A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IGUALDADE Peter Singer Ética Prática. A BASE DA IGUALDADE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IGUALDADE Peter Singer Ética Prática. A BASE DA IGUALDADE."— Transcrição da apresentação:

1 IGUALDADE Peter Singer Ética Prática

2 A BASE DA IGUALDADE

3 Século XXI Transformações profundas nas atitudes morais Aborto Sexo Homossexualidade Eutanásia Suicídio

4 IGUALDADE Situação diferenciada. Condenamos a diferenciação racial. Na vida pública idéias racistas não são toleradas

5 Princípio Consensual: Todos os seres humanos são iguais. Problema: Quando procuramos aplicar este princípio a casos particulares, o consenso começa a desaparecer.

6 1970 Arthur Jensen (Universidade da Califórnia) H. J. Eysenck (Universidade de Londres) Há uma base genética que determina as diferenças de inteligências entre raças diferentes

7 Raças diferentes Inteligências diferentes

8 Se bem fundamentada esta idéia justificaria a discriminação racial. Problemas para a Igualdade: Diferença racial; Diferença de gênero; Ação afirmativa.

9 TAREFA: Buscar os fundamentos éticos do princípio de igualdade. TESE: Os seres humanos não são todos iguais.

10 Diferenças: Corporais – físicas; Aptidões – habilidades; Psicológicas – emocionais;

11 Questão: Qual é a base para o princípio de igualdade? Só podemos encontrar respostas para questões éticas da igualdade se soubermos justificar a afirmativa de que todos os seres humanos são iguais.

12 John Rawls Uma teoria da justiça Há características naturais dos seres humanos. Propriedade de âmbito

13 Por exemplo: Círculo; Pontos em seu interior; Propriedade: estar dentro do círculo.

14 Propriedade: Personalidade Moral Virtualmente, todos os seres humanos a possuem igualmente. Pessoa Moral: Pessoa que possui um senso de justiça. Tipo de pessoa à qual se pode fazer uma invocação moral com alguma perspectiva de que a invocação vá ser levada em conta.

15 Rawls Personalidade Moral Base da Igualdade Humana

16 Rawls Base contratual de justiça: Acordo benéfico mútuo; Não me agrida para não ser agredido.

17 Objeções: Ter personalidade moral é uma questão de graus (pessoas mais ou menos sensíveis). Maior grau de status moral garantiria mais direitos. Nem todos os seres humanos são pessoas morais, pois carecem do senso de justiça. (doentes mentais; bebês; crianças)

18 Base Factual: 1. Há diferenças entre seres humanos enquanto indivíduos; 2. Mas, não existem diferenças moralmente significativas entre raças e gêneros.

19 Portanto: Diferenças factuais não autorizam tirar conclusões sobre: Inteligência; Senso de justiça; Profundidade de sentimentos.

20 Exemplo: Sociedade hierarquizada Base: Teste de inteligência 1984 (George Orwell)

21 1.Indivíduos com mais (+) de 125 pontos : classe proprietária de escravos. 2. Entre 100 – 125 pontos: homens livres. 3. Com menos (–) de 100 pontos : escravos.

22 Peter Singer Princípio Igual consideração de interesses Em todas as nossas deliberações morais atribuímos o mesmo peso aos interesses semelhantes de todos os que são atingidos por nossos atos.

23 Elemento básico: Levar em conta os interesses das pessoas. Interesses: evitar a dor; desenvolver suas aptidões; satisfazer as necessidades básicas (alimento – abrigo); liberdade para realizar seus projetos.

24 TODOS OS SERES HUMANOS SÃO IGUAIS IGUAL CONSIDERAÇÃO DE INTERESSES

25 Qual a natureza deste princípio? Princípio Mínimo de Igualdade Exemplo (p. 33) Interesse: ter a dor física aliviada

26 Pessoa A: perna esmagada; Pessoa B: corte na coxa Situação: Duas doses de morfina O que fazer?.

27 1.Ação igual: Dose insuficiente para A 2. Ação desigual: Duas doses para A

28 Igual consideração de interesses: Tratamento desigual; Resultado mais igualitário; Menor diferença no grau de sofrimento. A = B: dor suportável

29 Princípio da Economia: Diminuição da Utilidade Marginal Certa quantidade de uma coisa é mais útil para quem a possui em pequena quantidade do que para quem a possui em grande quantidade.

30 Exemplo: X recebe: 150,00 X ganha: 100,00 Faz diferença Y recebe 1.500,00 Y ganha: 100,00 Não faz muita diferença

31 Problema: Utilidade marginal nem sempre funciona. Vítima A: Perdeu a perna D; corre o risco de perder o dedo do pé E. Vítima B: Ferimento grave na perna, mas ela pode ser salva. Situação: condições de atender somente um.

32 Opções: 1. Sem tratar nenhum: A: perde uma perna e um dedo; B: perde uma perna. 2. Tratar A: A: perde uma perna; salva o dedo; B: perde uma perna. 3. Tratar B A: perde a perna e o dedo; B: não perde nada.

33 Ação: Atender o menos grave. Resultado: Em casos especiais, a igual consideração de interesses pode aumentar (em vez de diminuir) a diferença de bem-estar.

34 Portanto: O princípio de igual consideração de interesses, é um princípio mínimo de igualdade; não é um princípio de igualdade perfeita.

35 IGUALDADE E DIVERSIDADE GENÉTICA

36 Arthur Jensen (1969) Artigo: Até que ponto podemos fomentar o Q.I. e o aproveitamento escolar. Harvard Educational Review Relação: Americanos x afro-americanos Americanos: + Q. I.

37 Questões: Mesmo que haja diferenças genéticas, o que implicaria isto para a noção de igualdade? Por um grupo étnico ter um Q.I. médio mais alto do que o de outro significa que devemos rejeitar o princípio de igualdade?

38 Por homens e mulheres terem aptidões naturais distintas devem ter criações ímpares? O racismo e o sexismo estariam justificados?

39 Diferença e Igualdade Racial: Hipótese (p. 37) Há indícios de que existem diferenças de inteligência entre grupos étnicos de seres humanos. Qual a importância disso para a igualdade racial?

40 Testes de Q.I., de fato, mostram a inteligência? Melhor seria falar de diferenças de Q.I., em vez de diferenças de inteligência.

41 Debate: Diferenças de Q.I. em grupos étnicos diferentes. Debate: Fator Genético (hereditário) X Fator ambiental (social)

42 Singer: Mesmo que a hipótese genética esteja correta, essa defesa não reconfortaria os verdadeiros racistas. Razão 1 (p. 39) Não deixamos de superar as desigualdades;

43 Razão 2 (p. 39) Nem todos, individualmente, são totalmente baixos ou altos de Q.I. Razão 3 (p. 40) A noção de manter os interesses não é afetada pelo nível de inteligência.

44 Diferença e Igualdade Sexual: Diferenças de gênero; Não são diferenças de Q.I. Homens – Mulheres: Diferença de aptidões

45 Mulheres melhores em compreensão de textos escritos complexos; Homens melhores no desenvolvimento de aptidão visual – espacial.

46 Diferença fundamental: Agressividade Homem: Comportamento agressivo; Competitividade; Impulso de dominar.

47 Diferenças Psicológicas Antagonismo: Ambiente x Biologia Diferenças psicológicas não justificam a discriminação (sexismo).

48 HIPÓTESE AMBIENTAL (Condicionamento social) papéis diferentes; criação; literatura.

49 Sociedade Primitiva Mulher: cuidadora Homem: caçador Agressividade (força física)

50 . Essa diferença é psíquica, biológica ou social?

51 HIPÓTESE BIOLÓGICA (Hereditária) Base: agressividade Eleanor Emmons Maccoby Carol Nagy Jacklin The Psychology of Sex Differences

52 Agressividade masculina: Em todas as sociedades observadas os homens são mais agressivos do que as mulheres; Grupos semelhantes – macacos – apresentam a mesma caraterística. Crianças – comportamento agressivo; Taxa de hormônios sexuais masculinos.

53 IGUALDADE DE OPORTUNIDADES E IGUALDADE DE CONDIÇÕES

54 Diferenças: renda status poder Pressuposto justo: condições de igual oportunidades

55 A = 400,00 B = ,00 A – B: tiveram a mesma oportunidade. B teve maior empenho. Ponto de partida: Igualdade de oportunidades

56 Discussão: Igualdade de Condições Condições estruturais diversas aspecto do nível escolar; aspecto da estrutura familiar; aspecto econômico; diferenças genéticas.

57 Problema (p. 50) Recompensa: [1] segundo as capacidades; [2] segundo as necessidades. Conclusão: Deve-se pagar pela necessidade e pelo esforço.


Carregar ppt "IGUALDADE Peter Singer Ética Prática. A BASE DA IGUALDADE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google