A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Angelo Soares 1 Assédio Moral: Quando o trabalho é indecente Angelo Soares Professor Departamento de organização e recursos humanos Universidade do Québec.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Angelo Soares 1 Assédio Moral: Quando o trabalho é indecente Angelo Soares Professor Departamento de organização e recursos humanos Universidade do Québec."— Transcrição da apresentação:

1 Angelo Soares 1 Assédio Moral: Quando o trabalho é indecente Angelo Soares Professor Departamento de organização e recursos humanos Universidade do Québec em Montreal

2 Angelo Soares 2 Você acha que são estranhos? Não! São pessoas normais que Viveram histórias muito estranhas... (Heinz Leymann)

3 Os Três Ingredientes Uma pessoa alvo ou mais Um agressor(a) ou mais Um contexto que encoraja ou tolera a violência

4 Angelo Soares 4 O Contexto

5 Contexto Intensificação de trabalho Densificação de trabalho Tempo integralmente útil Fazer mais com menos Precarização do trabalho Novas Tecnologias Novas Formas de Gestão

6 Conseqüências Problemas de saúde no trabalho Violências no trabalho Diversas formas de Assédio

7 Angelo Soares 7 Carroll Brodsky (1976) O assédio moral consiste em tentativas, repetidas e obstinadas, de uma pessoa afim de atormentar, quebrar a resistência, frustrar, ou obter uma reação de um outro. É um tratamento que, com persistência, provoca, pressiona, assusta, intimida, ou incomoda a outra pessoa.

8 Angelo Soares 8 Heinz Leymann (1984) É um processo destrutivo, constituído de uma série de proposições e atos hostis que, isoladamente, poderiam parecer inofensivos, mas cuja a repetição constante tem efeitos devastadores.

9 Angelo Soares 9 Marie-France Hirigoyen (1998) O assédio moral no trabalho, é toda conduta abusiva, que se manifesta através de comportamentos, palavras, atos, gestos, escritas, que atingem a personalidade, a dignidade ou a integridade física ou psíquica de uma pessoa, pôr em perigo seu emprego ou degradar o seu clima de trabalho

10 Angelo Soares 10 Lei Anti-Assédio do Québec Para a aplicação da presente lei, compreende-se o assédio psicológico como uma conduta vexatória que se manifesta seja por comportamentos, palavras, atos ou gestos repetitivos, que são hostis ou indesejados, e que representam um ataque à dignidade ou à integridade psicológica ou física da pessoa acarretando um ambiente de trabalho nefasto. Somente um ato sério pode também constituir o assédio psicológico se ele ocasiona um efeito nocivo contínuo para o/a trabalhador-a.

11 Angelo Soares 11 Lei Anti-Assédio do Québec Todos os trabalhadores têm o direito a um trabalho isento de assédio psicológico. O empregador deve tomar as medidas necessárias para prevenir o assédio psicológico e para eliminá-lo quando uma tal conduta é levada a seu conhecimento.

12 Estatísticas * Resultados das QueixasNNN Numero de Queixas Queixas Resolvidas Queixas em Tratamento Source:CNT* 1 de junho de 2004 a 31 de março de 2005

13 Estatísticas * Resultados das queixasn%n%n% Inadmissíveis ,8 Critérios de HP não satisfeitos ,1 Desistências ,7 Acordo ,6 Resolvido com outra queixa ,7 Queixa sem fundamento ,1 Nenhum acordo ,0 Fonte: CNT* 1 de junho de 2004 a 31 de março de 2005

14 Os Gestos do Assédio Moral 1. Comunicação 2. Relações sociais 3. Desacreditar a pessoa 4. Desacreditar o trabalho 5. Comprometer a saúde

15 Os Gestos do Assédio Moral Comunicação: Impedir a pessoa de se expressar, fazer algumas ameaças, a pessoa é constantemente interrompida, não se fala mais com a pessoa, recusa-se o contato (evitar o contato visual, gestos de rejeição), etc. Relações sociais: nomeia-se uma estação de trabalho que isola a pessoa de seus colegas, isolamento social, ignoram a sua presença, proíbem seus colegas de falar com você, etc.

16 Os Gestos do Assédio Moral Desacreditar a pessoa: nega-se a presença física do outro, há calunias, rumores sobre seu caso, a pessoa é ridicularizada, insinua-se que a pessoa tem problemas mentais, tenta-se forçar a pessoa a passar por um exame psiquiátrico, zombam de uma fraqueza (doença, deficiência etc.), imita-se o modo de andar de falar etc. para ridicularizar, xinga-se a pessoa com termos degradantes ou obscenos, etc.

17 Os Gestos do Assédio Moral Desacreditar trabalho: impõe-se à pessoa um trabalho humilhante, avalia-se o trabalho da pessoa de uma maneira injusta ou de ma fé, contesta-se as decisões da pessoa, priva-se a pessoa de toda a ocupação e não se deixa que ela encontre algo o que fazer, força-se a pessoas a fazer tarefas completamente inúteis e/ou absurdas, a pessoa recebe constantemente tarefas novas, confiam-se as tarefas que requerem qualificações muito superior ou muito abaixo de suas competências, humilha-se a pessoa em termos profissionais em público, constantemente lembra-se seus erros, constroem-se dossiês contra a pessoa, a pessoa recebe prazos impossíveis para realizar o trabalho, etc.

18 Os Gestos do Assédio Moral Comprometer saúde: forçam a pessoa a trabalhos perigosos ou prejudiciais para saúde, a pessoa é ameaçada com violências físicas, ataca-se fisicamente a pessoa, mas sem deixar traços a titulo de advertência, causa-se alguns gastos voluntariamente à pessoa com a intenção de prejudicar, causa-se danos no domicílio da vítima ou na sua estação de trabalho, etc.

19 Resultados Quatro grupos:E1E2E3 Vive o assédioVH Já viveu (ultimo ano)DH TestemunhaTH Jamais viveuJH

20 Duas Variáveis Importantes Duração Freqüência

21 As Fontes do Assédio Moral Organização de trabalho Modelos de administração Estresse Ausência de administração dos conflitos Ausência de liderança

22 Conseqüências Organizacionais Perda de tempo Absentismo elevado Redução do desempenho Rotatividade do pessoal elevada Gastos com advogados (muito elevado) Gastos com seguros A imagem da organização Recrutamento e seleção do pessoal Etc.

23 Conseqüências Individuais Problemas de saúde mental Estresse Depressão Ansiedade Desespero Síndrome de estresse pós-traumático Exclusão do mercado de trabalho Desemprego Licença médica Mudança de emprego Efeitos na família

24 Estresse Estresse Elevado - 26,2

25 Síndrome de Estresse Pós-Traumático Estado causado por um evento incomum que comporta uma ameaça real para a vida ou para a integridade física de uma pessoa (...). Este estado é vivido como um medo intenso, um estado de terror e de impotência. Seus principais sintomas são:

26 Síndrome de Estresse Pós-Traumático Dificuldades com o sono Pesadelos relacionados com o assédio ou o assediador Sentimentos depressivos Tendências a saltar ou se assustar ao menor barulho ou movimento inesperados Tendências para se isolar dos outros Mau humor Mudanças freqüentes de humor Sentimentos de culpa Medo quando se aproxima do lugar aonde o assédio se produziu ou produz ou de situações que lembram o assédio Dores musculares

27 Síndrome de Estresse Pós-Traumático Pode-se ter uma mudança da personalidade quando o estresse pós-traumático se encontra numa fase crônica. Depressão Obsessão

28 Síndrome de Estresse Pós-Traumático A intensidade do estresse pós-traumático devido ao assédio moral é comparável a de vítimas de estupro, em termos de ansiedade, deterioração, impotência e dor psicológica. (Leymann & Gustafsson, 1996)

29 Medo quando se aproxima do lugar aonde o assédio se produziu ou produz ou de situações que lembram o assédio VAMJAMTAM Chi- Quadrado SimNãoSimNãoSimNão Estudo 145,026,350,053,55,020,2P>,001 Estudo 235,215,053,565,411,319,6P>,001 Estudo 354,511,545,565,40,023,1P>,01 Estudo 466,720,033,368,00,012,0P>,01

30 Quem é o Assediador? Quem é a Assediadora?

31 O Assediador / A Assediadora Perverso Manipulador Tipologia Malvado/a Sem coraçao

32 Quem é o/a Assediador/a? (%)

33 O Assediador / A Assediadora Personalidades patológicas Exigências do trabalho Incompetências

34 Angelo Soares 34 Alguns Mitos sobre o Assédio Moral

35 Mito 1 (mecanismo de defesa) Não é o Assédio, é um conflito de personalidade.

36 O Assédio Moral e a Personalidade Até agora nenhum traço de personalidade foi associado às pessoas que viveram o assédio moral. As razões estão no contexto social e nas estruturas de poder das organizações (Leymann, 1993; Vartia, 1996; Salin, 2003; Soares, 2002, 2004, 2006)

37 Mito 2 (estigmatização) As pessoas que são assediadas fizeram algo que merecer o assédio. É um jogo que se joga a dois.

38 Culpar a Vítima As pessoas que não são as vítimas de assédio moral podem continuar acreditando na sua própria segurança ou na sua invulnerabilidade se eles puderem se convencer que eles são protegidos pelo que eles são. Culpando as vítimas, as pessoas não só mantêm a própria ilusão de invulnerabilidade, de segurança, mas também minimizam o sentimento de culpa por não intervir e não suportar as vítimas.

39 Culpar a Vítima As vítimas são estigmatizadas porque elas vão violar os mecanismos de defesas construídos para enfrentar os sofrimentos no trabalho. As pessoas que viveram o assédio são lembranças vivas e poderosas de que isso pode acontecer para nós também.

40 Mito 3 (individualização) O assédio só acontece com pessoas frágeis. O assédio acontece com"pessoas atípicas." As pessoas que se queixam de assédio são muito sensíveis.

41 Mito 4 As pessoas que se dizem assediadas, na verdade não querem trabalhar.

42 Mito 5 Se você é assediado/a é porque você não é capaz de enfrentar seu assediador.

43 Estratégias para enfrentar o Assédio Moral - Estudo 1 Eu enfrentei a/as pessoa(s) que me assediava(m) (51,5%) Eu ignorei a/as pessoa(s) que me assediava(m) (33,1%) Eu informei o sindicato sobre o Assédio (27,8%) Eu ignorei o Assédio (24,3%) Eu pedi para parar o Assédio (17,2%) Eu informei o departamento de recursos humanos sobre o assédio (9,5%) Eu pedi uma transferência de emprego (7,1%) Eu não tinha nada para fazer (6,5%) Eu fiz uma queixa (5,9%) Eu ameacei falar para todo o mundo sobre o Assédio (1,8%)

44 Estratégias para enfrentar o Assédio Moral – Estudo 2 Eu ignorei a/as pessoa(s) que me assediava(m) (34,1%) Eu enfrentei a/as pessoa(s) que me assediava(m) (32,9%) Eu ignorei o Assédio (26,3%) Eu informei o sindicato sobre o Assédio (21,0%) Eu não tinha nada para fazer (12,6%) Eu pedi uma transferência de emprego (12,0%) Eu pedi para parar o Assédio (11,4%) Eu fiz uma queixa (5,4%) Eu informei ao departamento de recursos humanos sobre o Assédio (5,4%)

45 Mito 6 Se eu contar isto a alguém, ninguém vai me acreditar A pessoa nunca será capaz de provar que é assédio moral. Você não deve ir a justiça, porque vai prolongar seu sofrimento. É melhor partir e deixar de lado.

46 Mito 7 (associado à administração) Não é assédio moral, estes são direitos de gestão. Não é assédio moral, é uma liderança autocrática.

47 Angelo Soares 47 Alguns Resultados…. O assédio moral: uma questão organizacional e não individual

48 Angelo Soares 48 Carga de Trabalho e Assédio Moral assédio moral Carga de trabalho Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

49 Angelo Soares 49 Autonomia e Assédio Moral assédio moral Autonomia no trabalho Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

50 Angelo Soares 50 Reconhecimento e Assédio Moral assédio moral Reconhecimento Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

51 Angelo Soares 51 Coesão do Grupo e Assédio Moral assédio moral Coesão do grupo Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

52 Angelo Soares 52 Justiça Organizacional e Assédio Moral assédio moral Justiça Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

53 Angelo Soares 53 Coerência de Valores e Assédio Moral assédio moral Coerência de valores Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

54 Angelo Soares 54 Supervisão e Assédio Moral assédio moral Supervisão participativa Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

55 Angelo Soares 55 Comunicação e Assédio Moral assédio moral Comunicação Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

56 Angelo Soares 56 Desenvolvimento de Competências e Assédio Moral assédio moral Desenvolvimento de competências Vivait le harcèlement Déjà harcelé (1 an) Jamais harcelé

57 Angelo Soares 57 O Retorno ao Trabalho Dois Momentos

58 Primeiro Momento O assédio moral é desencadeado quando o individuo retorna ao trabalho após uma licença ou depois de ter exercido um direito trabalhista.

59 Razoes para Desencadear o Assédio Moral (%) – Estudo 1 Mudança organizacional Conflito com o/a assediador(a) Exercício de um direito trabalhista Corte de pessoal Participação ao sindicato 45,3 14,9 13,3 3,3 0,6

60 Razoes para desencadear o assédio moral (%) – Estudo 2 Mudança organizacional Conflito com o/a assediador(a) Exercício de um direito trabalhista Corte de pessoal Participação ao sindicato 34,8 14,2 18,7 3,7 0,7

61 Segundo Momento O indivíduo tem que voltar ao trabalho depois de ter tido uma licença devido ao assédio moral.

62 O Retorno ao Trabalho Eu prefiro me jogar por esta janela que voltar a trabalhar naquele lugar (Ginette, trabalhadora assediada)

63 O Caso de Vicky Binet No dia 25 de janeiro de 2003, Vicky Binet, 43 anos, mãe de quatro filhos, executiva no serviço de recursos humanos da empresa Amadeus, França, ela escreveu na sua agenda: "Salto" com uma seta para baixo e naquele sábado, ela saltou de uma ponte, há 500 metros de onde ela trabalhava.

64 A Carta "Não é por acaso que eu faço este gesto aqui, em frente de Amadeus. Se eu me suicido hoje, é que, como eu disse freqüentemente, eu não posso suportar a idéia de voltar ao trabalho nas condições propostas, isto é exatamente as mesmas que me fizeram explodir e que eu sofro desde janeiro 2002, placardização, falta de respeito, humilhação (pública), sofrimento moral, nenhum reconhecimento profissional."

65 Casos Mme Chagnon Mme Tavernier Mme Carrière

66 A Volta ao Trabalho (Pontos a Considerar) As mudanças nas fontes do assédio moral ou dos problemas de saúde mental. Saúde física contra saúde mental. Programas de volta ao trabalho concebidos para problemas associados à saúde física. Evitar (não utilizar) as estratégias mais agressivas para a volta ao trabalho. Atenção para não se adotar a administração da presença!!

67 A Volta ao Trabalho (Pontos a Considerar) A volta progressiva ao trabalho. O trabalho deve ajudar no processo de restabelecimento da pessoa assediada Durante a licença, tentar manter a comunicação entre a pessoa assediada e a organização. Fazer um acompanhamento da situação. Uma pessoa responsável pelo dossiê

68 A Volta ao Trabalho (Pontos a Considerar) Eliminar preconceitos Terapias Roteiro sobre a dinâmica da licença

69 A Volta ao Trabalho (Pontos a Considerar) Não existe ainda pesquisas sobre a volta ao trabalho associada ao assédio moral de onde a importância primordial da PREVENÇÃO e da INTERVENÇÃO PRECOCE nos casos de assédio moral no trabalho.

70 Prevenir as violências no trabalho : o que fazer?

71 Estratégias de Prevenção Informação Formação Mudança na organização do trabalho Mudança nos modelos de administração Políticas organizacionais Convenção coletiva Legislação

72 Angelo Soares 72 Impasses Face ao Assédio Moral: Não levar em consideração as dimensões organizacionais que formam à fonte do assédio Individualizar o conflito Acreditar que estamos protegidos do assédio Não ser pró-ativo na prevenção Criar desculpas para não intervir Não ter respeito pelo ser humano

73 73 Perguntas ? Obrigado!


Carregar ppt "Angelo Soares 1 Assédio Moral: Quando o trabalho é indecente Angelo Soares Professor Departamento de organização e recursos humanos Universidade do Québec."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google