A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Internet 2 na UNIFACS Prof. José Augusto Suruagy Monteiro Mestrado Profissional em Redes de Computadores www.nuperc.unifacs.br/suruagy.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Internet 2 na UNIFACS Prof. José Augusto Suruagy Monteiro Mestrado Profissional em Redes de Computadores www.nuperc.unifacs.br/suruagy."— Transcrição da apresentação:

1 1 Internet 2 na UNIFACS Prof. José Augusto Suruagy Monteiro Mestrado Profissional em Redes de Computadores

2 2 Roteiro A Internet2 A RNP2 Projetos de Redes Avançadas GTs da RNP2 A UNIFACS na RNP2: oProjeto InfraVIDA oProjeto IQoM oGT-QoS oProjeto FAPESB

3 3 O Projeto Internet 2 Criado em 10/1996 por 34 Universidades, conta hoje com 200. Envolve também: o64 empresas o37 institutos de pesquisa (incluindo 9 laboratórios governamentais) oMais de 30 parceiros internacionais oParceiros de agências federais oConta com cerca de 25 funcionários

4 4 Objetivos da Internet 2 Demonstrar novas aplicações que tenham um grande impacto no modo dos pesquisadores colaborarem e conduzirem seus experimentos. Demonstrar aplicações da proximidade virtual (educação, saúde, ambiente, etc.) Prover ferramentas e plataforma de desenvolvimento para aplicações avançadas.

5 5 Objetivos da Internet2 Facilitar o desenvolvimento e operação de infra- estrutura que garanta QoS diferenciadas para as aplicações Promover experiências com a próxima geração de tecnologias de comunicação Coordenar a adoção de padrões para garantir QoS fim a fim e interoperabilidade

6 6 Objetivos da Internet 2 Catalizar parcerias entre governo e setor privado Encorajar a transferência de tecnologia da Internet 2 para o resto da Internet. Estudar o impacto desta nova infra-estrutura, serviços e aplicações na educação superior e na comunidade Internet em geral.

7 7 Aplicações da Internet2 Quais são as aplicações características da Internet2? Elas melhoram qualitativa e quantitativamente a forma como conduzimos pesquisa e nos envolvemos com ensino e aprendizado Elas requerem redes avançadas para funcionar

8 8 Exemplos de Aplicações Colaboração de pesquisa e Instrução interativas baseadas em redes. Simulação e Modelagem baseada em sensores, em tempo real. Computação paralela (em múltiplos sites) e processamento de banco de dados em larga escala. Teleimersão - realidade virtual compartilhada

9 9 Aplicações Avançadas Computação Distribuída Laboratórios Virtuais Bibliotecas Digitais Aprendizado Distribuído Vídeo Digital Teleimersão Combinação de todas acima

10 10 Atributos das Aplicações Colaboração interativa Acesso em tempo real a recursos remotos

11 11 Atributos, cont. Computação distribuída e mineração de dados de larga escala Realidade virtual compartilhada Qualquer combinação das aplicações acima

12 12

13 13 Roteiro A Internet2 A RNP2 Projetos de Redes Avançadas GTs da RNP2 A UNIFACS na RNP2: oProjeto InfraVIDA oProjeto IQoM oGT-QoS oProjeto FAPESB

14 14 REMAVs REMA

15 15 REMA Parceiros: UFBA, Governo do Estado, CONDER, PMS, TELEMAR, UCSal

16 Backbone da RNP2

17 17 Roteiro A Internet2 A RNP2 Projetos de Redes Avançadas GTs da RNP2 A UNIFACS na RNP2: oProjeto InfraVIDA oProjeto IQoM oGT-QoS oProjeto FAPESB

18 18

19 19

20 20

21 21 Projeto ED-ReMAV Curitiba Projetos em andamento: oA Ferramenta ED Auxiliar a comunicação aluno-professor via web oLaboratório de Telemedição oGarantia de QoS em TCP/IP Oferecer garantia de qualidade aos serviços disponibilizados pelo ED oTourGuide Quadro-branco compartilhado oUma Ferramenta Distribuída para Cálculo de Conectividade de Redes de Topologia Arbitrária

22 22

23 23

24 24 Descrição O projeto busca construir ambiente de suporte a colaboração usando multimídia interativa contemplando: oVideoconferência e compartilhamento de dados oVideo sob demanda com adaptabilidade e possibilidade de acesso a conteúdo indexado oJogos interativos oGerenciamento da rede com vistas a assegurar Qos para estas aplicações críticas

25 25

26 26 Atividades 1 ALM - UNISINOS - Valter Roesler 2 VoD - UNISINOS -Valter Roesler 3 Trace - UNISINOS - Luciano Gaspary 4 AVI - Ambientes Virtuais Interativos - UNISINOS - Antonio Marinho Barcelos 5 PRMP - UNISINOS Marinho Pilla Barcellos 6 TEAVM - CRT - Juarez Sagebin Correa e Daniel Fink 7 ACCC - CRT - Juarez Sagebin Correa e Daniel Fink

27 27 Atividades 8 Adaptação de Qualidade de Voz Fim a Fim - Ricardo Balbinot - PUC/RS 9 Gerência de Qualidade com SLA - Marcelo Azambuja - PUC/RS 10 Ferramentas para educação a distância - Ricardo Balbinot - PUC/RS 11 Vídeo sob demanda - Ricardo Balbinot - PUC/RS

28 28 Atividades 12 Videoconnferência/videomonitoramento - Ricardo Balbinot - PUC/RS 13 QAME - Lisandro Granville /João Netto - UFRGS 14 Middleware - Lisandro UFRGS 15 PTAVI - Juergen Rochol - UFRGS 16 Colaboração - Liane Tarouco- UFRGS 17 IPv6 - Fabricio - UFRGS

29 29

30 30 Projeto QoSWare Título do projeto: QoSWare - Gerenciamento de QoS no Middleware para Aplicações em Tempo Real OBJETIVO: Avaliar o comportamento de aplicações avançadas com suporte de Qualidade de Serviço (QoS) utilizando Serviços Diferenciados na Internet2 brasileira. oO projeto propõe a elaboração de aplicações "testbed" em tempo real baseadas no gerenciamento de QoS num "middleware". Nosso conceito para o middleware QoSWare: oO middleware QoSWare consiste de serviços e/ou recursos localizados entre a aplicação e a infra-estrutura de rede que provêem mecanismos para a gerência e oferta de QoS para as aplicações de tempo real

31 31 Jogos de ação em rede Características oRequisitos rígidos de QoS (atraso e perda) oTráfego baixo (informações de controle) oSincronização entre usuários (estado do jogo) Atraso oSincronismo oPerda de pacotes oColisão oSons Largura de Banda oCarga na rede oCarga nas máquinas Arquiteturas oCentralizada oDistribuída (com ou sem servidor)

32 32 Jogos de ação em redes Utilização de jogo comercial oOBJETIVOS: Levantamento dos requisitos do middleware Familiarização com o ambiente de teste oTempo Real oSistema operacional: Linux ou Windows oJogo multiusuário com a perspectiva de primeira pessoa Utilização de um jogo de ação em redes desenvolvido no CIn/UFPE oOBJETIVOS: Avaliação do middleware Servir como trabalho de graduação para um aluno do CIn/UFPE oTempo Real oSistema operacional: Linux ou Windows oJogo multiusuário

33 33

34 34

35 35

36 36

37 37

38 38

39 39

40 40 Outros Projetos Projeto MAPPED (UFRJ, UFF, UFMG e CEDERJ): Desenvolvimento e incorporação de novas técnicas de adaptação fim-a-fim para dar maior eficiência e flexibilidade às aplicações multimídia aplicada ao ensino à distância. Projeto IQoM (UNIFACS, UFPR, UFSC, UFRGS e CPqD). Projeto InfraVIDA (UFPE, UFRN, UFBA, UNIFACS e Real Hospital Português.

41 41 Roteiro A Internet2 A RNP2 Projetos de Redes Avançadas GTs da RNP2 A UNIFACS na RNP2: oProjeto InfraVIDA oProjeto IQoM oGT-QoS oProjeto FAPESB

42 42 GTs da RNP2 Engenharia de Redes: oGT de Qualidade de Serviço; Middleware: oGT de Diretórios; Aplicações de Redes: oGT de Voz sobre IP, oGT de Vídeo Digital, oGT de Aplicações Educacionais em Rede.

43 43

44 44 GT de Vídeo Digital Iniciativas oPortal de Vídeo Digital oRede de Vídeo Digital oProjeto Piloto em VoD

45 45

46 46 Migração para Telefonia IP Padrões Relacionados SIP e H.323 Separação entre rede telefônica e rede de dados (Internet) Transportando tráfego de voz nas redes de dados Gatekeeper H.323 ou Servidor SIP

47 47 Objetivos do GT-VOIP Piloto VOIP oTelefonia IP sobre o backbone da RNP oExercício de QoS como objetivo complementar Interação e participação em experimentos VOIP na Internet2 P&D: ações visando suporte a ambiente heterogêneo de telefonia

48 48

49 49 Aplicações educacionais em rede Learningware oAmbientes de suporte à educação apoiada em tecnologia de informação e comunicação oColaboração interativa videoconferência compartilhamento de dados compartilhamento de aplicações

50 50 Videoconferência Dificuldades para implantar uma infra-estrutura oConviver com problemas operacionais ambientais falta de QoS

51 51 Coordenador local de apoio a videoconferência Uma especificação de conhecimentos necessário para a pessoa que assumir a função de coordenador local de apoio à videoconferência foi especificado pelo grupo Internet Commons Processo de certificação

52 52 GT Diretórios coordenação: Noemi Rodriguez PUC-Rio

53 53 Motivação unificação de gerência de informações serviço de catálogo diretório de pessoas ou usuários ouso mais explorado oiniciativas como directory of directories (DoDHE) outros usos crescendo oinformações sobre equipamentos e redes oinformações sobre informações

54 54 Diretórios - situação atual pouco uso no Brasil questões envolvidas em utilização mais ampla olevantamento de aplicações usuárias potenciais odefinição de schemas para integração intra e inter institucional odesenho de topologia adequada replicação? otratamento de questões de segurança oescolha de software servidor acesso oprojeto piloto otestes de escalabilidade e desempenho o...

55 55 Questões envolvidas muitas dessas questões são mais políticas e administrativas do que técnicas oo que disponibilizar? opara quem disponibilizar? envolvimento da comunidade ainda é bem pequeno o um dos objetivos do GT é justamente mudar esse quadro! otratamento de questões técnicas como disponibilizar informação? servidores APIs odesenvolvimento de piloto com aplicação exemplo

56 56 Atualmente: estudo do serviço uso de servidor openldap oservidor disponível para ambientes linux e windows oOpenLDAP Foundation (www.openldap.org) open source ogeração de documentação instalação configuração do servidor estudo de mecanismos de segurança e distribuição uso de APIs C e Java oproblema de amarração com linguagem de programação

57 57 Roteiro A Internet2 A RNP2 Projetos de Redes Avançadas GTs da RNP2 A UNIFACS na RNP2: oProjeto InfraVIDA oProjeto IQoM oGT-QoS oProjeto FAPESB

58 58 A UNIFACS na RNP2 GbE em fibra Multimodo GbE em fibra Monomodo POP-RNP2 UFBA Fast Ethernet em fibra Monomodo

59 59

60 60 Objetivos Construção de uma infra-estrutura de vídeo digital com QoS Suporte à colaboração médica no telediagnóstico de pacientes e... à formação continuada de profissionais da saúde através da educação a distância

61 61 Dados Gerais Período: Parceiros: oUFPE oUFRN oUFBA oUNIFACS oRHP Apoio: CNPq/ProTeM/RNP oChamada CNPq 10/ ProTeM/RNP 02/2001 Hospital das Clínicas

62 62 Construção do Projeto Geo, Telemed, EAD,... Foco TelemedEAD Vídeo Middleware (Integração) QoS Tese(s) de doutorado Dissertações Colaborações com GTs

63 63 Pesquisa e Desenvolvimento Grandes áreas envolvidas oRedes oSistemas distribuídos/middleware oBancos de dados/multimídia oEngenharia de software Aplicações oTelemedicina oEducação a distância

64 64 Repercussão do Projeto: Destaques Viabilização da qualidade de serviço e conseqüente expansão dos serviços de telemedicina para clientes em redes de alta velocidade e redes corporativas de acesso Viabilização da utilização do backbone RNP2 para diversas outras aplicações multimídia colaborativas com perfil de tráfego equivalente ao deste projeto Qualificação tecnológica dos profissionais de saúde envolvidos no projeto Estabelecimento de referências em telemedicina no país, permitindo aplicações em larga escala

65 65 RNP2 Visão Geral Aplicações de Telemedicina (ênfase: telediagnóstico, segunda opinião) Infraestrutura de Vídeo Digital (com QoS) REMAV Salvador REMAV Salvador REMAV Recife REMAV Recife REMAV Natal REMAV Natal Rede de telediagnóstico e segunda opinião médica

66 66 Grupos de Atividades Desenvolvimento de Aplicações: UFPE e UFBA Vídeo: UFRN QoS: UNIFACS (Universidade de Salvador) Integração: UFPE Experimentos de telemedicina e educação médica continuada: Unidade de Cardiologia Materno-Fetal (UCMF) e Ciclo do Coração do Real Hospital Português (RHP, Recife), Faculdade de Medicina (FAMED) da UFBA e Hospital das Clínicas da UFPE, UFRN

67 67 Sistemas Telediagnóstico Segunda opinião médica Vídeo sob demanda Vídeo-conferência Anotação Aprendizagem Colaboração Segurança QoS

68 68

69 69 Projeto IQoM Motivação: GT de QoS da RNP Instituições Participantes: oUNIFACS / Universidade Salvador oUFRGS / Instituto de Informática oUFSC / Centro Tecnológico oUFPR / Departamento de Informática oFundação CPqD oUCL / University College London

70 70 Objetivos Implantação de uma Infra-estrutura de medições Implantação de uma arquitetura de Serviços Diferenciados

71 71 Atividades Previstas Definição de Métricas de Desempenho e Técnicas de Medição Implantação de uma Infra-estrutura de Medições Implantação de Serviços Diferenciados (DiffServ)

72 72 Métricas de Desempenho e Técnicas de Medição Investigação sobre métricas e técnicas de medição conhecidas Definição das métricas de interesse Avaliação das técnicas e plataformas de medição conhecidas para as métricas definidas Proposição de novas métricas Proposição de novas técnicas de medição

73 73 Infra-estrutura de Medições Levantamento das Plataformas de Medições Existentes Definição das Plataformas de Medição a serem utilizadas no projeto Implantação de um piloto de medições ativas Implantação de um piloto de medições passivas Implementação de procedimentos seguros para condensação e disponibilização das medidas Utilização e/ou desenvolvimento de ferramentas de análise Ambiente de Monitoração de QoS (QAME)

74 74 Implantação de Serviços Diferenciados (DiffServ) Definição das classes de tráfego e proposta de mapeamento das aplicações típicas Definição e implementação de uma arquitetura de serviços para a rede METROPOA Planejamento e implantação de ambiente Diffserv no âmbito da RMAV-FLN e RCT-SC Definição e implantação de um ambiente Diffserv na UNIFACS Integração dos ambientes locais através da RNP2 e internacional com a UCL

75 75 Ambiente Diffserv na UNIFACS (1) Etapas: oImplantação de infra-estrutura de roteadores (PC Linux-based) e plataforma de coleta de dados (em fase de levantamento e implementação) oImplantação do serviço DiffServ em roteadores com código aberto (operacional) oProposta de configuração (Ad Hoc) para Agregação de Serviços Multimídia (em geral) e Aplicações de Telemedicina e VoIP (integrado com projeto Infra- Vida/ CNPq - vídeo) em particular

76 76 Ambiente Diffserv na UNIFACS (2) oMonitoração de comportamento de tráfego para a configuração proposta: Definição de cenários de teste Medições e comparação com simulação (NS/ VoIP) Adaptação de configuração para diferentes topologias de rede (Ad Hoc e/ou metodologia) oAvaliação dos limites operacionais para a configuração e topologias investigadas oElaboração de procedimentos operacionais (implantação e testes) para operação em piloto RNP

77 77 Benefícios do Projeto (1/2) Domínio da tecnologia conhecida para medições em redes Desenvolvimento de ferramentas e possivelmente de técnicas para medições Implantação de infra-estrutura piloto de medições na RNP2 Elaboração de procedimentos sugeridos de medição para a RNP2 e backbones similares

78 78 Benefícios do Projeto (2/2) Implantação de testbeds locais para serviços diferenciados (dentro de mesmos domínios) Integração dos testbeds entre diversos domínios, e análise do comportamento dos tráfegos de serviços diferenciados

79 79

80 80 Objetivos Definição/detalhamento de uma Arquitetura de Serviços com Diferenciação de QoS para a RNP2 Implementação de uma Infra-estrutura de Medições com a finalidade de monitorar a QoS que está sendo oferecida para as diversas classes de serviços

81 81 Qualidade de Serviço Recomendação E.800: Efeito coletivo do desempenho do serviço e que determina o grau de satisfação do usuário deste serviço. Novidade das redes integradas e mais recentemente da Internet: oferecimento de serviços que atendam os diferentes requisitos de QoS das aplicações. Quantitativamente, a QoS para uma dada aplicação pode ser expressa através de um conjunto de parâmetros mensuráveis tais como retardo máximo, variação máxima do retardo, percentual máximo de perdas, etc.

82 82 Arquiteturas de Serviços Melhor Esforço (Best Effort) Serviços Integrados (IntServ) Serviços Diferenciados (DiffServ)

83 83 Alternativas de Serviços Nobres (Elevated) oPremium (QPS e SEQUIN) oOlympic Best Effort Plebeus (Non-Elevated) oScavenger (QBSS) oAlternative Best Effort (ABE) oBest-Effort Differentiated Service (BEDS)

84 84 Propostas de Projetos Piloto Levantamento da Demanda por QoS: oProjetos de redes avançadas oQuestionário. Definição de uma arquitetura de QoS para a RNP oQuais serviços atendem melhor a demanda por QoS (Premium, Scavenger, etc.)? oDimensionamento do serviço Retomada dos testes no backbone da RNP com Serviços Diferenciados. Pilotos com os Serviços escolhidos Medições específicas para avaliar o benefício e o impacto da implementação destes serviços

85 85 Infra-Estrutura de Medições Necessidade de monitorar o tráfego para checar se os objetivos de QoS estão sendo atendidos. Falta de um diagnóstico rico e preciso sobre informações específicas do tráfego e sua tendência. Necessidade de visualização permanente das características do tráfego. Necessidade de visualização dos fluxos de tráfegos entre os diversos POPs da rede.

86 86 Objetivos Avaliar os recursos oferecidos pelas ferramentas existentes no mercado, levando em consideração o tipos de medição e as métricas de desempenho. Desenvolver um ambiente de coleta, acompanhamento e apresentação de resultados sobre as características da rede. Obter um ambiente que permita uma análise mais precisa da rede para definir a prioridade dos serviços. Responder às seguintes questões: o Qual é a composição do tráfego? o O que priorizar? o Quais são as origens e destinos do tráfego?

87 87 Métricas de Interesse Largura de banda Atraso Jitter Perda de pacotes Utilização Caracterização do tráfego

88 88 Tipos de Medições Ativas – São gerados pacotes de teste e monitorado o desempenho para os mesmos através da rede. o Problemas: falta de sincronização dos relógios e tráfego extra na rede. o Ideais para medições de Jitter, atraso, perda e latência. Passivas – são coletadas informações sobre todos os pacotes que trafegam na rede sem fazer nenhuma interferência. o Requer maior investimento na infra-estrutura de equipamentos. o Ideais para medições de caracterização de tráfego, utilização.

89 89 Experiência da RNP As estatísticas atuais são baseadas no MRTG

90 90 Propostas de Projetos Piloto Num primeiro momento, os esforços serão direcionados para a caracterização do tráfego. Determinar: o Quanto do tráfego está sendo destinado para cada serviço; o A origem e destino de um tráfego; o Maior diagnóstico da rede.

91 91 Propostas de Projetos Piloto Utilização do Netflow/NetraMet/Flow-tools Experimentos iniciais no PoP-BA (UFBa) e UNIFACS Exemplos de resultados: o

92 92 Projeto FAPESB Parceria: UNIFACS e UFBa Testbed Gigabit Ethernet Aplicações alvo: oTelemedicina oGeoprocessamento.


Carregar ppt "1 Internet 2 na UNIFACS Prof. José Augusto Suruagy Monteiro Mestrado Profissional em Redes de Computadores www.nuperc.unifacs.br/suruagy."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google