A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diretoria de Informação em Saúde CIB 14/06/2010. Linhas de Ação da DIS Operacionalização dos sistemas de informação de base populacional Capacitação de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diretoria de Informação em Saúde CIB 14/06/2010. Linhas de Ação da DIS Operacionalização dos sistemas de informação de base populacional Capacitação de."— Transcrição da apresentação:

1 Diretoria de Informação em Saúde CIB 14/06/2010

2 Linhas de Ação da DIS Operacionalização dos sistemas de informação de base populacional Capacitação de técnicos em informação em saúde Divulgação de Informações

3 Melhoria da cobertura Melhoria do preenchimento dos instrumentos de coleta (Declarações de Óbito – DO, Declarações de Nascidos Vivos e Fichas de Notificação/Investigação de Agravos) Operacionalização dos sistemas:

4 Razão entre óbitos coletados pelo SIM e estimados pelo IBGE, segundo local de residência. Brasil, *

5 SIM

6 MORTALIDADE PROPORCIONAL POR CAUSAS MAL DEFINIDAS. BAHIA,

7 * Dados preliminares, atualizados em 09/06/2010 Razão entre número de nascidos vivos coletados pelo SIM e estimados pelo IBGE, segundo local de residência. Brasil, *

8 SINASC

9 Oportunidade de encerramento de casos do ano de 2009: Oportuno: 63,4% Inoportuno: 23,0% Total de encerrados: 86,3% Não encerrados: 13,7% SINAN

10 Codificação de causas de óbito; Acesso a bases de dados (TABWIN, TABNET, Indicadores de Saúde); Treinamento em serviço – SINAN (Jequié), Codificação (DIS), Operacionalização dos SIS de base populacional (DIS); Treinamento em Investigação de óbito infantil e fetal, mulheres em idade fértil e por causas mal definidas (juntamente com Divep); Aulas em cursos diversos Capacitações:

11 Site da DIS – TABNET estadual, Cadernos de Informação em Saúde, Caderno do Pacto (em andamento) Análises/Diagnósticos específicos Publicações – Anuários Estatísticos (site), Indicadores demográficos, sociais e de saúde, Boletim Mortalidade Infantil (Site e em editoração), Boletim sobre Informação em Saúde (elaborado), Agendas, Diagnóstico de Saúde da Bahia (publicado na RBSP), Morbimortalidade da População no Estado da Bahia Divulgação de Informações:

12 Melhoria da qualidade da informação produzida; Melhoria da disseminação de informações em saúde (Site e publicações em geral, como Boletins, Anuários, etc.); Maior articulação com demais setores da Sesab; Desenvolvimento de ações de forma integrada com outros setores (Divep, Asplan, DAB, Dipro, DGC, etc. – Comitês, Comissões, Colegiado de Gestão, Observatório da Violência, Geoportal, etc.) Maior articulação com outras instituições (IBGE, SEI, Ministério Público, OPAS, dentre outras; Ripsa no estado Avanços

13 Ripsa no Estado da Bahia Objetivos Promover intercâmbio entre instituições produtoras de informações de interesse para a saúde; Qualificar as informações para a gestão; Divulgar informações confiáveis para todos os níveis do sistema; Aprimorar os sistemas de informação em saúde.

14 Aprova as diretrizes para execução e financiamento das ações de Vigilância em Saúde pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios e dá outras providências. PORTARIA Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE DOU-245 PG SEÇÃO 1 DE

15 Seção IV Das Competências dos Municípios XI - notificação de doenças de notificação compulsória, surtos e agravos inusitados e outras emergências de saúde pública, conforme normatização federal, estadual e municipal; XII - investigação epidemiológica de casos notificados, surtos e óbitos, conforme normas estabelecidas pela União, Estado e Município; XIII - busca ativa de casos de notificação compulsória nas unidades de saúde, inclusive laboratórios, domicílios, creches e instituições de ensino, entre outros, existentes em seu território; XIV - busca ativa de Declarações de Óbito e de Nascidos Vivos nas unidades de saúde, cartórios e cemitérios existentes em seu território;

16 a) coleta, processamento, consolidação e avaliação da qualidade dos dados provenientes das unidades notificantes dos sistemas de base nacional, com interesse para a Vigilância em Saúde, de acordo com normatização técnica; b) transferência dos dados coletados nas unidades notificantes dos sistemas de base nacional com interesse para a Vigilância em Saúde em conformidade com os fluxos e prazos estabelecidos nos âmbitos nacional e estadual; c) retroalimentação dos dados para as unidades notificadoras; CAPÍTULO II DOS SISTEMAS XVII - coordenação, no âmbito municipal, dos sistemas de informação de interesse da Vigilância em Saúde, incluindo:

17 d) análise dos dados e desenvolvimento de ações para o aprimoramento da qualidade da informação; e) análise epidemiológica e divulgação das informações de âmbito municipal; f) estabelecimento e divulgação de diretrizes, normas técnicas, rotinas e procedimentos de gerenciamento dos sistemas, no âmbito do Município, em caráter complementar à atuação das esferas federal e estadual; CAPÍTULO II DOS SISTEMAS XVII - coordenação, no âmbito municipal, dos sistemas de informação de interesse da Vigilância em Saúde, incluindo:

18 CAPÍTULO III DA GESTÃO DOS SISTEMAS Seção II Do Monitoramento dos Recursos da Vigilância em Saúde a Estados e Municípios Art. 44. A manutenção do repasse dos recursos do Componente de Vigilância e Promoção da Saúde está condicionada à alimentação regular do Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN, de Sistema de Informações de Nascidos Vivos – SINASC e do Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM, conforme regulamentações específicas destes Sistemas.

19 Seção II Do Monitoramento dos Recursos da Vigilância em Saúde a Estados e Municípios Cont. § 1º As Secretarias Municipais de Saúde deverão notificar semanalmente agravos de notificação compulsória ou notificação negativa no SINAN, conforme a Portaria SVS/MS nº 5, de 21 de fevereiro de 2006, e a Instrução Normativa SVS/MS nº 2, de 22 de novembro de 2005.

20 § 2º As Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde deverão garantir a transferência dos dados das Declarações de Óbitos para o módulo nacional do SIM no prazo de até 60 (sessenta) dias após o encerramento do mês de ocorrência do óbito no quantitativo esperado, por meio eletrônico, conforme a Portaria nº 116/SVS/MS, de 11 de fevereiro de 2009, e o ato normativo específico a ser publicado anualmente. Seção II Do Monitoramento dos Recursos da Vigilância em Saúde a Estados e Municípios Cont.

21 Art. 46. É de responsabilidade das Secretarias Estaduais de Saúde o monitoramento da regularidade da transferência dos dados dos Municípios situados no âmbito de seu Estado. CAPÍTULO VI DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES Seção I Da Composição e Transferência de Recursos

22 Art. 47. O bloqueio do repasse do Componente de Vigilância e Promoção da Saúde para Estados e Municípios se dar-se-á caso sejam constatados 2 (dois) meses consecutivos sem preenchimento de um dos sistemas de informações estabelecidos nos parágrafos 1º e 2º do art. 44, segundo parâmetros a serem publicados em ato normativo específico. Seção I Da Composição e Transferência de Recursos Cont.

23 Art. 55. As disposições contidas nos arts. 44, 45, 46, 47 e 48 do Anexo a esta Portaria entrarão em vigor 180 (cento e oitenta) dias após sua publicação, de forma a permitir a adequação necessária por parte do Ministério da Saúde, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Seção I Da Composição e Transferência de Recursos Cont.

24

25 Obrigada! SESAB/SUVISA/DIS Fone:


Carregar ppt "Diretoria de Informação em Saúde CIB 14/06/2010. Linhas de Ação da DIS Operacionalização dos sistemas de informação de base populacional Capacitação de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google