A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão financeira e a Captação de Recursos Prof. Adilson Celestino de Lima

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão financeira e a Captação de Recursos Prof. Adilson Celestino de Lima"— Transcrição da apresentação:

1 Gestão financeira e a Captação de Recursos Prof. Adilson Celestino de Lima

2 1.Introdução O custo de capital da empresa reflete a remuneração mínima exigida pelos proprietários de suas fontes de recursos Existe criação de riqueza quando o retorno operacional superar a taxa de retorno requerida pelo capital O custo de capital é obtido através da média dos custos de captação, ponderada pela participação de cada fonte de fundos na estrutura de capital a longo prazo 1. CUSTO DE CAPITAL

3 1.1Estrutura de Captação de Recursos

4 1.1Estrutura de Captação de Recursos nas PME´s

5

6

7

8 1.2Custo de Capital de Terceiros (dados de out e set/09) Recursos de Longo Prazo: BNDES TJLP +0,9% a.a. 6,9% a.a. (0,56% a.m.) Recursos de Curto Prazo Capital de Giro Grandes empresas: 12,68% a 92,29% a.a. (1,0% a 5,6% a.m.) PME: 50,06% a 107,22% a.a. (3,4% a 6,3% a.m.)

9 1.3Custo de Capital Próprio Revela o retorno desejado pelos acionistas de uma empresa em suas decisões de aplicação de capital próprio Procedimentos de mensuração do custo de capital próprio: Método do fluxo de caixa descontado dos dividendos futuros esperados pelo mercado; Modelo de precificação de ativos (CAPM).

10 1.3Custo de Capital Próprio Custo de capital próprio taxa de retorno de ativos livres de risco medida do risco sistemático (não diversificável) do ativo rentabilidade oferecida pelo mercado em sua totalidade Modelo de precificação de ativos (CAPM): William Sharpe, Prêmio Nobel de Economia em 1990

11 1.4Riscos incorridos pelas empresas Risco econômico Revela o risco da atividade da empresa, admitindo que não utilize capital de terceiros para financiar seus ativos Risco financeiro Risco adicional assumido pela empresa ao decidir financiar-se também com dívidas (passivos onerosos)

12 1.5Custo Total de Capital Fatores relevantes que afetam o custo de capital: As condições gerais da economia Necessidade de financiamento apresentada pela empresa O risco total da empresa

13 1.6Criação de Valor A riqueza de uma empresa é determinada pela qualidade de suas decisões financeiras, obtida de acordo com a relação de equilíbrio entre risco e retorno esperados Criação de Valor Benefícios Econômicos Gerados de Caixa > Retorno Exigido pelos Proprietários de Capital (WACC) O desempenho operacional da empresa deve promover resultados que remunerem os proprietários de capital em valores acima da taxa mínima de retorno requerida

14 2. FONTES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO NO BRASIL 2. Introdução As operações financeiras de captação e aplicação de recursos instituiçõesinstrumentos financeiros são desenvolvidas por instituições e instrumentos financeiros Sistema Financeiro Nacional que compõem o Sistema Financeiro Nacional Investimentos financeiros Monetários Não monetários Instituições financeiras bancárias ou monetárias Não bancárias ou não monetárias

15 Introdução As operações do Sistema Financeiro Nacional podem ser realizadas por meio de quatro grandes segmentos: Mercado cambial Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado acionário Mercado de empréstimos e financiamentos

16 2.1Financiamento por meio de Recursos Próprios Renegociação das Ações: Mercado Secundário Colocação Inicial: Mercado Primário Instituição Financeira não Bancária Intermedia- dora da Operação Empresa Emitente de Novas Ações Etapas do processo de subscrição de novas ações I P O (Oferta Pública Inicial)

17 2.1 Abertura de capital Abertura de capital no Brasil no período de 2000 até 2009:

18 2.2Financiamento por Recursos de Terceiros c) Repasses de recursos externos a) Empréstimos e financiamentos diretos b) Repasses de recursos internos d) Subscrição de debêntures e) Arrendamento mercantil Modalidades de empréstimos a longo prazo no mercado de capitais

19 a) Empréstimos e financiamentos diretos 2.3Financiamento por Recursos de Terceiros b) Repasses de recursos internos Referem-se às operações de captação de recursos processadas diretamente por uma empresa nas instituições financeiras componentes do mercado de capitais São os recursos oficiais alocados para o financiamento de atividades consideradas como de interesse econômico nacional

20 2.3Financiamento por Recursos de Terceiros c) Repasses de recursos externos d) Subscrição de debêntures São poupanças captadas no exterior, por instituições financeiras nacionais e, a seguir, repassadas no mercado interno Emissão de títulos privados de crédito por companhias de capital aberto, colocadas no mercado à disposição de investidores interessados

21 2.3Financiamento por Recursos de Terceiros e) Arrendamento mercantil Permite que uma empresa se utilize de determinado ativo mediante o estabelecimento de um contrato de aluguel (arrendamento) com uma instituição arrendadora. Financiamento de Capital de Giro É praticada por bancos de investimentos e bancos comerciais/múltiplos, sendo lastreada por recursos próprios ou mediante captações no mercado

22 Estrutura de capital AC NC PER. PC Capital de Terceiros (exigível) Capital Próprio (PL) Composição das fontes de financiamento a longo prazo da empresa, que visa atender a demanda por recursos de natureza permanente. 3. ESTRUTURA DE CAPITAL 3. Introdução

23 Diferentes estruturas de capitais, com maior ou menor participação de capital próprio, alteram o risco financeiro da empresa AC NC PER PC NC PL AC NC PER PC NC PL NC PER NC PL AC PC Estrutura ótima de capital refere-se à proporção de recursos próprios e de terceiros a ser mantido por uma empresa que leva à maximização da riqueza dos proprietários. 3. Introdução

24 Linhas de pensamento sobre estrutura de capital: Teoria Convencional Teoria de Modigliani-Miller (MM) Franco Modigliani, Prêmio Nobel de Economia em 1985 Merton H. Miller, Prêmio Nobel de Economia em 1990 Divergem sobre a existência ou não de uma estrutura ótima de capital 3.Introdução

25 Economia brasileira Anos 80 e 90 – custo elevado do dinheiro Políticas mais preocupadas com a sobrevivência da empresa Restrições dos modelos teóricos de avaliação da estrutura de capital para a economia brasileira Não homogeneidade das taxas de juros de mercado Taxas de juros superdimensionadas Atualmente: reduzida taxa de inflação Conseqüência: desatratividade de investimentos 3.Introdução

26 3.1Por que Usar Capital Próprio Quando o Capital de Terceiros é Mais Barato À medida que mais dívidas são introduzidas na estrutura financeira da empresa, o capital próprio se torna mais arriscado, exigindo maior retorno O custo médio de capital é reduzido até certo nível de endividamento, após o qual começa a crescer pela presença mais marcante do risco financeiro As empresas vêm optando por um comportamento de maior independência frente a pressões de mercado e riscos conjunturais O uso de capital de terceiros implica em custos de falência e outros custos de agency

27 Um maior uso de capital de terceiros exerce certas pressões sobre os fluxos de caixa das empresas Os credores têm amplo direito de receber juros e reembolso do capital emprestado, independente do desempenho da empresa Quando uma empresa utiliza maior volume de capital de terceiros surgem normalmente conflitos de interesses entre credores e acionistas O custo de falência tende a compensar as vantagens financeiras oferecidas pelo capital de terceiros 3.1Por que Usar Capital Próprio Quando o Capital de Terceiros é Mais Barato

28 3.2 Presença de diferentes custos de captação no mercado Taxas livremente definidas pelo mercado Custo real positivo normalmente elevado Taxas subsidiadas Podem apresentar, inclusive, custo real negativo O custo de capital próprio é dependente não somente do risco financeiro (P/PL) que a empresa venha a assumir, mas também da disponibilidade dos recursos oferecidos no mercado Presença simultânea de recursos de terceiros com diferentes magnitudes de custos financeiros

29 O custo da dívida é função, além do risco financeiro, da própria forma escolhida de financiamento As taxas de juros de captação são dependentes da escassa oferta externa de crédito Devido às elevadas taxas de juros da economia e a escassez de capital a longo prazo, as empresas brasileiras são financiadas com 67% com recursos próprios e 33% com recursos de terceiros 3.3 Principais conclusões para a economia brasileira


Carregar ppt "Gestão financeira e a Captação de Recursos Prof. Adilson Celestino de Lima"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google