A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Piometra Grupo de Estudo de Animais de Companhia

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Piometra Grupo de Estudo de Animais de Companhia"— Transcrição da apresentação:

1 Piometra Grupo de Estudo de Animais de Companhia
Simone Scarpin de Sá – 9º Período de Medicina Veterinária - UFV

2 Definição É o acúmulo de exsudato purulento dentro do lúmen uterino
Hidrometra Mucometra Sem predisposição racial Risco à vida potencial Distensões uterina com fluido estéril. H: secreções aquosas . M: mucóides.

3 Fonte: www.veterinariagiustiniana.com

4 Ciclo Estral da Cadela Proestro Estro Diestro Anestro Anestro 11 dias
4 meses Distro de uma cadela não prenhe normal dura dias, característica importante da gestação da cadela é a manutenção das concentrações plasmáticas de progesterona ser exclusivamente de origem luteal,

5 Ciclo Estral da Cadela Corpos lúteos Diestro Progesterona
Crescimento e Atividade secretora das glândulas endometriais Reduz atividade miometral

6 Fisiopatologia Hiperplasia endometrial cística Progesterona
Infecção bacteriana secundária Acúmulo de fluido nas glândulas endometriais e no lúmen uterino diestro, fase caracterizada pela ocorrência de secreção ativa de progesterona, geralmente três a seis semanas após o fim do cio, permite que o colo uterino permaneça muito tempo aberto, sendo possível a Contaminação A Hiperplasia Endometrial Cística (HEC) precede o desenvolvimento de piometrite em cadelas, sendo causada por uma resposta exagerada e anormal do endométrio à estimulação progesterônica crônica e repetitiva Piometra

7 Fisiopatologia Outros fatores: Estrógeno Prosgestágenos
Tumores uterinos Microorganismos isolados comuns à flora vaginal normal E. coli estrogênios, para interromper a gestação, bem como progestágenos com finalidade contraceptiva, são os fatores que podem induzir à piometrite com maior freqüência

8 Piometra Felina Ovulação induzida Aplicação progestágenos
gatas, considerando que há necessidade de cópula para que ocorra a ovulação, a piometrite ocorre após cruzamentos ou de forma iatrogênica, pela administração de contraceptivos

9 Classificação Aberta: Fechada 75% das cadelas com piometra Mais grave
‘aberta’, quando a cérvix está quase completamente aberta e há presença de secreção vaginal, ou ‘fechada’, quando não há abertura da cérvix, havendo acúmulo de material no útero, não ocorrendo, portanto, secreção vaginal (PRESTES et al., 1991). Fonte: veterinaria-online.blogspot.com

10 Anormalidades Intercorrentes
Hipoglicemia Disfunção renal Azotemia pré-renal Glomerulopatia primária Redução da capacidade de concentração tubular Disfunção hepática Anemia Arritmias Cardíacas Anormalidades de coagulação

11 Diagnóstico Anamnese Exame Físico
Duração: gatas 1 a 4 semanas; cadelas 4 a 8 semanas Histórico de ciclo estral e terapia hormonal Sinais: distensão abdominal óbvia, febre, anorexia parcial ou completa, letargia, poliúria, polidipsia, vômito, diarreia e/ou perda de peso. Exame Físico Aberta ou fechada Aumento do tamanho uterino Desidratação cérvix estiver fechada, dificultando a drenagem do conteúdo uterino, se não tratada pode levar à septicemia e endotoxemia

12 Diagnóstico Achados Laboratoriais Neutrofilia com desvio à esquerda
Monocitose Leucocitose – acima de /µL Leucopenia – septicemia Anemia não regenerativa leve Hiperprotrinemia Hiperglobulinemia Azotemia Para detectarem-se anormalidades metabólicas associadas à sepse e para avaliar a função renal, são necessários hemogramas, perfil bioquímico sérico e urinálise

13 Diagnóstico Foto: Flávio Medeiros Paz e Silva
resposta neutrofílica moderda em reposta à infecção uterina (piometra) Citologia vaginal identificará as características do corrimento vaginal. Foto: Flávio Medeiros Paz e Silva

14 Diagnóstico Fonte: https://www.vetconnect.com.au/5min/toc/img1000.htm
ultrasonografias,evidenciando distensão uterina em decorrência da grande quantidade de líquido em seu interior Fonte: https://www.vetconnect.com.au/5min/toc/img1000.htm

15 Diagnóstico Fonte: www.labvet.com.br
ultrasonografias,evidenciando distensão uterina em decorrência da grande quantidade de líquido em seu interior Fonte:

16 Diagnóstico Diferencial
Mucometra Hidrometra Piovagina Gestação Metrite Torção uterina Peritonite Evitar cistocentese; O diagnóstico diferencial mais importante a ser realizado é o da gestação. A aparência radiológica do útero gravídico antes da calcificação fetal (cerca de 42 dias) é indistinguível da obtida quando há piometrite. Pode tb ser detectada uma leucocitose na gestação normal porém não vai haver desvio à esquerda ou sintomas de toxicidade.

17 Tratamento Médico Animais Reprodutores valiosos e metabolicamente estabilizados Antiobiótico por 2 a 3 semanas Prostaglandina (PGF2α): 0,1-0,25 mg/kg, SC, bid ou sid, por 3 a 5 dias Terapia hidroeletrolítica Cefazolina: 20 mg/kg, IV ou IM, t.i.d. Enrofloxacina: 5-10 mg/kg, VO ou IV, b.i.d. Ampilicilina: 22 mg/kg, IV, IM, SC ou VO, t.i.d a q.i.d PGF2α – pode causar redução da fertilidade terapia hidroeletrolítica de suporte, para manutenção da perfusão tecidual adequada, com melhora na função renal, pois vários estudos demonstram que o prognóstico piora quando não se corrige a azotemia através da desobstrução da cérvix para drenagem uterina.e emptying the pus-filled uterus easily emptied stimulating miometrial contractility

18 Tratamento Médico Efeitos colaterais (30 a 60 min) Altas doses
Ofego, salivação, êmese, defecação, micção, midríase, aninhamento, tenesmo, lordose, vocalização e higiene intensa por lambedura Altas doses Ataxia, colapso, choque hipovolêmico, desconforto respiratório ou morte PGF2α – pode causar redução da fertilidade

19 Tratamento Cirúrgico Pré-operatório Fluidoterapia
Antibiótico largo espectro Corticóide Monitorar entrada de fluidos e a produção urinária Dopamina ou diuréticos Antiarrítmicos Fluidoterapia correção da desidratação mantida antes, durante e pós cirurgia Corticóide: pra sepse e endotoxemia

20 Tratamento Cirúrgico OSH Fonte:

21 Tratamento Cirúrgico Fonte:

22 Tratamento Cirúrgico Fonte:

23 Tratamento Cirúrgico Fonte:

24 Tratamento Cirúrgico Fonte:

25 Tratamento Cirúrgico Fonte:

26 Tratamento Cirúrgico Complicações intra-operatórios Peritonite
Hemorragia Tumores uterinos Encarceramento da piometra em uma hérnia inguinal Peritonite devido extravasamento do conteúdo uterino para o interior da cavidade abdominal

27 Tratamento Cirúrgico Pós-operatório Analgésicos
Monitoração por 24 a 48hs Fluidoterapia Antibioticoterapia por 10 a 14 dias Desconforto abdominal, temperatura elevada e dor sugerem peritonite

28 Tratamento Cirúrgico Complicações pós-operatório Prognóstico
Piometra de coto Formação de granuloma no colo do útero Inapetência Hipotermia Prognóstico

29 Fim ????


Carregar ppt "Piometra Grupo de Estudo de Animais de Companhia"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google