A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Conceitos e Modelos de Saúde e Segurança Curso de Especialização em Segurança e Saúde no Trabalho Modalidade à distância - 2ª edição – ISC/UFBA SESI/FIEB/IEL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Conceitos e Modelos de Saúde e Segurança Curso de Especialização em Segurança e Saúde no Trabalho Modalidade à distância - 2ª edição – ISC/UFBA SESI/FIEB/IEL."— Transcrição da apresentação:

1 Conceitos e Modelos de Saúde e Segurança Curso de Especialização em Segurança e Saúde no Trabalho Modalidade à distância - 2ª edição – ISC/UFBA SESI/FIEB/IEL Gilmar da Cunha Trivelato Belo Horizonte, 31 de outubro de 2008.

2 CONCEITO DE RISCO E GESTÃO DE RISCOS

3 O QUE É RISCO?

4 Dimensão técnica POSSIBILIDADE de que uma perda ou dano ocorra. PROBABILIDADE de que tal perda ou dano ocorra (incerteza da ocorrência, distribuição no tempo) e a GRAVIDADE do resultado adverso. O QUE É RISCO?

5 RISCO é a possibilidade de acontecer algo que irá ter um impacto sobre os objetivos. Ele é medido em termos de conseqüências e probabilidade. AS/NZS 4360: 1999

6 Perigo é o potencial ou capacidade de causar danos. pode ser: um agente ou uma situação ou condição com o potencial de causar danos. PERIGO [hazard]

7 RISCO – dimensão possibilidade O que pode acontecer? Como isto pode acontecer?

8 O que pode acontecer nos ambientes de trabalho? Lesões / mortes (acidentes) Doenças / mortes Agravamento de doenças pré- existentes. Incômodos.

9 Chances de um evento ocorrer em termos matemáticos: Possível 0 (zero) Impossível = 0 (zero) Provável > 0 e < 1 (<100%) Extremamente improvável 0 Certo = 1 (=100%) RISCO – dimensão probabilidade

10 Como pode acontecer? O dano é resultado da contribuição de diferentes aspectos relativos – à atividade ou processo de trabalho – ao ambiente de trabalho – à organização do trabalho – ao trabalhador denominados fatores de risco.

11 Modelo de determinação de acidentes relacionadas ao trabalho DANO lesão ou efeito adverso à saúde INCIDENTE OU EVENTO PERIGOSO Contato acidental com energia, substância, animal ou pessoa perigosas

12 Modelo de determinação de doenças relacionadas ao trabalho DANO OU EFEITO ADVERSO À SAÚDE Fatores de risco ambientais e outros estressores Fatores de risco individuais

13 Determinação do dano: relação dose- resposta(efeito) Efeito 1 Efeito 2 Efeito 3 Dose Capacidade Estres sor Exigência da tarefa (não acidental) INDIVÍDUO AMBIENTE DE TRABALHO Exposição ou carga Efeito

14 Fatores de Riscos Ambientais Estressores químicos físicos biológicos biomecânicos psicossociais organização do trabalho micro clima e qualidade de ambientes internos

15 Fatores de Riscos Individuais Intrínsecos (relativos à carga genética) Extrínsecos (relativos a hábitos ou comportamentos)

16 O RISCO PODE SER OBSERVADO?

17 RISCO Risco não é observável. É uma inferência, isto é, depende do raciocínio dedutivo do observador. Portanto, risco é uma representação simbólica da nossa mente atribuída a uma situação do mundo real. Os fatores de riscos ou perigos podem ser observados - pelos sentidos ou com auxílio de instrumentos.

18 Gestão de riscos / da SST Processo global de avaliar e controlar os riscos a níveis aceitáveis e, no caso de não ser possível a eliminação ou redução dos riscos, inclui também o financiamento dos riscos através de dois mecanismos: retenção e transferência.

19 Gestão de Risco / SST Gestão de risco também pode ser: cultura, processos e estruturas para gerenciar oportunidades potenciais e efeitos adversos.

20 Ao público cabe a ação política, de regulação e fiscalização ou prestação direta de atenção. Ao privado cabem as ações materiais. O processo de gestão de riscos ocorre no âmbito público nas organizações produtivas GESTÃO DE RISCOS / DA SST

21 GESTÃO DE RISCO Processo global que envolve a interação entre três sub-processos: Avaliação de riscos Controle de Riscos Comunicação de Riscos AvaliaçãoControle Comunicação

22 AVALIAÇÃO DE RISCO É o processo global de estimar a magnitude do risco para um indivíduo, grupo, sociedade e meio- ambiente e decidir se o risco é ou não tolerável ou aceitável. Inclui: -Identificação dos riscos [ em contextos específicos] -Estimativa dos riscos -Julgar a aceitabilidade dos riscos -Identificar e analisar opções de eliminação e redução dos riscos.

23 Estimativa e julgamento da aceitabilidade do risco PROBABILIDADEPROBABILIDADE G R A V I D A D E RISCO BAIXO ACEITÁVEL RISCO ELEVADO: NÃO ACEITÁVEL RISCO = PROBABILIDADE X GRAVIDADE

24 IDENTIFICAÇÃO DE RISCO Identificação dos riscos / componentes Atividade Tipo de risco (descrição qualitativa) –Contato, exposição ou carga de trabalho. –Danos Fatores de riscos (causas ou fontes do risco) Controles ativos (existentes) Pessoal sob risco (ou exposto)

25 Avaliação de risco gradual (tier approach) - ênfase na prevenção e controle Tratamento do risco Avaliação inicial Avaliação aprofundada tiers

26 ESTIMATIVA DO RISCO Etapas básicas: Estimar a probabilidade (P) Estimar a gravidade do dano potencial (G) Estimar o risco (R) usando uma matriz de risco Estimar a incerteza da avaliação do risco

27 ESTIMATIVA DO RISCO Critérios para estimar a probabilidade de ocorrência do dano : Estatísticas de acidentes e doenças (para a empresa ou através de analogia com situações similares)

28 ESTIMATIVA DO RISCO Estimar a exposição e comparar com o limite de exposição ocupacional (LEO) Comparar as medidas de controle existentes, adequação e manutenção dos mesmos com as melhores práticas disponíveis.

29 ESTIMATIVA DO RISCO: categorias ou níveis de risco e aceitabilidade Princípio: Matriz de risco para orientar a tomada de decisão Gravidade Probabili dade RISCO Crítico Trivial Baixo Moderado Substancial

30 CONTROLE DE RISCOS É o processo de selecionar e implementar medidas para alterar os níveis de risco, e mantê-los a níveis aceitáveis ou toleráveis. Inclui: Eliminação do risco Tratamento do risco (reduzir, transferir) Monitoração

31 Modelo para controle de riscos [acidentes] Evento perigoso Dano material ou lesão Atuação em emergências Primeiros socorros Atuação sobre fatores de risco

32 Modelo básico para controle fatores de risco ambientais FONTE (emissão) TRAJETÓRIA (propagação) RECEPTOR (trabalhador) AMBIENTE DE TRABALHO

33 Controle de riscos – visão alternativa Adotar medidas em cada uma das etapas ENTRADA (INPUT) PROCESSO SAIDA (OUTPUT)

34 COMUNICAÇÃO DE RISCOS Corresponde a processos de comunicação ou consulta a todas as partes interessadas de informações sobre –riscos e incertezas existentes –medidas de controle efetivamente adotadas

35 COMUNICAÇÃO DE RISCOS Todo o processo de comunicação de riscos deve levar em consideração a percepção ou representação dos riscos por todos os envolvidos.

36 Perigo Risco CONTROLE Introduzir controles administrativos Substituir o perigo ou risco Solução de engenharia para o problema Eliminar o perigo ou risco Fornecer equipamento de proteção individual

37 Gestão de Risco Alguns exemplos de modelos do processo de gestão de riscos

38 Comunicar e consultar Monitorar e rever Estabelecer o contexto Identificar riscos Analisar riscos Julgar / Priorizar riscos Tratar riscos Avaliação de riscos Visão geral da gestão de riscos Fonte: AS/NZS 4360: 1999 – Risk Management (modificado)

39 Identificação do risco Estimativa do risco Risco aceitável? Opções de Controle Tomada de decisão Implementação Monitoramento e Avaliação Risco aceitável Manutenção e Revisão Informações adicionais Sim Incerto Não CONSULTAECOMUNICAÇÃOCONSULTAECOMUNICAÇÃO CONTROLE AVALIAÇÃO

40 Abordagem ATUAL –Medir ou tomar ações corretivas diretamente?

41 Obrigado pela atenção!


Carregar ppt "Conceitos e Modelos de Saúde e Segurança Curso de Especialização em Segurança e Saúde no Trabalho Modalidade à distância - 2ª edição – ISC/UFBA SESI/FIEB/IEL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google