A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Liga da Dor Curso Introdutório Semiologia da Dor e Dor na Clínica Médica Ana Claudia Tonelli de Oliveira Medicina: UFSM Medicina Interna : Santa Casa de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Liga da Dor Curso Introdutório Semiologia da Dor e Dor na Clínica Médica Ana Claudia Tonelli de Oliveira Medicina: UFSM Medicina Interna : Santa Casa de."— Transcrição da apresentação:

1 Liga da Dor Curso Introdutório Semiologia da Dor e Dor na Clínica Médica Ana Claudia Tonelli de Oliveira Medicina: UFSM Medicina Interna : Santa Casa de Porto Alegre Especialização em Geriatria: PUCRS Prof Clínica Médica FFFCMPA

2

3 DOR Sensação Subjetiva desagradável Pode assumir diferentes formas: Pior sensação dolorosa Desconforto

4 Maneira de Sentir e Modo de Expressar

5 Estrutura orgânica sensível + Estímulo Adequado = Sensação dolorosa

6 Dois Grandes Grupos: Estruturas muito sensíveis: Estruturas pouco ou nada Sensíveis: Pele ( picada, calor, inflamação ) Dentina e polpa dentária ( picada e inflamação) Pleura parietal ( inflamação e tração ) Peritônio parietal ( inflamação e compressão) Cápsula Hepática ( distensão) Músculo Cardíaco ( anóxia) Sinóvia Periósteo Meninges Ossos Tecido Hepático Superfícies articulares Pleura visceral e parênquima pulmonar Peritônio Visceral Pericárdio visceral Parênquima cerebral

7 Recepção, Condução e Percepção Um estímulo adequado atinge terminações sensitivas de uma estrutura, Origina-se uma sucessão de fatos eletrofisiológicos (bradicininas), O impulso percorre a via nervosa até as raízes dorsais da medula, Neste nível passará para uma nova via de condução – feixes espino-talâmicos Chega ao tálamo e córtex parietal

8 Sensação percebida sob a forma de DOR

9 Tipos de Dor 1.Dor Cutânea ou superficial 2.Dor Profunda 3.Dor visceral 4.Dor referida 5.Dor irradiada

10 Dor Cutânea ou superficial (somática) Provocada por: Traumatismos, calor ou frio intensos, substâncias cáusticas e venenos. Intensidade: Depende muito do tipo e da intensidade do estímulo: é sentida no local exato do estímulo e a sensação tem qualidade própria para os diferentes estímulos.

11

12 Tipos de Dor 1.Dor Cutânea ou superficial 2.Dor Profunda 3.Dor visceral 4.Dor referida 5.Dor irradiada

13 Dor Profunda (somática) Sentida nos músculos, tendões, articulações e fáscias.

14 Tipos de Dor 1.Dor Cutânea ou superficial 2.Dor Profunda 3.Dor visceral 4.Dor referida 5.Dor irradiada

15 Dor Visceral Provocada por: Distensão, tração, inflamação, isquemia e contração espasmódica. Qualidade: Varia conforme a víscera: Coração Pleura Vísceras ocas Vísceras sólidas

16 Dor Visceral É percebida nas regiões que correspondem à sua origem embriológica Coração – retroesternal Intestino delgado – região umbilical Apêndice - epigástrio

17 Tipos de Dor 1.Dor Cutânea ou superficial 2.Dor Profunda 3.Dor visceral 4.Dor referida 5.Dor irradiada

18 Dor Referida Profunda que se projeta à distância – metamérica. Convergência das vias aferentes cutâneas e profundas de um mesmo segmento

19 Dor Referida Não tem localização muito precisa e é contínua Angina ou IAM

20 Tipos de Dor 1.Dor Cutânea ou superficial 2.Dor Profunda 3.Dor visceral 4.Dor referida 5.Dor irradiada

21 Dor Irradiada Provocada por: irritação direta de um nervo sensitivo ou misto. É sentida exatamente no território correspondente à raiz nervosa estimulada – superficial e profunda Ex: Dor ciática: percepção da dor em território que é inervado pela raiz nervosa estimulada.

22

23 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

24 1.Localização A melhor forma é pedir ao paciente que aponte com o dedo onde dói Outros elementos podem ser retirados ao ver o paciente apontar: Ex: mão fechada retroesternal X ponta do dedo no precordio.

25

26 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

27 2.Irradiação Aplica-se os mesmos princípios anteriores Ex.: cólica renal

28

29 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

30 3.Caráter ou Qualidade 1.Queimação: úlcera péptica 2.Em pontada ou Fincada: Dor pleurítica 3.Dor pulsátil: Alguns Tipos de cefaléia 4.Dor em cólica: intestinal, menstrual 5.Dor surda ( contínua, mas imprecisa eque não tem grande intensidade): –dor lombar 6.Dor constritiva/ aperto: IAM 7.Dor contínua: Pancreatite aguda 8.Dor do membro Fantasma: dor no membro amputado

31

32 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

33 4.Intensidade Atenção para a Relatividade!

34 Intensidade Leve Moderada Intensa Muito intensa

35 Graduar intensidade Zero = nenhuma dor 10 = pior dor já sentida 010

36 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

37 5.Duração Tempo decorrido entre o início da dor e o exame Contínua Cíclica ( periódica)

38 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

39 6.Evolução Pode intensificar-se progressivamente Pode ser rítmica Pode apresentar surtos periódicos ao longo da duração da doença

40 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

41 Relação com as Funções Orgânicas Leva em conta a localização da dor e os órgãos situados na área. Ex: Tórax retroesternal cervical epigástrica lombar baixo ventre pernas

42 Características semiológicas da DOR Localização Irradiação Caráter ou qualidade Intensidade Duração Evolução Relação com as funções orgânicas Fatores desencadeantes ou agravantes Fatores que aliviam Manifestações concomitantes

43 8.Fatores Desencadeantes ou Agravantes Execução de esforço Alimentação Compressão do local

44 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

45 9.Fatores que Aliviam Também pode estar relacionados com as funções orgânicas Posições antálgicas Indução de vômito Resposta a analgésicos já utilizados

46 Características semiológicas da DOR 1.Localização 2.Irradiação 3.Caráter ou qualidade 4.Intensidade 5.Duração 6.Evolução 7.Relação com as funções orgânicas 8.Fatores desencadeantes ou agravantes 9.Fatores que aliviam 10.Manifestações concomitantes

47 10.Manifestações Concomitantes A própria dor, quando muito intensa pode provocar outros sintomas. Cólicas: náuseas, vômitos, sudorese, palidez e mal-estar É freqüente que a dor se acompanhe de manifestações relacionadas diretamente com sua causa. Ex.: cólica nefrética, enxaqueca clássica

48 Angina x Probabilidade pré-teste Idade Dor não- anginosa Dor atípicaDor típica Probabilidade de lesões coronarianas (em %) ACC/AHA Guidellines.

49 Cefaléia e Dor Facial (Dor Referida) Tecido Cerebral é insensível Fossa anterior e média anterior à sutura coronal Fossa posterior occipital e cervical superior Esfenóide e Sela Base

50 Cefaléia Tensional Síndrome mais comum de cefaléia Episódica < 15 dias por mês Crônica > 15 dias por mês

51 Caracteristicas – Cefaléia Tensional 30 minutos a 7 dias Pressão ou peso Dor leve a moderada Localização variável, frequentemente bilateral Náusea e vômitos São raros

52 Enxaqueca 17% das mulheres, 6% dos homens Dor moderada a severa Unilateral, pulsátil 4 a 72 horas Nausea, vômito, foto ou fonofobia Com ou sem aura

53 Causação - Enxaqueca Inflamação estéril dos vasos intracranianos – sistema trigeminovascular Serotonina (5- hydroxytryptamine) receptores Fatores desencadeantes: –Stress –Menstruação –ACO –Infecção –Trauma –Vasodilatadores –Vinho –Queijos envelhecidos

54 Cluster Dor intensamente severa Unilateral Periorbital 15 a 180 minutos Nausea e vômitos incomuns Sem aura Intolerância ao álcool Predominância masculina Hiperatividade autonômica: –Injeção conjuntival –Lacrimejamento –Congestão nasal –Ptose

55 Cluster

56 Episodica –Dois episódios por ano a um a cada dois ou mais anos – sete dias no ano Crônica –Fases de remissão menores do que 14 dias –Remissão prolongada ausente por mais de1 ano

57 Arterite Temporal Dor unilateral moderada a severa, Pacientes acima de 65 anos Vasos do escalpo tortuosos VSG elevado Biópsia para diagnóstico definitivo Tratamento com esteróides Se não tratada complica com perda de visão

58 Cefaléia Crônica Diária 6 dias a uma semana em 6 meses Bilateral, frontal ou occipital Moderadamente severa Devida a uso excessivo de analgésicos ? Transformação de enxaqueca e Cefaléia tensional ?

59 Neuralgia Trigeminal Dor paroxistica – segundos a menos de 2 minutos Distribuida ao longo do quinto par (trigêmio) Assintomático entre os ataques Pontos de gatilho

60 Neuralgia Pós-Herpética Dor neurítica persistente por mais de 2 meses após erupção aguda

61 Desordens Temporomandibulares Sintomas –Cefaléia temporal –Dor de ouvido –Dor facial –Trismo –Barulho articular 60% espontânea

62 Sensibilidade à palpação Dor com movimento Click audível

63


Carregar ppt "Liga da Dor Curso Introdutório Semiologia da Dor e Dor na Clínica Médica Ana Claudia Tonelli de Oliveira Medicina: UFSM Medicina Interna : Santa Casa de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google