A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Paulo Safady Simão – Presidente da CBIC Fortaleza 17/02/2008 Cenário atual da Construção Civil no Brasil.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Paulo Safady Simão – Presidente da CBIC Fortaleza 17/02/2008 Cenário atual da Construção Civil no Brasil."— Transcrição da apresentação:

1 Paulo Safady Simão – Presidente da CBIC Fortaleza 17/02/2008 Cenário atual da Construção Civil no Brasil

2 Representante nacional e internacional das entidades empresariais da Indústria da Construção e do Mercado Imobiliário

3 62 entidades 26 estados e DF / Obras rodoviárias Saneamento Mercado imobiliário Segmentos da construção SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS

4 PROJETOS E ATUAÇÕES DA CBIC

5 Inovação Tecnológica; Construção Sustentável; Habitação de Interesse Social (moradia digna); Integração com o mercosul; Ações para agilização das obras de infra-estrutura. PROJETOS PRIORITÁRIOS

6 COMISSÕES TÉCNICAS Comissão da Indústria Imobiliária CII Comissão de Relações Trabalhistas CPRT Comissão de Obras Públicas COP Comissão de Meio Ambiente CMA Comissão de Materiais COMAT

7 Fórum de Advogados FÓRUNS Fórum de Ação Social e Cidadania Fórum dos SECONCIS

8 Assessoria Econômica Dados econômicos e estatísticos Análises específicas da construção BANCO DE DADOS

9 PARTICIPAÇÕES CCFGTS Conselho Curador do FGTS CGFNHIS Conselho Gestor do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social CDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CONSELHO DAS CIDADES FNI Fórum Nacional da Indústria FIIC Federação Interamericana da Indústria da Construção

10 AÇÕES EM PARCERIA CNI - Conselhos Temáticos (9) UNC - Cadeia Produtiva Fórum Secretários Movimentos Sociais Centrais Sindicais Moradia Digna

11 Green Job (Emprego Verde) ; Executivo; PLANSEQ; Processo Legislativo; ATUAÇÕES

12 CRISE INTERNACIONAL

13 A crise foi provocada pelo temor da inadimplência nas hipotecas imobiliárias de alto risco nos Estados Unidos (subprime); Com a imprecisão das informações elevou a suspeita dos agentes econômicos que a crise havia se agravado, sem permitir dimensioná-la; A aversão ao risco fez com o mercado de crédito interbancário fosse praticamente paralisado; Nesta conjuntura de falta de liquidez muitas instituições financeiras (bancos e seguradoras americanas e européias) sucumbiram. ORIGEM

14 NO MUNDO Permanecem os prejuízos de bilhões de dólares; Ocorre uma contração generalizada do potencial de crescimento dos mercados domésticos. Acontece o enfraquecimento dos fundamentos econômicos Incapacidade financeira e instrumental dos governos para solucionar o problema.

15 NO BRASIL Adotou-se como estratégia o desenvolvimento a partir do Investimento e do consumo de massa (mercado doméstico); com...

16

17

18 ... CRESCIMENTO DO INVESTIMENTO SUPERIOR AO CONSUMO DAS FAMÍLIAS

19 ... CUMPRIMENTO DO SUPERÁVIT COM O MENOR DÉFICIT NOMINAL DA HISTÓRIA

20 ... EXPANSÃO SUSTENTÁVEL DO CRÉDITO POR UM SISTEMA FINANCEIRO E BANCÁRIO SÓLIDO E POUCO ALAVANCADO

21 ... CRÉDITO IMOBILIÁRIO TAMBÉM EM EXPANSÃO

22 ... INVESTIMENTO ESTRANGEIRO POSITIVO, CRESCENTE E SUFICIENTE PARA FINANCIAR AS OPERAÇÕES CORRENTES

23 ... RESERVAS ELEVADAS FUNCIONANDO COMO UM SEGURO CONTRA A CRISE

24 ... INFLAÇÃO DENTRO DA META, AINDA QUE, OS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO TENHAM ELEVADO DE PATAMAR

25 Restrição ao crédito; Adiamento do consumo; Cancelamento de lançamentos pelo empreendedor; Retração do mercado; Ausência de capital de giro para as empresas;... MAS, A INSEGURANÇA PROVOCA:

26 CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

27 Desagrega a família Dificulta a educação Favorece o acesso a criminalidade Determina a baixa da qualidade na saúde Reduz as chances de inserção do indivíduo na sociedade CONSEQÜÊNCIAS DA FALTA DE MORADIA DIGNA:

28 Envolvimento, nos moldes do PAC dos Estados e Municípios do Programa. INVESTIMENTO – DECISÃO DE EMPREENDER Definição clara e objetiva do programa e das fontes de recursos a serem utilizados;

29 Desoneração tributária; Subsídio de crédito; Itens contratuais que tragam maior conforto ao comprador; MEDIDAS PRIORITÁRIAS Fundo Garantidor;

30 Diversificação de agentes financeiros; Regularizar a emissão de CND´s; Reativação imediata do Programa de Arrendamento Residencial; MEDIDAS PRIORITÁRIAS

31 No mercado imobiliário, o funding é todo nacional e está disponível; Os Juros possuem teto tabelado; Possui baixo consumo de insumos importados, estimulando a indústria nacional; O processo de inovação tecnológica e de construção sustentável são indispensáveis para se pensar o futuro. CONCLUSÕES

32 OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA

33 Banco de projetos; Agilizar pagamento de fatura de obras públicas; Reestruturar o gerenciamento das obras do PAC; Direcionar recursos para obras que estejam em condições de serem executadas; MEDIDAS PRIORITÁRIAS

34 Acelerar os procedimentos do DNIT; Criar Grupo com participação do governo, iniciativa privada e TCU para discutir os pontos que estão travando a execução; Publicar decreto que agiliza o Licenciamento Ambiental de obras executadas dentro de faixa de domínio de rodovias já implantadas. MEDIDAS PRIORITÁRIAS

35 PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC

36 INVESTIMENTOS DO PAC PERÍODO DE 2007 A 2010 Fonte: PAC 142,1503,9 TOTAIS 8,224,5 Outros sociais 72,0106,3 Habitação 4,040,0 Saneamento Infra- estrutura social 20,2274,8 Energia 37,758,3 Logística NOVOS E AMPLIAÇÕES VLR EM R$ BILHÕES SEGMENTOTOTAIS 646,0 32,7 178,3 44,0 295,0 96,0 PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC

37 ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO PAC EM 2008

38 ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO PAC EM Função: Habitação

39 PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC PREVISÃO DE INVESTIMENTOS DO PAC NO CEARÁ PERÍODO DE 2007 A 2010 (SEM NOVAS INCLUSÕES)

40 ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO PAC NO CEARÁ

41 PAC NO CEARÁ - OGU PROGRAMA ACAO AUTORIZADO EMPENHADO LIQUIDADO PAGO PAGO / AUTORIZADO Serviços Urbanos de Água e Esgoto ,3% Apoio a Sistemas de Abastecimento de Água em Municípios de Regiões Metropolitanas, de Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico, Municípios com mais de 50 mil Habitantes ou Integrantes de Consórcios Públicos com mais de 150 mil Habitantes ,2% Apoio a Sistemas de Esgotamento Sanitário em Municípios de Regiões Metropolitanas, de Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico, Municípios com mais de 50 mil Habitantes ou Integrantes de Consórcios Públicos com mais de 150 mil Habitantes ,3% Urbanização, Regularização Fundiária e Integração de Assentamentos Precários Apoio a Empreendimentos de Saneamento Integrado em Assentamentos Precários em Municípios de Regiões Metropolitanas, de Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico ou Municípios com mais de 150 mil Habitantes TOTAL DA FUNÇÃO: SANEAMENTO ,4% CEARÁ – OGU 2008 SANEAMENTO Fonte: SIAFI em 31 de dezembro de 2008

42 PAC NO CEARÁ - OGU PROGRAMA ACAO AUTORIZADO EMPENHADO LIQUIDADO PAGO PAGO / AUTORIZADO Urbanização, Regularização Fundiária e Integração de Assentamentos Precários ,3% Apoio à Urbanização de Assentamentos Precários ,3% Descentralização dos Sistemas de Transporte Ferroviário Urbano de Passageiros ,1% Cumprimento de Obrigações Decorrentes da Transferência do Sistema de Transporte Ferroviário Urbano de Passageiros de Fortaleza - CE ,0% Apoio à Implantação do Trecho Sul Vila das Flores-João Felipe do Sistema de Trens Urbanos de Fortaleza - CE Apoio à Modernização do Trecho Oeste João Felipe - Caucaia do Sistema de Trens Urbanos de Fortaleza - CE TOTAL DA FUNÇÃO: URBANISMO ,6% CEARÁ – OGU 2008 URBANISMO Fonte: SIAFI em 31 de dezembro de 2008

43 PAC NO CEARÁ - OGU FUNÇÃO AUTORIZADO EMPENHADO LIQUIDADO PAGO PAGO / AUTORIZADO Urbanismo ,6% Saneamento ,4% Gestão Ambiental Agricultura ,8% Transporte ,9% TOTAL OGU ,0% EVOLUÇÃO DO EMPREGO FORMAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL - CAGED nº de pessoas LOCALIDADE 2008 MÊSANO BRASIL ,38% ,93% NORDESTE ,48% ,42% CEARÁ ,37%3.3448,44% CEARÁ – OGU 2008 Fonte: SIAFI em 31 de dezembro de 2008

44 A construção tem grande capacidade de estimular a economia e garantir as condições de crescimento; Os investimentos em infra-estrutura são indispensáveis ao desenvolvimento sustentável. CONCLUSÕES

45 Câmara Brasileira da Indústria da Construção Tel.: (61) Fax: (61)


Carregar ppt "Paulo Safady Simão – Presidente da CBIC Fortaleza 17/02/2008 Cenário atual da Construção Civil no Brasil."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google