pessoas podem recusar-se a depor (art 206) ou estão proibidas de fazê-lo (art 207) Testemunha é a pessoa que, perante a autoridade judiciária, declara o que sabe a respeito do fato criminoso e suas circunstâncias. As características do depoimento prestado pela testemunha são a judicialidade (tecnicamente só é prova testemunhal a prestada em juízo); a oralidade; a objetividade (a testemunha deve limitar-se aos fatos e não externar opiniões); e a retrospectividade ( só se refere a fatos passados, não fazendo prognósticos). Dispões a Lei que toda pessoa poderá ser testemunha, não excluindo portanto, em princípio, os menores, insanos, enfermos, silvícolas, parentes da vítima etc. Entretanto certas pessoas podem recusar-se a depor (art 206) ou estão proibidas de fazê-lo (art 207)

25 Além dos casos de impedimento para testemunhar (arts. 252, II, 258 e 564, I, do CPP e 405 § 2º, do CPC). São ouvidas como testemunhas as pessoas arroladas pelas partes ou determinadas pelo juiz (art.209) Além dos casos de impedimento para testemunhar (arts. 252, II, 258 e 564, I, do CPP e 405 § 2º, do CPC). São ouvidas como testemunhas as pessoas arroladas pelas partes ou determinadas pelo juiz (art.209)

26 Valor probatório dos testemunhos Valor probatório dos testemunhos Embora seja dos mais discutidos o valor da prova testemunhal, pela deficiência dos sentidos humanos, da mendacidade frequente por interesses pessoais, sugestão ou sentimentos, não se pode prescindir da prova testemunhal na maioria das ações penais, devendo o juiz confiar nos depoimentos prestados quando não estão em desacordo evidente com os demais elementos dos autos. Não se pode afastar de plano depoimento de qualquer pessoa unicamente por seu estado social,idade,profissão, ocupação, etc..O depoimento infantil deve merecer valor probatório quando a criança relata fato de simples percepção visual e de fácil percepção. Embora seja dos mais discutidos o valor da prova testemunhal, pela deficiência dos sentidos humanos, da mendacidade frequente por interesses pessoais, sugestão ou sentimentos, não se pode prescindir da prova testemunhal na maioria das ações penais, devendo o juiz confiar nos depoimentos prestados quando não estão em desacordo evidente com os demais elementos dos autos. Não se pode afastar de plano depoimento de qualquer pessoa unicamente por seu estado social,idade,profissão, ocupação, etc..O depoimento infantil deve merecer valor probatório quando a criança relata fato de simples percepção visual e de fácil percepção.

27 Art Toda pessoa poderá ser testemunha. Art Toda pessoa poderá ser testemunha. Art A testemunha fará, sob palavra de honra, a promessa de dizer a verdade do que souber e lhe for perguntado, devendo declarar seu nome, sua idade, seu estado e sua residência, sua profissão, lugar onde exerce sua atividade, se é parente, e em que grau, de alguma das partes, ou quais suas relações com qualquer delas, e relatar o que souber, explicando sempre as razões de sua ciência ou as circunstâncias pelas quais possa avaliar-se de sua credibilidade. Art A testemunha fará, sob palavra de honra, a promessa de dizer a verdade do que souber e lhe for perguntado, devendo declarar seu nome, sua idade, seu estado e sua residência, sua profissão, lugar onde exerce sua atividade, se é parente, e em que grau, de alguma das partes, ou quais suas relações com qualquer delas, e relatar o que souber, explicando sempre as razões de sua ciência ou as circunstâncias pelas quais possa avaliar-se de sua credibilidade.

28 Compromisso Compromisso Como medida preliminar do testemunho, toma-se o compromisso da testemunha de dizer a verdade quando verificada a inexistência de impedimento. A omissão dessa formalidade, não essencial, constitui mera irregularidade que não vicia o depoimento. Não prestam compromisso as pessoas mencionadas nos art.s 206 e 208, mas o fato de ter-se inadvertidamente sido ele colhido, não acarreta qualquer nulidade. Em seguida, a testemunha é qualificada, constituindo a recusa de declarar os dados solicitados um contravenção (art 68 LCP). Como medida preliminar do testemunho, toma-se o compromisso da testemunha de dizer a verdade quando verificada a inexistência de impedimento. A omissão dessa formalidade, não essencial, constitui mera irregularidade que não vicia o depoimento. Não prestam compromisso as pessoas mencionadas nos art.s 206 e 208, mas o fato de ter-se inadvertidamente sido ele colhido, não acarreta qualquer nulidade. Em seguida, a testemunha é qualificada, constituindo a recusa de declarar os dados solicitados um contravenção (art 68 LCP).

29 Art O depoimento será prestado oralmente, não sendo permitido à testemunha trazê-lo por escrito. Art O depoimento será prestado oralmente, não sendo permitido à testemunha trazê-lo por escrito. Parágrafo único. Não será vedada à testemunha, entretanto, breve consulta a apontamentos. Parágrafo único. Não será vedada à testemunha, entretanto, breve consulta a apontamentos. Art Se ocorrer dúvida sobre a identidade da testemunha, o juiz procederá à verificação pelos meios ao seu alcance, podendo, entretanto, tomar-lhe o depoimento desde logo. Art Se ocorrer dúvida sobre a identidade da testemunha, o juiz procederá à verificação pelos meios ao seu alcance, podendo, entretanto, tomar-lhe o depoimento desde logo. Art A testemunha não poderá eximir-se da obrigação de depor. Poderão, entretanto, recusar-se a fazê-lo o ascendente ou descendente, o afim em linha reta, o cônjuge, ainda que desquitado, o irmão e o pai, a mãe, ou o filho adotivo do acusado, salvo quando não for possível, por outro modo, obter-se ou integrar-se a prova do fato e de suas circunstâncias. Art A testemunha não poderá eximir-se da obrigação de depor. Poderão, entretanto, recusar-se a fazê-lo o ascendente ou descendente, o afim em linha reta, o cônjuge, ainda que desquitado, o irmão e o pai, a mãe, ou o filho adotivo do acusado, salvo quando não for possível, por outro modo, obter-se ou integrar-se a prova do fato e de suas circunstâncias.

30 Art São proibidas de depor as pessoas que, em razão de função, ministério, ofício ou profissão, devam guardar segredo, salvo se, desobrigadas pela parte interessada, quiserem dar o seu testemunho. Art São proibidas de depor as pessoas que, em razão de função, ministério, ofício ou profissão, devam guardar segredo, salvo se, desobrigadas pela parte interessada, quiserem dar o seu testemunho. Art Não se deferirá o compromisso a que alude o art. 203 aos doentes e deficientes mentais e aos menores de 14 (quatorze) anos, nem às pessoas a que se refere o art Art Não se deferirá o compromisso a que alude o art. 203 aos doentes e deficientes mentais e aos menores de 14 (quatorze) anos, nem às pessoas a que se refere o art Art O juiz, quando julgar necessário, poderá ouvir outras testemunhas, além das indicadas pelas partes. Art O juiz, quando julgar necessário, poderá ouvir outras testemunhas, além das indicadas pelas partes. § 1o Se ao juiz parecer conveniente, serão ouvidas as pessoas a que as testemunhas se referirem. § 1o Se ao juiz parecer conveniente, serão ouvidas as pessoas a que as testemunhas se referirem. § 2o Não será computada como testemunha a pessoa que nada souber que interesse à decisão da causa § 2o Não será computada como testemunha a pessoa que nada souber que interesse à decisão da causa

31 Art As testemunhas serão inquiridas cada uma de per si, de modo que umas não saibam nem ouçam os depoimentos das outras, devendo o juiz adverti-las das penas cominadas ao falso testemunho. Art As testemunhas serão inquiridas cada uma de per si, de modo que umas não saibam nem ouçam os depoimentos das outras, devendo o juiz adverti-las das penas cominadas ao falso testemunho. Art Se o juiz, ao pronunciar sentença final, reconhecer que alguma testemunha fez afirmação falsa, calou ou negou a verdade, remeterá cópia do depoimento à autoridade policial para a instauração de inquérito. Art Se o juiz, ao pronunciar sentença final, reconhecer que alguma testemunha fez afirmação falsa, calou ou negou a verdade, remeterá cópia do depoimento à autoridade policial para a instauração de inquérito. Parágrafo único. Tendo o depoimento sido prestado em plenário de julgamento, o juiz, no caso de proferir decisão na audiência (art. 538, § 2o), o tribunal (art. 561), ou o conselho de sentença, após a votação dos quesitos, poderão fazer apresentar imediatamente a testemunha à autoridade policia. Parágrafo único. Tendo o depoimento sido prestado em plenário de julgamento, o juiz, no caso de proferir decisão na audiência (art. 538, § 2o), o tribunal (art. 561), ou o conselho de sentença, após a votação dos quesitos, poderão fazer apresentar imediatamente a testemunha à autoridade policia.

32 Art As perguntas das partes serão requeridas ao juiz, que as formulará à testemunha. O juiz não poderá recusar as perguntas da parte, salvo se não tiverem relação com o processo ou importarem repetição de outra já respondida. Art As perguntas das partes serão requeridas ao juiz, que as formulará à testemunha. O juiz não poderá recusar as perguntas da parte, salvo se não tiverem relação com o processo ou importarem repetição de outra já respondida. Art O juiz não permitirá que a testemunha manifeste suas apreciações pessoais, salvo quando inseparáveis da narrativa do fato. Art O juiz não permitirá que a testemunha manifeste suas apreciações pessoais, salvo quando inseparáveis da narrativa do fato.

33 Art Antes de iniciado o depoimento, as partes poderão contraditar a testemunha ou argüir circunstâncias ou defeitos, que a tornem suspeita de parcialidade, ou indigna de fé. O juiz fará consignar a contradita ou argüição e a resposta da testemunha, mas só excluirá a testemunha ou não lhe deferirá compromisso nos casos previstos nos arts. 207 e 208. Art Antes de iniciado o depoimento, as partes poderão contraditar a testemunha ou argüir circunstâncias ou defeitos, que a tornem suspeita de parcialidade, ou indigna de fé. O juiz fará consignar a contradita ou argüição e a resposta da testemunha, mas só excluirá a testemunha ou não lhe deferirá compromisso nos casos previstos nos arts. 207 e 208. Art Na redação do depoimento, o juiz deverá cingir-se, tanto quanto possível, às expressões usadas pelas testemunhas, reproduzindo fielmente as suas frases. Art Na redação do depoimento, o juiz deverá cingir-se, tanto quanto possível, às expressões usadas pelas testemunhas, reproduzindo fielmente as suas frases.

34 Art O depoimento da testemunha será reduzido a termo, assinado por ela, pelo juiz e pelas partes. Se a testemunha não souber assinar, ou não puder fazê-lo, pedirá a alguém que o faça por ela, depois de lido na presença de ambos. Art O depoimento da testemunha será reduzido a termo, assinado por ela, pelo juiz e pelas partes. Se a testemunha não souber assinar, ou não puder fazê-lo, pedirá a alguém que o faça por ela, depois de lido na presença de ambos. Art Se o juiz verificar que a presença do réu, pela sua atitude, poderá influir no ânimo da testemunha, de modo que prejudique a verdade do depoimento, fará retirá-lo, prosseguindo na inquirição, com a presença do seu defensor. Neste caso deverão constar do termo a ocorrência e os motivos que a determinaram. Art Se o juiz verificar que a presença do réu, pela sua atitude, poderá influir no ânimo da testemunha, de modo que prejudique a verdade do depoimento, fará retirá-lo, prosseguindo na inquirição, com a presença do seu defensor. Neste caso deverão constar do termo a ocorrência e os motivos que a determinaram.

35 Art Se, regularmente intimada, a testemunha deixar de comparecer sem motivo justificado, o juiz poderá requisitar à autoridade policial a sua apresentação ou determinar seja conduzida por oficial de justiça, que poderá solicitar o auxílio da força pública. Art Se, regularmente intimada, a testemunha deixar de comparecer sem motivo justificado, o juiz poderá requisitar à autoridade policial a sua apresentação ou determinar seja conduzida por oficial de justiça, que poderá solicitar o auxílio da força pública. Art O juiz poderá aplicar à testemunha faltosa a multa prevista no art. 453, sem prejuízo do processo penal por crime de desobediência, e condená-la ao pagamento das custas da diligência. (Redação dada pela Lei nº 6.416, de ) Art O juiz poderá aplicar à testemunha faltosa a multa prevista no art. 453, sem prejuízo do processo penal por crime de desobediência, e condená-la ao pagamento das custas da diligência. (Redação dada pela Lei nº 6.416, de ) Art As pessoas impossibilitadas, por enfermidade ou por velhice, de comparecer para depor, serão inquiridas onde estiverem. Art As pessoas impossibilitadas, por enfermidade ou por velhice, de comparecer para depor, serão inquiridas onde estiverem.

36 Art O Presidente e o Vice-Presidente da República, os senadores e deputados federais, os ministros de Estado, os governadores de Estados e Territórios, os secretários de Estado, os prefeitos do Distrito Federal e dos Municípios, os deputados às Assembléias Legislativas Estaduais, os membros do Poder Judiciário, os ministros e juízes dos Tribunais de Contas da União, dos Estados, do Distrito Federal, bem como os do Tribunal Marítimo serão inquiridos em local, dia e hora previamente ajustados entre eles e o juiz. (Redação dada pela Lei nº 3.653, de ) Art O Presidente e o Vice-Presidente da República, os senadores e deputados federais, os ministros de Estado, os governadores de Estados e Territórios, os secretários de Estado, os prefeitos do Distrito Federal e dos Municípios, os deputados às Assembléias Legislativas Estaduais, os membros do Poder Judiciário, os ministros e juízes dos Tribunais de Contas da União, dos Estados, do Distrito Federal, bem como os do Tribunal Marítimo serão inquiridos em local, dia e hora previamente ajustados entre eles e o juiz. (Redação dada pela Lei nº 3.653, de ) § 1o O Presidente e o Vice-Presidente da República, os presidentes do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal poderão optar pela prestação de depoimento por escrito, caso em que as perguntas, formuladas pelas partes e deferidas pelo juiz, lhes serão transmitidas por ofício. (Redação dada pela Lei nº 6.416, de ) § 1o O Presidente e o Vice-Presidente da República, os presidentes do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal poderão optar pela prestação de depoimento por escrito, caso em que as perguntas, formuladas pelas partes e deferidas pelo juiz, lhes serão transmitidas por ofício. (Redação dada pela Lei nº 6.416, de ) § 2o Os militares deverão ser requisitados à autoridade superior. (Redação dada pela Lei nº 6.416, de ) § 2o Os militares deverão ser requisitados à autoridade superior. (Redação dada pela Lei nº 6.416, de ) § 3o Aos funcionários públicos aplicar-se-á o disposto no art. 218, devendo, porém, a expedição do mandado ser imediatamente comunicada ao chefe da repartição em que servirem, com indicação do dia e da hora marcados. (Incluído pela Lei nº 6.416, de ) § 3o Aos funcionários públicos aplicar-se-á o disposto no art. 218, devendo, porém, a expedição do mandado ser imediatamente comunicada ao chefe da repartição em que servirem, com indicação do dia e da hora marcados. (Incluído pela Lei nº 6.416, de )

37 Art A testemunha que morar fora da jurisdição do juiz será inquirida pelo juiz do lugar de sua residência, expedindo-se, para esse fim, carta precatória, com prazo razoável, intimadas as partes. Art A testemunha que morar fora da jurisdição do juiz será inquirida pelo juiz do lugar de sua residência, expedindo-se, para esse fim, carta precatória, com prazo razoável, intimadas as partes. § 1o A expedição da precatória não suspenderá a instrução criminal. § 1o A expedição da precatória não suspenderá a instrução criminal. § 2o Findo o prazo marcado, poderá realizar-se o julgamento, mas, a todo tempo, a precatória, uma vez devolvida, será junta aos autos. § 2o Findo o prazo marcado, poderá realizar-se o julgamento, mas, a todo tempo, a precatória, uma vez devolvida, será junta aos autos. Art Quando a testemunha não conhecer a língua nacional, será nomeado intérprete para traduzir as perguntas e respostas. Art Quando a testemunha não conhecer a língua nacional, será nomeado intérprete para traduzir as perguntas e respostas. Parágrafo único. Tratando-se de mudo, surdo ou surdo-mudo, proceder-se-á na conformidade do art Parágrafo único. Tratando-se de mudo, surdo ou surdo-mudo, proceder-se-á na conformidade do art. 192.

38 Art As testemunhas comunicarão ao juiz, dentro de 1 (um) ano, qualquer mudança de residência, sujeitando-se, pela simples omissão, às penas do não- comparecimento. Art As testemunhas comunicarão ao juiz, dentro de 1 (um) ano, qualquer mudança de residência, sujeitando-se, pela simples omissão, às penas do não- comparecimento. Art Se qualquer testemunha houver de ausentar-se, ou, por enfermidade ou por velhice, inspirar receio de que ao tempo da instrução criminal já não exista, o juiz poderá, de ofício ou a requerimento de qualquer das partes, tomar-lhe antecipadamente o depoimento Art Se qualquer testemunha houver de ausentar-se, ou, por enfermidade ou por velhice, inspirar receio de que ao tempo da instrução criminal já não exista, o juiz poderá, de ofício ou a requerimento de qualquer das partes, tomar-lhe antecipadamente o depoimento

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52 Art Serão sujeitos a exame os instrumentos empregados para a prática da infração, a fim de se lhes verificar a natureza e a eficiência. Art Serão sujeitos a exame os instrumentos empregados para a prática da infração, a fim de se lhes verificar a natureza e a eficiência. Art A autoridade e as partes poderão formular quesitos até o ato da diligência Art A autoridade e as partes poderão formular quesitos até o ato da diligência

53 Art No exame por precatória, a nomeação dos peritos far-se-á no juízo deprecado. Havendo, porém, no caso de ação privada, acordo das partes, essa nomeação poderá ser feita pelo juiz deprecante. Art No exame por precatória, a nomeação dos peritos far-se-á no juízo deprecado. Havendo, porém, no caso de ação privada, acordo das partes, essa nomeação poderá ser feita pelo juiz deprecante. Parágrafo único. Os quesitos do juiz e das partes serão transcritos na precatória.. Parágrafo único. Os quesitos do juiz e das partes serão transcritos na precatória..

54 Art No caso do art. 159, o exame será requisitado pela autoridade ao diretor da repartição, juntando-se ao processo o laudo assinado pelos peritos. Art No caso do art. 159, o exame será requisitado pela autoridade ao diretor da repartição, juntando-se ao processo o laudo assinado pelos peritos. Art No caso do § 1o do art. 159, o escrivão lavrará o auto respectivo, que será assinado pelos peritos e, se presente ao exame, também pela autoridade. Art No caso do § 1o do art. 159, o escrivão lavrará o auto respectivo, que será assinado pelos peritos e, se presente ao exame, também pela autoridade. Parágrafo único. No caso do art. 160, parágrafo único, o laudo, que poderá ser datilografado, será subscrito e rubricado em suas folhas por todos os peritos. Parágrafo único. No caso do art. 160, parágrafo único, o laudo, que poderá ser datilografado, será subscrito e rubricado em suas folhas por todos os peritos.

55 Art Se houver divergência entre os peritos, serão consignadas no auto do exame as declarações e respostas de um e de outro, ou cada um redigirá separadamente o seu laudo, e a autoridade nomeará um terceiro; se este divergir de ambos, a autoridade poderá mandar proceder a novo exame por outros peritos Art Se houver divergência entre os peritos, serão consignadas no auto do exame as declarações e respostas de um e de outro, ou cada um redigirá separadamente o seu laudo, e a autoridade nomeará um terceiro; se este divergir de ambos, a autoridade poderá mandar proceder a novo exame por outros peritos

56 Art No caso de inobservância de formalidades, ou no caso de omissões, obscuridades ou contradições, a autoridade judiciária mandará suprir a formalidade, complementar ou esclarecer o laudo. (Redação dada pela Lei nº 8.862, de ) Art No caso de inobservância de formalidades, ou no caso de omissões, obscuridades ou contradições, a autoridade judiciária mandará suprir a formalidade, complementar ou esclarecer o laudo. (Redação dada pela Lei nº 8.862, de ) Parágrafo único. A autoridade poderá também ordenar que se proceda a novo exame, por outros peritos, se julgar conveniente Parágrafo único. A autoridade poderá também ordenar que se proceda a novo exame, por outros peritos, se julgar conveniente

57 Art O juiz não ficará adstrito ao laudo, podendo aceitá-lo ou rejeitá-lo, no todo ou em parte. Art O juiz não ficará adstrito ao laudo, podendo aceitá-lo ou rejeitá-lo, no todo ou em parte. Art Nos crimes em que não couber ação pública, observar-se-á o disposto no art. 19. Art Nos crimes em que não couber ação pública, observar-se-á o disposto no art. 19. Art Salvo o caso de exame de corpo de delito, o juiz ou a autoridade policial negará a perícia requerida pelas partes, quando não for necessária ao esclarecimento da verdade... Art Salvo o caso de exame de corpo de delito, o juiz ou a autoridade policial negará a perícia requerida pelas partes, quando não for necessária ao esclarecimento da verdade...


Carregar ppt "DA PROVA DA PROVA CAPÍTULO III CAPÍTULO III. Durante o curso do processo penal, que segue até o transito em julgado da decisão condenatória, a autoridade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google