A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Alloy & Alloy Analyzer Rohit Gheyi

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Alloy & Alloy Analyzer Rohit Gheyi"— Transcrição da apresentação:

1 Alloy & Alloy Analyzer Rohit Gheyi

2 Roteiro 1.Definição e Características 2.Noções Básicas 3.A linguagem 4.O Alloy Analyzer 5.Exemplo 6.Comparações com UML/OCL 7.Conclusões e Bibliografia

3 1. Definição e Características

4 Objetivo Essa apresentação é sobre como construir e analisar modelos utilizando a linguagem Alloy

5 Porque Alloy? Porque surgiu uma nova linguagem se já existem muitas outras linguagens e abordagens para modelar software?

6 Características Características dos modelos de Alloy Micro modelos Analisável Declarativa Estruturada

7 Micro Modelos Com poucas linhas dá para se analisar implementações que possuem milhares de linhas de código É uma linguagem pequena e simples mas é poderosa e flexível o suficiente para representar sistemas complexos

8 Analisável Existe um analisador que simula modelos e checa suas propriedades A análise tende não só a fazermos modelos mais corretos mas também mais sucintos Não se precisa dar entradas ou casos de teste ao analisador Dá para encontrar bugs mais rapidamente sem muito custo

9 Declarativa Um modelo declarativo descreve um estado de um sistema listando suas propriedades e restrições Não especifica como estados são construídos ou como sua execução leva de um estado para outro (não indica como uma operação deve ser feita) E sim, como o estado novo se relaciona com o estado antigo (reconhece como uma operação ocorreu)

10 Estruturada Sistemas de software possuem pelo menos dois tipos de complexidade devido ao event sequencing devido à estruturação do estado Alloy foi feito para a tratar a complexidade estrutural do estado Existem muitas ferramentas para analisar seqüências de eventos entretanto poucas delas analisam estruturas

11 Mas isso não já existe? Nem todas as características são novas Especificações formais em Z são declarativas e estruturadas Linguagens de checagem de modelos como SMV e Promela são analisáveis

12 Então, porque Alloy? Por muito tempo acreditou-se que um modelo não podia ser declarativo e analisável ao mesmo tempo A novidade de Alloy é a combinação dos quatro itens a modelagem principalmente declarativa e analisável (executável)

13 2. Noções Básicas

14 Estruturas em Alloy As estruturas em Alloy são construídas através de átomos e relações Átomos É uma entidade primária que possui as seguintes características: indivisível, imutável, sem interpretação

15 Relações É uma estrutura que relaciona átomos Em Alloy são: sempre de 1 a ordem sempre finitas são tipadas

16 Conjuntos e escalares Toda expressão é uma relação Não existem conjuntos São representados por relações unárias Não existem escalares São relações unárias Singletons: a {(a)} Faz a semântica da linguagem ficar simples e uniforme Na prática, não precisamos pensar que conjuntos são relações unárias

17 Operações sobre Conjuntos Subconjunto (in) A in B União ( ) A + B Interseção ( ) A & B Diferença (-) A – B Tamanho do Conjunto (#) # A

18 Operadores Relacionais Transposta (~r) É a relação inversa ~pai=filhopai João José João.pai = José José.~pai = João

19 Operadores Relacionais Transitive Closure (^r) É a união da aplicação da relação r, 1 ou mais vezes Exemplo: Ancestrais de jose jose.^pais = jose.pais + jose.pais.pais + jose.pais.pais.pais + …

20 Operadores Relacionais Join ou Composição (s 1,…,s n-1, s n ) (t 1,t 2,…, t m ) Join = (s 1,…, s n-1, t 2,…, t m ), onde s n = t 1 Exemplo: Se S for um conjunto e r uma relação binária: S.r = é a imagem relacional de S em r

21 Exemplos Seja Rohit um escalar, Homem, Mulher e Pessoa conjuntos e pais e filhos duas relações binárias: Rohit.pais Significado: Quais são os pais de Rohit? Rohit.pais.~pais = Rohit.pais.filhos Significado: Quais são os filhos dos pais de Rohit?

22 Operadores Lógicos Conjunção A && B (A and B) Disjunção A || B (A or B) Negação ! A ou not A

23 Quantificadores Seja e é uma expressão: all- todos ( ) all x: e | Fórmula no – nenhum no x: e | Fórmula some – existe ( ) some x: e | Fórmula

24 Exemplos Toda pessoa, exceto Adao e Eva, possui uma mãe all p: Pessoa-Adao-Eva | one p.mae Existe um homem que é ancestral de todo mundo, exceto Adao e Eva some x: Homem | all p: Pessoa-Adao-Eva | x in p.*(pai+mae)

25 Observação Importante Não se pode casar com um irmão no x: Pessoa | x.esposa in x.irmaos E se uma pessoa não tiver casada, este fato é verdadeiro? Estamos tratando com conjuntos => x.esposa = é subconjunto de todo conjunto, inclusive de x.irmaos Como achamos uma pessoa, logo o fato não é verdadeiro

26 Solução no x: Pessoa | some(x.esposa) => x.esposa in x.irmaos Tomar cuidado com o conjunto vazio em Alloy

27 3. A linguagem

28 Estrutura de um Programa 1 pacote (module) 0 ou n imports (open/uses) 0 ou n parágrafos Assinatura (signature) Fato (fact) Asserção (assertion) Função (function) Rodar (run) Checar (check) Avaliar (eval)

29 Assinatura Declara um novo tipo e um novo conjunto A assinatura cria um namespace local Exemplo: sig Pessoa { mae: option Mulher, pai: option Homem } mae é uma relação do tipo: Pessoa Mulher

30 Extensão da Assinatura Não introduz um novo tipo É um subconjunto da classe pai Possui o mesmo tipo da classe pai sig Homem extends Pessoa { esposa : option Mulher } Todos os campos declaradas na classe filha, são também declaradas na classe pai, só que sempre retornam. Fato Implícito: (Pessoa-Homem).esposa =

31 Qualificadores static disj sig Adao, Eva extends Pessoa { } static – indica que o Adao e Eva só possuem 1 átomo (Singleton) disj – indica que os subconjuntos são disjuntos. Ou seja: Adao Eva =

32 Relações sig Pessoa { mae: option Mulher, pai: option Homem } Seja o átomo p do tipo Pessoa. A relação mae pode ser chamado das seguintes formas: (ordem decrescente de precedência) p::mae p.mae mae[p]

33 Fatos Fato é uma fórmula que restringe os valores dos conjuntos e das relações Exemplo: fact {all p:Adao+Eva | no (p.pai+p.mae)} Todas as pessoas p dos conjuntos Adao e Eva não possuem pais

34 Fatos Attached sig Pessoa { mae: option Mulher, pai: option Homem }{ one mae -- significa que toda pessoa tem } -- uma mãe Possui o fato implícito: all this: Pessoa | with this | one mae

35 Funções É uma fórmula parametrizável que será usada em algum momento. fun Pessoa::getFilhos(): set Pessoa{ result = this.~pai+ this.~mae } Retorna os filhos de uma pessoa

36 Imports e Pacotes O pacote é declarado no início do programa com module: module library/Lista sig Lista { fun adicionar() {…} } Imports devem ser colocados depois do pacote Ao importarmos um pacote importamos também seus fatos O import em Alloy pode ser feito de 2 formas:

37 Imports 1.open Não precisa colocar o nome qualificado open library/Lista Ex: adicionar (…) 2.uses Precisa colocar o nome qualificado uses library/Lista Ex: library/Lista/adicionar(…)

38 4. O Alloy Analyzer

39 Alloy Analyzer É uma ferramenta para análise automática de modelos É mais um model finder do que um model checker É mais um refutador do que um provador de teoremas Se ele achar um contra-exemplo ele mostra. Mas se não mostrar não há garantia de que o teorema é válido

40 Asserções Especifica uma fórmula que é supostamente verdadeira (teorema). assert assercaoBiologica { no p: Pessoa | p in p.^(pai+mae) } Ninguém pode ser o seu próprio ancestral

41 Comandos check Checa se uma asserção é valida. O resultado dele é um contra-exemplo, caso exista. run É usado para achar uma especificação válida para uma função.

42 Comandos Exemplos: check A for 3 A asserção (A) é checada para todas as configurações possíveis onde cada tipo básico é restringido a não ter mais do que 3 átomos run func for 3 but 2 S, 5 T Executa a função (func) com no máximo 3 átomos para cada tipo, exceto o tipo S e T que possuirão no máximo 2 e 5 átomos respectivamente

43 Alloy Analyzer Painel de Edição Painel da Solução Painel com a Sintaxe (Fórmulas) Barra de Status

44 Visualizador de Soluções

45 5. Exemplo

46 Exemplo module modelos/Pessoa // Pacote sig Pessoa { mae: option Mulher, pai: option Homem } disj sig Homem, Mulher extends Pessoa {} static disj sig Adao extends Homem{} static disj sig Eva extends Mulher{}

47 Exemplo fun Pessoa::getFilhos(): set Pessoa{ result = this.~pai+ this.~mae } fact P { all p:Adao+Eva | no (p.pai+p.mae) all p: (Pessoa-Adao-Eva) | one p.pai && one p.mae all p: Pessoa | all filhos: p..getFilhos() | filhos ! in (p.^(pai + mae)) }

48 6. Comparações com UML/OCL

49 Relacionamento entre Alloy e UML Alloy é similar a OCL mas possui sintaxe mais convencional possui semântica mais simples possibilita análise automática dos modelos Alloy é uma linguagem totalmente declarativa OCL mistura elementos operacionais e declarativos

50 Relacionamento entre Alloy e UML A utilização do operador ponto (.) em Alloy dá uma interpretação mais uniforme e flexível do que OCL Como os operadores podem ser aplicados a conjuntos e relações, Alloy tende a ser mais sucinto do que OCL Os modelos de OCL são mais difíceis de ler e escrever

51 Relacionamento entre Alloy e UML Alloy lida com relações com qualquer aridade Alloy possui um mecanismo de estruturação que permite o reuso de fragmentos do modelo O modelo em Alloy não só descreve seus objetos e operações mas também as propriedades que necessitem serem checadas

52 Fato Simples Fato: O nome de uma criança ou de um amigo não pode ser dado a nenhum cachorro OCL: Person self.pets -> select (d | d.oclKindOf(Dog)) - > forall(d | not (self.children -> union(self.friends) -> collect(q | q.name)) -> includes(d.name) Alloy: all p: Person | all d: p.pets & Dog | d.name ! in (p.children+p.friends).name

53 7. Conclusões e Bibliografia

54 Conclusões Os pontos fortes dos modelos de Alloy são: Micro modelos Analisável Estruturada Declarativa Alloy possui uma semântica simples e uniforme

55 Bibliografia Artigos, ferramentas, exemplos: Daniel Jackson – criador do Alloy MIT LCS Software Design Group


Carregar ppt "Alloy & Alloy Analyzer Rohit Gheyi"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google