A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Relações com gases O 2. Oxigênio Requisitos quanto ao O 2 variam com a espécie. Existem diversos sistemas livres de O 2 na terra: Sedimentos, lodos Alagados.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Relações com gases O 2. Oxigênio Requisitos quanto ao O 2 variam com a espécie. Existem diversos sistemas livres de O 2 na terra: Sedimentos, lodos Alagados."— Transcrição da apresentação:

1 Relações com gases O 2

2 Oxigênio Requisitos quanto ao O 2 variam com a espécie. Existem diversos sistemas livres de O 2 na terra: Sedimentos, lodos Alagados Intestino Esgoto Profundidades oceânicas

3 1. Oxigênio permite a produção de ATP. 2. Respiração é 18 X mais eficiente que o metabolismo anaeróbio 3. Esta eficiência tem um preço e as formas reduzidas de O 2 são extremamente perigosas. Provoca danos em proteínas, lipídeos e no DNA (mutações e morte) Anaeróbios não tem capacidade de detoxificar as várias formas de O Algumas bactérias podem respirar de outra forma. Ex. A bactéria Shewanella putrefaciens usa metais (manganês ) Meu ar é seu veneno!!!

4

5 Grupos em relação aos requisitos de O 2 a)Aeróbios obrigatórios b)Anaeróbios obrigatórios c)Aeróbios facultativos d)Microaerófilos e)Anaeróbios aerotolerantes f)Anaeróbios estritos

6 Como vivem? a)Aeróbios obrigatórios: Dependem do O 2 atmosférico para crescer b)Aeróbios facultativos: Crescem mais rápido na presença O 2, mas não precisam de oxigênio c)Microaerófilos: Requerem níveis mais baixos de O 2 d)Aerotolerantes: Oxigênio não influencia o crescimento e)Anaeróbios estritos: Morrem na presença de O 2

7 Anaeróbios estritos : Clostridium, Sarcina, e diversos gêneros que vivem no rúmen e intestinos dos animais e locais semelhantes. Crescem onde o oxigênio está ausente. Uns são mais sensíveis que outros. Maioria dos Clostridium são mortos após breve exposição ao O 2. Algumas espécies de Clostridium podem crescer devagar na presença de ar. Anaeróbios estritos podem viver em habitats aeróbios: Sinergismo microbiano: mistura de espécies vivendo juntas. Anaeróbios estritos associados a anaeróbios facultativos que usam todo O 2 disponível.

8 Aeróbios facultativos : Escherichia, Citrobacter, Enterobacter e Proteus crescem mais rápido na presença de O 2 mas podem crescer na ausência usando nutrientes como nitratos, açúcares e outros. O resultado é a produção de nitrito, ácidos orgânicos (lático, fórmico...) e outras substâncias que tem odor putrefato. Verificar os tubos - maior crescimento a superfície porém crescem em todo o meio.

9 Microaerofílicos: Azospirillum, Aquaspirillum, Cytophaga Crescem abaixo da superfície do Ágar (cerca de 1 mm) produzindo uma banda visível. Difíceis de encontrar no laboratório. Aeróbios estritos: Acetobacter, Arthobacter, Azomonas, Bacillus, Micrococcus, Pseudomonas, Xanthomonas Crescem a superfície onde se acumula o O 2 produzindo geralmente camadas superficiais gelatinosas.

10 Subprodutos tóxicos derivados do oxigênio Microrganismos patogênicos geralmente tem enzimas que protegem de produtos tóxicos do metabolismo do oxigênio

11 Microbiota normal 99,9 % da microbiota do homem cresce anaerobiamente Pele: Propionibacterium Boca: Actinomyces Intestino grosso: Clostridium Trato urogenital: Lactobacillus

12 Bactérias aeróbias e doenças Aeróbios obrigatórios: Pseudomonas aeruginosa: oportunistas, pode infectar a maior parte do corpo. Bordatella pertussis: coqueluche Aeróbios facultativos: Escherichia coli: doenças diarréicas, meningites neonatal, septicemia. Staphylococcus aureus: febre, septicemia, endocardites, pneumonia, sepse da pele.

13 Bactérias e doenças Microaerofílicos: Campylobacter jejuni: septicemia doenças diarréicas Aerotolerantes: Streptococcus pyrogenes: infecções da pele, tecidos moles e trato respiratório superior, febre escalatina. Anaeróbios estritos: Clostridium botulinum: botulismo, paralisia. Clostridium tetatni: paralisia espásmica, infecções em ferimentos Clostritium perfringens: infecções de ferimentos, gangrena gasosa Bacteroides fragilis: infecções de ferimentos, peritonites, abscessos cerebrais. Bacteroides gingivalis: gengivites.

14 Tratamento aeróbio e anaeróbio de águas residuais Microbiota aeróbia Microbiota anaeróbia

15 Degradador de tolueno – um anaeróbio Azoarcus tolulyticus Isolado de um aquífero contaminado por gasolina. IMPORTANTE SER ANAERÓBIO PORQUE SOBREVIVE SEM NECESSIDADE DE BOMBEAR OXIGÊNIO EM PROGRAMAS DE REMEDIAÇÃO. RESPIRA NITRATO (FACULTATIVO)

16 Extremófilos Organismos extremófilos são importantes para compreensão de diversas questões: Onde existe vida? Até onde a vida viajou? Será que a vida se originou em um vulcão hidrotermal?

17 Extremófilos TemperaturaRadiaçãoPressão Dessecação Salinidade pH Tensão oxigênio Kits de sobrevivência

18 Biotecnologia e extremófilos 1.Processos industriais e experimentos laboratoriais são mais eficientes em extremos de temperatura, salinidade e pH. 2.Produtos naturais feitos em condições de elevada radiação e salinidade são vendidos atualmente. 3.Um dos prêmios Nobel foi concedido ao descobridor da PCR, que sem um extremófilo não teria uso tão difundido. 4.Biologia molecular cada vez mais depende de extremófilos e suas enzimas. Extremófilos e viagens espaciais 1.Atualmente os extremófilos estão sendo pesquisados em 3 tipos de ambientes: veículos pilotados por homens no espaço, espaço interplanetário (potencial panspermia) e vida em Marte (água líquida).

19 Outros extremos 1.Atmosferas com composição diferenciada 2.Potencial de oxi-redução 3.Compostos tóxicos ou xenobióticos (feitos pelo homem) 4.Concentração elevada de metais pesados -Microrganismos como Geobacter metallireducens sobrevivem em locais com elevado nível de solventes. - Outros crescem dentro de torres de água dentro de reatores nucleares. Tudo a ver com vida em outros planetas!!!


Carregar ppt "Relações com gases O 2. Oxigênio Requisitos quanto ao O 2 variam com a espécie. Existem diversos sistemas livres de O 2 na terra: Sedimentos, lodos Alagados."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google