A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IV Seminário Estadual de Viglância do óbito Materno e Infantil

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IV Seminário Estadual de Viglância do óbito Materno e Infantil"— Transcrição da apresentação:

1 IV Seminário Estadual de Viglância do óbito Materno e Infantil
“Situação Atual do Brasil” Dr. Juan Cortez-Escalante CGIAE/DASIS/SVS/MS Salvador, 27 de julho de 2011

2 Evolução da taxa de mortalidade na infância (por mil nascidos vivos)
Evolução da taxa de mortalidade na infância (por mil nascidos vivos). Brasil e regiões, 1990 a 2009* Meta: 17,9 Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS; IBGE. Estimativas utilizando a metodologia da RIPSA Nota: * 2009 é dado preliminar

3 Evolução da taxa de mortalidade infantil (por mil nascidos vivos)
Evolução da taxa de mortalidade infantil (por mil nascidos vivos). Brasil e regiões, 1990 a 2009* Meta: 15,7 Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS; IBGE. Estimativas utilizando a metodologia da RIPSA Nota: * 2009 é dado preliminar

4 Evolução da mortalidade na infância e da mortalidade infantil segundo seus componentes (por mil nascidos vivos). Brasil, 1990 a 2009* Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS; IBGE. Estimativas utilizando a metodologia da RIPSA Nota: * 2009 é dado preliminar

5 MORTALIDADE INFANTIL - BRASIL
Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS

6 Estimativas da Taxa de Mortalidade Infantil (por 1000 NV) por municípios - dados preliminares da Pesquisa Busca Ativa. Brasil, 2008 Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS

7 Municípios que responderam por mais de 50% dos óbitos infantis na UF, no período de 2000 a 2006, e fluxo (residência e ocorrência) dos Óbitos Infantis (<1ano) no ano de 2006. Nordeste

8 Municípios que responderam por mais de 50% dos óbitos infantis na UF, no período de 2000 a 2006, e fluxo (residência e ocorrência) dos Óbitos Infantis (<1ano) no ano de 2006. Bahia

9 Municípios que responderam por mais de 50% dos óbitos infantis na UF, no período de 2000 a 2006, e fluxo (residência e ocorrência) dos Nascimentos no ano de 2006. Nordeste

10 Municípios que responderam por mais de 50% dos óbitos infantis na UF, no período de 2000 a 2006, e fluxo (residência e ocorrência) dos Nascimentos no ano de 2006. Bahia

11 Municípios que responderam por mais de 50% dos óbitos infantis na UF, no período de 2000 a 2006, e fluxo (residência e ocorrência) das Internações Infantis (<1ano) no ano de 2006. Nordeste

12 Municípios que responderam por mais de 50% dos óbitos infantis na UF, no período de 2000 a 2006, e fluxo (residência e ocorrência) das Internações Infantis (<1ano) no ano de 2006. Bahia

13 Razão de mortalidade materna corrigida (por 100 mil nascidos vivos), a direta e a ajustada. Brasil, 1990 a 2009* Meta: 35 Em 2009, houve aumento da RMM, devido a: - Pandemia de influenza pelo H1N1. - Implantação da vigilância de óbitos maternos e infantis em todo o país, o que permitiu captar um maior número de óbitos. Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS Nota: *A RMM foi ajustada com uma função polinomial grau 6 com R2= 0,947.

14 RMM por causas obstétricas diretas e indiretas (x100 mil nv)
RMM por causas obstétricas diretas e indiretas (x100 mil nv). Brasil, 1990, 2000 e 2007 Fonte: DASIS/SVS/MS.

15 RMM por causas específicas de óbito materno (por 100 mil nv)
RMM por causas específicas de óbito materno (por 100 mil nv). Brasil, 1990, 2000 e 2007 Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS.

16 Municípios pólos de atenção onde ocorreram mais de 50% dos óbitos maternos no período de 2000 a Brasil 90 municípios polos de atenção notificaram 50% do total de óbitos maternos no Brasil ( )

17 Painel de Monitoramento da Mortalidade Materna. http://svs. aids. gov
Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS. Atualização: 24 de maio 2011

18 Painel de Monitoramento da Mortalidade Infantil e Fetal. http://svs
Fonte: CGIAE/DASIS/SVS/MS. Atualização: 24 de maio 2011

19

20 OBJETIVOS E AÇÕES ESTRATÉGICOS DA SVS
Brasília, 04 de abril de 2011

21 AGRAVOS E DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS ANÁLISE DE SITUAÇÃO DE SAÚDE
BLOCO 2 AGRAVOS E DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS ANÁLISE DE SITUAÇÃO DE SAÚDE PROMOÇÃO DA SAÚDE

22 PRIORIDADES E AÇÕES ESTRATÉGICAS DA SVS
Agenda Preliminar PRIORIDADES AÇÕES ESTRATÉGICAS META Ampliar a alimentação regular do SIM para 92% dos municípios até 2015, sendo 88% em 2011. Linha de Base 2009: 87% dos municípios com alimentação regular do SIM. Aumentar para mais de 90% a proporção de óbitos com causa básica definida em todas as UF até 2015. Qualificação da informação de mortalidade do País, a ampliação da cobertura e da sua utilização. Promover ampliação da captação e investigação do óbito nos estados. Linha de Base 2009: 20 Uf com percentual de óbitos >90%. Ampliar a capacidade de investigação do óbito infantil e fetal para 50% até 2015, sendo 30% em 2011. Linha de Base 2010: 24% óbitos infantil e fetal investigados. Ampliar a capacidade de investigação dos óbitos maternos e de mulheres em idade fértil (MIF) por causas presumíveis de morte materna para 85% até 2015, sendo 60% em 2011. Linha de Base 2010: 53% óbitos materno e de mulheres em idade fértil investigados.

23 PRIORIDADES E AÇÕES ESTRATÉGICAS DA SVS
Agenda Preliminar PRIORIDADES AÇÕES ESTRATÉGICAS METAS Publicar o livro “Saúde Brasil”, anualmente, até 2015 Elaborar ferramentas para apoiar a análise de situação de saúde dos estados até 2015. Acompanhamento dos indicadores e tendências da Situação de Saúde. Realizar o monitoramento do sistema de vigilância em saúde. Produzir painel de monitoramento da análise de saúde dos estados, anualmente, até 2015.

24 Obrigado!!


Carregar ppt "IV Seminário Estadual de Viglância do óbito Materno e Infantil"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google