A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EXECUÇÃO ESPÉCIES. CLASSIFICAÇÕES Quanto à origem do título Quanto à origem do título Quanto à estabilidade do título Quanto à estabilidade do título.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EXECUÇÃO ESPÉCIES. CLASSIFICAÇÕES Quanto à origem do título Quanto à origem do título Quanto à estabilidade do título Quanto à estabilidade do título."— Transcrição da apresentação:

1 EXECUÇÃO ESPÉCIES

2 CLASSIFICAÇÕES Quanto à origem do título Quanto à origem do título Quanto à estabilidade do título Quanto à estabilidade do título Quanto à natureza da prestação Quanto à natureza da prestação Quanto à especialidade do procedimento Quanto à especialidade do procedimento

3 Quanto à origem do título Judicial ou Extrajudicial Judicial ou Extrajudicial - diversidade de amplitude de defesa - diversidade de amplitude de defesa - formas diferentes de defesa - formas diferentes de realização - formas diferentes de realização - procedimentos diversos - procedimentos diversos

4 Quanto à estabilidade do título Definitiva ou provisória Definitiva ou provisória Definitiva: sentença transitada em julgado título executivo extrajudicial título executivo extrajudicial Provisória: sentença ainda sujeita a recurso sem efeito suspensivo sem efeito suspensivo

5 Quanto à natureza da prestação Execução para entrega de coisa Execução para entrega de coisa (certa ou incerta) (certa ou incerta) Execução de fazer e não fazer Execução de fazer e não fazer Execução por quantia certa Execução por quantia certa

6 Quanto à especialidade do procedimento Execução de obrigação alimentícia Execução de obrigação alimentícia Execução contra a Fazenda Pública Execução contra a Fazenda Pública Execução fiscal Execução fiscal

7 Execução provisória Título executivo judicial Título executivo judicial sentença sujeita a recurso sem efeito sentença sujeita a recurso sem efeito suspensivo suspensivo Título executivo extrajudicial Título executivo extrajudicial (em caso de apelação contra sentença de improcedência dos embargos, processados com efeito suspensivo) (em caso de apelação contra sentença de improcedência dos embargos, processados com efeito suspensivo)

8 Artigo 587 A execução é definitiva, quando fundada em sentença transitada em julgado ou em título extrajudicial; e provisória, quando a sentença for impugnada mediante recurso, recebido só no efeito devolutivo. A execução é definitiva, quando fundada em sentença transitada em julgado ou em título extrajudicial; e provisória, quando a sentença for impugnada mediante recurso, recebido só no efeito devolutivo. É definitiva a execução fundada em título extrajudicial; é provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos do executado, quando recebidos com efeito suspensivo (art. 739). É definitiva a execução fundada em título extrajudicial; é provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos do executado, quando recebidos com efeito suspensivo (art. 739).

9 CUMPRIMENTO PROVISÓRIO Artigo 475-O Artigo 475-O A execução provisória da sentença far-se-á, no que couber, do mesmo modo que a definitiva, observadas as seguintes normas: A execução provisória da sentença far-se-á, no que couber, do mesmo modo que a definitiva, observadas as seguintes normas: Revogado o artigo 588 Revogado o artigo 588

10 CUMPRIMENTO PROVISÓRIO Artigo 475-O, Inciso I Artigo 475-O, Inciso I Corre por iniciativa, conta e responsabilidade do exeqüente, que se obriga, se a sentença for reformada, a reparar os danos que o executado haja sofrido. Corre por iniciativa, conta e responsabilidade do exeqüente, que se obriga, se a sentença for reformada, a reparar os danos que o executado haja sofrido. Artigo 588, I Artigo 588, I Corre por conta e responsabilidade do exeqüente, que se obriga, se a sentença for reformada, a reparar os prejuízos que o executado venha a sofrer Corre por conta e responsabilidade do exeqüente, que se obriga, se a sentença for reformada, a reparar os prejuízos que o executado venha a sofrer

11 CUMPRIMENTO PROVISÓRIO Artigo 475-O, II Artigo 475-O, II Fica sem efeito, sobrevindo acórdão que modifique ou anule a sentença objeto da execução, restituindo-se as partes ao estado anterior e liquidados eventuais prejuízos nos mesmos autos, por arbitramento. Fica sem efeito, sobrevindo acórdão que modifique ou anule a sentença objeto da execução, restituindo-se as partes ao estado anterior e liquidados eventuais prejuízos nos mesmos autos, por arbitramento. Artigo 588,III Artigo 588,III Fica sem efeito... restituindo-se as partes ao estado anterior Fica sem efeito... restituindo-se as partes ao estado anterior

12 CUMPRIMENTO PROVISÓRIO Artigo 475-O, III Artigo 475-O, III O levantamento de depósito em dinheiro e a prática de atos que importem alienação de propriedade ou dos quais possa resultar grave dano ou executado dependem de caução suficiente e idônea, arbitrada de plano pelo juiz e prestada nos próprios autos. O levantamento de depósito em dinheiro e a prática de atos que importem alienação de propriedade ou dos quais possa resultar grave dano ou executado dependem de caução suficiente e idônea, arbitrada de plano pelo juiz e prestada nos próprios autos. Equivalente anterior: artigo 588, II Equivalente anterior: artigo 588, II

13 CUMPRIMENTO PROVISÓRIO Artigo 475-O, § 2º - Dispensa de caução: Artigo 475-O, § 2º - Dispensa de caução: Quando, nos casos de crédito de natureza alimentar ou decorrente de ato ilícito, até o limite de sessenta vezes o salário mínimo, o exeqüente demonstrar situação de necessidade Quando, nos casos de crédito de natureza alimentar ou decorrente de ato ilícito, até o limite de sessenta vezes o salário mínimo, o exeqüente demonstrar situação de necessidade Equivalente anterior: artigo 588, § 2º Equivalente anterior: artigo 588, § 2º

14 CUMPRIMENTO PROVISÓRIO Artigo 475-O, § 2º - Dispensa de caução: Artigo 475-O, § 2º - Dispensa de caução: Nos casos de execução provisória em que penda agravo de instrumento junto ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior Tribunal de Justiça (art. 544), salvo quando da dispensa possa manifestamente resultar grave dano, de difícil ou incerta reparação Nos casos de execução provisória em que penda agravo de instrumento junto ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior Tribunal de Justiça (art. 544), salvo quando da dispensa possa manifestamente resultar grave dano, de difícil ou incerta reparação Não há equivalente anterior Não há equivalente anterior

15 CUMPRIMENTO PROVISÓRIO Artigo 475-O, § 3º Artigo 475-O, § 3º Ao requerer a execução provisória, o exeqüente instruirá a petição com cópias autenticadas das seguintes peças do processo, podendo o advogado valer-se do disposto na parte final do art. 544, § 1º... Ao requerer a execução provisória, o exeqüente instruirá a petição com cópias autenticadas das seguintes peças do processo, podendo o advogado valer-se do disposto na parte final do art. 544, § 1º... Não se fala mais em expedição de carta de sentença. Revogados os arts. 589 e 590. Não se fala mais em expedição de carta de sentença. Revogados os arts. 589 e 590.

16 Artigo 694 Assinado o auto, pelo juiz, pelo escrivão, pelo arrematante ou pelo leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável. Assinado o auto, pelo juiz, pelo escrivão, pelo arrematante ou pelo leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável. Assinado o auto pelo juiz, pelo arrematante e pelo serventuário da justiça ou leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável, ainda que venham a ser julgados procedentes os embargos do executado. Assinado o auto pelo juiz, pelo arrematante e pelo serventuário da justiça ou leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável, ainda que venham a ser julgados procedentes os embargos do executado.

17 TUTELA DAS OBRIGAÇÕES DE FAZER E NÃO FAZER Título judicial – artigo 461 Título judicial – artigo 461 Título extrajudicial - processo de execução – art. 632 e segs. Título extrajudicial - processo de execução – art. 632 e segs.

18 Tutela das obrigações de entrega de coisa Título judicial – artigo 461-A Título judicial – artigo 461-A Título extrajudicial – artigos 621 e segs. Título extrajudicial – artigos 621 e segs.

19 Entrega de coisa Título judicial – eficácia mandamental e executiva: Título judicial – eficácia mandamental e executiva: SentençaSentença Intimação para entregaIntimação para entrega Multa (coerção)Multa (coerção) Mandado de busca e apreensão (sub- rogação)Mandado de busca e apreensão (sub- rogação)

20 Entrega de coisa certa Título extrajudicial Título extrajudicial Processo de execuçãoProcesso de execução Fases: postulatória, instrutória e satisfativaFases: postulatória, instrutória e satisfativa Petição inicialPetição inicial CitaçãoCitação Atitudes: entrega (10 dias) extinçãoAtitudes: entrega (10 dias) extinção depósito depósito embargos (15 dias) embargos (15 dias) omissão busca e apreensão omissão busca e apreensão

21 Execução para entrega de coisa certa Entrega ao exeqüente extinção Entrega ao exeqüente extinção Resultado frustrado liquidação + execução por quantia Resultado frustrado liquidação + execução por quantia Casos: Casos: Impossibilidade (não localização, perecimento)Impossibilidade (não localização, perecimento) Opção do credor (não entrega, bem em poder de terceiro)Opção do credor (não entrega, bem em poder de terceiro)

22 Entrega de coisa: retenção por benfeitorias Previsão no direito material Previsão no direito material Necessidade de prévia liquidação (art. 628) Necessidade de prévia liquidação (art. 628) Alegação por embargos – art. 745, IV e §§ 1º e 2º - (revogado o artigo 744) Alegação por embargos – art. 745, IV e §§ 1º e 2º - (revogado o artigo 744)

23 Comparação entre os textos Artigo 744 Artigo 744 Na execução para entrega de coisa (art. 621) é lícito ao devedor deduzir embargos de retenção por benfeitorias. Na execução para entrega de coisa (art. 621) é lícito ao devedor deduzir embargos de retenção por benfeitorias. Artigo 745 Artigo 745 Nos embargos à execução, poderá o executado alegar: Nos embargos à execução, poderá o executado alegar: IV- retenção por benfeitorias necessárias ou úteis, nos casos de título para entrega de coisa certa (art. 621) IV- retenção por benfeitorias necessárias ou úteis, nos casos de título para entrega de coisa certa (art. 621)

24 Artigo 744, § 1º (revogado) sem equivalente na lei atual § 1º Nos embargos especificará o devedor, sob pena de não serem recebidos: § 1º Nos embargos especificará o devedor, sob pena de não serem recebidos: I- as benfeitorias necessárias, úteis ou voluptuárias; I- as benfeitorias necessárias, úteis ou voluptuárias; II- o estado anterior e atual da coisa; II- o estado anterior e atual da coisa; III- o custo das benfeitorias e o seu valor atual; III- o custo das benfeitorias e o seu valor atual; IV- a valorização da coisa, decorrente das benfeitorias IV- a valorização da coisa, decorrente das benfeitorias

25 Comparação Art. 744, § 2º Art. 744, § 2º Na impugnação aos embargos poderá o credor oferecer artigos de liquidação de frutos ou de danos, a fim de se compensarem com as benfeitorias. Na impugnação aos embargos poderá o credor oferecer artigos de liquidação de frutos ou de danos, a fim de se compensarem com as benfeitorias. Art. 745, § 1º Art. 745, § 1º Nos embargos de retenção por benfeitorias, poderá o exeqüente requerer a compensação de seu valor com o dos frutos ou danos considerados devidos pelo executado, cumprindo ao juiz, para a apuração dos respectivos valores, nomear perito, fixando-lhe breve prazo para entrega do laudo. Nos embargos de retenção por benfeitorias, poderá o exeqüente requerer a compensação de seu valor com o dos frutos ou danos considerados devidos pelo executado, cumprindo ao juiz, para a apuração dos respectivos valores, nomear perito, fixando-lhe breve prazo para entrega do laudo.

26 Comparação Artigo 744, § 3º Artigo 744, § 3º O credor poderá, a qualquer tempo, ser imitido na posse da coisa, prestando caução ou depositando: O credor poderá, a qualquer tempo, ser imitido na posse da coisa, prestando caução ou depositando: I- o preço das benfeitorias; I- o preço das benfeitorias; II- a diferença entre o preço das benfeitorias e o valor frutos ou dos danos, que já tiverem sido liquidados. II- a diferença entre o preço das benfeitorias e o valor frutos ou dos danos, que já tiverem sido liquidados. Artigo 745, § 2º Artigo 745, § 2º O exeqüente poderá, a qualquer tempo, ser imitido na posse da coisa, prestando caução ou depositando o valor devido pelas benfeitorias ou resultante da compensação. O exeqüente poderá, a qualquer tempo, ser imitido na posse da coisa, prestando caução ou depositando o valor devido pelas benfeitorias ou resultante da compensação.

27 Retenção por benfeitorias Meios de alegação: Meios de alegação: Título judicial (461-A) matéria de defesa na contestação Título judicial (461-A) matéria de defesa na contestação Título extrajudicial (621) matéria de embargos à execução (art. 745, IV) Título extrajudicial (621) matéria de embargos à execução (art. 745, IV)

28 Entrega de coisa incerta Estado de incerteza relativa necessidade de determinar os contornos da obrigação em toda a sua extensão Estado de incerteza relativa necessidade de determinar os contornos da obrigação em toda a sua extensão Coisa incerta = coisa fungível? Coisa incerta = coisa fungível? Coisa incerta = coisa indeterminada, mas determinável Coisa incerta = coisa indeterminada, mas determinável Determinação pelo gênero e quantidade Determinação pelo gênero e quantidade Cabimento: o título atribui ao credor a incumbência de individualizar o bem, a partir do seu gênero e da sua quantidade Cabimento: o título atribui ao credor a incumbência de individualizar o bem, a partir do seu gênero e da sua quantidade

29 Execução para entrega de coisa incerta: título extrajudicial Escolha pelo credor: indicação na petição inicial Escolha pelo credor: indicação na petição inicial Escola pelo devedor: Escola pelo devedor: Citação para,em 10 dias: Citação para,em 10 dias: escolher, entregar ou depositar. escolher, entregar ou depositar. Em caso de omissão: escolha pelo credor Em caso de omissão: escolha pelo credor Em caso de simples escolha: execução para entrega de coisa certa Em caso de simples escolha: execução para entrega de coisa certa Impugnação à escolha: 48 horas (executado, após a citação; exeqüente, após a ciência do ato do executado). Impugnação à escolha: 48 horas (executado, após a citação; exeqüente, após a ciência do ato do executado).

30 Execução para entrega de coisa incerta: título judicial Artigo 461-A, § 1º Artigo 461-A, § 1º Tratando-se de entrega de coisa determinada pelo gênero e quantidade, o credor a individualizará na petição inicial, se lhe couber a escolha; cabendo ao devedor escolher, este a entregará individualizada, no prazo fixado pelo juiz. Tratando-se de entrega de coisa determinada pelo gênero e quantidade, o credor a individualizará na petição inicial, se lhe couber a escolha; cabendo ao devedor escolher, este a entregará individualizada, no prazo fixado pelo juiz. Escolha na petição inicial – impugnação na contestação Escolha na petição inicial – impugnação na contestação Escolha pelo réu – no cumprimento da sentença – impugnação em 48 horas (art. 631 por analogia) Escolha pelo réu – no cumprimento da sentença – impugnação em 48 horas (art. 631 por analogia)

31 Tutela das obrigações de fazer e não fazer Título judicial – art. 461 Título judicial – art. 461 Título extrajudicial – processo de execução – artigos 632 e seguintes Título extrajudicial – processo de execução – artigos 632 e seguintes

32 Processo de execução Petição inicial – citação para cumprimento da obrigação (prazo do título ou, se omisso, naquele fixado pelo juiz) Petição inicial – citação para cumprimento da obrigação (prazo do título ou, se omisso, naquele fixado pelo juiz) Ausência de cumprimento voluntário: Ausência de cumprimento voluntário: Prestação infungível liquidação das perdas e danos + execução por quantia Prestação infungível liquidação das perdas e danos + execução por quantia Prestação fungível realização por terceiro, às custas do executado. Prestação fungível realização por terceiro, às custas do executado.

33 Artigo 634 Se o fato puder ser prestado por terceiros, é lícito ao juiz, a requerimento do credor, decidir que aquele o realize à custa do devedor. Se o fato puder ser prestado por terceiros, é lícito ao juiz, a requerimento do credor, decidir que aquele o realize à custa do devedor. Se o fato puder ser prestado por terceiro, é lícito ao juiz, a requerimento do exeqüente, decidir que aquele o realize à custa do executado. Se o fato puder ser prestado por terceiro, é lícito ao juiz, a requerimento do exeqüente, decidir que aquele o realize à custa do executado.

34 Artigo 637 Se o credor quiser executar, ou mandar executar, sob sua direção e vigilância, as obras e trabalhos necessários à prestação do fato, terá preferência, em igualdade de condições de oferta, ao terceiro. Se o credor quiser executar, ou mandar executar, sob sua direção e vigilância, as obras e trabalhos necessários à prestação do fato, terá preferência, em igualdade de condições de oferta, ao terceiro. Texto não alterado Texto não alterado

35 Artigo 637 Parágrafo único. O direito de preferência será exercido no prazo de 5 (cinco) dias, contados da proposta, a que alude o art. 634, § 3º. Parágrafo único. O direito de preferência será exercido no prazo de 5 (cinco) dias, contados da proposta, a que alude o art. 634, § 3º. Parágrafo único. O direito de preferência será exercido no prazo de 5 (cinco) dias, contados da apresentação da proposta pelo terceiro (art. 634, parágrafo único). Parágrafo único. O direito de preferência será exercido no prazo de 5 (cinco) dias, contados da apresentação da proposta pelo terceiro (art. 634, parágrafo único).

36 Obrigação de não fazer Obrigação permanente (ou contínuas) possibilita a volta ao estado anterior, se descumprida (exemplo: demolição) desfazer por terceiro + perdas e danos Obrigação permanente (ou contínuas) possibilita a volta ao estado anterior, se descumprida (exemplo: demolição) desfazer por terceiro + perdas e danos Obrigação instantânea não há retorno possível, se descumprida (exemplo: violação de sigilo) perdas e danos Obrigação instantânea não há retorno possível, se descumprida (exemplo: violação de sigilo) perdas e danos

37 Astreintes Multa pecuniária - meio de coerção Multa pecuniária - meio de coerção Não se destina a reparar perdas e danos Não se destina a reparar perdas e danos Não se confunde com cláusula penal Não se confunde com cláusula penal Podem ultrapassar o valor da obrigação Podem ultrapassar o valor da obrigação Não guardam relação com esse valor Não guardam relação com esse valor Reverte-se em favor do credor Reverte-se em favor do credor

38 Astreintes Contra a Fazenda Pública: pode? Contra a Fazenda Pública: pode? Momento da exigibilidade Momento da exigibilidade Fixação de ofício ou a requerimento Fixação de ofício ou a requerimento Intimação pessoal? Intimação pessoal? Possibilidade de alteração Possibilidade de alteração Não incidência na tutela específica das obrigações de emitir declaração de vontade – 466-A a 466-C Não incidência na tutela específica das obrigações de emitir declaração de vontade – 466-A a 466-C

39 Execução por quantia certa devedor solvente Procedimento padrão para a execução por título extrajudicial, de aplicação subsidiária aos demais Procedimento padrão para a execução por título extrajudicial, de aplicação subsidiária aos demais Procedimento padrão para o título judicial Procedimento padrão para o título judicial Procedimento específico para os títulos do artigo 475-N, incisos II, IV e VI. Procedimento específico para os títulos do artigo 475-N, incisos II, IV e VI. Procedimento específico para a execução contra a Fazenda Pública Procedimento específico para a execução contra a Fazenda Pública Procedimento específico para a execução de prestação alimentícia Procedimento específico para a execução de prestação alimentícia Procedimento específico para a execução fiscal Procedimento específico para a execução fiscal

40 Cumprimento de sentença Título judicial – art. 475-N, incisos I, III, V e VII Título judicial – art. 475-N, incisos I, III, V e VII Início: eficácia da sentença condenatória Início: eficácia da sentença condenatória Cumprimento voluntário: 15 dias Multa de 10% Cumprimento voluntário: 15 dias Multa de 10%

41 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Artigo 475-J. Caso o devedor, condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação, não o efetue no prazo de quinze dias, o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de dez por cento e, a requerimento do credor e observado o disposto no artigo 614, inciso II, desta Lei, expedir-se-á mandado de penhora e avaliação. Artigo 475-J. Caso o devedor, condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação, não o efetue no prazo de quinze dias, o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de dez por cento e, a requerimento do credor e observado o disposto no artigo 614, inciso II, desta Lei, expedir-se-á mandado de penhora e avaliação.

42 475-J – DESTAQUES Incide na execução provisória? Incide na execução provisória? Qual é o termo inicial do prazo de 15 dias? Qual é o termo inicial do prazo de 15 dias? O réu deve ser intimado? O réu deve ser intimado? Caso positivo, intima-se o advogado? Caso positivo, intima-se o advogado? Pela imprensa ou pessoalmente? Pela imprensa ou pessoalmente? E no caso de revelia, como proceder? E no caso de revelia, como proceder? Havendo litisconsórcio com advogados distintos, o prazo é contado em dobro? Havendo litisconsórcio com advogados distintos, o prazo é contado em dobro? Os casos pendentes são afetados? Os casos pendentes são afetados?

43 475-J – DESTAQUES Valor da condenação e não da obrigação Valor da condenação e não da obrigação Casos de pagamento parcial. Casos de pagamento parcial. Controvérsia a respeito do valor a pagar Controvérsia a respeito do valor a pagar O prazo é processual. Como contar? O prazo é processual. Como contar? Situações especiais de contagem: ex. prestações vincendas Situações especiais de contagem: ex. prestações vincendas

44 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Artigo 475-J Artigo 475-J Requerimento do credor Requerimento do credor Demonstrativo da dívida Demonstrativo da dívida Momento da apresentação Momento da apresentação Indicação de bens pelo credor (§ 3º) Indicação de bens pelo credor (§ 3º)

45 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Artigo 475-J e § 1º Artigo 475-J e § 1º Mandado de penhora e avaliação Mandado de penhora e avaliação Intimação da penhora ao executado, na pessoa de seu advogado (236 e 237) Intimação da penhora ao executado, na pessoa de seu advogado (236 e 237) Na falta de advogado, intimação na pessoa do representante legal ou pessoalmente, por mandado ou pelo correio Na falta de advogado, intimação na pessoa do representante legal ou pessoalmente, por mandado ou pelo correio

46 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA 475-J, § 2º 475-J, § 2º Caso o oficial de justiça não possa proceder à avaliação, por depender de conhecimentos especializados, o juiz, de imediato, nomeará avaliador, assinando-lhe breve prazo para a entrega do laudo. Caso o oficial de justiça não possa proceder à avaliação, por depender de conhecimentos especializados, o juiz, de imediato, nomeará avaliador, assinando-lhe breve prazo para a entrega do laudo.

47 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Artigo 475-J, § 5º. Artigo 475-J, § 5º. Não sendo requerida a execução no prazo de seis meses, o juiz mandará arquivar os autos, sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte. Não sendo requerida a execução no prazo de seis meses, o juiz mandará arquivar os autos, sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte. Termo inicial do prazo Termo inicial do prazo Prescrição? Prescrição?

48 Cumprimento de sentença Despesas a cargo do réu? Despesas a cargo do réu? Honorários advocatícios? Honorários advocatícios?

49 Cumprimento de sentença defesa Impugnação Impugnação incidente processual ou ação incidente? incidente processual ou ação incidente? Processamento sem efeito suspensivo, como regra Processamento sem efeito suspensivo, como regra Não há preparo inicial Não há preparo inicial Apreciação: sentença ou decisão interlocutória? Apreciação: sentença ou decisão interlocutória?

50 IMPUGNAÇÃO Artigo 475-L. A impugnação somente poderá versar sobre: Artigo 475-L. A impugnação somente poderá versar sobre: Falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia Falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia Inexigibilidade do título Inexigibilidade do título Penhora incorreta ou avaliação errônea Penhora incorreta ou avaliação errônea Ilegitimidade das partes Ilegitimidade das partes Excesso de execução Excesso de execução Qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença. Qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença.

51 IMPUGNAÇÃO Artigo 475-L, § 1º. Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também exigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal. Artigo 475-L, § 1º. Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também exigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal.

52 IMPUGNAÇÃO Artigo 475-L, § 2º Artigo 475-L, § 2º Quando o executado alegar que o exeqüente, em excesso de execução, pleiteia quantia superior à resultante da sentença, cumprir-lhe-á declarar de imediato o valor que entende correto, sob pena de rejeição liminar dessa impugnação. Quando o executado alegar que o exeqüente, em excesso de execução, pleiteia quantia superior à resultante da sentença, cumprir-lhe-á declarar de imediato o valor que entende correto, sob pena de rejeição liminar dessa impugnação.

53 IMPUGNAÇÃO Artigo 475-M Artigo 475-M A impugnação não terá efeito suspensivo, podendo o juiz atribuir- lhe tal efeito desde que relevantes seus fundamentos e o prosseguimento da execução seja manifestamente suscetível de causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. A impugnação não terá efeito suspensivo, podendo o juiz atribuir- lhe tal efeito desde que relevantes seus fundamentos e o prosseguimento da execução seja manifestamente suscetível de causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. Artigo 739, § 1º Artigo 739, § 1º

54 IMPUGNAÇÃO Artigo 475-M, § 1º Artigo 475-M, § 1º Ainda que atribuído efeito suspensivo à impugnação, é lícito ao exeqüente requerer o prosseguimento da execução, oferecendo e prestando caução suficiente e idônea, arbitrada pelo juiz e prestada nos próprios autos. Ainda que atribuído efeito suspensivo à impugnação, é lícito ao exeqüente requerer o prosseguimento da execução, oferecendo e prestando caução suficiente e idônea, arbitrada pelo juiz e prestada nos próprios autos.

55 IMPUGNAÇÃO Artigo 475-M Artigo 475-M A impugnação não terá efeito suspensivo, podendo o juiz atribuir- lhe tal efeito desde que relevantes seus fundamentos e o prosseguimento da execução seja manifestamente suscetível de causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. A impugnação não terá efeito suspensivo, podendo o juiz atribuir- lhe tal efeito desde que relevantes seus fundamentos e o prosseguimento da execução seja manifestamente suscetível de causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. Artigo 739, § 1º Artigo 739, § 1º

56 IMPUGNAÇÃO Artigo 475-M, § 2º Artigo 475-M, § 2º Deferido efeito suspensivo, a impugnação será instruída e decidida nos próprios autos e, caso contrário, em autos apartados. Deferido efeito suspensivo, a impugnação será instruída e decidida nos próprios autos e, caso contrário, em autos apartados.

57 IMPUGNAÇÃO Artigo 475-M, § 3º Artigo 475-M, § 3º A decisão que resolver a impugnação é recorrível mediante agravo de instrumento, salvo quando importar extinção da execução, caso em que caberá apelação. A decisão que resolver a impugnação é recorrível mediante agravo de instrumento, salvo quando importar extinção da execução, caso em que caberá apelação.

58 DISPOSIÇÃO FINAL Artigo 475-R Artigo 475-R Aplicam-se subsidiariamente ao cumprimento da sentença, no que couber, as normas que regem o processo de execução de título extrajudicial. Aplicam-se subsidiariamente ao cumprimento da sentença, no que couber, as normas que regem o processo de execução de título extrajudicial.

59 Cumprimento de sentença situações especiais Instauração de processo citação (e não fase processual) Instauração de processo citação (e não fase processual) Sentença condenatória criminal liquidação + cumprimento Sentença condenatória criminal liquidação + cumprimento Sentenças arbitral e estrangeira cumprimento Sentenças arbitral e estrangeira cumprimento

60 TÍTULOS EXECUTIVOS JUDICIAIS Artigo 475-N, parágrafo único. Artigo 475-N, parágrafo único. Nos casos dos incisos II, IV e VI, o mandado inicial (art. 475-J) incluirá a ordem de citação do devedor, no juízo cível, para liquidação ou execução, conforme o caso. Nos casos dos incisos II, IV e VI, o mandado inicial (art. 475-J) incluirá a ordem de citação do devedor, no juízo cível, para liquidação ou execução, conforme o caso.

61 Execução contra a Fazenda Pública Instauração de processo ou simples fase? Instauração de processo ou simples fase? Premissa determinadora do tratamento diverso impenhorabilidade dos bens públicos, como decorrência de sua inalienabilidade (impossível a desafetação para efeito de penhora) Premissa determinadora do tratamento diverso impenhorabilidade dos bens públicos, como decorrência de sua inalienabilidade (impossível a desafetação para efeito de penhora) É verdadeira execução? É verdadeira execução?

62 Execução contra a Fazenda Pública – legitimidade passiva Pessoas jurídicas de direito público: Pessoas jurídicas de direito público: União, Estados, DF, Territórios, Municípios e respectivas autarquias e fundações cujos bens estejam sujeitos ao regime de direito público União, Estados, DF, Territórios, Municípios e respectivas autarquias e fundações cujos bens estejam sujeitos ao regime de direito público

63 Execução contra a Fazenda Pública Título judicial ou extrajudicial? Título judicial ou extrajudicial? CF, artigo 100: pagamentos devidos pela Fazenda Federal, Estadual ou Municipal, em virtude de sentença judiciária. CF, artigo 100: pagamentos devidos pela Fazenda Federal, Estadual ou Municipal, em virtude de sentença judiciária. Procedimento a adotar para as obrigações de pagar quantia certa. Entrega de coisa e fazer/não fazer seguem o regime comum. Procedimento a adotar para as obrigações de pagar quantia certa. Entrega de coisa e fazer/não fazer seguem o regime comum.

64 Execução contra a Fazenda Pública Artigos 730 e 731 Artigos 730 e 731 Citação para opor embargos em 30 dias Citação para opor embargos em 30 dias Título judicial simples intimação? Título judicial simples intimação?

65 Execução contra a Fazenda Pública Ausência de embargos ou improcedência: Ausência de embargos ou improcedência: Requisição de pagamento pelo juízo da execução, através do presidente do tribunal respectivo (competente para julgar a causa em grau ordinário) Requisição de pagamento pelo juízo da execução, através do presidente do tribunal respectivo (competente para julgar a causa em grau ordinário) A expedição do precatório é ato do presidente do tribunal A expedição do precatório é ato do presidente do tribunal

66 Precatório Pagamento por ordem de apresentação Pagamento por ordem de apresentação Apresentados até o dia 1º de julho, serão incluídos no orçamento do ano seguinte Apresentados até o dia 1º de julho, serão incluídos no orçamento do ano seguinte Apresentados depois, serão incluídos no orçamento do ano seguinte Apresentados depois, serão incluídos no orçamento do ano seguinte Dotações orçamentárias para pagamento Dotações orçamentárias para pagamento Depósito à disposição do tribunal, para que os pagamentos sejam efetuados na ordem de apresentação dos precatórios Depósito à disposição do tribunal, para que os pagamentos sejam efetuados na ordem de apresentação dos precatórios

67 Precatório Duas ordens de preferência: Duas ordens de preferência: créditos de natureza alimentar – privilégiocréditos de natureza alimentar – privilégio créditos de natureza diversa – pagamento posteriorcréditos de natureza diversa – pagamento posterior Desrespeito à ordem de preferência: Desrespeito à ordem de preferência: seqüestro seqüestro

68 Seqüestro – art. 731 Medida cautelar ou satisfativa? Satisfativa: apreensão da quantia e entrega ao credor Pedido mediante exercício de ação pelo credor preterido Sujeito passivo a Fazenda ou o credor?

69 Precatório Pagamento do valor atualizado – CF, 100, § 1º Pagamento do valor atualizado – CF, 100, § 1º Dívidas de pequeno valor – dispensa de precatório – CF, art. 100, § 3º. Dívidas de pequeno valor – dispensa de precatório – CF, art. 100, § 3º. Esfera federal – 60 SM Esfera federal – 60 SM EC 37/2002 Estados e DF (40 SM) EC 37/2002 Estados e DF (40 SM) Municípios (30 SM) Municípios (30 SM)

70 Execução de prestação alimentícia Artigos 732 a 735 do CPC Artigos 732 a 735 do CPC Título: apenas judicial? (art. 585, II) Título: apenas judicial? (art. 585, II) Sentença ou decisão interlocutória Sentença ou decisão interlocutória Formas: - desconto em folha Formas: - desconto em folha - cobrança em aluguéis ou outros - cobrança em aluguéis ou outros rendimentos rendimentos - expropriação de bens - expropriação de bens - coerção (prisão civil) - coerção (prisão civil)

71 EXECUÇÃO DE ALIMENTOS Capítulo V. Capítulo V. Artigo 732 (redação inalterada) Artigo 732 (redação inalterada) A execução de sentença que condena ao pagamento de prestação alimentícia, far-se-á conforme o disposto no Capítulo IV deste Título. A execução de sentença que condena ao pagamento de prestação alimentícia, far-se-á conforme o disposto no Capítulo IV deste Título. Título II (das diversas espécies de execução). Título II (das diversas espécies de execução). Capítulo IV (da execução por quantia certa contra devedor solvente) Capítulo IV (da execução por quantia certa contra devedor solvente)

72 Artigo 732, parágrafo único Recaindo a penhora em dinheiro, o oferecimento de embargos não obsta a que o exeqüente levante mensalmente a importância da prestação. Recaindo a penhora em dinheiro, o oferecimento de embargos não obsta a que o exeqüente levante mensalmente a importância da prestação.

73 Execução por quantia certa contra devedor solvente Fases: Fases: Postulatória – petição inicial, arresto, citação Postulatória – petição inicial, arresto, citação Instrutória – penhora, avaliação, expropriação Instrutória – penhora, avaliação, expropriação Satisfativa - pagamento Satisfativa - pagamento

74 Petição inicial Indicação de bens penhoráveis pelo exeqüente Indicação de bens penhoráveis pelo exeqüente Artigo 652, § 2º: Artigo 652, § 2º: O credor poderá, na inicial da execução, indicar bens a serem penhorados (art. 655). O credor poderá, na inicial da execução, indicar bens a serem penhorados (art. 655).

75 Artigo 615-A O exeqüente, poderá, no ato da distribuição, obter certidão comprobatória do ajuizamento da execução, com identificação das partes e valor da causa, para fins de averbação no registro de imóveis, registro de veículos ou registro de outros bens sujeitos à penhora ou arresto. O exeqüente, poderá, no ato da distribuição, obter certidão comprobatória do ajuizamento da execução, com identificação das partes e valor da causa, para fins de averbação no registro de imóveis, registro de veículos ou registro de outros bens sujeitos à penhora ou arresto.

76 Artigo 615-A § 1º O exeqüente deverá comunicar ao juízo as averbações efetivadas, no prazo de 10 (dez) dias de sua concretização. § 1º O exeqüente deverá comunicar ao juízo as averbações efetivadas, no prazo de 10 (dez) dias de sua concretização. § 2º Formalizada a penhora sobre bens suficientes para cobrir o valor da dívida, será determinado o cancelamento das averbações de que trata este artigo relativas àqueles que não tenham sido penhorados. § 2º Formalizada a penhora sobre bens suficientes para cobrir o valor da dívida, será determinado o cancelamento das averbações de que trata este artigo relativas àqueles que não tenham sido penhorados. § 3º Presume-se em fraude à execução a alienação ou oneração de bens efetuadas após a averbação (art. 593). § 3º Presume-se em fraude à execução a alienação ou oneração de bens efetuadas após a averbação (art. 593). § 4º O exeqüente que promover averbação manifestamente indevida indenizará a parte contrária, nos termos do § 2º art. 18 deste Lei, processando-se o incidente em autos apartados. § 4º O exeqüente que promover averbação manifestamente indevida indenizará a parte contrária, nos termos do § 2º art. 18 deste Lei, processando-se o incidente em autos apartados. § 5º Os tribunais poderão expedir instruções sobre o cumprimento deste artigo. § 5º Os tribunais poderão expedir instruções sobre o cumprimento deste artigo.

77 Deferimento da petição inicial Determinação de citação Determinação de citação Fixação de honorários advocatícios Fixação de honorários advocatícios

78 Artigo 652-A Ao despachar a inicial, o juiz fixará, de plano, os honorários de advogado a serem pagos pelo executado (art. 20, § 4º). Ao despachar a inicial, o juiz fixará, de plano, os honorários de advogado a serem pagos pelo executado (art. 20, § 4º). Par. único. No caso de integral pagamento no prazo de 3 (três) dias, a verba honorária será reduzida pela metade. Par. único. No caso de integral pagamento no prazo de 3 (três) dias, a verba honorária será reduzida pela metade.

79 Citação Artigo 652 O devedor será citado para, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, pagar ou nomear bens à penhora. O devedor será citado para, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, pagar ou nomear bens à penhora. O executado será citado para, no prazo de 3 (três) dias, efetuar o pagamento da dívida. O executado será citado para, no prazo de 3 (três) dias, efetuar o pagamento da dívida.

80 Citação Por oficial de justiça Por oficial de justiça Por edital Por edital Com hora certa (?) Com hora certa (?) Vedada a citação postal Vedada a citação postal

81 Citação por precatória Artigo 738, § 2º Artigo 738, § 2º Nas execuções por carta precatória, a citação do executado será imediatamente comunicada pelo juiz deprecado ao juiz deprecante, inclusive por meios eletrônicos, contando-se o prazo para embargos a partir da juntada aos autos de tal comunicação. Nas execuções por carta precatória, a citação do executado será imediatamente comunicada pelo juiz deprecado ao juiz deprecante, inclusive por meios eletrônicos, contando-se o prazo para embargos a partir da juntada aos autos de tal comunicação.

82 Arresto Natureza da medida (cautelar ou satisfativa) - (pré-penhora) Natureza da medida (cautelar ou satisfativa) - (pré-penhora) Direito de preferência Direito de preferência Conversão em penhora Conversão em penhora

83 Atitudes possíveis do executado Pagamento (remição da execução) Pagamento (remição da execução) Embargos Embargos Pedido de parcelamento Pedido de parcelamento Omissão Omissão

84 Remição da execução Prazo de 3 dias da citação – artigo 652: Prazo de 3 dias da citação – artigo 652: O executado será citado para, no prazo de 3 (três) dias, efetuar o pagamento da dívida. O executado será citado para, no prazo de 3 (três) dias, efetuar o pagamento da dívida. A qualquer tempo... – artigo 651: A qualquer tempo... – artigo 651: Antes de adjudicados ou alienados os bens, pode o executado, a todo tempo, remir a execução, pagando ou consignando a importância atualizada da dívida, mais juros, custas e honorários advocatícios. Antes de adjudicados ou alienados os bens, pode o executado, a todo tempo, remir a execução, pagando ou consignando a importância atualizada da dívida, mais juros, custas e honorários advocatícios.

85 Pedido de parcelamento Artigo 745-A Artigo 745-A No prazo para embargos, reconhecendo o crédito do exeqüente e comprovando o depósito de 30% (trinta por cento) do valor em execução, inclusive custas e honorários de advogado, poderá o executado requerer seja admitido a pagar o restante em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um por cento) ao mês. No prazo para embargos, reconhecendo o crédito do exeqüente e comprovando o depósito de 30% (trinta por cento) do valor em execução, inclusive custas e honorários de advogado, poderá o executado requerer seja admitido a pagar o restante em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um por cento) ao mês.

86 Artigo 745-A, §§ § 1º Sendo a proposta deferida pelo juiz, o exeqüente levantará a quantia depositada e serão suspensos os atos executivos; caso indeferida, seguir-se-ão os atos executivos, mantido o depósito; § 1º Sendo a proposta deferida pelo juiz, o exeqüente levantará a quantia depositada e serão suspensos os atos executivos; caso indeferida, seguir-se-ão os atos executivos, mantido o depósito; § 2º O não pagamento de qualquer das prestações implicará, de pleno direito, o vencimento das subseqüentes e o prosseguimento do processo, com o imediato início dos atos executivos, imposta ao executado multa de 10% (dez por cento) sobre o valor das prestações não pagas e vedada a oposição de embargos. § 2º O não pagamento de qualquer das prestações implicará, de pleno direito, o vencimento das subseqüentes e o prosseguimento do processo, com o imediato início dos atos executivos, imposta ao executado multa de 10% (dez por cento) sobre o valor das prestações não pagas e vedada a oposição de embargos.

87 Embargos Artigo 738 Artigo 738 Os embargos serão oferecidos no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da juntada aos autos do mandado de citação. Os embargos serão oferecidos no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da juntada aos autos do mandado de citação.

88 Penhora Ato de apreensão de bens para empregá- los na satisfação do crédito exeqüendo. Ato de apreensão de bens para empregá- los na satisfação do crédito exeqüendo. Natureza satisfativa Natureza satisfativa Efeitos processuais: Efeitos processuais: Garante o juízoGarante o juízo Individualiza os bensIndividualiza os bens Gera direito de preferência para o exeqüenteGera direito de preferência para o exeqüente Efeitos materiais: Efeitos materiais: Retira do executado a posse diretaRetira do executado a posse direta Torna ineficazes os atos de alienação ou oneraçãoTorna ineficazes os atos de alienação ou oneração

89 Impenhorabilidade Absoluta Absoluta Relativa Relativa Bem de residência da família do executado Bem de residência da família do executado

90 Penhora Forma de realização: Forma de realização: apreensão e depósito apreensão e depósito Auto de penhora Termo de penhora Termo de penhora Nomeação de depositário Nomeação de depositário

91 Penhora e avaliação – artigo 652 § 1º Não efetuado o pagamento, munido da segunda via do mandado, o oficial de justiça procederá de imediato à penhora de bens e a sua avaliação, lavrando-se o respectivo auto e de tais atos intimando, na mesma oportunidade, o executado. § 1º Não efetuado o pagamento, munido da segunda via do mandado, o oficial de justiça procederá de imediato à penhora de bens e a sua avaliação, lavrando-se o respectivo auto e de tais atos intimando, na mesma oportunidade, o executado. § 2º O credor poderá, na inicial da execução, indicar bens a serem penhorados (art. 655). § 2º O credor poderá, na inicial da execução, indicar bens a serem penhorados (art. 655).

92 Artigo 659 Se o devedor não pagar, nem fizer nomeação válida, o oficial de justiça penhorar-lhe-á tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal, juros, custas e honorários advocatícios. Se o devedor não pagar, nem fizer nomeação válida, o oficial de justiça penhorar-lhe-á tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal, juros, custas e honorários advocatícios. A penhora deverá incidir em tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal, atualizado, juros, custas e honorários advocatícios. A penhora deverá incidir em tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal, atualizado, juros, custas e honorários advocatícios.

93 Artigo 659 § 1º Efetuar-se-á a penhora onde quer que se encontrem os bens, ainda que em repartição pública, caso em que precederá requisição do juiz ao respectivo chefe. § 1º Efetuar-se-á a penhora onde quer que se encontrem os bens, ainda que em repartição pública, caso em que precederá requisição do juiz ao respectivo chefe. § 1º Efetuar-se-á a penhora onde quer que se encontrem os bens, ainda que sob a posse, detenção ou guarda de terceiros. § 1º Efetuar-se-á a penhora onde quer que se encontrem os bens, ainda que sob a posse, detenção ou guarda de terceiros.

94 Artigo 659 § 4º A penhora de bens imóveis realizar-se-á mediante auto ou termo de penhora, cabendo ao exeqüente, sem prejuízo da imediata intimação do executado (art. 669), providenciar, para presunção absoluta de conhecimento por terceiro, o respectivo registro no ofício imobiliário, mediante apresentação de certidão de inteiro teor do ato e independentemente de mandado judicial § 4º A penhora de bens imóveis realizar-se-á mediante auto ou termo de penhora, cabendo ao exeqüente, sem prejuízo da imediata intimação do executado (art. 669), providenciar, para presunção absoluta de conhecimento por terceiro, o respectivo registro no ofício imobiliário, mediante apresentação de certidão de inteiro teor do ato e independentemente de mandado judicial § 4º A penhora de bens imóveis realizar-se-á mediante auto ou termo de penhora, cabendo ao exeqüente, sem prejuízo da imediata intimação do executado (art. 652, §4º), providenciar, para presunção absoluta de conhecimento por terceiros, a respectiva averbação no ofício imobiliário, mediante a apresentação de certidão de inteiro teor do ato, independentemente de mandado judicial § 4º A penhora de bens imóveis realizar-se-á mediante auto ou termo de penhora, cabendo ao exeqüente, sem prejuízo da imediata intimação do executado (art. 652, §4º), providenciar, para presunção absoluta de conhecimento por terceiros, a respectiva averbação no ofício imobiliário, mediante a apresentação de certidão de inteiro teor do ato, independentemente de mandado judicial

95 Artigo 659 § 6º Obedecidas as normas de segurança que forem instituídas, sob critérios uniformes, pelos Tribunais, a penhora de numerário e as averbações de penhoras de bens imóveis e móveis podem ser realizadas por meios eletrônicos. § 6º Obedecidas as normas de segurança que forem instituídas, sob critérios uniformes, pelos Tribunais, a penhora de numerário e as averbações de penhoras de bens imóveis e móveis podem ser realizadas por meios eletrônicos.

96 Depositário: artigo 666 Se o credor não concordar em que fique como depositário o devedor, depositar-se-ão: Se o credor não concordar em que fique como depositário o devedor, depositar-se-ão: I- no Banco do Brasil... I- no Banco do Brasil... II- em poder do depositário judicial, os móveis e os imóveis urbanos II- em poder do depositário judicial, os móveis e os imóveis urbanos Os bens penhorados serão preferencialmente depositados: Os bens penhorados serão preferencialmente depositados: I- (sem alteração) I- (sem alteração) II- (sem alteração) II- (sem alteração)

97 Depositário: art. 666 III- em mãos do depositário particular, os demais bens, na forma prescrita na Subseção V deste Capítulo. III- em mãos do depositário particular, os demais bens, na forma prescrita na Subseção V deste Capítulo. III- em mãos do depositário particular, os demais bens. III- em mãos do depositário particular, os demais bens. § 1º Com expressa anuência do exeqüente ou nos casos de difícil remoção, os bens poderão ser depositados em poder do executado. § 1º Com expressa anuência do exeqüente ou nos casos de difícil remoção, os bens poderão ser depositados em poder do executado. § 2º As jóias, pedras e objetos preciosos deverão ser depositados com registro do valor estimado de resgate § 2º As jóias, pedras e objetos preciosos deverão ser depositados com registro do valor estimado de resgate

98 Artigo 666 3º A prisão de depositário judicial infiel será decretada no próprio processo, independentemente de ação de depósito. 3º A prisão de depositário judicial infiel será decretada no próprio processo, independentemente de ação de depósito.

99 Intimação da Penhora e avaliação artigo 652 § 4º A intimação do executado far-se-á na pessoa de seu advogado; não o tendo, será intimado pessoalmente. § 4º A intimação do executado far-se-á na pessoa de seu advogado; não o tendo, será intimado pessoalmente. § 5º Se não localizar o executado para intimá-lo da penhora, o oficial certificará detalhadamente as diligências realizadas, caso em que o juiz poderá dispensar a intimação ou determinará novas diligências. § 5º Se não localizar o executado para intimá-lo da penhora, o oficial certificará detalhadamente as diligências realizadas, caso em que o juiz poderá dispensar a intimação ou determinará novas diligências.

100 Dever do executado: indicar bens à penhora Artigo 652, § 3º Artigo 652, § 3º § 3º O juiz poderá, de ofício ou a requerimento do exeqüente, determinar, a qualquer tempo, a intimação do executado para indicar bens passíveis de penhora. § 3º O juiz poderá, de ofício ou a requerimento do exeqüente, determinar, a qualquer tempo, a intimação do executado para indicar bens passíveis de penhora.

101 Dever do executado: indicar bens à penhora – art. 656 Pár. Único. Aceita a nomeação, cumpre ao devedor, dentro de prazo razoável assinado pelo juiz, exibir a prova de propriedade dos bens e, quando for o caso, a certidão negativa de ônus. Pár. Único. Aceita a nomeação, cumpre ao devedor, dentro de prazo razoável assinado pelo juiz, exibir a prova de propriedade dos bens e, quando for o caso, a certidão negativa de ônus. § 1º É dever do executado (art. 600), no prazo fixado pelo juiz, indicar onde se encontram os bens sujeitos à execução, exibir a prova de sua propriedade e, se for o caso, certidão negativa de ônus, bem como abster-se de qualquer atitude que dificulte ou embarace a realização da penhora (art. 14, parágrafo único); § 1º É dever do executado (art. 600), no prazo fixado pelo juiz, indicar onde se encontram os bens sujeitos à execução, exibir a prova de sua propriedade e, se for o caso, certidão negativa de ônus, bem como abster-se de qualquer atitude que dificulte ou embarace a realização da penhora (art. 14, parágrafo único);

102 Artigo 600 Considera-se atentatório à dignidade da Justiça o ato do executado que: IV- não indica ao juiz onde se encontram os bens sujeitos à execução. IV- não indica ao juiz onde se encontram os bens sujeitos à execução. IV- intimado, não indica ao juiz, em 5 (cinco) dias, quais são e onde se encontram os bens sujeitos à penhora e seus respectivos valores. IV- intimado, não indica ao juiz, em 5 (cinco) dias, quais são e onde se encontram os bens sujeitos à penhora e seus respectivos valores.

103 Penhora on line: Artigo 655-A Para possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira, o juiz, a requerimento do exeqüente, requisitará à autoridade supervisora do sistema bancário, preferencialmente por meio eletrônico, informações sobre a existência de ativos em nome do executado, podendo no mesmo ato determinar sua indisponibilidade, até o valor indicado na execução. Para possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira, o juiz, a requerimento do exeqüente, requisitará à autoridade supervisora do sistema bancário, preferencialmente por meio eletrônico, informações sobre a existência de ativos em nome do executado, podendo no mesmo ato determinar sua indisponibilidade, até o valor indicado na execução.

104 Artigo 655-A § 1º As informações limitar-se-ão à existência ou não de depósito ou aplicação até o valor indicado na execução. § 1º As informações limitar-se-ão à existência ou não de depósito ou aplicação até o valor indicado na execução. § 2º Compete ao executado comprovar que as quantias depositadas em conta corrente referem-se á hipótese do inciso IV do caput do art. 649 desta Lei ou que estão revestidas de outras forma de impenhorabilidade. § 2º Compete ao executado comprovar que as quantias depositadas em conta corrente referem-se á hipótese do inciso IV do caput do art. 649 desta Lei ou que estão revestidas de outras forma de impenhorabilidade.

105 Penhora de faturamento – 655-A § 3º Na penhora de percentual do faturamento da empresa executada será nomeado depositário, com a atribuição de submeter à aprovação judicial a forma de efetivação da constrição, bem como de prestar contas mensalmente, entregando ao exeqüente as quantias recebidas, a fim de serem imputadas no pagamento da dívida. § 3º Na penhora de percentual do faturamento da empresa executada será nomeado depositário, com a atribuição de submeter à aprovação judicial a forma de efetivação da constrição, bem como de prestar contas mensalmente, entregando ao exeqüente as quantias recebidas, a fim de serem imputadas no pagamento da dívida.

106 Bem indivisível – art. 655-B Tratando-se de penhora em bem indivisível, a meação do cônjuge alheio à execução recairá sobre o produto da alienação do bem. Tratando-se de penhora em bem indivisível, a meação do cônjuge alheio à execução recairá sobre o produto da alienação do bem.

107 Substituição da penhora A requerimento de qualquer das partes A requerimento de qualquer das partes artigo 656 artigo 656 A requerimento do executado A requerimento do executado artigo 668 artigo 668

108 Substituição da penhora: Artigo 656 Ter-se-á por ineficaz a nomeação, salvo convindo ao credor: Ter-se-á por ineficaz a nomeação, salvo convindo ao credor: I- se não obedecer à ordem legal; I- se não obedecer à ordem legal; II- se não versar sobre os bens designados em lei, contrato ou ato judicial para o pagamento; II- se não versar sobre os bens designados em lei, contrato ou ato judicial para o pagamento; A parte poderá requerer a substituição da penhora: A parte poderá requerer a substituição da penhora: I- se não obedecer à ordem legal; I- se não obedecer à ordem legal; II- se não incidir sobre os bens designados em lei, contrato ou ato judicial para o pagamento; II- se não incidir sobre os bens designados em lei, contrato ou ato judicial para o pagamento;

109 Artigo 656 III- se, havendo bens no foro da execução, outros hajam sido nomeados ; III- se, havendo bens no foro da execução, outros hajam sido nomeados ; IV- se o devedor, tendo bens livres e desembargados, nomear outros que não o sejam; IV- se o devedor, tendo bens livres e desembargados, nomear outros que não o sejam; V- se os bens nomeados forem insuficientes para garantir a execução V- se os bens nomeados forem insuficientes para garantir a execução III- se, havendo bens no foro da execução, outros houverem sido penhorados ; III- se, havendo bens no foro da execução, outros houverem sido penhorados ; IV- se, havendo bens livres, a penhora houver recaído sobre bens já penhorados ou objeto de gravame; IV- se, havendo bens livres, a penhora houver recaído sobre bens já penhorados ou objeto de gravame; V- se incidir sobre bens de baixa liquidez; V- se incidir sobre bens de baixa liquidez;

110 Artigo 656 VI- se o devedor não indicar o valor dos bens ou omitir qualquer das indicações a que se referem os nºs I a V do º§ 1º do artigo anterior VI- se o devedor não indicar o valor dos bens ou omitir qualquer das indicações a que se referem os nºs I a V do º§ 1º do artigo anterior VI- se fracassar a tentativa de alienação judicial do bem; ou VI- se fracassar a tentativa de alienação judicial do bem; ou VII- se o devedor não indicar o valor dos bens ou omitir qualquer das indicações a que se referem os incisos I a IV do parágrafo único do artigo 668 desta Lei. VII- se o devedor não indicar o valor dos bens ou omitir qualquer das indicações a que se referem os incisos I a IV do parágrafo único do artigo 668 desta Lei.

111 Artigo 656 § 2º A penhora pode ser substituída por fiança bancária ou seguro garantia judicial, em valor não inferior ao do débito constante da inicial, mais 30% (trinta por cento). § 2º A penhora pode ser substituída por fiança bancária ou seguro garantia judicial, em valor não inferior ao do débito constante da inicial, mais 30% (trinta por cento). § 3º O executado somente poderá oferecer bem imóvel em substituição caso o requeira com expressa anuência do cônjuge. § 3º O executado somente poderá oferecer bem imóvel em substituição caso o requeira com expressa anuência do cônjuge.

112 Artigo 657 Cumprida a exigência do artigo antecedente, a nomeação será reduzida a termo, havendo-se por penhorados os bens; em caso contrário, devolver- se-á ao credor o direito à nomeação. Cumprida a exigência do artigo antecedente, a nomeação será reduzida a termo, havendo-se por penhorados os bens; em caso contrário, devolver- se-á ao credor o direito à nomeação. Par. único. O juiz decidirá de plano as dúvidas suscitadas pela nomeação. Par. único. O juiz decidirá de plano as dúvidas suscitadas pela nomeação. Ouvida em 3 (três) dias a parte contrária, se os bens inicialmente penhorados (art. 652) forem substituídos por outros, lavrar-se-á o respectivo termo. Ouvida em 3 (três) dias a parte contrária, se os bens inicialmente penhorados (art. 652) forem substituídos por outros, lavrar-se-á o respectivo termo. Par. único. O juiz decidirá de plano quaisquer questões suscitadas. Par. único. O juiz decidirá de plano quaisquer questões suscitadas.

113 Substituição da penhora artigo 668 O devedor, ou responsável, pode, a todo tempo, antes da arrematação ou adjudicação, requerer a substituição do bem penhorado por dinheiro, caso em que execuções correrão sobre a quantia depositada. O devedor, ou responsável, pode, a todo tempo, antes da arrematação ou adjudicação, requerer a substituição do bem penhorado por dinheiro, caso em que execuções correrão sobre a quantia depositada. O executado pode, no prazo de 10 (dez) dias após intimado da penhora, requerer a substituição do bem penhorado, desde que comprove cabalmente que a substituição não trará prejuízo algum ao exeqüente e será menos onerosa pra ele devedor (art. 17, incisos IV e VI, e art. 620). O executado pode, no prazo de 10 (dez) dias após intimado da penhora, requerer a substituição do bem penhorado, desde que comprove cabalmente que a substituição não trará prejuízo algum ao exeqüente e será menos onerosa pra ele devedor (art. 17, incisos IV e VI, e art. 620).

114 Substituição da penhora artigo 668 Na hipótese prevista neste artigo, ao executado incumbe: Na hipótese prevista neste artigo, ao executado incumbe: I- quanto aos bens imóveis, indicar as respectivas matrículas e registros, situá-los e mencionar as divisas e confrontações; I- quanto aos bens imóveis, indicar as respectivas matrículas e registros, situá-los e mencionar as divisas e confrontações; II- quanto aos móveis, particularizar o seu estado e o lugar em que se encontram; II- quanto aos móveis, particularizar o seu estado e o lugar em que se encontram; III- quando aos semoventes, especificá-los indicando o número de cabeças e o imóvel em que se encontram; III- quando aos semoventes, especificá-los indicando o número de cabeças e o imóvel em que se encontram; IV- quanto aos créditos, identificar o devedor e qualificá-lo, descrevendo a origem da dívida, o título que a representa e a data do vencimento; e IV- quanto aos créditos, identificar o devedor e qualificá-lo, descrevendo a origem da dívida, o título que a representa e a data do vencimento; e V- atribuir valor aos bens indicados à penhora. V- atribuir valor aos bens indicados à penhora.

115 Artigo 668, parágrafo único Na hipótese prevista neste artigo, ao executado incumbe: Na hipótese prevista neste artigo, ao executado incumbe: I- quanto aos bens imóveis, indicar as respectivas matrículas e registros, situá-los e mencionar as divisas e confrontações; I- quanto aos bens imóveis, indicar as respectivas matrículas e registros, situá-los e mencionar as divisas e confrontações; II- quanto aos móveis, particularizar o seu estado e o lugar em que se encontram; II- quanto aos móveis, particularizar o seu estado e o lugar em que se encontram; III- quando aos semoventes, especificá-los indicando o número de cabeças e o imóvel em que se encontram; III- quando aos semoventes, especificá-los indicando o número de cabeças e o imóvel em que se encontram; IV- quanto aos créditos, identificar o devedor e qualificá-lo, descrevendo a origem da dívida, o título que a representa e a data do vencimento; e IV- quanto aos créditos, identificar o devedor e qualificá-lo, descrevendo a origem da dívida, o título que a representa e a data do vencimento; e V- atribuir valor aos bens indicados à penhora. V- atribuir valor aos bens indicados à penhora.

116 Avaliação : artigo 680 Prosseguindo a execução, e não configurada qualquer das hipóteses do art. 684, o juiz nomeará perito para estimar os bens penhorados, se não houver, na comarca, avaliador oficial, ressalvada a existência de avaliação anterior (art. 655, § 1º, V). Prosseguindo a execução, e não configurada qualquer das hipóteses do art. 684, o juiz nomeará perito para estimar os bens penhorados, se não houver, na comarca, avaliador oficial, ressalvada a existência de avaliação anterior (art. 655, § 1º, V). A avaliação será feita pelo oficial de justiça (art. 652), ressalvada a aceitação do valor estimado pelo executado (art. 668, parágrafo único, inciso V); caso sejam necessários conhecimentos especializados, o juiz nomeará avaliador, fixando-lhe prazo não superior a 10 (dez) dias para entrega do laudo. A avaliação será feita pelo oficial de justiça (art. 652), ressalvada a aceitação do valor estimado pelo executado (art. 668, parágrafo único, inciso V); caso sejam necessários conhecimentos especializados, o juiz nomeará avaliador, fixando-lhe prazo não superior a 10 (dez) dias para entrega do laudo.

117 Avaliação: artigo 683 Não se repetirá a avaliação, salvo quando: Não se repetirá a avaliação, salvo quando: I- se provar erro ou dolo do avaliador; I- se provar erro ou dolo do avaliador; II- se verificar, posteriormente à avaliação, que houve diminuição do valor do bem; II- se verificar, posteriormente à avaliação, que houve diminuição do valor do bem; III- houver fundada dúvida sobre o valor atribuído ao bem (art. 655, § 1º, V). III- houver fundada dúvida sobre o valor atribuído ao bem (art. 655, § 1º, V). É admitida nova avaliação, quando: É admitida nova avaliação, quando: I- qualquer das partes argüir, fundamentadamente, a ocorrência de erro na avaliação ou dolo do avaliador; I- qualquer das partes argüir, fundamentadamente, a ocorrência de erro na avaliação ou dolo do avaliador; II- se verificar, posteriormente à avaliação, que houve majoração ou diminuição no valor do bem; ou II- se verificar, posteriormente à avaliação, que houve majoração ou diminuição no valor do bem; ou III- houver fundada dúvida sobre o valor atribuído ao bem (art. 668, parágrafo único, inciso V). III- houver fundada dúvida sobre o valor atribuído ao bem (art. 668, parágrafo único, inciso V).

118 Formas de expropriação Adjudicação Adjudicação Alienação particular Alienação particular Arrematação Arrematação Usufruto Usufruto

119 Artigo 647 A expropriação consiste: I- na alienação de bens do devedor; I- na alienação de bens do devedor; II- na adjudicação em favor do credor; II- na adjudicação em favor do credor; III- no usufruto de imóvel ou de empresa. III- no usufruto de imóvel ou de empresa. I- na adjudicação em favor do exeqüente ou das pessoas indicadas no § 2º do art. 685-A desta Lei; I- na adjudicação em favor do exeqüente ou das pessoas indicadas no § 2º do art. 685-A desta Lei; II- na alienação por iniciativa particular; II- na alienação por iniciativa particular; III- na alienação em hasta pública; III- na alienação em hasta pública; IV- no usufruto de bem móvel ou imóvel. IV- no usufruto de bem móvel ou imóvel.

120 Legitimidade para pedir adjudicação Credor Credor Credor com garantia real Credor com garantia real Credor com penhora sobre o mesmo bem Credor com penhora sobre o mesmo bem Cônjuge e parentes (antiga remição de bens) Cônjuge e parentes (antiga remição de bens) Sócios (em caso de penhora sobre quota social) Sócios (em caso de penhora sobre quota social)

121 Adjudicação: artigo 685-A É lícito ao exeqüente, oferecendo preço não inferior ao da avaliação, requerer lhe sejam adjudicados os bens penhorados. É lícito ao exeqüente, oferecendo preço não inferior ao da avaliação, requerer lhe sejam adjudicados os bens penhorados. § 1º Se o valor do crédito for inferior ao dos bens, o adjudicante depositará de imediato a diferença, ficando esta à disposição do executado: se superior, a execução prosseguirá pelo saldo remanescente. § 1º Se o valor do crédito for inferior ao dos bens, o adjudicante depositará de imediato a diferença, ficando esta à disposição do executado: se superior, a execução prosseguirá pelo saldo remanescente.

122 Artigo 685-A § 2º Idêntico direito pode ser exercido pelo credor com garantia real, pelos credores concorrentes que hajam penhorado o mesmo bem, pelo cônjuge, pelos descendentes ou ascendentes do executado. § 2º Idêntico direito pode ser exercido pelo credor com garantia real, pelos credores concorrentes que hajam penhorado o mesmo bem, pelo cônjuge, pelos descendentes ou ascendentes do executado. § 3º Havendo mais de um pretendente, proceder-se-á entre eles à licitação: em igualdade de oferta, terá preferência o cônjuge, descendente ou ascendente, nessa ordem. § 3º Havendo mais de um pretendente, proceder-se-á entre eles à licitação: em igualdade de oferta, terá preferência o cônjuge, descendente ou ascendente, nessa ordem.

123 Artigo 698 Não se efetuará a adjudicação ou alienação de bem do executado sem que da execução seja cientificado, por qualquer modo idôneo e com pelo menos 10 (dez) dias de antecedência, o senhorio direto, o credor com garantia real ou com penhora anteriormente averbada, que não seja de qualquer modo parte na execução. Não se efetuará a adjudicação ou alienação de bem do executado sem que da execução seja cientificado, por qualquer modo idôneo e com pelo menos 10 (dez) dias de antecedência, o senhorio direto, o credor com garantia real ou com penhora anteriormente averbada, que não seja de qualquer modo parte na execução.

124 Artigo 685-A § 4º No caso de penhora de quota, procedida por exeqüente alheio à sociedade, esta será intimada, assegurando preferência aos sócios. § 4º No caso de penhora de quota, procedida por exeqüente alheio à sociedade, esta será intimada, assegurando preferência aos sócios. § 5º Decididas eventuais questões, o juiz mandará lavrar o auto de adjudicação. § 5º Decididas eventuais questões, o juiz mandará lavrar o auto de adjudicação.

125 Artigo 685-B A adjudicação considera-se perfeita e acabada com a lavratura e assinatura do auto pelo juiz, pelo adjudicante, pelo escrivão e, se for presente, pelo executado, expedindo-se a respectiva carta, se bem imóvel, ou mandado de entrega ao adjudicante, se bem móvel. A adjudicação considera-se perfeita e acabada com a lavratura e assinatura do auto pelo juiz, pelo adjudicante, pelo escrivão e, se for presente, pelo executado, expedindo-se a respectiva carta, se bem imóvel, ou mandado de entrega ao adjudicante, se bem móvel. Parágrafo único. A carta de adjudicação conterá a descrição do imóvel, com remissão à sua matrícula e registros, a cópia do auto de adjudicação e a prova de quitação do imposto de transmissão. Parágrafo único. A carta de adjudicação conterá a descrição do imóvel, com remissão à sua matrícula e registros, a cópia do auto de adjudicação e a prova de quitação do imposto de transmissão.

126 Alienação particular art. 685-C Não realizada a adjudicação dos bens penhorados, o exeqüente poderá requerer sejam eles alienados por sua própria iniciativa ou por intermédio de corretor credenciado perante a autoridade judiciária. Não realizada a adjudicação dos bens penhorados, o exeqüente poderá requerer sejam eles alienados por sua própria iniciativa ou por intermédio de corretor credenciado perante a autoridade judiciária. § 1º O juiz ficará o prazo em que a alienação deve ser efetivada, a forma de publicidade, o preço mínimo (art. 680), as condições de pagamento e as garantias, bem como, se for o caso, a comissão de corretagem. § 1º O juiz ficará o prazo em que a alienação deve ser efetivada, a forma de publicidade, o preço mínimo (art. 680), as condições de pagamento e as garantias, bem como, se for o caso, a comissão de corretagem.

127 Artigo 685-C, § 1º O juiz fixará o prazo em que a alienação deve ser efetivada, a forma de publicidade, o preço mínimo (art. 680), as condições de pagamento e as garantias, bem como, se for o caso, a comissão de corretagem. O juiz fixará o prazo em que a alienação deve ser efetivada, a forma de publicidade, o preço mínimo (art. 680), as condições de pagamento e as garantias, bem como, se for o caso, a comissão de corretagem. (a avaliação será feita pelo oficial de justiça..., ressalvada a aceitação do valor pelo executado...) (a avaliação será feita pelo oficial de justiça..., ressalvada a aceitação do valor pelo executado...)

128 Artigo 685-C, § 2º A alienação será formalizada por termo nos autos, assinado pelo juiz, pelo exeqüente, pelo adquirente e, se for presente, pelo executado, expedindo-se carta de alienação do imóvel para o devido registro imobiliário, ou, se bem móvel, mandado de entrega ao adquirente. A alienação será formalizada por termo nos autos, assinado pelo juiz, pelo exeqüente, pelo adquirente e, se for presente, pelo executado, expedindo-se carta de alienação do imóvel para o devido registro imobiliário, ou, se bem móvel, mandado de entrega ao adquirente.

129 Artigo 685-C, § 3º Os Tribunais poderão expedir provimentos detalhando o procedimento da alienação prevista neste artigo, inclusive com o concurso de meios eletrônicos, e dispondo sobre o credenciamento dos corretores, os quais deverão estar em exercício profissional por não menos de 5 (cinco) anos. Os Tribunais poderão expedir provimentos detalhando o procedimento da alienação prevista neste artigo, inclusive com o concurso de meios eletrônicos, e dispondo sobre o credenciamento dos corretores, os quais deverão estar em exercício profissional por não menos de 5 (cinco) anos.

130 Hasta pública art. 686 A arrematação será precedida de edital, que conterá: A arrematação será precedida de edital, que conterá: Não requerida a adjudicação e não realizada a alienação particular do bem penhorado, será expedido o edital de hasta pública, que conterá: Não requerida a adjudicação e não realizada a alienação particular do bem penhorado, será expedido o edital de hasta pública, que conterá:

131 Artigo 686 I- a descrição do bem penhorado com os seus característicos, e, tratando-se de imóvel, a situação, as divisas e a transcrição aquisitiva ou a inscrição; I- a descrição do bem penhorado com os seus característicos, e, tratando-se de imóvel, a situação, as divisas e a transcrição aquisitiva ou a inscrição; I- a descrição do bem penhorado, com suas características e, tratando-se de imóvel, a situação e divisas, com remissão à matrícula e aos registros; I- a descrição do bem penhorado, com suas características e, tratando-se de imóvel, a situação e divisas, com remissão à matrícula e aos registros;

132 Artigo 686 IV- o dia, o lugar e a hora da praça ou do leilão; IV- o dia, o lugar e a hora da praça ou do leilão; IV- o dia e a hora de realização da praça, se bem imóvel, ou o local, dia e hora de realização do leilão, se bem móvel; IV- o dia e a hora de realização da praça, se bem imóvel, ou o local, dia e hora de realização do leilão, se bem móvel;

133 Artigo 686 § 3º Quando os bens penhorados não excederem o valor corresponde a 20 (vinte) vezes o maior salário mínimo, conforme o art. 275 desta Lei, será dispensada a publicação de editais, não podendo, neste caso, o preço da arrematação ser inferior ao da avaliação. § 3º Quando os bens penhorados não excederem o valor corresponde a 20 (vinte) vezes o maior salário mínimo, conforme o art. 275 desta Lei, será dispensada a publicação de editais, não podendo, neste caso, o preço da arrematação ser inferior ao da avaliação. § 3º Quando o valor dos bens penhorados não exceder 60 (sessenta) vezes o valor do salário mínimo vigente na data da avaliação, será dispensada a publicação de editais; nesse caso, o preço da arrematação não será inferior ao da avaliação. § 3º Quando o valor dos bens penhorados não exceder 60 (sessenta) vezes o valor do salário mínimo vigente na data da avaliação, será dispensada a publicação de editais; nesse caso, o preço da arrematação não será inferior ao da avaliação.

134 Artigo 687, § 2º Atendendo ao valor dos bens e às condições da comarca, o juiz poderá alterar a forma e a freqüência da publicidade na imprensa, mandar divulgar avisos em emissora local e adotar outras providências, tendentes à mais ampla publicidade da alienação. Atendendo ao valor dos bens e às condições da comarca, o juiz poderá alterar a forma e a freqüência da publicidade na imprensa, mandar divulgar avisos em emissora local e adotar outras providências, tendentes à mais ampla publicidade da alienação. Atendendo ao valor dos bens e às condições da comarca, o juiz poderá alterar a forma e a freqüência da publicidade na imprensa, mandar divulgar avisos em emissora local e adotar outras providências tendentes à mais ampla publicidade da alienação, inclusive recorrendo a meios eletrônicos de divulgação. Atendendo ao valor dos bens e às condições da comarca, o juiz poderá alterar a forma e a freqüência da publicidade na imprensa, mandar divulgar avisos em emissora local e adotar outras providências tendentes à mais ampla publicidade da alienação, inclusive recorrendo a meios eletrônicos de divulgação.

135 Artigo 687, § 5º O devedor será intimado pessoalmente, por mandado, ou carta com aviso de recepção, ou por outro meio idôneo, do dia, hora e local da alienação judicial. O devedor será intimado pessoalmente, por mandado, ou carta com aviso de recepção, ou por outro meio idôneo, do dia, hora e local da alienação judicial. O executado terá ciência do dia, hora e local da alienação judicial por intermédio de seu advogado ou, se não tiver procurador constituído nos autos, por meio de mandado, carta registrada, edital ou outro meio idôneo. O executado terá ciência do dia, hora e local da alienação judicial por intermédio de seu advogado ou, se não tiver procurador constituído nos autos, por meio de mandado, carta registrada, edital ou outro meio idôneo.

136 Artigo 698-A O procedimento previsto nos arts. 686 a 689 poderá ser substituído, a requerimento do exeqüente, por alienação realizada por meio da rede mundial de computadores, com uso de páginas virtuais criadas pelos Tribunais ou por entidades públicas ou privadas em convênio com eles firmado. O procedimento previsto nos arts. 686 a 689 poderá ser substituído, a requerimento do exeqüente, por alienação realizada por meio da rede mundial de computadores, com uso de páginas virtuais criadas pelos Tribunais ou por entidades públicas ou privadas em convênio com eles firmado.

137 Artigo 689-A, par. único O Conselho da Justiça Federal e os Tribunais de Justiça, no âmbito de suas respectivas competências, regulamentarão essa modalidade de alienação, atendendo aos requisitos de ampla publicidade, autenticidade e segurança, com observância das regras estabelecidas na legislação sobre certificação digital. O Conselho da Justiça Federal e os Tribunais de Justiça, no âmbito de suas respectivas competências, regulamentarão essa modalidade de alienação, atendendo aos requisitos de ampla publicidade, autenticidade e segurança, com observância das regras estabelecidas na legislação sobre certificação digital.

138 Artigo 690 A arrematação far- se-á com dinheiro à vista, ou a prazo de 3 (três) dias, mediante caução idônea. A arrematação far- se-á com dinheiro à vista, ou a prazo de 3 (três) dias, mediante caução idônea. A arrematação far-se-á mediante o pagamento imediato do preço pelo arrematante ou, no prazo de até 15 (quinze) dias, mediante caução. A arrematação far-se-á mediante o pagamento imediato do preço pelo arrematante ou, no prazo de até 15 (quinze) dias, mediante caução.

139 Artigo 690-A 690, § 2º 690, § 2º O credor, que arrematar os bens,não está obrigado a exibir o preço; mas se o valor dos bens exceder o seu crédito, depositará, dentro em três (3) dias, a diferença, sob pena de desfazer-se a arrematação; caso em que os bens serão levados à praça ou ao leilão à custa do credor. O credor, que arrematar os bens,não está obrigado a exibir o preço; mas se o valor dos bens exceder o seu crédito, depositará, dentro em três (3) dias, a diferença, sob pena de desfazer-se a arrematação; caso em que os bens serão levados à praça ou ao leilão à custa do credor. 690-A, par. único. 690-A, par. único. O exeqüente, se vier a arrematar os bens, não estará obrigado a exibir o preço; mas, se o valor dos bens exceder o seu crédito, depositará, dentro de 3 (três) dias, a diferença, sob pena de ser tornada sem efeito a arrematação e, neste caso, os bens serão levados a nova praça ou leilão à custa do exeqüente. O exeqüente, se vier a arrematar os bens, não estará obrigado a exibir o preço; mas, se o valor dos bens exceder o seu crédito, depositará, dentro de 3 (três) dias, a diferença, sob pena de ser tornada sem efeito a arrematação e, neste caso, os bens serão levados a nova praça ou leilão à custa do exeqüente.

140 Artigo 695 Se o arrematante ou o seu fiador não pagar dentro de 3 (três) dias o preço, o juiz impor-lhe-á, em favor do exeqüente, a multa de 20% (vinte por cento) calculada sobre o lanço. Se o arrematante ou o seu fiador não pagar dentro de 3 (três) dias o preço, o juiz impor-lhe-á, em favor do exeqüente, a multa de 20% (vinte por cento) calculada sobre o lanço. Se o arrematante ou seu fiador não pagar o preço no prazo estabelecido, o juiz impor-lhe-á, em favor do exeqüente, a perda da caução, voltando os bens a nova praça ou leilão, dos quais não serão admitidos a participar o arrematante e o fiador remissos. Se o arrematante ou seu fiador não pagar o preço no prazo estabelecido, o juiz impor-lhe-á, em favor do exeqüente, a perda da caução, voltando os bens a nova praça ou leilão, dos quais não serão admitidos a participar o arrematante e o fiador remissos.

141 Artigo 695 § 1º Não preferindo o credor que os bens voltem à nova praça ou leilão, poderá cobrar ao arrematante e ao seu fiador o preço da arrematação e a multa, valendo a decisão como título executivo. § 1º Não preferindo o credor que os bens voltem à nova praça ou leilão, poderá cobrar ao arrematante e ao seu fiador o preço da arrematação e a multa, valendo a decisão como título executivo. (texto revogado) (texto revogado)

142 Artigo 695 § 2º O credor manifestará a opção a que se refere o parágrafo antecedente, dentro em 10 (dez) dias, contados da verificação da mora. § 2º O credor manifestará a opção a que se refere o parágrafo antecedente, dentro em 10 (dez) dias, contados da verificação da mora. § 3º Não serão admitidos a lançar em nova praça ou leilão o arrematante e o fiador remissos. § 3º Não serão admitidos a lançar em nova praça ou leilão o arrematante e o fiador remissos. § 2º (revogado) § 2º (revogado) § 3º (revogado) § 3º (revogado)

143 Artigo 690 (sem equivalente) (sem equivalente) § 1º Tratando-se de bem imóvel, quem estiver interessado em adquiri-lo em prestações poderá apresentar por escrito sua proposta, nunca inferior à avaliação, com oferta de pelo menos 30% (trinta por cento) à vista, sendo o restante garantido por hipoteca sobre o próprio imóvel. § 1º Tratando-se de bem imóvel, quem estiver interessado em adquiri-lo em prestações poderá apresentar por escrito sua proposta, nunca inferior à avaliação, com oferta de pelo menos 30% (trinta por cento) à vista, sendo o restante garantido por hipoteca sobre o próprio imóvel.

144 Artigo 690 Sem equivalente Sem equivalente § 2º As propostas para aquisição em prestações, que serão juntadas aos autos, indicarão o prazo, a modalidade e as condições de pagamento do saldo. § 2º As propostas para aquisição em prestações, que serão juntadas aos autos, indicarão o prazo, a modalidade e as condições de pagamento do saldo.

145 Artigo 690 Sem equivalente Sem equivalente § 3º O juiz decidirá por ocasião da praça, dando o bem por arrematado pelo apresentando do melhor lanço ou proposta mais conveniente. § 3º O juiz decidirá por ocasião da praça, dando o bem por arrematado pelo apresentando do melhor lanço ou proposta mais conveniente.

146 Artigo 690-A Art. 690, § 1º Art. 690, § 1º É admitido a lançar todo aquele que estiver na livre administração de seus bens. Excetuam-se: É admitido a lançar todo aquele que estiver na livre administração de seus bens. Excetuam-se: Artigo 690-A. Artigo 690-A. É admitido a lançar todo aquele que estiver na livre administração de bens, com exceção: É admitido a lançar todo aquele que estiver na livre administração de bens, com exceção:

147 Artigo 693 A arrematação constará de auto, que será lavrado vinte e quatro (24) horas depois de realizada a praça ou o leilão. A arrematação constará de auto, que será lavrado vinte e quatro (24) horas depois de realizada a praça ou o leilão. A arrematação constará de auto que será lavrado de imediato, nele mencionadas as condições pelas quais foi alienado o bem. A arrematação constará de auto que será lavrado de imediato, nele mencionadas as condições pelas quais foi alienado o bem.

148 Artigo 693, par. único (sem equivalente) (sem equivalente) A ordem de entrega do bem móvel ou a carta de arrematação do bem imóvel será expedida depois de efetuado o depósito ou prestadas as garantias pelo arrematante. A ordem de entrega do bem móvel ou a carta de arrematação do bem imóvel será expedida depois de efetuado o depósito ou prestadas as garantias pelo arrematante.

149 Artigo 694 Assinado o auto, pelo juiz, pelo escrivão, pelo arrematante ou pelo leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável. Assinado o auto, pelo juiz, pelo escrivão, pelo arrematante ou pelo leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável. Assinado o auto pelo juiz, pelo arrematante e pelo serventuário da justiça ou leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável, ainda que venham a ser julgados procedentes os embargos do executado. Assinado o auto pelo juiz, pelo arrematante e pelo serventuário da justiça ou leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável, ainda que venham a ser julgados procedentes os embargos do executado.

150 Artigo 694 Assinado o auto, pelo juiz, pelo escrivão, pelo arrematante ou pelo leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável. Assinado o auto, pelo juiz, pelo escrivão, pelo arrematante ou pelo leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável. Assinado o auto pelo juiz, pelo arrematante e pelo serventuário da justiça ou leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável, ainda que venham a ser julgados procedentes os embargos do executado. Assinado o auto pelo juiz, pelo arrematante e pelo serventuário da justiça ou leiloeiro, a arrematação considerar-se-á perfeita, acabada e irretratável, ainda que venham a ser julgados procedentes os embargos do executado.

151 Artigo 694 Par. único. Poderá, no entanto, desfazer- se : Par. único. Poderá, no entanto, desfazer- se : I- por vício de nulidade; I- por vício de nulidade; II- se não for pago o preço ou se não for prestada a caução; II- se não for pago o preço ou se não for prestada a caução; § 1º A arrematação poderá, no entanto, ser tornada sem efeito: § 1º A arrematação poderá, no entanto, ser tornada sem efeito: I- por vício de nulidade; I- por vício de nulidade; II- se não for pago o preço ou se não for prestada a caução; II- se não for pago o preço ou se não for prestada a caução;

152 Artigo 694 Par. único. Par. único. III- quando o arrematante provar, nos 3 (três) dias seguintes, a existência de ônus real não mencionado no edital; III- quando o arrematante provar, nos 3 (três) dias seguintes, a existência de ônus real não mencionado no edital; § 1º § 1º III- quando o arrematante provar, nos 5 (cinco) dias seguintes, a existência de ônus real ou de gravame (art. 686, inciso V) não mencionado no edital; III- quando o arrematante provar, nos 5 (cinco) dias seguintes, a existência de ônus real ou de gravame (art. 686, inciso V) não mencionado no edital;

153 Artigo 694 Par. único Par. único IV- nos casos previstos neste Código (arts. 698 e 699). IV- nos casos previstos neste Código (arts. 698 e 699). § 1º § 1º IV- a requerimento do arrematante, na hipótese de embargos à arrematação (art. 746, §§ 1º e 2º); IV- a requerimento do arrematante, na hipótese de embargos à arrematação (art. 746, §§ 1º e 2º); V- quando relacionada a preço vil; V- quando relacionada a preço vil; VI- nos casos previstos neste Código (art. 698). VI- nos casos previstos neste Código (art. 698).

154 Artigo 694 Sem equivalente Sem equivalente § 2º No caso de procedência dos embargos, o executado terá direito a haver do exeqüente o valor por este recebido como produto da arrematação; caso inferior ao valor do bem, haverá do exeqüente também a diferença. § 2º No caso de procedência dos embargos, o executado terá direito a haver do exeqüente o valor por este recebido como produto da arrematação; caso inferior ao valor do bem, haverá do exeqüente também a diferença.

155 Artigo 698 Não se efetuará a praça do imóvel hipotecado ou emprazado, sem que seja intimado, com 10 (dez) dias pelo menos de antecedência, o credor hipotecário ou o seu senhorio direto, que não seja de qualquer modo parte na execução. Não se efetuará a praça do imóvel hipotecado ou emprazado, sem que seja intimado, com 10 (dez) dias pelo menos de antecedência, o credor hipotecário ou o seu senhorio direto, que não seja de qualquer modo parte na execução. Não se efetuará a adjudicação ou alienação de bem do executado sem que da execução seja cientificado, por qualquer modo idôneo e com pelo menos 10 (dez) dias de antecedência, o senhorio direto, o credor com garantia real ou com penhora anteriormente averbada, que não seja de qualquer modo parte na execução. Não se efetuará a adjudicação ou alienação de bem do executado sem que da execução seja cientificado, por qualquer modo idôneo e com pelo menos 10 (dez) dias de antecedência, o senhorio direto, o credor com garantia real ou com penhora anteriormente averbada, que não seja de qualquer modo parte na execução.

156 Artigo 707 Efetuado o leilão, lavrar-se-á o auto, expedindo-se a carta de arrematação. Efetuado o leilão, lavrar-se-á o auto, expedindo-se a carta de arrematação. Efetuado o leilão, lavrar-se-á o auto, que poderá abranger bens penhorados em mais de uma execução, expedindo-se, se necessário, ordem judicial de entrega ao arrematante. Efetuado o leilão, lavrar-se-á o auto, que poderá abranger bens penhorados em mais de uma execução, expedindo-se, se necessário, ordem judicial de entrega ao arrematante.

157 Usufruto art.716 O juiz da execução pode conceder ao credor o usufruto de imóvel ou de empresa, quando o reputar menos gravoso ao devedor e eficiente para o recebimento da dívida. O juiz da execução pode conceder ao credor o usufruto de imóvel ou de empresa, quando o reputar menos gravoso ao devedor e eficiente para o recebimento da dívida. O juiz pode conceder ao exeqüente o usufruto de imóvel, quando o reputar menos gravoso ao executado e eficiente para o recebimento do crédito. O juiz pode conceder ao exeqüente o usufruto de imóvel, quando o reputar menos gravoso ao executado e eficiente para o recebimento do crédito.

158 Artigo 724 O usufrutuário poderá celebrar nova locação, aceitando proposta de contrato, desde que o devedor concorde com todas as suas cláusulas. Havendo discordância entre o credor e o devedor, o juiz decidirá, podendo aprovar a proposta, se a julgar conveniente, ou determinar, mediante hasta pública, a locação. O usufrutuário poderá celebrar nova locação, aceitando proposta de contrato, desde que o devedor concorde com todas as suas cláusulas. Havendo discordância entre o credor e o devedor, o juiz decidirá, podendo aprovar a proposta, se a julgar conveniente, ou determinar, mediante hasta pública, a locação. O exeqüente usufrutuário poderá celebrar locação do móvel ou imóvel, ouvido o executado. O exeqüente usufrutuário poderá celebrar locação do móvel ou imóvel, ouvido o executado. Par. único. Havendo discordância, o juiz decidirá a melhor forma de exercício do usufruto. Par. único. Havendo discordância, o juiz decidirá a melhor forma de exercício do usufruto.

159 Embargos artigo 736 O devedor poderá opor-se à execução por meio de embargos, que serão autuados em apenso aos autos do processo principal. O devedor poderá opor-se à execução por meio de embargos, que serão autuados em apenso aos autos do processo principal. O executado, independentemente de penhora, depósito ou caução, poderá opor-se à execução por meio de embargos. O executado, independentemente de penhora, depósito ou caução, poderá opor-se à execução por meio de embargos. Par. único. Os embargos à execução serão distribuídos por dependência, autuados em apartado, e instruídos com cópias (art. 544, § 1º, in fine) das peças processuais relevantes. Par. único. Os embargos à execução serão distribuídos por dependência, autuados em apartado, e instruídos com cópias (art. 544, § 1º, in fine) das peças processuais relevantes.

160 Artigo 737 Não são admissíveis embargos do devedor antes de seguro o juízo: Não são admissíveis embargos do devedor antes de seguro o juízo: I- pela penhora, na execução por quantia certa: I- pela penhora, na execução por quantia certa: II- pelo depósito, na execução para entrega de coisa. II- pelo depósito, na execução para entrega de coisa. (revogado) (revogado)

161 Artigo 738 O devedor oferecerá os embargos no prazo de 10 (dez) dias, contados: O devedor oferecerá os embargos no prazo de 10 (dez) dias, contados: I- da junta aos autos da prova da intimação da penhora; I- da junta aos autos da prova da intimação da penhora; II- do termo de depósito (art. 622); II- do termo de depósito (art. 622); III- da junta aos autos do mandado de imissão na posse, ou de busca e apreensão, na execução para a entrega de coisa (art. 625); III- da junta aos autos do mandado de imissão na posse, ou de busca e apreensão, na execução para a entrega de coisa (art. 625); IV- da juntada aos autos do mandado de citação, na execução das obrigações de fazer ou de não fazer. IV- da juntada aos autos do mandado de citação, na execução das obrigações de fazer ou de não fazer. Os embargos serão oferecidos no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da juntada aos autos do mandado de citação. Os embargos serão oferecidos no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da juntada aos autos do mandado de citação. I- (revogado) I- (revogado) II- (revogado) II- (revogado) III- (revogado III- (revogado

162 Artigo 738 (acrescentados) § 1º Quando houver mais de um executado, o prazo para cada um deles embargar conta-se a partir da juntada do respectivo mandado citatório, salvo tratando-se de cônjuges. § 1º Quando houver mais de um executado, o prazo para cada um deles embargar conta-se a partir da juntada do respectivo mandado citatório, salvo tratando-se de cônjuges. § 2º Nas execuções por carta precatória, a citação do executado será imediatamente comunicada pelo juiz deprecado ao juiz deprecante, inclusive por meios eletrônicos, contando-se o prazo para embargos a partir da juntada aos autos de tal comunicação. § 2º Nas execuções por carta precatória, a citação do executado será imediatamente comunicada pelo juiz deprecado ao juiz deprecante, inclusive por meios eletrônicos, contando-se o prazo para embargos a partir da juntada aos autos de tal comunicação. § 3º Aos embargos do executado não se aplica o disposto no art. 191 desta Lei. § 3º Aos embargos do executado não se aplica o disposto no art. 191 desta Lei.

163 Artigo 739 O juiz rejeitará liminarmente os embargos: O juiz rejeitará liminarmente os embargos: I- quando apresentados fora do prazo legal; I- quando apresentados fora do prazo legal; II- quando não se fundarem em alguns dos fatos mencionados no art. 741; II- quando não se fundarem em alguns dos fatos mencionados no art. 741; III- nos casos previstos no art III- nos casos previstos no art (O juiz rejeitará liminarmente os embargos:) (O juiz rejeitará liminarmente os embargos:) I- quando intempestivos; I- quando intempestivos; II- quando inepta a petição (art. 295); ou II- quando inepta a petição (art. 295); ou III- quando manifestamente protelatórios. III- quando manifestamente protelatórios.

164 Artigo 739, §§ (revogados) § 1ºOs embargos serão sempre recebidos com efeitos suspensivo. § 1ºOs embargos serão sempre recebidos com efeitos suspensivo. § 2º Quando os embargos forem parciais, a execução prosseguirá quanto à parte não embargada. § 2º Quando os embargos forem parciais, a execução prosseguirá quanto à parte não embargada. § 3º O oferecimento dos embargos por um dos devedores não suspenderá a execução contra os que não embargaram, quando o respectivo fundamento disser respeito exclusivamente ao embargante. § 3º O oferecimento dos embargos por um dos devedores não suspenderá a execução contra os que não embargaram, quando o respectivo fundamento disser respeito exclusivamente ao embargante.

165 Artigo 739-A Os embargos do executado não terão efeito suspensivo. Os embargos do executado não terão efeito suspensivo. § 1º O juiz poderá, a requerimento do embargante, atribuir efeito suspensivo aos embargos quando, sendo relevantes seus fundamentos, o prosseguimento da execução manifestamente possa causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação, e desde que a execução já esteja garantida por penhora, depósito ou caução suficientes. § 1º O juiz poderá, a requerimento do embargante, atribuir efeito suspensivo aos embargos quando, sendo relevantes seus fundamentos, o prosseguimento da execução manifestamente possa causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação, e desde que a execução já esteja garantida por penhora, depósito ou caução suficientes.

166 Artigo 739-A § 2º A decisão relativa aos efeitos dos embargos poderá, a requerimento da parte, ser modificada ou revogada a qualquer tempo, em decisão fundamentada, cessando as circunstâncias que a motivaram. § 2º A decisão relativa aos efeitos dos embargos poderá, a requerimento da parte, ser modificada ou revogada a qualquer tempo, em decisão fundamentada, cessando as circunstâncias que a motivaram. § 3º Quando o efeito suspensivo atribuído aos embargos disser respeito apenas a parte do objeto da execução, essa prosseguirá quanto à parte restante. § 3º Quando o efeito suspensivo atribuído aos embargos disser respeito apenas a parte do objeto da execução, essa prosseguirá quanto à parte restante.

167 Artigo 739-A § 4º A concessão de efeito suspensivo aos embargos oferecidos por um dos executados não suspenderá a execução contra os que não embargaram, quando o respectivo fundamento disser respeito exclusivamente ao embargante. § 4º A concessão de efeito suspensivo aos embargos oferecidos por um dos executados não suspenderá a execução contra os que não embargaram, quando o respectivo fundamento disser respeito exclusivamente ao embargante.

168 Artigo 791 Suspende-se a execução: Suspende-se a execução: I- no todo ou em parte, quando recebidos os embargos do devedor (art. 739, § 2º); I- no todo ou em parte, quando recebidos os embargos do devedor (art. 739, § 2º); II- nas hipóteses previstas no art. 265, I a III; II- nas hipóteses previstas no art. 265, I a III; III- quando o devedor não possuir bens penhoráveis. III- quando o devedor não possuir bens penhoráveis. ( Suspende-se a execução: ) ( Suspende-se a execução: ) I- no todo ou em parte, quando recebidos com efeito suspensivo os embargos à execução (art. 739-A); I- no todo ou em parte, quando recebidos com efeito suspensivo os embargos à execução (art. 739-A); II- (sem alteração) II- (sem alteração) III- (sem alteração) III- (sem alteração)

169 Artigo 739-A § 5º Quando o excesso de execução for fundamento dos embargos, o embargante deverá declarar na petição inicial o valor que entende correto, apresentando memória do cálculo, sob pena de rejeição liminar dos embargos ou de não conhecimento desse fundamento. § 5º Quando o excesso de execução for fundamento dos embargos, o embargante deverá declarar na petição inicial o valor que entende correto, apresentando memória do cálculo, sob pena de rejeição liminar dos embargos ou de não conhecimento desse fundamento.

170 Artigo 739-A § 5º A concessão de efeito suspensivo não impedirá a efetivação dos atos de penhora e de avaliação dos bens. § 5º A concessão de efeito suspensivo não impedirá a efetivação dos atos de penhora e de avaliação dos bens.

171 Artigo 739-B A cobrança de multa ou de indenizações decorrentes de litigância de má-fé (arts.17 e 18) será promovida no próprio processo de execução, em autos apensos, operando-se por compensação ou por execução. A cobrança de multa ou de indenizações decorrentes de litigância de má-fé (arts.17 e 18) será promovida no próprio processo de execução, em autos apensos, operando-se por compensação ou por execução.

172 Artigo 740 Recebidos os embargos, o juiz mandará intimar o credor para impugná-los no prazo de 10 (dez) dias, designando em seguida a audiência de instrução e julgamento. Recebidos os embargos, o juiz mandará intimar o credor para impugná-los no prazo de 10 (dez) dias, designando em seguida a audiência de instrução e julgamento. Recebidos os embargos, será o exeqüente ouvido no prazo de 15 (quinze) dias; a seguir, o juiz julgará imediatamente o pedido (art. 330) ou designará audiência de conciliação, instrução e julgamento, proferindo sentença no prazo de 10 (dez) dias. Recebidos os embargos, será o exeqüente ouvido no prazo de 15 (quinze) dias; a seguir, o juiz julgará imediatamente o pedido (art. 330) ou designará audiência de conciliação, instrução e julgamento, proferindo sentença no prazo de 10 (dez) dias.

173 Artigo 587 A execução é definitiva, quando fundada em sentença transitada em julgado ou em título extrajudicial; e provisória, quando a sentença for impugnada mediante recurso, recebido só no efeito devolutivo. A execução é definitiva, quando fundada em sentença transitada em julgado ou em título extrajudicial; e provisória, quando a sentença for impugnada mediante recurso, recebido só no efeito devolutivo. É definitiva a execução fundada em título extrajudicial; é provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos do executado, quando recebidos com efeito suspensivo (art. 739). É definitiva a execução fundada em título extrajudicial; é provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos do executado, quando recebidos com efeito suspensivo (art. 739).

174 Artigo 740, parágrafo único Não se realizará a audiência, se os embargos versarem sobre matéria de direito ou, sendo de direito e de fato, a prova for exclusivamente documental; caso em que o juiz proferirá sentença no prazo de 10 (dez) dias. Não se realizará a audiência, se os embargos versarem sobre matéria de direito ou, sendo de direito e de fato, a prova for exclusivamente documental; caso em que o juiz proferirá sentença no prazo de 10 (dez) dias. No caso de embargos manifestamente protelatórios, o juiz imporá, em favor do exeqüente, multa ao embargante em valor não superior a 20% (vinte por cento) do valor em execução. No caso de embargos manifestamente protelatórios, o juiz imporá, em favor do exeqüente, multa ao embargante em valor não superior a 20% (vinte por cento) do valor em execução.

175 Artigo 745 Quando a execução se fundar em título extrajudicial, o devedor poderá alegar, em embargos, além das matérias previstas no art. 741, qualquer outra que lhe seria lícito deduzir como defesa no processo de conhecimento. Quando a execução se fundar em título extrajudicial, o devedor poderá alegar, em embargos, além das matérias previstas no art. 741, qualquer outra que lhe seria lícito deduzir como defesa no processo de conhecimento. Nos embargos, poderá o executado alegar: Nos embargos, poderá o executado alegar: I- nulidade da execução, por não ser executivo o título apresentado; I- nulidade da execução, por não ser executivo o título apresentado; II- penhora incorreta ou avaliação errônea; II- penhora incorreta ou avaliação errônea; III- excesso de execução ou cumulação indevida de execuções; III- excesso de execução ou cumulação indevida de execuções; IV- retenção por benfeitorias necessárias ou úteis, nos casos de título para entrega de coisa certa (art. 621); IV- retenção por benfeitorias necessárias ou úteis, nos casos de título para entrega de coisa certa (art. 621); V- qualquer matéria que lhe seria lícito deduzir como defesa em processo de conhecimento. V- qualquer matéria que lhe seria lícito deduzir como defesa em processo de conhecimento.

176 Embargos de segunda fase artigo 746 É lícito ao devedor oferecer embargos à arrematação ou à adjudicação, fundados em nulidade da execução, pagamento, novação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à penhora. É lícito ao devedor oferecer embargos à arrematação ou à adjudicação, fundados em nulidade da execução, pagamento, novação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à penhora. Par. único. Aos embargos opostos na forma deste artigo, aplica-se o disposto nos Capítulos I e II deste Título. Par. único. Aos embargos opostos na forma deste artigo, aplica-se o disposto nos Capítulos I e II deste Título. É lícito ao executado, no prazo de 5 (cinco) dias, contados da adjudicação, alienação ou arrematação, oferecer embargos fundados em nulidade da execução, ou em causa extintiva da obrigação, desde que superveniente à penhora, aplicando- se, no que couber, o disposto neste Capítulo. É lícito ao executado, no prazo de 5 (cinco) dias, contados da adjudicação, alienação ou arrematação, oferecer embargos fundados em nulidade da execução, ou em causa extintiva da obrigação, desde que superveniente à penhora, aplicando- se, no que couber, o disposto neste Capítulo.

177 Artigo 746, §§ (acrescentados) § 1º Oferecidos embargos, poderá o adquirente desistir da aquisição; § 1º Oferecidos embargos, poderá o adquirente desistir da aquisição; § 2º No caso do § 1º deste artigo, o juiz deferirá de plano o requerimento, com a imediata liberação do depósito feito pelo adquirente (art. 694, § 1º, inciso IV). § 2º No caso do § 1º deste artigo, o juiz deferirá de plano o requerimento, com a imediata liberação do depósito feito pelo adquirente (art. 694, § 1º, inciso IV). § 3º Caso os embargos sejam declarados manifestamente protelatórios, o juiz imporá multa ao embargante, não superior a 20% (vinte por cento) do valor da execução, em favor de quem desistiu da aquisição. § 3º Caso os embargos sejam declarados manifestamente protelatórios, o juiz imporá multa ao embargante, não superior a 20% (vinte por cento) do valor da execução, em favor de quem desistiu da aquisição.

178 Quadro comparativo impugnação e embargos 15 dias da 15 dias da int. da penhora int. da penhora Garantia de juízo Garantia de juízo Aplica-se o art. 191 Aplica-se o art. 191 Não tem preparo Não tem preparo Sem efeito susp. Sem efeito susp. Agravo/apelação Agravo/apelação 15 dias da 15 dias da citação citação Sem garantia de juízo Sem garantia de juízo Não se aplica o 191 Não se aplica o 191 Preparo necessário Preparo necessário Sem efeito susp. Sem efeito susp. Apelação Apelação Multa por protelação Multa por protelação


Carregar ppt "EXECUÇÃO ESPÉCIES. CLASSIFICAÇÕES Quanto à origem do título Quanto à origem do título Quanto à estabilidade do título Quanto à estabilidade do título."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google