A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fatores Ecológicos CIÊNCIAS DO AMBIENTE. Fatores Ecológicos Conjunto de fatores biológicos (bióticos) e físicos (abióticos), de um determinado ambiente,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fatores Ecológicos CIÊNCIAS DO AMBIENTE. Fatores Ecológicos Conjunto de fatores biológicos (bióticos) e físicos (abióticos), de um determinado ambiente,"— Transcrição da apresentação:

1 Fatores Ecológicos CIÊNCIAS DO AMBIENTE

2 Fatores Ecológicos Conjunto de fatores biológicos (bióticos) e físicos (abióticos), de um determinado ambiente, que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade. Bióticos: relações entre os seres vivos; Abióticos: condições físicas do ambiente.

3 Fatores Ecológicos Bióticos Seres vivos associam-se com outros de mesma espécie ou de espécie diferente para obter alimento, proteção, transporte e reproduzir; Tipos de relações: Intra e Inter-específica; Harmônica e Desarmônica.

4 Relações Ecológicas Intra-específica ocorre entre indivíduos da mesma espécie; Inter-específica ocorre entre indivíduos de espécies diferentes; Harmônica nenhum dos organismos é prejudicado; Desarmônica pelo menos um dos organismos é prejudicado.

5 Canibalismo Um animal mata e devora outro da sua espécie; Classificação intra-específica desarmônica; Exemplos aranhas, ratos, peixes, etc.; Observações: Raro; Ocorre em superpopulações quando há falta de alimento; Em algumas espécies é comum a fêmea devorar o macho após a fecundação. Figura 1 – O aquecimento global fez diminuir em 20% a calota polar ártica nas últimas três décadas, reduzindo o território de caça dos ursos- polares. Muitos deles ficaram sem alimento. A mudança radical de seu habitat provocada pelo homem está custando caro aos ursos. Recentemente, no Mar de Beaufort, no Alasca, pesquisadores americanos que há 24 anos estudam a região identificaram um caso inédito de canibalismo na espécie: duas fêmeas, um macho jovem e um filhote foram atacados e comidos por um grupo de machos. Estimativas apontam que os ursos-polares podem desaparecer em vinte anos.

6 Competição Luta por alimento, posse de território, da fêmea, etc.; Classificação: Intra-específica desarmônica; Inter-específica desarmônica; Exemplos todos os seres vivos; Observações: Freqüente; Ocorre sempre que há sobreposição de nichos ecológicos; Fator de seleção natural e de limitação da população. Figura 2 – Luta pela fêmea. Figura 3 – A superpopulação intensifica o mecanismo de competição intra-específica.

7 Predatismo Um animal mata outro de espécie diferente para se alimentar; Classificação: Inter-específica desarmônica; Exemplos mamífero carnívoro (predador) x mamífero herbívoro (presa); Figura 4 – Competição inter-específica desarmônica. Observações: Freqüente; Fator de seleção natural e equilíbrio da população de presas; Aplicado no controle biológico.

8 Forésia Transporte de um ser, seus ovos ou sementes por outro ser vivo; Classificação: Inter-específica harmônica; Exemplos pólen x insetos e aves, sementes x aves e mamíferos; Figura 5 – Abelha no processo de polinização. Observações: Polinização.

9 Mutualismo Troca de benefícios entre seres vivos, com ou sem interdependência; Classificação: Inter-específica harmônica; Exemplos cupim x protozoário, algas x fungos, plantas x insetos, crocodilo x ave-palito. Figura 6 – Interação entre pássaros e outros animais.

10 Parasitismo Um ser vive à custa de outro, prejudicando-o; Classificação: Inter-específica desarmônica; Exemplos vermes x mamíferos, fungos x outros seres vivos; Figura 7 – Exemplos de parasitismo. Observações: Freqüente; Aplicado no controle biológico (parasita x praga); Endoparasita (interno, ex.: ameba) e ectoparasita (externo, ex.: piolho).

11 Inquilinismo Um organismo usa outro como suporte ou abrigo; Classificação: Inter-específica harmônica; Exemplos bromélia x árvore (suporte). Figura 8 – Tronco de uma árvore no interior de uma mata, contendo uma bromélia como inquilino.

12 Comensalismo Um ser come restos da comida de outro; Classificação: Inter-específica harmônica; Exemplos rêmora x tubarão, hiena x leão; Figura 9 – Rêmora (comensal) aderida ao corpo de raia.

13 Colônias Seres unidos anatômica e/ou fisiologicamente; Classificação: Intra-específica harmônica; Exemplos caravelas, algas, corais, etc.; Figura 10 – Corais. Observações: Os indivíduos podem ser todos iguais (algas) ou diferentes com divisão de trabalhos (caravelas).

14 Sociedade Indivíduos com tendência a vida gregária, trabalham para o desenvolvimento da população; Classificação: Intra-específica harmônica; Exemplos gorilas, homens, peixes, formigas, abelhas, etc. Figura 11 – Exemplo de uma sociedade humana. Observações: Comum no mundo dos insetos, onde a divisão de trabalho leva a formação de castas.

15 Amensalismo Uma espécie inibidora produz secreções (substâncias tóxicas) eliminando a espécie amensal; Classificação: Inter-específica desarmônica; Figura 12 – Fungos e bactérias. Exemplos algas x peixes, fungos x bactérias, etc.; Observações: Esta relação é mais comum entre vegetais, fungos e bactérias.

16 Protocooperação Ao contrário do comensalismo, as duas espécies envolvidas irão tirar alguma forma de proveito da relação. No entanto, nenhuma das duas irá depender dela para sobreviver; Classificação: Inter-específica harmônica; Figura 13 – Antílope com vários pássaros em seu corpo. Eles estão se alimentando dos parasitas presentes no corpo do antílope. Nesta interação, ambos se beneficiam, já que os pássaros obtêm alimento e o antílope se livra dos parasitas. Exemplos algas x peixes, eucalipto x fungos, etc.; Observações: Esta relação é mais comum entre vegetais, fungos e bactérias.

17 Fatores Ecológicos Bióticos Algumas relações têm importância vital para o equilíbrio ecológico (predatismo, competição); Relações como predatismo e parasitismo são utilizadas pelo homem no Controle Biológico de pragas, com vantagens: não polui o ambiente; não causa desequilíbrios ecológicos.

18 Fatores Ecológicos Abióticos Estão representados pelas condições climáticas, edáficas e hídricas que determinam o estado físico do ambiente. TEMPERATURA – LUZ – ÁGUA – NUTRIENTES

19 Temperatura Influi no metabolismo, no apetite, na fotossíntese, no desenvolvimento, na atividade sexual e na fecundidade; Faixa de temperatura mais favorável para a vida 10 a 30 ºC; Preferendo Térmico (PT); Temperaturas fora do PT determinam as migrações e a hibernação.

20 Temperatura SERES ESTENOTÉRMICOS Espécies que sobrevivem entre estreitos limites de temperatura (pequena amplitude térmica). Ex.: lagartixa. SERES EURITÉRMICOS Espécies que resistem a grandes variações de temperatura (gde amplitude térmica). Ex: Lobo, homem. euritérmica estenotérmica Temperatura

21 DE ACORDO COM A TEMPERATURA CORPORAL: HETEROTÉRMICOS Temperatura corporal varia com a temperatura ambiente. Ex: crocodilo, répteis, anfíbios. HOMEOTÉRMICOS Têm temperatura corporal constante. Ex: aves e mamíferos.

22 Temperatura COMPORTAMENTO DOS SERES VIVOS: Migram: Flamingos Cegonha negra Andorinhas Reduzem as suas atividades vitais para valores mínimos, ficando num estado de vida latente: Hibernam – Se ocorrer na estação fria. ex.: ouriço-cacheiro, marmota, répteis. Estivam - Se ocorrer na estação quente. Ex.: crocodilo, caracóis. Abrigam-se durante parte do dia.

23 Temperatura Quantidade de gordura; Tamanho e densidade dos pêlos; Tamanho das orelhas e focinho; Alteração de aspecto nas plantas: Algumas árvores perdem a folhagem na estação desfavorável. Ex.: Freixos e carvalhos. Algumas plantas perdem o caule e até a raíz – sobrevivem sob a forma de sementes. Ex: Papoila, lírios. ADAPTAÇÕES QUE PERMITEM AOS ANIMAIS RESISTIR ÀS CONDIÇÕES DE TEMPERATURA:

24 Temperatura REGIÕES FRIAS Pêlos mais densos e compridos – raposas e urso polar; Grande teor de gordura – pingüins; Extremidades mais curtas (focinho, orelhas). Estas características fazem com que a perda de calor seja mínima, permitindo assim a sobrevivência.

25 Temperatura REGIÕES QUENTES Pêlos menos densos e mais curtos; Menos gordura; Maior superfície corporal em contacto com o exterior. Estas características facilitam a perda de calor para o meio e evitam o sobre-aquecimento.

26 Fonte de energia essencial na produção de alimentos (fotossíntese); Fator vital e fator limitante, tanto em mínima intensidade como em máxima; Influencia nas variações da atividade diária e sazonal de alguns animais; Regula os processos ópticos na pigmentação da pele; Regula os ritmos biológicos diários e anuais, a atividade motora dos animais; Orienta o movimento dos vegetais (heliotropismo); Alguns animais e vegetais produzem luz (bioluminescência). Luz

27 Devido a sazonalidade de sua incidência, existem animais noturnos e diurnos; Existem organismos que suportam grandes variações luminosas (eurifotos) e seres que só conseguem viver numa estreita faixa luminosa (estenofotos); Luz Há aqueles que são fortemente atraídos pela luz (mariposas), enquanto outros fogem da luz (toupeira). Toupeira

28 Entra na composição das células de todo ser vivo; Presente em todos os processos metabólicos; Papel fundamental na temperatura corporal dos homeotermos, na regulação do clima no planeta e na distribuição dos seres vivos na biosfera; Sementes em torno de 3 a 5% de água; Homem em torno de 65% de água; Recém-nascido 90%. Água

29 Hidrófilos ou hidrófitos vegetais que só vivem em locais com muita água (vitória-régia); Xerófilos ou xerófitos vegetais adaptados a locais com pouca água (cactos). Água Vitória-régia Cacto

30 Necessários para o crescimento e reprodução dos seres vivos; Principais nutrientes elementos químicos e sais dissolvidos; Podem limitar o desenvolvimento do meio e juntamente com outras características do solo (pH, textura e umidade), constituem os fatores edáficos. Nutrientes Macronutrientes entra em grande quantidade na composição dos tecidos vivos (carbono, oxigênio, hidrogênio, nitrogênio); Micronutrientes necessário em quantidades relativamente pequenas (manganês, cobre, zinco, magnésio).

31 Seres vivos apresentam faixas de tolerância para cada um dos fatores ecológicos; Quando qualquer fator fica fora dessa faixa limite, tende a limitar a oportunidade de sobrevivência dos organismos (Lei de Liedberg); Fatores Limitantes Fatores limitantes bióticos competição, predatismo e parasitismo. Fatores limitantes abióticos temperatura, água, luz e nutrientes; Através da tecnologia o homem tem ampliado a sua faixa de tolerância, de modo a sobreviver em várias regiões da biosfera e fora dela.

32 Vídeos

33 Vamos exercitar! 1.Indique e classifique as relações abaixo: a.A penicilina, o primeiro antibiótico descoberto pelo homem, é uma substância produzida por um fungo capaz de inibir o crescimento de microorganismos; b.As abelhas, para produzir o mel, utilizam néctar das flores; c.Em uma calçada, a lagartixa fica imóvel por alguns minutos e, subitamente, lança sua língua e captura um inseto; d.O anum é freqüentemente encontrado nas costas do gado bovino, alimentando-se de carrapatos que infestam sua pele; e.As orquídeas em uma floresta utilizam as árvores como suporte, para poderem ficar mais próximas da fonte de luz.


Carregar ppt "Fatores Ecológicos CIÊNCIAS DO AMBIENTE. Fatores Ecológicos Conjunto de fatores biológicos (bióticos) e físicos (abióticos), de um determinado ambiente,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google