A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 MAX WEBER (1864-1920) A Ação Social: é toda conduta humana que interfere com outros e consigo mesmo. Exemplos: moda, consumo, mercado, política, religião,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 MAX WEBER (1864-1920) A Ação Social: é toda conduta humana que interfere com outros e consigo mesmo. Exemplos: moda, consumo, mercado, política, religião,"— Transcrição da apresentação:

1 1 MAX WEBER ( ) A Ação Social: é toda conduta humana que interfere com outros e consigo mesmo. Exemplos: moda, consumo, mercado, política, religião, crime, trabalho, etc. A Sociologia é antes de tudo: - Compreender a ação social dos seres humanos individualmente. -As motivações do indivíduo no agir social. - Não fazer julgamento de valor sobre as ações humanas.

2 2 WEBER E A RELIGIÃO Vê-se em muitas seitas protestantes e na vida religiosa em geral uma tendência para a racionalização das condutas dos fiéis. Isso, segundo Weber, foi fundamental para a transformação das práticas econômicas e estruturas das sociedades modernas. Antigamente: ética dos virtuosos (só minoria iluminada). Oriente mais do que Ocidente. Depois da origem das religiões (êxtase, milagres, etc.), as religiões tendem para a burocracia sacerdotal – viram igrejas, com hierarquia (tipo Igreja Católica).

3 3 Com o tempo, as religiões têm que explicar as injustiças sociais terrenas e a razão dos bons sofrerem tanto – daí algumas práticas religiosas que defendem a salvação pelo sofrimento/fé, como o cristianismo medieval, evitando tais explicações.

4 4 O Protestantismo mudou tudo isso. Criou uma ética (valores/princípios que orientam a vida em geral) do trabalho como vontade de Deus e caminho para a salvação [é o contrário do misticismo tradicional, que levava a pessoa à sair do mundo concreto]. É uma ética nova que penetra todas as relações sociais: vizinho, amigos, pobres, débeis, vida amorosa, política, economia, artes e lazer (ou falta de tal coisa).

5 5 Qual a relação do protestantismo com o capitalismo? O capitalismo surgiu como empreendimento racional – técnicas, direito, comércio, ideologias e ética racional na economia (ética dos resultados e lucro). Ética calvinista (protestante) era uma constante na Europa mais capitalista. Por quê? Porque era uma ética que abominava a preguiça, a perda de tempo, a ociosidade, o lazer, o luxo e o excesso de sono.

6 6 Essa teoria de Weber foi expressa na sua mais famosa obra: A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. (1904) Esse livro foi considerado por vários intelectuais consultados pela Folha de São Paulo, em 2000, como o mais importante do Século XX, numa lista que tinha livros de Freud, Marx, Einstein, Keynes, Durkheim e tantos outros gênios do pensamento humano moderno.

7 7 As ações sociais são de quatro tipos ideais: 1. Ação racional com relação a fins: -É um cálculo que busca resultados. Exemplos:. Estudar para passar de ano;. Ser comportado para ganhar prêmio;. Parecer ser honesto para se eleger;. Aplicar na bolsa para ganhar dinheiro.

8 8 2. Ação racional orientada por valores: - As ações são orientadas por valores ou convicções determinadas. Exemplos:. Ser contra o aborto;. O Capitão que afunda com o seu navio;. Não comer carne na Semana Santa;. Não mentir;. Não aceitar suborno;. Cumprir sua palavra.

9 9 3. Ação Afetiva: -É um ação orientada, basicamente, por emoções. Ação bem irracional. Exemplos:. Ter ciúmes do amigo da namorada;. Vingar-se de uma ofensa recebida;. Ser fã incondicional de um político;. Idolatrar pessoas ou artistas famosos;. Respeitar as pessoas mais velhas.

10 10 4. Ação Tradicional: -É a ação menos consciente, tem base no costume e nos hábitos. Totalmente irracional. Exemplos:. Adoração dos ingleses pela monarquia;. Votar sempre nos mesmos políticos;. Não comer carne na semana santa(?);. Fazer o sinal da cruz diante de igrejas.

11 11 Weber – Teoria da Dominação Por que e como as relações sociais se mantêm? Resposta de Weber: por conta da dominação ou produção de legitimidade – submissão de um grupo a um mandato, aceitação de uma autoridade (alguém que representa o coletivo). Aí, então, entra a questão do poder.

12 12 Poder é a probabilidade de impor sua vontade. Os meios para alcançá-lo são muito variados: emprego da violência, palavra/oratória, sufrágio, sugestão, engano grosseiro, tática no parlamento, tradições, etc. A dominação pode ser por interesses (tráfico ou jogo de interesses) ou por autoridade (mandar, obedecer, influência). Mas sempre o dominador influi na conduta dos dominados.

13 13 Os tipos ideais ou puros de dominação são três: 1. tradicional 2. carismática 3. racional-legal

14 14 1. TRADICIONAL: Autoridade do ontem eterno, passado, tradição, costume, etc. (...) dá orientação habitual para o conformismo (Weber). Exemplos: patriarcas antigos, príncipes patrimonialistas (como em Portugal no tempo das navegações, etc.). Certos políticos brasileiros. Ex: o político José Sarney

15 15 2. CARISMÁTICA: Autoridade com base no dom pessoal de uma pessoa ou líder. Exemplos: profetas, heróis de guerra, chefes de partidos, demagogos, etc. – gente como Napoleão, Hitler, Stálin, Getúlio, Médici, Lula e outros.

16 16 3. RACIONAL-LEGAL: Autoridade vem das regras jurídicas ou leis racionalmente criadas. Exemplo: autoridade dos modernos servidores do Estado (presidentes, professores, juizes, prefeitos, etc.).

17 17 Antigamente, vigoravam os dois primeiros tipos. Atualmente, o terceiro tipo, mas sempre com fraturas e espaços para os outros dois tipos. Não devemos esquecer que são tipos ideais de dominação. Um tipo nunca se apresenta puro. Nós podemos pensar em algum líder e buscar identificar sua dominação?... Pensemos em exemplos...

18 18 No Brasil, isso, por exemplo, é uma confusão, pois a dominação é uma mistura desses três tipos. FHC tinha autoridade mais racional legal. ACM e outros misturam tradição com carisma. Lula indica ser mais carismático. O melhor é analisar com cuidado, pois a confusão é grande. Razão: o capitalismo brasileiro mistura alta modernidade tecnológica com os maiores atrasos sociais e políticos, dando margem para essa bagunça aparente, que tanto nojo causa ao povo/eleitores.

19 19 A essência da política, então, é a luta pelo poder/dominação. Um mercado político, com tremenda competição, etc. A vitória daqueles que alcançam o poder – por que meios for (o que lembra Maquiavel) – é o processo de seleção social (que não é a mesma coisa do que a seleção natural de Darwin).

20 20 A dominação – que interfere em todas as relações sociais – é que mantém a ordem legítima e a coesão social. [A coesão social, diferente do que afirmava Durkheim, é pela força e não pelo consenso]. FIM


Carregar ppt "1 MAX WEBER (1864-1920) A Ação Social: é toda conduta humana que interfere com outros e consigo mesmo. Exemplos: moda, consumo, mercado, política, religião,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google