A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Planejamento Integrado de Recursos Energéticos no Oeste do Estado de São Paulo Treinamento Técnico- Dimensão Social Novos Instrumentos de Planejamento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Planejamento Integrado de Recursos Energéticos no Oeste do Estado de São Paulo Treinamento Técnico- Dimensão Social Novos Instrumentos de Planejamento."— Transcrição da apresentação:

1

2 Planejamento Integrado de Recursos Energéticos no Oeste do Estado de São Paulo Treinamento Técnico- Dimensão Social Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável Módulo 6: Processo de Internalização de Impactos Sociais Ricardo Junqueira Fujii

3 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 2 Internalização de Impactos Sociais O que é internalização Importância da internalização Usos da internalização Formas/métodos de internalização Resultados de estudos Pontos importantes para a região Discussão

4 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 3 Visão Esquemática do Sistema Energético Dentro do PIR

5 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 4 O que é internalização dos impactos sociais? É o processo pelo qual são avaliados os reflexos à sociedade dos impactos causados pelos empreendimentos energéticos. Esses impactos são chamados de externalidades. Tudo tem seu preço – seja monetário ou não

6 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 5 Exemplo de impactos que podem ser internalizados Danos à saúde humana Influência na agricultura e pecuária Danos a edifícios pelos poluentes Deslocamento de comunidades para construção dos empreendimentos Desequilíbrios ao ecossistema Aquecimento global Geração de empregos

7 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 6 Aspectos a serem considerados Pessoas se influenciam mais por aspectos negativos (catástrofes) que positivos (criação de empregos). Dependendo da abordagem, uma externalidade pode apresentar custos monetarizados distintos. Ex: perda de biodiversidade; acidente nuclear

8 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 7 Importância da Internalização Quantificar os impactos sofridos pela sociedade Estabelecer políticas públicas (taxações e fomentos) para estimular práticas econômicas sadias à sociedade

9 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 8 Usos da Internalização dos Impactos Investidores: avaliação dos reais custos (ainda que ocultos) que um empreendimento energético pode acarretar; Governos: formulação de políticas energéticas fundamentada em critérios técnicos que analisam o bem estar da sociedade como um todo; ONG´s: análise independente das opções energéticas, permitindo a discussão e defesa de medidas alternativas.

10 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 9 Processo de Internalização Levantamento das externalidades causadas pelo empreendimento energético em toda a sua cadeia; Avaliação dos externalidades; Monetarização dos externalidades.

11 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 10 Diagrama do Processo de Internalização (aplicado à poluição aérea)

12 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 11 Processo de Internalização Cadeia completa

13 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 12 Monetarização Processo pelo qual se atribuem custos monetários aos efeitos causados à sociedade. Sujeito a dificuldades diversas Resultado varia de acordo com a abordagem e a precificação de certos efeitos.

14 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 13 Exemplo da análise de alguns impactos que podem ser considerados

15 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 14 Impactos na saúde

16 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 15 Impactos identificados

17 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 16 Caminhos considerados para a avaliação dos impactos de poluentes aéreos na saúde.

18 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 17 Efeitos em relação às doses expostas

19 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 18 Reações Químicas do nitrogênio e enxofre

20 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 19 Variação estimada na mortalidade na Europa devido a particulados PM10

21 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 20 Monetarização – efeitos à saúde Deve-se estimar os custos oriundos da: Mortalidade (depende, fundamentalmente, de quanto a sociedade está disposta a pagar para evitar a morte) Morbidade Custos ao sistema de saúde Absenteísmo Passagens pelo hospital/pronto socorro Custos de medicamento Bronquite crônica

22 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 21 Impactos em edificações Coliseu - Roma

23 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 22 Corrosão de materiais de edificações A deposição da poluição aérea nos edifícios intensifica a corrosão e desgaste natural dos materiais construtivos, entre os quais: Aço, zinco, alumínio, cobre e bronze; Concreto, pedras e cerâmicas; Contatos de instalações elétricas; Janelas e vitrais; Poliamida e Polietileno.

24 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 23 Diferentes práticas de manutenção implicam em efeitos diversos nos edifícios

25 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 24 Monetarização – impactos aos edifícios Deve-se estimar os custos oriundos dos danos causados ao: Patrimônio histórico e cultural Visibilidade (efeito psicológico) Linhas de transmissão

26 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 25 Impacto em cultivos agrícolas

27 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 26 Causas de impactos SO 2 Ozônio Acidificação

28 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 27 Avaliação dos impactos SO 2 – alteração na produtividade do trigo, batata, beterraba, aveia e cevada: y=0,74. [SO 2 ] – 0,55. [SO 2 ] 2 para 0< [SO 2 ]<13,6ppb y= -0,69. [SO 2 ] + 9,35 para [SO 2 ]>13,6ppb

29 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 28 Avaliação dos impactos Ozônio AOT40: concentração acumulada de ozônio acima de 40ppbV no período de crescimento

30 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 29 Monetarização – perdas na agricultura Calculam-se as perdas econômicas com: Quebras de safras Aumento de preços Menor qualidade dos produtos

31 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 30 Outros impactos Aquecimento global: Impactos estimados causados por aquecimento de 1ºC na temperatura média global

32 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 31 Outros impactos Acidentes Fatalidades causadas por acidentes:

33 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 32 Outros impactos Acidentes

34 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 33 Outros impactos Ecossistema e Biodiversidade: Acidificação e eutrofização

35 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 34 Custos das externalidades da geração de eletricidade Tipo USD/MMBtu USD/kWh gerado USD/kWh entregue Carvão – leito fluidizado Carvão – IGCC Carvão – caldeira conv Óleo (1%S) – caldeira conv GN – caldeira convencional GN – CC Solar Eólica Biomassa

36 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 35 Custos das externalidades da geração de eletricidade – projeto ExternE

37 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 36 Variabilidade dos custos das externalidades

38 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 37 Externalidades - considerações Algumas externalidades são positivas

39 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 38 Oeste Paulista – Exemplos de Externalidades a serem consideradas Usinas de açúcar e álcool: Queimada de canaviais para corte; Uso da água no beneficiamento da cana e na produção de açúcar e álcool; Queima do bagaço; Resíduos.

40 Novos Instrumentos de Planejamento Energético Regional visando o Desenvolvimento Sustentável 39 Oeste Paulista – Exemplos de Externalidades a serem consideradas Termelétricas a gás natural Influência na qualidade da água dos cursos adjacentes; Emissões aéreas. Transporte Impacto das emissões dos veículos na região.


Carregar ppt "Planejamento Integrado de Recursos Energéticos no Oeste do Estado de São Paulo Treinamento Técnico- Dimensão Social Novos Instrumentos de Planejamento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google