A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CRESCIMENTO ECONÔMICO E INFLAÇÃO PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO UFRGS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CRESCIMENTO ECONÔMICO E INFLAÇÃO PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO UFRGS."— Transcrição da apresentação:

1 CRESCIMENTO ECONÔMICO E INFLAÇÃO PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO UFRGS

2 2 Por que a inflação afeta o crescimento econômico (taxa e nível)? 1) a inflação afeta tanto a oferta como a demanda agregada, tornando mais difícil para as famílias e firmas tomar as decisões corretas em resposta aos sinais de mercado. Quando todos os preços estão crescendo, os agentes econômicos podem achar difícil distinguir entre mudanças nos preços relativos e mudanças no nível geral de preços. Esta dificuldade pode interferir com a operação eficiente do sistema de preços e, portanto, reduzir o crescimento econômico.

3 3 Por que a inflação afeta o crescimento econômico (taxa e nível)? (ii) a inflação pode impor vários custos para a economia, tais como os custos de menu, referentes as mudanças de preços e salários freqüentemente. Numa economia inflacionária, as pessoas talentosas podem devotar seu tempo para mitigar os efeitos da inflação ao invés de desenvolver produtos e processos que iriam aumentar o nível de produto e/ou investimento.

4 4 Por que a inflação afeta o crescimento econômico (taxa e nível)? (iii) a inflação pode afetar as taxas de poupança e investimento, reduzindo a proporção do PIB devotada ao investimento, e provocando que a economia acumule menos capital físico e humano.

5 5 Inflação e Crescimento Econômico O modelo de Gylfason (1999, cap. 4.2)

6 6 Introdução O objetivo do artigo é mostrar como a eliminação das distorções causadas pela inflação aumentam tanto o nível como a taxa de crescimento do produto ao longo do tempo. Gylfason (1998) mostra: (i) como a estabilização aumenta o produto agregado no pleno emprego no longo prazo; (ii) quais são os ganhos potenciais da estabilização econômica.

7 7 Introdução A principal mensagem do artigo é que uma política econômica responsável pode reduzir a taxa de inflação, e ela têm um importante papel na realocação dos recursos e na reorganização da produção que são necessárias para criar um clima favorável ao desenvolvimento do produto e do emprego. Em particular, uma estabilização macroeconômica não somente ajuda a elevar o nível de produto, mas também a sua taxa de crescimento ao longo do tempo. Ela é crucial.

8 8 Pressupostos do Modelo (i) suponha uma economia onde são usados dois tipos diferentes de capital na produção: o capital real (K) e o capital financeiro (M), isto é, moeda (em termos reais); vamos abstrair outros fatores de produção ou mante-los constantes. Assim, temos que o produto (Y) é produzido por (K) e (M): ½ Y = (KM)(1)

9 9 Pressupostos do Modelo Aqui consideramos uma economia onde os dois tipo de capital, o real e o financeiro, são medidos a preços constantes e usados como insumos no processo produtivo. O capital financeiro é incluído na função de produção porque ele permite as firmas economizar no uso de outros insumo. [cf. Fischer (1974)]

10 10 Pressupostos (ii) A equação de uma isoquanta correspondente a função de produção (1) é dada por: 2 2 K = Y / M (2) A isoquanta mostra como uma dada quantidade de produto Y pode ser produzido com diferentes combinações de capital real e financeiro.

11 11 Pressupostos (iii) para um dado produto, a substituição entre K e M pode ser aproximada por uma expansão de Taylor de 2 ordem: K = - (Y /M ) M – (1/2) (-2) (Y / M ) ( M) K = - (Y /M ) M – (1/2) (-2) (Y / M ) ( M) K = (Y / M ) M + (Y / M ) ( M) (3) K = (Y / M ) M + (Y / M ) ( M) (3)

12 12 Pressupostos Linearizando a função de produção (1): ½ ½ ½ ½ Y = (1/2) (M/K) K + (1/2) (K/M) M (4) Y = (1/2) (M/K) K + (1/2) (K/M) M (4)

13 13 Pressupostos Substituindo a equação (3) na equação (4), nós obtemos: 2 Y/Y = (1/2) ( M/M) Y/Y = (1/2) ( M/M) Taxa de crescimento do produto Taxa de crescimento do estoque de moeda

14 14 A estabilização aumenta a eficiência econômica A idéia aqui é que a inflação pune o produtor por manter moeda porque seu valor se reduz a medida em que o preço aumenta, enquanto que o valor de um bem físico e outros capitais reais estão basicamente imunes a inflação. Portanto, a inflação tende a distorcer o uso de insumos pelo produtor. Ele é tentado a substituir o capital financeiro pelo capital real a fim de proteger-se da inflação. Contudo, se ele possuir pouca liquidez, ele pode enfrentar dificuldades financeiras, criando ineficiências que têm efeitos perverso sobre o crescimento econômico.

15 15 A estabilização aumenta a eficiência econômica O equilíbrio inicial ocorre no ponto E, onde o produtor está maximizando o lucro, o qual situa-se sobre a linha de preço EH que tangencia a isoquanta em G. A inclinação de EH reflete uma razão de preços entre o capital financeiro e o real e que pode ser medido pela taxa de inflação.

16 16 A estabilização aumenta a eficiência econômica Se o governo adotar uma política de estabilização que elimina a inflação, isto implica que há uma mudança na razão de preços de uma para um, como é visto pela linha de 45 DEFB. A estabilidade de preços torna lucrativo para os produtores aumentar sua demanda por moeda de E para F, a qual os capacita a reduzir o uso de seu capital real e mover-se para uma isoquanta mais elevada que tangencia o ponto F. O produto total agora é dado por OB ao longo do eixo horizontal, comparado com o produto AO anterior.

17 17 A estabilização aumenta a eficiência econômica A distorção causada pela inflação é vista pelo ângulo entre a nova linha de preço e a velha. O ganho de produto resultante da estabilização econômica é medida em unidades de capital financeiro e é visto pelo segmento AB, que é diretamente proporcional ao quadrado da distorção da inflação.

18 18 Estabilização aumenta a eficiência econômica Capital financeiro Capital real Razão de preços não distorcidos Razão de preços não distorcidos B G F E E A Distorção da inflação 45° Produto em t 1 Produto em t o Razão da distorção de preços C C D D H O Equilíbrio inicial

19 19 Pressupostos No equilíbrio original do ponto E, temos que a taxa de inflação é igual a, a inclinação da linha de preço EH que é igual a [-(1+ )]. Em E, a inclinação da isoquanta é tangente a linha de preço, portanto, também igual a [-(1+ )]. Assim, temos que: 2 2 dK/dM = - (Y / M) = -(1+ ) (6)

20 20 Pressupostos A velocidade renda da moeda [V= Y/M] é uma função crescente da inflação: A velocidade renda da moeda [V= Y/M] é uma função crescente da inflação: V = -(1+ ) V = -(1+ ) Linearizando a equação (6) e usando o fato de que = -, quando a inflação é zero, nós obtemos que: (2Y /M ) ( M/M) = - = (7)

21 21 Pressupostos Resolvendo a equação (7) para ( M/M) e substituindo o resultado na equação (5), obtemos a equação (8): 2 ( Y/Y) = (1/8) ( /1+ ) (8) ( Y/Y) = (1/8) ( /1+ ) (8) A equação (8) nos mostra que o ganho de produto [( Y/Y) ] decorrente de um processo de estabilização econômica é proporcional ao quadrado da distorção da inflação original.

22 22 Moeda, Inflação e Crescimento Econômico Considere agora o caso no qual prevaleça a teoria quantitativa da moeda, de modo que : MV = PY onde: M = oferta de moeda; V = a velocidade de circulação da moeda P = nível de preços; Y = PIB real

23 23 Pressupostos Se a velocidade da moeda é constante, nós podemos escrever que: g = m - (13) g = taxa de crescimento do produto (PIB); m = taxa de crescimento monetário; = taxa de inflação. = taxa de inflação.

24 24 Pressupostos Se o déficit governamental for financiado através da emissão monetária, temos que: M/P = G – T M/P = G – TOnde: G = gastos governamentais; T = impostos.

25 25 Pressupostos m = M/M = [(G – T)/ Y ] (PY/M) = zv m = M/M = [(G – T)/ Y ] (PY/M) = zv z = é o déficit governamental relativo ao PIB; v = velocidade de circulação da moeda. Assim, a equação (13) pode ser escrita como: g = vz - (14)

26 26 Pressupostos Agora suponha que o crescimento seja endógeno e que a eficiência varie inversamente com a inflação, de modo que: E = a - b E = a - b Dadas as equações de (1) – (10) e supondo que a > 0 e b >0. Então, temos que: g = sE - = s(a - b ) - (15) Reflete a eficiência econômica

27 27 Pressupostos As equações (14) e (15) podem ser ilustradas pelas curva M e G na figura abaixo. Ambas as curvas tem inclinação negativa: A inclinação de M é igual a (-1) e da equação (15) vemos que a curva G têm inclinação de (-1/sb).

28 28 Pressupostos Resolvendo o sistema de equações (14) e (15) simultaneamente, obtemos os valores de equilíbrio para a taxa de inflação e a taxa de crescimento. Os valores de equilíbrio são: = (vz –as + ) / (1-sb) (16) = (vz –as + ) / (1-sb) (16) g = (sa - - vzsb)/ (1-sb) (17) é assumido que sb < 1, de modo que a curva G é mais inclinada do que a curva M e que o denominador nas equações (16) e (17) são positivos.

29 29 As Linhas da Figura A linha M reflete a quantidade de moeda, de acordo com a taxa de expansão monetária e crescimento do produto, se a velocidade –renda da moeda é constante. Portanto, a inclinação da linha M têm inclinação de (-1). A linha M reflete a quantidade de moeda, de acordo com a taxa de expansão monetária e crescimento do produto, se a velocidade –renda da moeda é constante. Portanto, a inclinação da linha M têm inclinação de (-1). isto significa que, para uma dada taxa de expansão monetária, a inflação e a taxa de crescimento econômico estão inversamente relacionados.

30 30 As Linhas da Figura Embora a oferta monetária possa depender de várias fatores, aqui nos concentramos apenas sobre o financiamento do déficit público. Um aumento no déficit público aumenta a taxa de expansão monetária na medida em que o déficit seja financiado por uma expansão monetária ao invés de títulos (dívida pública). Assim, um aumento do déficit desloca a linha M para cima e para a direita.

31 31 As Linhas da Figura A linha G reflete a relação entre o crescimento econômico e a inflação através da eficiência econômica. Ela é negativamente inclinada porque, com um aumento na inflação há uma redução na eficiência e portanto no crescimento econômico. Além disso, nós assumimos que ela seja mais inclinada do que a linha M. Um aumento na taxa de poupança ou em outras variáveis que não a taxa de inflação que aumentem a eficiência deslocam a linha G para cima e para a direita.

32 32 Determinação Simultânea da Inflação e Crescimento Econômico Crescimento econômico Inflação M G G E 45° Este intecepto varia diretamente com a taxa de Poupança e com a eficiência autônoma e Invesamente com a depreciação. Este intecepto varia diretamente com a taxa de Poupança e com a eficiência autônoma e Invesamente com a depreciação. Este intecepto iguala a razão défict orçamentário/PIB vezes a velocidade. 0

33 33 Implições das equações (16) e (17) (i) um aumento no déficit orçamentário (z), na velocidade de circulação da moeda (v) ou na depreciação ( ) aumenta a inflação e reduz a taxa de crescimento econômico; (ii) um aumento no componente autônomo da eficiência reduz a inflação e aumenta a taxa de crescimento econômico; (iii) um aumento na taxa de poupança (s) reduz a inflação e aumenta a taxa de crescimento.

34 34 Os efeitos de um aumento no déficit governamental ou na velocidade elevam a taxa de inflação e reduzem e crescimento econômico Crescimento econômico Inflação M G G F 0 E M 1 2 g1 g2g2

35 35 Os efeitos de um aumento na taxa de poupança ou na eficiência autônoma aumenta o crescimento econômico e reduz a inflação Crescimento econômico Inflação M G G E 0 F 2 1 g2 g1 G G

36 36 Evidências empíricas Quanto mais a moeda for usada na produção e mais severa for o problema da inflação inicial, maior será o ganho de produto da eliminação da inflação. O que nos dizem as evidências empiricas entre inflação e crescimento econômico? Uma das conclusões gerais é que, uma queda de 45 pontos da inflação, de 50% para 5% ao ano aumenta a taxa de crescimento do produto per capita entre 1-2 pontos percentuais. As Políticas de Estabilização e as Evidências Empíricas

37 37 Efeitos sobre o crescimento econômico per capita de um aumento da inflação de 5% para 50% ao ano. AutoresNúmero de países PeríodoTipo de dadoEfeito sobre o crescimento (%) Heitger (1985) Panel data-0,9 a -4,5 Barro (1990) Cross section insignificante e fraca Fischer (1991) cross section-2,1 Grimes (1991) panel data-5,0 Roubini e Sala-i-Martin (1992) Cross section-2,2 Montley (1994) Cross section-1,3 a -4,5 Sarel (1996) Panel data-5,8 Taylor (1996)EUA Times series-11,2 Gylfason (1999) Cross section-2,3 Rousseau e Wachtel (2001) Panel data-0,14

38 38 Efeitos sobre o crescimento econômico per capita de uma redução da inflação de 50% para 5% ao ano. AutoresNúmero de países PeríodoTipo de dadoEfeito sobre o crescimento (%) Fischer (1991) Cross-section-2,1 Gylfason (1991) Cross-section-2,0 Roubini & Sala-i-Matin (1992) Cross-section-2,2 De Gregorio (1993) Cross-section-0,7 Fisher (1993) Cross-section-1,8 Barro (1995) Cross-section-1,0 -1,5 Gylfason & Herbertsson (1996) Panel data- 0,6 ; 1,3 Barro (1997) Panel data1,3-1,81,2 Bruno & Easterly (1998) Panel data-1,2 Gylfason (1991) Cross-section-2,4 Gylfason (2001) Panel data-0,6 a -1,3

39 39 A inflação têm também outros efeitos … sobre o consumo e a poupança. A experiência indica que uma inflação elevada tem efeitos perversos sobre o crescimento econômico … mas que há uma espécie de gatilho (threshold) entre uma inflação alta e baixa que se situa num contexto de até 40% por ano? 20%? 10%? – não é conhecido. Estabilização

40 40 Mais inflação e menos crescimento? ,10,20,30,40,50,60,70,80,91 Inflation distortion GNP per capita in 1995 (USD) Argentina Brazil Mexico Uruguay Austria Nicaragua Latvia Spain Zambia Ecuador Burundi Israel Barbados Sierra Leone

41 41 Thorvaldur Gylfason & Tryggvi Thor Herbertsson (2001)

42 42 Inflação e Poupança: Uma Conexão Fraca -0,10 0,00 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,00,10,20,30,40,50,60,70,80,91,0 Distorção da Inflação Taxa de Poupança Burundi Sierra Leone Nicaragua Israel Barbados Uruguay Zambia Spain Mexico Ecuador Brazil Argentina Austria Latvia Russia Armenia

43 43 Política de Estabilização Digressão sobre a Africa: Por que ela é diferente? … fraco setor privado; … excessiva dependência de recursos naturais; … geografia … outros fatores que tendem a perpetuar a pobreza (AIDS, guerras civis, analfabetistomo. … outros fatores que tendem a perpetuar a pobreza (AIDS, guerras civis, analfabetistomo. Países da Africa SubSahariana … caracterizados por alta inflação e baixo crescimento econômico baixo crescimento econômico … caracterizados por alta inflação e baixo crescimento econômico baixo crescimento econômico

44 44 Por que a inflação na África tem sido tão pronunciada? … sistema financeiro pouco desenvolvido; … o qual apresenta um viés para financiar déficits fiscais através da emissão monetária ao invés da emissão de dívida pública. As economias da África Subsahariana são mais fechadas do que a média mundial … menor abertura (openness) significa menor crescimento econômico e mais inflação, ceteris paribus. Política de Estabilização

45 45 Inflação X Crescimento: o Canal Financeiro [cf. Rousseau & Wachtel (2002,p. 778)] The finding that high inflation episodes are the primary source of the negative inflation-growth relationship is particularly interesting to use because it can have strong implications for the finance-growth relationships as well. Te reason for this is that financial intermediation becomes more difficult when inflation rates are very high. The flow of information about investment projects and returns that is used by intermediaries become more uncertain and less readily available in an inflationary environment. Furthermore, high inflation can repress financial intermediation by eroding the usefulness of money assets and by leading to policy decisions that distort the finance structure. The channel by which inflation affects growth my run, at least, trough the financial sector.

46 46 Inflação X Crescimento: o Canal Financeiro [cf. Rousseau & Wachtel (2002,p. 778)] To extent that high inflation disrupts the smooth operation of a nation`s financial institutions and markets, it also discourages their integration with the rest of the world. Since high inflation is often Variable inflation as well, the will be considerable uncertainty about future prices, interest rate, and exchange rates, and this in turns increases the costs of hedging financial risks among potential trade partners. If inflation also increases the possibility of a devaluation and vulnerability to speculative attacks, hedging instruments will become even more expensive and difficult to price. All of this will discourage trade and inflows of foreign capital.

47 47 Joseph Schumpeter (1911) Outro autor que também destacou significativamente a importância do sistema financeiro e do crédito para o crescimento econômico foi Joseph Schumpeter (1911). Segundo ele, os intermediários financeiros ajudariam a promover o crescimento econômico na medida em que ajudassem a identificar e redirecionar os fundos para projetos inovadores.

48 48 Inflação, Finanças e Crescimento Econômico Crescimento Aprofundamento financeiro Crescimento Inflação Aprofundamento financeiro financeiro + = Inflação A relação com o setor financeiro Quais são as evidências empíricas?

49 49 Financial depth prediz o crescimento futuro da produtividade 0 1% 2% 3% Financial depth, 1960 Crescimento da produtividade, % 22% 33%65%

50 50 A liquidez do mercado de ações prediz o crescimento econômico Muito líquido Liquido Iliquido Muito ilíquido Valor comercializado / capitalização de mercado Taxa de Crescimento da renda per capita%

51 51 Abordagem Teórica da Relação Entre Finanças e Crescimento Econômico Fricções do mercado: Custos informacionais: seleção adversa e moral hazard Custos de transação Mercados financeiros e intermediários Funções financeiras - Mobilização de poupanças - Alocação de recursos - Exercer controle corporativo - Facilitar a administração do risco - Facilitar trocas de bens, serviços e contratos Canais de crescimento: Acumulação de capital Inovação tecnológica Crescimento

52 52 Rajan & Zingales (2004, p.1)... mercados financeiros sadios e concorrenciais são uma ferramenta extraordinariamente eficaz para difundir oportunidades e combater a pobreza. Dado seu papel no financiamento de novas idéias, os mercados financeiros mantêm vivo o processo de destruição criadora que contesta velhas idéias e organizações e as substitui por outras, novas e melhores. Sem mercados financeiros vibrantes, inovadores, a economia inevitavelmente se petrificaria e declinaria.... mercados financeiros sadios e concorrenciais são uma ferramenta extraordinariamente eficaz para difundir oportunidades e combater a pobreza. Dado seu papel no financiamento de novas idéias, os mercados financeiros mantêm vivo o processo de destruição criadora que contesta velhas idéias e organizações e as substitui por outras, novas e melhores. Sem mercados financeiros vibrantes, inovadores, a economia inevitavelmente se petrificaria e declinaria.

53 53 Aprofundamento financeiro e inflação r = 0.66 Japão Suiça Jordânia Indonesia Austria 87países r = Spearman rank correlation Botswana

54 54 Inflação e aprofundamento financeiro Brasil Nicaragua Argentina Austria Suíça Japão r = -0.45

55 55 Inflação x Crescimento Econômico Uma elevada inflação têm um efeito perverso sobre a taxa de crescimento econômico. Um aumento na inflação de 0% para 10% ao ano reduz a renda per capita em cerca de 0,15% ao ano. Os efeitos da inflação sobre o crescimento são significativos do ponto de vista econômico.

56 56 Países têm crescido com taxas de inflação baixas * Inflação (%) Cresc. PIB (%) Coréia5,07,0 China8,29,7 Índia8,45,7 México37,02,7 Cingapura1,56,8 Inflação x Crescimento Brasil 2,7606,3 * Variação média anual no período

57 57 Inflação X Crescimento: o Caso do Brasil

58 58 Inflação X Crescimento: o Caso do Brasil

59 59 6,2 6,2 8,6 1,6 1,6 2,6 2,6 1, Anos 60 Anos 70 Anos 80 Anos /02 Taxas Médias de Crescimento do PIB por Década Crescimento de Longo Prazo %

60 60 Brasil: Inflação x Crescimento Inflação (%) Cresc. PIB (%) Anos ,41,6 Anos ,82, ,72,4 * Variação média anual no período

61 61 Sites Recomendados

62 FIM CRESCIMENTO ECONÔMICO E INFLAÇÃO NOTAS DE AULA


Carregar ppt "CRESCIMENTO ECONÔMICO E INFLAÇÃO PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO UFRGS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google