A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sistemas Especialistas

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sistemas Especialistas"— Transcrição da apresentação:

1 Sistemas Especialistas
Introdução aos Sistemas Especialistas (SEs) Conceitos básicos e exemplo de SE Arquitetura e desenvolvimento de SEs Aquisição de Conhecimento Classes de tarefas e áreas de aplicação Benefícios e Limitações

2 Histórico: GPS (1960s) General Problem Solver (GPS) Motivação:
leis do pensamento + máquinas poderosas Funcionamento:  planejamento + sub-goaling ex. estou com fome => comer => pedir pizza => telefonar => ir para a sala => sair do quarto... O Logic theorist deu certo mas.... em geral, GPS não funciona fraca representação de conhecimento humanos são bons só em domínios restritos

3 Histórico: Primeiros SEs (1960s-1970s)
DENDRAL Inferir estrutura molecular de componentes desconhecidos dadas a massa espectral e a resposta nuclear magnética Conhecimento especializado poda a busca por possíveis estruturas moleculares Fez sucesso: publicações científicas Representação procedimental de conhecimento

4 Histórico: Primeiros SEs (1960s-1970s)
MYCIN Diagnosticar rapidamente meningite e outras infecções bacterianas, e prescrever tratamento Representação de conhecimento baseada em regras probabilísticas (em torno de 500) Fez sucesso: acima de 90% de acerto introduziu explicação e boa interface com usuário Exemplo de regra if the infection is meningitis and the type of infection is bacterial and the patient has undergone surgery and the patient has under gone neurosurgery and the neurosurgery-time was < 2 months ago and the patient got a ventricular-urethral-shunt then infection = e.coli(.8) or klebsiella(.75)

5 Histórico: 1970s & 1980s 1970s: Esforço para desenvolver melhores (e mais especializadas) Linguagens de representação de conhecimento Mecanismos de inferência Conclusões O poder de um sistema é derivado do conhecimento específico que ele possui, e não de esquemas de inferências e formalismo particular que ele emprega As linguagens existentes já bastam 1980s: Grande boom dos SEs XCON, XSEL, CATS-1, etc.

6 CATS-1 Problema da General Electric: Solução convencional
Aposentadoria de David Smith: engenheiro especialista em falhas de motores elétrico-diesel de locomotivas Custo deste tipo de engenheiro Solução convencional Treinamento de engenheiros novatos 1980: Construção de CATS-1 (DELTA) Meses de entrevista, 3 anos p/ primeiro protótipo Permite diagnostico em poucos minutos Existe um em cada oficina Dá treinamento: é amigável e explica decisões

7 Sistemas Especialistas
Definição sistemas que empregam o conhecimento humano para resolver problemas que requererem a presença de um especialista. Área de aplicação de mais sucesso da IA faz parte dos chamados knowledge-based systems Utilidade capacitar não-especialistas servir de assistente a especialistas servir de repositório de conhecimento “valioso” para a empresa etc.

8 Conceitos Básicos Expertise Especialista Engenheiro de conhecimento
conhecimento especializado adquirido por longo treinamento, leitura e experiência Especialista Quem possui o conhecimento, experiência, métodos e a habilidade de aplicá-los para dar conselhos e resolver problemas. Engenheiro de conhecimento Guia a aquisição, representação do conhecimento especializado, bem como a implementação e refinamento do SE.

9 Personagens de um SE Equipe de Construtor de Suporte Ferramentas
Engenheiro de Conhecimento Ferramentas, Linguagens Sistema Especialista Construtor de Ferramentas Construtor do sistema Equipe de Suporte Usuário Final Vendedor Documentado Adquire Testa Constrói Conecta Coopera Fornece Usa

10 Como S.E. é desenvolvido 1) Construção da base de conhecimento
Aquisição de conhecimento!!! Representação de conhecimento (formalização) 2) Implementação Codificação Construção do sistema de explicação, interface, etc. 3) Refinamento e validação Metodologia RUDE

11 Aquisição de Conhecimento
Aquisição/Explicitação de conhecimento acumulação, transferência e transformação de alguma fonte de conhecimento para um computador (base de conhecimento). Espécie de engenharia de requisitos mais complexa Pode originar-se de várias fontes: especialistas, livros e documentos, filmes, etc. Principais fases da aquisição identificar características do problema isolar os conceitos principais e suas relações (ontologia) identificar inferências sobre estes conceitos

12 Gargalo na construção de SEs
Dificuldade de introspecção o especialista quase nunca está ciente de como usa o conhecimento Algumas soluções são intuitivas ou “compiladas”. o especialista tem dificuldade de verbalizar sob pressão Uso de vocabulário próprio (jargão) O conhecimento expresso pode ser irrelevante quantidades enormes de informações supérfluas são coletadas, para em seguida serem organizadas. desafio: evitar informação irrelevante sem bloquear a descoberta de conceitos adicionais.

13 Gargalo na construção de Ses
O conhecimento expresso pode ser incompleto o especialista pode não lembrar o conhecimento aprofundado para resolver um problema especialista pular pontos importantes O conhecimento expresso pode ser incorreto ou inconsistente Afinal quem garante a qualidade da solução, já que ela é “coisa de especialista”? a racionalidade que se deseja modelar é limitada (H. Simon)!

14 Como minimizar o gargalo da aquisição?
Métodos de aquisição: automatização Sistemas especialistas de segunda geração

15 Métodos de aquisição 3 categorias: Manual, Semi-automático e Automático Manual Entrevistas (estruturadas ou não estruturadas) Tracking methods (análise de protocolos e observação) especialista Base de conhecimento Engenheiro de documentação codificação explicitação

16 Ferramentas interativas Engenheiro de conhecimento
Métodos de aquisição Semi-automáticos ajuda ao especialista (grid repertory analysis) ajuda ao engenheiro de conhecimento (editores, documentadores, etc.) Automático: machine learning especialista Ferramentas interativas de entrevista Base de conhecimento Engenheiro de conhecimento Casos e exemplos Indução automática Regras

17 Sistemas Especialistas de Segunda Geração
Abandonaram a hipótese da transferência de conhecimento o especialista valida o modelo computacional proposto Aquisição guiada por modelos: reuso de ontologias e estruturas de inferência 1) Decomposição de tarefas 2) Caracterização das (sub)tarefas 3) Busca de um modelo em uma biblioteca (ex. KADS - modelo = ontologia do domínio + estrutura de inferência 4) entrevista estruturada

18 (1) Decomposição de tarefas
Exemplo: Falhas em equipamentos de áudio Audio troubleshooting diagnose act recofigure remedy

19 (2) Caracterização da tarefa
Interpretação Inferindo descrições das situações por observações Predição Inferindo prováveis conseqüência de dadas situações Diagnóstico Inferência de defeito do sistema por observações Projeto Configurando objetos sob restrição Planejamento Desenvolvimento de plano(s) para realização de objetivo(s), meta(s) Monitoração Comparando observações para planos, detectando exceções Categoria Problemas Abordados

20 (2) Caracterização da tarefa
Categoria Problemas Abordados Prescrição Recomendando soluções para mal funcionamento do sistema Instrução Diagnosticando, corrigindo erros e desempenho do estudante Controle Interpretação, predição, reparo e monitoração comportamento do sistema

21 (3) Hierarquização das categorias de tarefas (biblioteca KADS)
system’s structure given (analysis) constructed (synthesis) modified (transformation) solution type solution type states (predict) category (identification) sequence of steps (planning) structure (design) category type discrepancy (monitoring) decision class (assessment) faulty category (diagnosis) model type fault model (heuristic classification or cover & differentiate) correct model (systematic diagnosis)

22 Modelo: Ontologia do domínio de áudio
audio system amplifier tape deck speaker system ... left right part-of is-a component audio system tape deck speaker ... components’ properties deck: function (stop, play, rew, ff, pause) deck: power (on,off) amplifier: power (on,off) amplifier: input-signal (deck, turner, CD, VCR, Aux) ... Properties tests deck-power-switch (preessed, not pressed) input-selector (deck, turner, ...)

23 Modelo: Ontologia do domínio de áudio
causes (relation) deck: power = on and deck: function = play and cable-connection: deck amplifier = present CAUSES amplifier: input-signal = deck amplifier: input-signal = deck and amplifier: input-selector = deck CAUSES amplifier: output-signal = deck indicates deck-power-switch = pressed INDICATES deck-power = on input-selector = X INDICATES amplifier: input-signal = X

24 Modelo: Estrutura de inferência (raciocínio)
Complaint Select system model Decompose hypothesis observable Specify Select finding Compare norm difference Fonte de conhecimento Meta-classe entrevistas

25 Uma vez concluída uma versão preliminar de aquisição
Uma vez concluída uma versão preliminar de aquisição... é só formalizar e implementar!

26 Arquitetura de Sistemas Especialistas Baseados em Regras
Máquina de Inferência Usuário Dados do problema Base de conhecimento Explicação do raciocínio Respostas Engenheiro de Especialista Ferramentas de aquisição Memória de trabalho

27 Base de Conhecimento Clássica
Contém conhecimento, escrito em uma linguagem de representação, necessário para a formulação e solução do problema Trocando em miúdos... contém conhecimento ontológico (regras, redes semânticas, ... ) ex. o homem é um animal Regras (estrutura de inferência) ex. Todo animal tem uma mãe Fatos ex. existem muitos meninos abandonados Heurísticas (para resolução de conflitos) ex. prefira a regra disparada mais recentemente

28 Memória de Trabalho e Motor de inferência
Memória de Trabalho: é volátil e registra... descrição do problema em particular hipóteses e decisões intermediárias, sub-objetivos, etc. ações potenciais esperando por execução (agenda) hipóteses e alternativas que o sistema já tenha produzido Máquina de Inferência: 3 elementos principais... Interpretador (unificação, casamento e execução) Controlador da agenda (ordena segundo estratégias) Verificador de consistência (TMS)

29 Sub-sistema de explicação
Objetivo: Explicar o comportamento do SE através de questões como: Porque uma certa pergunta foi feita pelo SE ? Como a conclusão foi alcançada? Porque alguma alternativa foi rejeitada? Qual é o plano para alcançar a solução? Exemplo: Porque é preciso saber o preço? Resposta: REGRA #5 SE preço = importante E pagamento = prestação ENTÃO pagamento mensal é determinado

30 Ferramentas para construção de SEs
3 opções Shell (OPS, ExpertSinta, KAS, ...) : é o mais utilizado Linguagens de programação para IA (Prolog) Linguagens de programação gerais (OOP) Linguagens híbridas (componentes de IA): regras + objetos (CLIPS, JESS, NeOpus, JEOPS, etc.) Critérios de escolha Facilidade de uso Flexibilidade Interface com sistema Desempenho Portabilidade

31 Plataformas e Ferramentas

32 Classes de tarefas

33 Áreas de Aplicação

34 Áreas de Aplicação: evolução

35 Evolução do mercado de SEs

36 Evolução do mercado de SEs

37 Balanço

38 Benefícios do S.E. Criação de repositório de conhecimento
Crescimento de produtividade e qualidade Habilidade de resolver problemas complexos Flexibilidade e modularidade Operação em ambientes arriscados Credibilidade Habilidade de trabalhar com informações incompletas ou incertas Fornecimento de treinamento

39 Problemas e Limitações
Avaliação de desempenho difícil É difícil extrair conhecimento especialista Só trabalham muito bem em domínios estreitos Engenheiros de Conhecimento são raros e caros Transferência de conhecimento está sujeito a um grande número de preconceitos

40 Últimos desenvolvimentos
Aquisição de conhecimento: SEs de 2ª geração & aprendizagem Ferramentas de desenvolvimento + OOP Integração com outros sistemas ex. banco de dados e sistemas de suporte à decisão Tratamento de incerteza


Carregar ppt "Sistemas Especialistas"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google