A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Êmese gravídica: náuseas e vômitos leves, transitórios ( 1° trimestre), que pouco alteram os hábitos alimentares e o peso corporal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Êmese gravídica: náuseas e vômitos leves, transitórios ( 1° trimestre), que pouco alteram os hábitos alimentares e o peso corporal."— Transcrição da apresentação:

1 HIPERÊMESE GRAVÍDICA

2 Êmese gravídica: náuseas e vômitos leves, transitórios ( 1° trimestre), que pouco alteram os hábitos alimentares e o peso corporal. Ocorre em 50 a 90% das gestantes.Geralmente se inicia na 5ª ou 6ª semana, com pico na 9ª, quando os sintomas tendem a melhorar gradativamente.

3 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Hiperêmese: quadro clínico mais intenso, freqüentemente levando a desidratação, desequilíbrio hidro-eletrolítico (cetonúria), perda de peso (> 5%) sem outra causa aparente. Podem ainda ocorrer lesões hapáticas ou renais, distúrbios nutricionais e neurológicos (encefalopatia de Wernicke).

4 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Incidência 0,8% (Gazmararian et al, 2002) 1,6% (Borowski et al, 2003)

5 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Etiopatogenia Redução do tônus e motilidade gástrica Relaxamento do esfíncter gastro- esofágico ß- HCG Estrógenos Fatores psicológicos Gastrite prévia – H. pylori

6 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Fatores mecânicos Distensão e deslocamento do útero podem levar a reflexos de vômitos. Se relacionam mais com os vômitos tardios

7 HIPERÊMESE GRAVÍDICA ß -HCG Relação entre pico dos níveis de HCG com pico dos sintomas. Casos em que os níveis do hormônio estão aumentados (mola, gestação gemelar, feto feminino, trissomia do 21) os sintomas tendem a ser mais intensos.

8 HIPERÊMESE GRAVÍDICA

9

10 Estradiol Alguns estudos mostram um aumento dos níveis de estradiol em gestantes com quadro de hiperêmese gravídica.(Depue, 1987) Hiperêmese é mais prevalente em condições associadas a níveis aumentados de estrógenos, como nas gestantes com sobrepeso, na primigesta e em fetos com criptorquidia.

11 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Uma elevada incidência de carcinoma testicular é observada nos filhos de mães que sofreram com a doença durante a gravidez. Estrógenos aumento do tempo de esvaziamento gástrico com aumento de fluidos no TGI.

12 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Progesterona Não há comprovação científica da associação desse hormônio com o quadro de hiperêmese.

13 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Hipertireoidismo bioquímico + hiperêmese HCG – propriedades tireotróficas (TSH, T3 e T4 ) Melhora da hiperêmese – melhora do hipertireoidismo – diminuição dos níveis de HCG

14 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Infecção pelo H.pylori Associação significativa com hiperêmese Jacob(1990), Frigo (1998), El Younis (1998) Melhora dos sintomas após tratamento da infecção

15 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Fatores metabólicos A deficiência matinal de glicogênio levaria à hipoglicemia e à cetose leve, que causaria náuseas e vômitos.

16 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Córtex da adrenal Alguns estudos apresentam redução dos sintomas de hiperêmese com uso de corticóides. Explicação: deficiência da produção de ACTH ou inabilidade do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal em responder ao aumento da demanda na produção da adrenal no início da gestação.

17 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Deficiência nutricional Alguns estudos relatam deficiência de vitamina B6 associada a hiperêmese Comparação entre a vitamina B6 e placebo, a primeira se mostrou mais eficaz no tratamento dos vômitos Mais estudos são necessários

18 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Causas psicológicas Processos de rejeição ou não aceitação da gravidez, insegurança e outros conflitos psicológicos são historicamente associados a hiperêmese, mas os trabalhos atuais não confirmam esta associação.

19 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Diagnóstico Surge entre 6ª e 14ª semana de gravidez Pico 12ª semana Melhora até 20ª semana Sialorréia associada Desidratação Cetose

20 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Emagrecimento Distúrbio hidroeletrolítico – alcalose metabólica, hipocalemia, hiponatremia, hipocloremia Encefalopatia de Wernicke – deficiência de tiamina – vit B1 (queda do nível de consciência, distúrbios de memória, oftalmoplegia, nistagmo e ataxia)

21 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Síndrome de Korsakoff – psicose, alucinações e amnésia Icterícia por falência hepática – casos mais avançados – infiltração gordurosa e necrose centro-lobular por deficiência protéica. Anemia megaloblástica – deficiência de ácido fólico.

22 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Diagnóstico diferencial Cetoacidose metabólica Doenças vestibulares Pancreatite, apendicite Pielonefrite

23 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Tratamento Dieta leve, fracionada, com pequenos intervalos. Hidratação Tratamento medicamentoso – preferencialmente monoterapia Quadro grave – tratamento hospitalar

24 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Dieta suspensa inicialmente Volume de reposição 2500 a 4000mL/dia – ideal controle com PVC Corrigir íons Administração de complexo B

25 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Medicamentos Antieméticos Derivados das piperazinas: Buclizina (C) Ciclizina (B) Meclizina (B) Derivados das fenotiazinas: Clorpromazina (C) Prometazina (C) Anti-histamínico: Difenidramina (B) Antagonista da dopamina: Metoclopramida (B) Antagonista da apomorfina: Droperidol (C) Corticóides – Metilpredinisolona Antagonistas H3 - Ondasentron (C)

26 HIPERÊMESE GRAVÍDICA o Antagonistas H3 – ondansetron 4mg EV 12/12 hs (após 1º trimestre – casos mais graves) o Corticóides: metilprednisolona (16mg, 3x/dia) com retirada lenta em 2 semanas

27 HIPERÊMESE GRAVÍDICA o Ansiolíticos – diazepan 5mg 8/8hs o Gengibre 0,5 a 1g/dia* Reintrodução lenta e gradativa dos alimentos Apoio psicológico

28 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Prognóstico O tratamento precoce melhorou o prognóstico da hiperêmese gravídica e praticamente extinguiu a mortalidade materna. Risco de recorrência de 25%

29 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Prognóstico fetal Displasia congênita do quadril (uso de antieméticos, associação estatística borderline) Criptorquidia (associação com os níveis de estrogênio) Síndrome de Down

30 HIPERÊMESE GRAVÍDICA Parto < 38 semanas CIUR/Baixo peso (perda de peso 5%)

31 FIM

32 EXERCÍCIOS 1. A Alteração metabólica e hidroeletrolítica mais freqüente na hiperêmese gravídica é: a. Acidose metabólica hipoclorêmica b. Alcalose metabólica hiponatrêmica c. Acidose metabólica hipocalêmica d. Alcalose metabólica hipoclorêmica.

33 EXERCÍCIOS 2. A hiperêmese gravídica é mais freqüente nas primíparas. Uma explicação plausível, para melhora da intensidade das náuseas e vômitos de certas pacientes, a partir do 3° mês de gestação seria: a. Aumento dos esteróides da placenta b. Aumento da atividade trofoblástica c. Diminuição da produção de estrogênios d. Diminuição da atividade trofoblástica.

34 EXERCÍCIOS 3. Na etiopatogenia da hiperêmese gravídica, o hormônio envolvido é: a. Prolactina b. Progesterona c. Lactogênio placentário d. Gonadotrofina coriônica.

35 EXERCÍCIOS 4. Qual condição abaixo normalmente NÃO se associa ao quadro de hiperêmese gravídica? a. Feto feminino b. Gestação molar c. Gestação múltipla d. Polihidramnia.

36 EXERCÍCIOS 5. Com relação ao tratamento da hiperêmese gravídica assinale a alternativa CORRETA: a. A associação de antieméticos e sedativos constitui a terapêutica inicial b. A dieta, inicialmente, deve ser líquida ou branda, de acordo com a tolerância da paciente c. O volume médio de líquido a ser reposto varia de 2500 a 4000ml/dia. d. A psicoterapia está indicada nos casos não responsivos ao tratamento medicamentoso


Carregar ppt "HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Êmese gravídica: náuseas e vômitos leves, transitórios ( 1° trimestre), que pouco alteram os hábitos alimentares e o peso corporal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google