A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Controle Microbiológico de Doenças e Pragas Ana de Castro Schenkel Ana Gabriela Itokazu Canzian da Silva Carime Lessa Mansur Pontes Priscilla Barros Delben.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Controle Microbiológico de Doenças e Pragas Ana de Castro Schenkel Ana Gabriela Itokazu Canzian da Silva Carime Lessa Mansur Pontes Priscilla Barros Delben."— Transcrição da apresentação:

1 Controle Microbiológico de Doenças e Pragas Ana de Castro Schenkel Ana Gabriela Itokazu Canzian da Silva Carime Lessa Mansur Pontes Priscilla Barros Delben Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biológicas Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia Microbiologia Geral – MIP 7013

2 Regulação do número de plantas e animais por seus inimigos naturais. Controle Biológico Controle Biológico Natural Controle Biológico Artificial Controle Biológico Clássico Controle Biológico Aplicado Laércio Zambolin

3 1. Controle Biológico de Doenças

4 1.1 Trichoderma spp. Promissor agente de biocontrole. Potencial de antagonismo sobre o fitopatógeno Sclerotinia sclerotiorum. De acordo com MELO (1998) a ação de Trichoderma se dá através da associação ou não dos mecanismos de parasitismo, antibiose e competição.

5 1.2 Rizobactérias Microrganismos antagonistas do gênero Bacillus e Pseudomonas têm sido avaliados como um meio de controlar podridões radiculares causadas por Phytophthora spp. São eficientes colonizadores de raízes, possivelmente pela capacidade de crescimento e/ou habilidade competitiva. Pseudomonas putida, Flavobacterium sp. e Bacillus. subtilis são capazes de controlar Phytophthora parasitica e P. citrophthora e promover o desenvolvimento de plântulas de citros. Phytophtora Bacilos Pseudomonas

6 Bactérias e transcrição de peptídeos antimicrobianos 1.3 Bactérias e transcrição de peptídeos antimicrobianos As bactérias produzem diversos peptídeos antimicrobianos, denominados bacteriocinas.

7 1.4 Controle biológico por Bactérias Chromobacterium violaceum Wolbachia Lactobacillus crispatus Local: Linhagens encontradas no aparelho genital feminino saudável Características: combater agentes infecciosos na vagina. Local: Infecta artrópodes de artrópodes Características:Imunidade contra vírus e limitante reprodutor. Local: Regiões de clima tropical Características: Combater Mal de Chagas, leishmaniose, produzir plásticos biodegradáveis e controle de pragas agrícolas

8 1.5 Bactérias contra Vírus da Dengue Wolbachia – Bactéria da família Rickettsiaceae que infecta artrópodes, incluindo 28% das espécies de mosquitos e impede a replicação do vírus da dengue. Aedes Aegypti, mosquito que infectado passa o vírus da Dengue. Bloqueio do Vírus Morte prematura

9 1.6 Chromobacterium violaceum Produção de violaceína Combate ao Trypanosoma cruzi, causador do Mal de Chagas, e no tratamento da leishmaniose, doença provocada por protozoários do gênero Leishmania. Ela se difunde amplamente por todo o mundo tropical e não apenas em ambientes aquáticos (algumas cepas já foram isoladas em amostras de solo). Peptídeo com ação antitumoral

10 UFSC e VIOLACEÍNA Violaceína: Essa substância foi descoberta pela bióloga Tânia Creczynski-Pasa do Departamento de Ciências Fisiológicas da Universidade Federal de Santa Catarina, que cedeu a bactéria para o seqüenciamento. Em outra linha de pesquisa a bióloga estudou o potencial antioxidante de algumas moléculas e a expressão de enzimas relacionadas com o processo de defesa ao estresse oxidativo na Chromobacterium violaceum. Professoras Tânia e Regina: partiu da UFSC a indicação do primeiro microorganismo seqüenciado pela rede

11 2. Controle Biológico de Pragas

12

13 2.1 Vírus da Granulose (granulovírus) Usado para combater Spodoptera frugiperda Comercialmente, possui formulação líquida e formulação em pó molhável Na lavoura, é aplicado através da água de irrigação E. W. Kitajima Jan Suszkiw Eduardo Roman Bart Dree

14 2.2 Bacillus thuringiensis (bactéria) Em geral, são usadas duas variedades, às vezes híbridos dessas duas. Usado para combater Spodoptera frugiperda Como se aplica: Pulverizado sobre as plantas em forma de esporo com proteínas cristalizadas Jim Buckman SabineTiessen

15 O que ele ataca: Cigarrinha da folha da cana-de- açúcar. Como se aplica: O fungo é pulverizado e, em contato com o corpo do inseto, causa doença. 2.3 Metarhizium anisopliae

16 Duas formas para superar as defesas do inseto: -Desenvolvimento de formas crípticas; - Produção de substâncias imunomodulantes.

17 O que ele ataca: Vespa-da-madeira (Sirex noctilio). Como se aplica: Em forma de gelatina, o produto é injetado no tronco da árvore esterilizando a vespa. 2.4 Delademus siridicola

18 Adulto, larva e galerias Photographer: Robert Dzwonkowski, Poland Image taken in: Poland

19 Aplicação do nematóide parasita em uma árvore infectada pela vespa Sirex noctilio. Photographer: Dennis Haugen, United States Image taken in: Australia

20 Um técnico injeta um herbicida em uma árvore, para servir de trap tree para monitorar populações de baixo nível. Photographer: William M. Ciesla, Forest Health Management International, United States Image taken in: Brazil


Carregar ppt "Controle Microbiológico de Doenças e Pragas Ana de Castro Schenkel Ana Gabriela Itokazu Canzian da Silva Carime Lessa Mansur Pontes Priscilla Barros Delben."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google