A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles Rio de Janeiro, agosto de 2006 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles Rio de Janeiro, agosto de 2006 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles."— Transcrição da apresentação:

1 1 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles Rio de Janeiro, agosto de 2006 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles Rio de Janeiro, agosto de 2006

2 2 I.Brasil: O Desafio do Crescimento Econômico Brasil: O Desafio do Crescimento

3 3 O PIB brasileiro cresceu bem menos que os de outras economias emergentes nos últimos 25 anos (média, 1980-2005) Brasil: O Desafio do Crescimento 0 2 4 6 8 10 China Cingapura Coréia do Sul Malásia Tailândia Índia Chile Turquia México Brasil %

4 4 Brasil: O Desafio do Crescimento Causas? …décadas de inflação crônica, economia fechada ao comércio internacional e ao investimento, forte presença do setor público na economia, regulação excessiva, dúvidas em relação à sustentabilidade fiscal de longo prazo … Porém, as coisas estão mudando…

5 5 Desde o início dos anos 90, importantes macro reformas foram implementadas, incluindo: Abertura da economia ao comércio e ao investimento Privatização de empresas públicas Aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal Iniciativas para reformar o sistema previdenciário Reestruturação do sistema bancário Ajuste fiscal Estabilização da inflação Agenda de micro reformas, visando modernizar regras e reduzir distorções, também avançou muito em anos recentes. Brasil: O Desafio do Crescimento

6 6 % 0 1 2 3 4 1981-19901991-20032004-2006* 1,6 2,3 3,7 Crescimento do PIB Brasileiro *2006: projeção As reformas já impactaram o crescimento recente do PIB (média por período)

7 7 A consolidação da atual política macroeconômica, baseada em três pilares principais… Metas de Inflação na condução da política monetária; Política fiscal, com a geração de superávits primários em nível adequado para a redução da relação dívida-PIB; Flexibilidade da taxa de câmbio como instrumento para a preservação do ajuste externo. … continuará reduzindo os riscos macroeconômicos percebidos e contribuirá para a elevação das taxas de crescimento do PIB. Brasil: O Desafio do Crescimento

8 8 Convergência da Inflação às Metas 0 3 6 9 12 15 18 jan 99 jan 00 jan 01 jan 02 jan 03 jan 04 jan 05 jan 06 jan 07 Consenso de Mercado ago 07 Inflação ao consumidor (nos últimos 12 meses) Trajetória das metas %

9 9 % do PIB Redução na Relação Dívida/PIB 43 48 53 58 63 44,0 3T 02 1T 03 3T 03 1T 04 3T 04 1T 05 3T 05 1T 06 0810 Consenso de Mercado fim 61,7

10 10 Sustentabilidade das Contas Externas US$ bilhões 8 10 12 14 16 18 20 20022003200420052006* 50 70 90 110 130 20022003200420052006* ExportaçõesInvestimento Estrangeiro Direto *2006: projeção

11 11 Sustentabilidade das Contas Externas Reservas Internacionais 60 80 100 120 140 160 180 1T 02 1T 03 1T 04 1T 05 2T 06 US$ bilhões Dívida Externa Líquida 15 25 35 45 55 65 1T 02 1T 03 1T 04 1T 05 1T 06 jul 06

12 12 Redução na Percepção de Riscos Risco soberano do Brasil (Embi+) 0 500 1000 1500 2000 2500 jan 00 jan 01 jan 02 jan 03 jan 04 jan 05 jan 06 Pontos básicos baixa recorde

13 13 Brasil: O Desafio do Crescimento Desafios à frente …

14 14 0 5 10 15 20 25 30 35 40 China Coréia do Sul Cingapura Tailândia Índia Malásia Chile México Brasil Turquia Taxa de Investimento: Economias Emergentes Selecionadas % do PIB volta

15 15 Carga Tributária: Economias Emergentes Selecionadas % do PIB 0 5 10 15 20 25 30 35 40 ChinaÍndiaMéxicoArgentinaChileRússiaCoréia do Sul Brasil volta

16 16 50 100 150 200 250 Grau de Abertura: Economias Emergentes Selecionadas % do PIB 0 Malásia Tailândia Coréia do Sul Indonesia Chile África do Sul Rússia México Brasil volta

17 17 Crédito/PIB: Economias Emergentes Selecionadas 0 20 40 60 80 100 120 140 Argentina México Brasil Coréia do Sul Filipinas Hungria Chile Tailândia Malásia % do PIB volta

18 18 II.O Crédito como Indutor do Crescimento Brasil: O Desafio do Crescimento

19 19 O volume de crédito no Brasil mostrou expressivo crescimento nos últimos anos; Entretanto, numa perspectiva internacional, o volume de crédito ainda é baixo no País. Crédito como Indutor do Crescimento

20 20 Relação Crédito/PIB % do PIB Crédito Livre Crédito Total 23 25 27 29 31 33 dez 02 jun 03 dez 03 jun 04 dez 04 jun 05 dez 05 jun 06 14 17 20 23 % do PIB

21 21 O aumento recente do crédito é explicado, predominantemente, pelo aumento do crédito a pessoas físicas (crescimento de 30,3% em 12 meses até junho); Tanto o crédito para as empresas como o crédito direcionado apresentam desempenho mais modesto (crescimentos de 21,4% e 14,4%, respectivamente, no mesmo período). O Crédito como Indutor do Crescimento

22 22 Crédito Pessoa Física x Pessoa Jurídica x Direcionado jan 2004 = 100 90 110 130 150 170 190 210 jan 04 abr 04 jul 04 out 04 jan 05 abr 05 jul 05 out 05 jan 06 jun 06 Crédito Livre a Pessoa Física Crédito Direcionado Crédito Livre a Pessoa Jurídica

23 23 A principal alavanca do crescimento recente do crédito a pessoas físicas foi o mecanismo de empréstimo consignado em folha de pagamentos, que apresenta um custo menor para o tomador do que as demais opções de crédito pessoal; O menor custo do crédito consignado é resultado de sua melhor qualidade maior segurança de recebimento; Essa modalidade aumentou também o acesso da população ao crédito, especialmente via INSS. O Crédito como Indutor do Crescimento

24 24 jan 2004 = 100 Crédito Consignado x Crédito Livre a Pessoa Física crédito consignado (crescimento de 54,7% em 12 meses até jun) 100 150 200 250 300 350 400 450 jan 04 abr 04 jul 04 out 04 jan 05 abr 05 jul 05 out 05 jan 06 jun 06 Crédito Consignado Crédito Livre a Pessoa Física

25 25 % Taxa de Juros: Crédito Consignado x Crédito Pessoal 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 jan 04 mai 04 set 04 jan 05 mai 05 set 05 jan 06 jun 06 Crédito Consignado Crédito Livre a Pessoa Física exceto Consignado

26 26 milhões de contratos R$ bilhões Crédito Consignado para Beneficiários do INSS 0 2 4 6 8 10 12 ago 04 nov 04 fev 05 mai 05 set 05 dez 05 mar 06 jun 06 0 2 4 6 8 10 12 14 16 Quantidade de Contratos Volume

27 27 O empréstimo consignado é um bom exemplo de como a redução do risco de crédito contribui para menores taxas de juros ao tomador (outro bom exemplo é o crédito para aquisição de automóveis); Além dos empréstimo consignados em folha, outras iniciativas recentes do governo e Bacen têm se orientado exatamente para o desenvolvimento de mecanismos que reduzam os riscos de crédito e legal e reforcem o papel das garantias nos contratos. O Crédito como Indutor do Crescimento

28 28 Destacam-se entre essas iniciativas: oNova Lei de Falências; oNovo Sistema de Informações de Crédito (SCR); oCédula de Crédito Bancário (instrumento que simplifica e acelera os procedimentos legais para cobrança em caso de inadimplência); oExtensão dos tipos de empréstimos que podem ser efetuados usando contratos de alienação fiduciária (propriedade financiada é transferida ao credor); oPatrimônio de afetação em empreendimentos imobiliários; oReforma do judiciário, desafogando suas instâncias iniciais. O Crédito como Indutor do Crescimento

29 29 Outra linha de atuação é o fomento à competição entre instituições financeiras e a melhora das informações de crédito. Exemplos de iniciativas adotadas: oPortabilidade de cadastros; oMaior transparência nas informações dadas aos contratantes sobre taxas de juros, incluindo custos de contratação/encargos, e publicação na página do Banco Central na internet de informações sobre taxa de juros cobradas por cada banco, em cada modalidade; oApoio ao microcrédito; oApoio a cadastros positivos. O Crédito como Indutor do Crescimento

30 30 O crescimento do crédito é apenas um dos fatores que vêm sustentando o recente ciclo de expansão da atividade econômica, em conjunto com: o Melhora do mercado de trabalho; o Recuperação da confiança; o Retomada do investimento o Flexibilização da política monetária; O impacto já é visível nos dados do PIB dos últimos trimestres, corroborando as boas perspectivas de crescimento para o ano. O Crédito como Indutor do Crescimento

31 31 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles Rio de Janeiro, agosto de 2006 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles Rio de Janeiro, agosto de 2006


Carregar ppt "1 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles Rio de Janeiro, agosto de 2006 Brasil: O Desafio do Crescimento Henrique de Campos Meirelles."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google