A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO DE RODOVIA DO TIPO C.R.E.M.A. - 2ª ETAPA Rodovias: BR 040/DF/GO e BR-251/DF/GO Sub-Trechos: BR-040/DF.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO DE RODOVIA DO TIPO C.R.E.M.A. - 2ª ETAPA Rodovias: BR 040/DF/GO e BR-251/DF/GO Sub-Trechos: BR-040/DF."— Transcrição da apresentação:

1 PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO DE RODOVIA DO TIPO C.R.E.M.A. - 2ª ETAPA Rodovias: BR 040/DF/GO e BR-251/DF/GO Sub-Trechos: BR-040/DF (Duplicado) Entrº BR-050(A)/251/DF-001/003 (Brasília) – Entrº BR-050(B) (Divisa DF/GO); BR-040/GO (Duplicado) Entrº BR-050(A) (Divisa DF/GO) – Entrº GO-010 (p/Luziânia); BR-040/GO Entrº GO-010 (p/Luziânia) – Divisa GO/MG; BR-251/DF Entrº DF-295 (Divisa GO/DF) – Entrº DF-001(A) (EPCT); BR-251/GO Divisa MG/GO – Divisa GO/DF Segmentos: BR-040/DF (Pista Dupla) – km 0,00 ao km 8,4; BR-040/GO (Pista Dupla) – km 0,00 ao km 24,1; BR-040/GO – km 24,1 ao km 157,3; BR-251/DF – km 0,00 ao km 45,6; BR-251/GO – km 0,00 ao km 34,0 Extensão: 277,8 km Goiânia Strata Engenharia Ltda 1

2 Mapa de Situação Strata Engenharia Ltda 2

3 PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO Strata Engenharia Ltda 3

4 Número N VALORES DO NÚMERO "N" - USACE BR-020/DF9,96E+07 BR-020/GO6,90E+07 BR-070/DF2,46E+07 BR-070/GO2,46E+07 BR-080/DF3,01E+07 BR-050/GO(Estaca 0 a 1395)7,54E+07 BR-050/GO5,21E+07 BR-040/DF2,65E+08 BR-040/GO1,19E+08 BR-251/DF3,93E+07 BR-251/GO2,30E+07 4

5 Strata Engenharia Ltda Pavimentação Diagnóstico do Pavimento: LVC, IRI, FWD Análise do Diagnóstico Projeto de Restauração Métodos e Resultados : PRO 011, PRO 269, PARAGON e RetroanáliseMétodos e Resultados : PRO 011, PRO 269,PARAGON e Retroanálise Soluções Compatibilizações 5

6 Strata Engenharia Ltda Projeto de Restauração Diagnóstico – Conhecimento dos Problemas por meio das Avaliações Estruturais e Funcionais bem como ensaios Complementares - LVC = Levantamento Visual Contínuo - IRI = International Roughness Index - FWD = Falling Weight Deflectomer Rotativa - Sondagens Poço 6

7 Strata Engenharia Ltda LVC 7

8 Strata Engenharia Ltda IRI Irregularidade Longitudinal 8

9 Strata Engenharia Ltda FWD Bacia de Deflexão 9

10 Strata Engenharia Ltda Sondagem Rotativa Sondagem de Poço 10

11 Strata Engenharia Ltda Catálago de Soluções CATÁLOGO DE SOLUÇÕES TÉCNICAS - DNIT (Pro-11/79 10 anos) Rodovias com revestimento em Concreto Asfáltico IRI N (USACE) IRI 33 < IRI 44 < IRI 5,5 IRI > 5,5 VMD IGG 20 IGG > 20 IGG 20 IGG > 20 IGG 60 IGG > 60 IGG 60 IGG > 60 IGG 100 IGG > 100 IGG 100 IGG > 100 IGG 150 IGG > 150 IGG 150 IGG > 150 VMD < 1000< 6,9 E + 06 Defl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > Dadm LGF5(5%) + LGHxF5(5%) + HxF5(10%) + Micro(1,5)F5(20%) + Micro(1,5)F5(10%) + HxF5(20%) + Hx F5(20%) + REP + Micro(1,5) F5(30%) + REP + Micro(1,5) F5(20%) + REP + HxF5(30%) + REP + HxFR5(100%) + REP + H4 FR5(100%) + REP + TSDpol + H4 FR5(100%) + REP + TSDpol + Hx REC5 AcostamentosTSDReest. De base + TSD Reest. De base + TSD(10%) TSD(90%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(20%) TSD(80%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(30%) TSD(70%) Reest. De Base + TSDREC + TSD 1000 VMD < ,9 E + 06 Defl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > Dadm < 1,43 E + 07LGF5(5%) + LGHxF5(5%) + HxF5(10%) + Micro(1,5)F5(20%) + Micro(1,5)F5(10%) + HxF5(20%) + Hx F5(20%) + REP + Micro(1,5) F5(30%) + REP + Micro(1,5) F5(20%) + REP + HxF5(30%) + REP + HxFR5(100%) + REP + H4 FR5(100%) + REP + TSDpol + H4 FR5(100%) + REP + TSDpol + Hx REC7 AcostamentosTSDReest. De base + TSD Reest. De base + TSD(10%) TSD(90%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(20%) TSD(80%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(30%) TSD(70%) Reest. De Base + TSDREC + TSD 2000 VMD < ,43 E + 07 Defl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > Dadm < 2,14 E + 07LGF5(5%) + LGHxF5(5%) + HxF5(10%) + H3F5(20%) + H3F5(10%) + HxF5(20%) + HxF5(20%) + REP + H3F5(30%) + REP + H3F5(20%) + REP + HxF5(30%) + REP + HxFR5(100%) + REP + H5 FR5(100%) + REP + TSDpol + H5 FR5(100%) + REP + TSDpol + Hx REC8 AcostamentosTSDReest. De base + TSD Reest. De base + TSD(10%) TSD(90%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(20%) TSD(80%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(30%) TSD(70%) Reest. De Base + TSDREC + TSD 3000 VMD < ,14 E + 07 Defl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > Dadm < 3,57 E + 07LGF5(5%) + LGHxF5(5%) + HxF5(10%) + H3F5(20%) + H3F5(10%) + HxF5(20%) + HxF5(20%) + REP + H3F5(30%) + REP + H3F5(20%) + REP + HxF5(30%) + REP + HxFR5(100%) + REP + H5 FR5(100%) + REP + TSDpol + H5 FR5(100%) + REP + TSDpol + Hx REC9 AcostamentosTSDReest. De base + TSD Reest. De base + TSD(10%) TSD(90%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(20%) TSD(80%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(30%) TSD(70%) Reest. De Base + TSDREC + TSD VMD ,57 E + 07 Defl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > DadmDefl < DadmDefl > Dadm LGF5(5%) + LGHxF5(5%) + HxF5(10%) + H3F5(20%) + H3F5(10%) + HxF5(20%) + HxF5(20%) + REP + H3F5(30%) + REP + H3F5(20%) + REP + HxF5(30%) + REP + HxFR5(100%) + REP + H5 FR5(100%) + REP + TSDpol + H5 FR5(100%) + REP + TSDpol + Hx REC10 AcostamentosTSDReest. De base + TSD Reest. De base + TSD(10%) TSD(90%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(20%) TSD(80%) Reest. De base + TSD Reest. De base + TSD(30%) TSD(70%) Reest. De Base + TSDREC + TSD Nota: FR5 = fresagem de 5 cm F5 = fresagem + reposição de 5 cm REP = reperfilagem com massa fina de CBUQ e = 2 cm LG = lama asfáltica grossa Micro = micro revestimento asfáltico em duas camadas (1,5 cm) TSDpol = tratamento superficial duplo c/ polímero REC e = reconstrução através de reciclagem de Base + revestimento com espessura de e Reest. De base = reestabilização de base com adição de 10 cm de material TSD = tratamento superficial duplo Hx = camada de CBUQ com espessura x, onde x = 40 log DP/Dadm 11

12 Strata Engenharia Ltda Análise do Diagnóstico Linear Funcional Estrutural SINÓPTICO LINEAR – Extraído do PARAGON 12

13 Strata Engenharia Ltda 13

14 Strata Engenharia Ltda 14

15 Strata Engenharia Ltda Métodos e Resultados : LEAD, PRO 011 e PRO

16 Strata Engenharia Ltda Resultado : Retroanálise 16

17 Strata Engenharia Ltda Soluções QUADRO COMPARATIVO DO DIMENSIONAMENTO DO REFORÇO DO PAVIMENTO - CATÁLOGO CREMA 2ª ETAPA(DNER PRO-11/79) X SOLUÇÕES DE PROJETO - DNER-PRO 269/94(TECNAPAV) Rodovia:BR 040/DF Extensã o: 8,4km Pista Dupla - Lado Esquerdo Trecho: Entrº BR-050(A)/251/DF-001/003 (Brasília) – Entrº BR-050(B)(Div. DF/GO) Sub Trecho: Entrº BR-050(A)/251/DF- 001/003 (Brasília) – Entrº BR- 050(B) (Divisa DF/GO) Segmento HomogêneoParâm.Funcionais e Estruturais Np Dadm (0,01 mm)- DNER-PRO 11 / 79 Dadm (0,01 mm)- DNER-PRO 269/94 (TECNAPAV) SOLUÇÕES CATÁLOGO - CREMA 2ª ETAPASOLUÇÕES MÉTODO DNER-PRO 269/94 (TECNAPAV) Solução Adotada na Pista NoNo EstacaQuilometro Extensão (km) Dc FWD (0,01mm) Flecha (mm) IRI (mm) IGG he CBUQ (cm) Hcg (cm) Espessura Fresagem descontínua(cm) Reciclagem Base "In Situ" c/ 3% cimento Reperfil. Massa Fina c/polímero(cm) Tratamento Supercial Simples c/polímero(cm) Lama Grossa(cm) Camada antireflexão de trincas CBUQ Faixa "B" (cm) CBUQ Faixa "C" (cm) Intervenção de Restauração InicialFinalInicialFinalPISTAACOSTAMENTOS LD/LEPISTAACOSTAMENTO LD 10808,4006,8001,60047,042,214413,540,02,65E F5(5%) + H6Reest. da Base + TSDF5(5%) + H4RL(5%) + H55,00,0 1,50,0 4,0F5(5%) + CART + H ,8004,9001,90056,632,512613,040,02,65E F5(5%) + H10Reest. da Base + TSDF5(5%) + H8RL(5%) + H105,00,0 1,50,0 4,0 F5(5%) + CART + H ,9004,4000,50041,642,713313,040,02,65E F5(5%) + H4Reest. da Base + TSDF5(5%) + H4RL(5%) + H7,55,00,0 1,50,0 4,0F5(5%) + RP(3%) + CART + H ,4003,4001,00056,252,716913,040,02,65E F5(5%) + H9Reest. da Base + TSDF5(5%) + H8RL(5%) + H9,55,00,0 1,50,0 4,0 F5(5%) + RP(1%) + CART + H ,4002,8000,60037,642,611812,040,02,65E F5(5%) + H3Reest. da Base + TSDF5(5%) + H5RL(5%) + H3,55,00,0 1,50,0 3,0F5(5%) + CART + H ,8001,0001,80053,162,812012,040,02,65E F5(5%) + H8Reest. da Base + TSDF5(5%) + H7RL(5%) + H5,55,00,0 1,50,0 5,0F5(5%) + CART + H ,0000,0001,00049,643,315212,040,02,65E F5(20%) + H7Reest. da Base + TSDF5(20%) + H6RL(5%) + H5,55,00,0 1,50,0 5,0F5(20%) + CART + H5 17

18 Strata Engenharia Ltda Seção Transversal: Fresagens Localizadas e Reforço 18

19 Strata Engenharia Ltda Seção Transversal: Reparo Profundo e Reforço 19

20 PROJETO DE MELHORIAS DIAGNÓSTICO DE PONTOS CRÍTICOS E SOLUÇÃO PROPOSTAS Strata Engenharia Ltda 20

21 Diagnósticos: 1º - Diante da falta de estrutura viária dos municípios, as cidades acabam se desenvolvendo ao longo das rodovias pavimentadas, ocupando desordenadamente a faixa de domínio. Nessas áreas altamente comprometidas pelo povoamento, entrecortadas com o cruzamento de vias, a previsão de acidentes é impossível. 2º - A elaboração de interseções com geometria desatualizada, em entroncamentos com rodovias estaduais e municipais. Strata Engenharia Ltda 21

22 Coleta de Dados Boletins de Registro de Acidentes de Trânsito Entrevistas com Moradores e Engenheiro da Unidade Local do DNIT Inspeção da Rodovia Avaliação da Geometria das Interseções Registro Fotográfico Levantamento Topográfico Processamento das Informações Elaboração de Croquis com Novas Interseções e Travessias Urbanas Aprimoração da solução juntamente com o Engenheiro da Unidade Local do DNIT Strata Engenharia Ltda 22

23 BR-040 – Distrito Federal Km 1,4 – Retorno de Acesso ao Condomínio Santos Dumont Km 4,1 – Retorno para acesso clandestino ao bairro Santa Maria Km 4,4 e km 5,3 – Retorno duplo Km 5,8 – Retorno para o acesso ao Porto Seco e DF-429 Strata Engenharia Ltda 23

24 BR-040 – GOIÁS Km 0,0 ao km 5,3 – Travessia Urbana da cidade de Valparaiso Km 0,3 e km 0,5 – Retornos para a ligação à Avenida Comercial Sul e Rua Um – cidade de Valparaiso Km 1,4 e 1,9 – Retorno simples para Brasília Km 3,5 – Retorno simples para Brasília Km 6,4 ao km 14,1 – Travessia Urbana da cidade de Ocidental Km 15,4 ao km 26,2 – Travessia Urbana da cidade de Luziânia Strata Engenharia Ltda 24

25 BR-040 – GOIÁS Km 25,4 – Cruzamento da Avenida do Contorno e a Rua Dezenove em Luziânia Km 27,7 – Acesso a loteamento no lado esquerdo da rodovia Km 61,4 – Interseção de acesso ao povoado de São Bartolomeu Km 92,2 – Interseção com a rodovia GO-436 de acesso à Cidade de Unaí Km 94,9 ao km 96,6 – Travessia Urbana da cidade de Cristalina Strata Engenharia Ltda 25

26 BR-251 – Distrito Federal Km 0,0 – Interseção com a rodovia DF-295 Km 5,50 a 6,70 – Interseção com a Rodovia DF-285 e Travessia de Unidade Industrial Km 8,0 – Interseção com a rodovia DF-125 que acessa o Núcleo Rural Capão Seco Km 10,8 e 14,1 – Interseção com a rodovia DF-130 Km 32,9 – Interseção de acesso à Comunidade de São Sebastião Km 37,5 – Interseção de acesso à Comunidade de Nova Betânia Strata Engenharia Ltda 26

27 BR-251 – GOIÁS Km 12,8 e km 13,8 Interseção com Rodovia GO-010 km 20,8 – Interseção com Rodovia Estadual Km 25,3 ao 33,7 – Travessia Urbana de Comunidade Rural Strata Engenharia Ltda 27

28 O grande número de retornos operacionais sucessivos em mesmo nível existentes ao longo da BR-040/DF e na travessia urbana de Valparaiso, inicio da BR-040/GO é um dos fatores mais evidentes que contribuem para perda de fluidez e formação de congestionamentos. O nível de serviço é drasticamente reduzido nos horários de pico devido aos elevados fluxos de tráfego que conflitam nas operações de retorno, impedindo o deslocamento preferencial do tráfego direto da pista central da via. Strata Engenharia Ltda 28

29 Exemplo: Existem 7 (sete) retornos operacionais em mesmo nível na BR-040/DF, sendo 5 (cinco) retornos simples e 2 (dois) retornos duplos, o que dá uma média de 1 (um) retorno a cada 1,20 km, a saber: km 1,80 – retorno simples Santos Dumont; km 4,40 – retorno simples da ampliação de Santa Maria; km 4,80 – retorno duplo para a Marinha I; km 5,60 – retorno duplo para Marinha II; km 6,10 – retorno simples para Porto Seco I; km 7,00 – retorno simples para Valparaíso; e, km 8,00 – retorno simples para Porto Seco II. Considerando a velocidade de 80 km/h, regulamentada para a via, os fluxos de tráfego encontram uma interferência para deslocamento a cada intervalo médio de 54 segundos, evidenciando uma situação crítica com relação à fluidez do trânsito, sem considerar as demais interseções existentes ao longo do desenvolvimento deste trecho da rodovia. Strata Engenharia Ltda 29

30 Detalhe do retorno km 3,5 – BR-040 GO Detalhe do retorno km 4,1 – BR-040 DF 30

31 Vista aérea do retorno km 5,8 – BR-040 DF Detalhe do retorno km 5,8 – BR-040 DF 31

32 Vista aérea do acesso a São Bartolomeu no km 61,4 –BR-040 GO Detalhe do acesso a São Bartolomeu no km 61,4 –BR-040 GO 32

33 33

34 34


Carregar ppt "PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO DE RODOVIA DO TIPO C.R.E.M.A. - 2ª ETAPA Rodovias: BR 040/DF/GO e BR-251/DF/GO Sub-Trechos: BR-040/DF."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google