A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais O HTLV e as ações do Ministério da Saúde Setembro de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais O HTLV e as ações do Ministério da Saúde Setembro de."— Transcrição da apresentação:

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais O HTLV e as ações do Ministério da Saúde Setembro de 2012

2 INFECÇÃO PELO HTLV ESTUDOS DE SOROPREVALÊNCIA NO BRASIL PVHA ASSINTOMÁTICOS 1% Caterino-Araújo, 94 COINFECÇÃO COM AIDS, SP10% Casseb, 94 COINFECÇÃO COM AIDS, Santos13.4% Etzel, 2001 HSH, RJ 4% Cortes, 93 PROFISSIONAIS DO SEXO, RJ/MG 9% Cortes, 93 Santos2.3% Bellei, 96 UDI, BA35.2% Dourado, 98 DOADORES DE SANGUE, SP0.15% Ferreira Jr, 95 RJ % Carvalho, 97 PE 0.6% Loureiro, 96 BA1.35% Galvão-Castro, 97 GESTANTES, BA0.84% Bittencourt, 2001 ESTUDO POPULACIONAL (Salvador, BA)1.76% Dourado, 2003

3 SOROPREVALÊNCIA DO HTLV-1 NO BRASIL EM DOADORES DE SANGUE Proietti, 2002

4 Produção Ambulatorial do SUS - Brasil - por local de atendimento – 2010: SOROLOGIA ANTI-HTLV Região/UF Pesquisa de anticorpos anti-HTLV Sorologia anti-HTLV em bancos de sangue Testes realizados BRASIL Região Norte Região Nordeste Região Sudeste Região Sul Região Centro-Oeste

5 Projetos de pesquisa relacionados ao HTLV financiados pelo Departamento DST/aids/HV desde 2006: 12 projetos, totalizando R$ ,65 Projetos incluindo pessoas vivendo com HIV coinfectadas (7), transmissão vertical (2) e outras populações (3)

6 Recomendações brasileiras

7 Rearticulação do Grupo Técnico de HTLV Adele Caterino de Araujo – Instituto Adolfo Lutz de São Paulo; SES-SP Aluisio Augusto Cotrim Segurado – USP Bernardo Galvão Castro Filho – Fundação Oswaldo Cruz, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP). Denise Utsch Gonçalves – UFMG Ester Cerdeira Sabino – USP e Hemocentro de São Paulo. Jorge Simão do Rosário Casseb – Instituto de Medicina Tropical / USP Márcia Maria Ferrairo Janini Dal Fabbro –SMS Campo Grande/MS Marcus Tulius Teixeira da Silva – IPEC /FIOCRUZ Maria do Socorro Pombo de Oliveira – Instituto Nacional de Câncer. Paula Loureiro –Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco Paula Magalhães – HU Oswaldo Cruz – Pernambuco. Ricardo Ishak –Universidade Federal do Pará Sandra de Castro do Vale - Associação Lutando Para Viver Amigos do IPEC Manoel Cabral da Silva Filho - APPV - HTLV

8 Foco atual Inclusão no SUS de teste diagnóstico confirmatório para a infecção pelo HTLV. –Western blot –PCR Atualização do Guia do manejo clínico do HTLV: previsão de publicação da versão digital: final de Fornecimento do AZT como adjuvante terapêutico quando solicitado. Maior destaque para o HTLV em outros documentos do Ministério da Saúde.

9 Diagnóstico Laboratorial da infecção pelo HTLV 1/2 A triagem sorológica para HTLV – 1/2 em hemocentros nacionais tornou- se obrigatória a partir de 1993, através da portaria nº 1376 do Ministério da Saúde. Situação dos kits laboratoriais: EIA: Alguns kits têm baixa sensibilidade Kits registrados no Brasil e podem ser faturados no SUS WB: Não há número de procedimento na tabela SIA-SUS; Elevado custo; Alto índice de indeterminados. PCR: Baixo custo; Não está registrado para o HTLV no Brasil (in house)

10 Atualização do Guia do manejo clínico do HTLV CapítuloTítulo IntroduçãoHistórico dos retrovírus, descrição do HTLV e situação taxonômica 1Epidemiologia e Mecanismos de transmissão 2Patogenia 3 Doenças e síndromes associadas à infecção pelo HTLV e abordagem clínica do paciente com infecção pelo HTLV 4Leucemia e linfoma de células T do adulto 5Aspectos neurológicos 6Oftalmologia e HTLV 7Dermatologia e HTLV 8Aspectos urológicos 9Psiquiatria 10Reumatologia 11Coinfecções 12Diagnóstico 13Transmissão Vertical 14Incapacidades e Reabilitações

11 Próximos passos Ampliação da testagem diagnóstica em grupos específicos. Fornecimento de inibidor da lactação para todas as puérperas com infecção pelo HTLV confirmada e de fórmula infantil para os recém-nascidos expostos ao HTLV. Ampliação das linhas de pesquisa no tema HTLV.

12 Próximos passos Consolidação da linha de cuidado da pessoa vivendo com HTLV. Estratégias de comunicação. Ações de prevenção.

13 Diagnóstico – grupos prioritários Gestantes Receptores de transfusão sanguínea antes de 1993 Contatos de pessoas infectadas ou com suspeita de infecção pelo HTLV Usuários de drogas injetáveis Pessoas infectadas por outros agentes de transmissão sanguínea ou sexual Aqueles com sinais ou sintomas compatíveis com doenças relacionadas à infecção pelo HTLV.

14 Prevenção da Transmissão Vertical Contraindicação do aleitamento materno. Fornecimento pelo SUS da inibição da lactação e da fórmula infantil para os recém-nascidos expostos. Acompanhamento da criança exposta.

15 Linhas de pesquisa Estudo clínico-epidemiológico na coinfecção HIV/HTLV: fatores clínicos e laboratoriais associados às manifestações neurológicas de ambos os retrovírus. Estudo multicêntrico para avaliação da coinfecção HIV-HTLV no Brasil. Estudo clínico-epidemiológico da transmissão vertical do HIV, HTLV, Sífilis, Hepatite B, Neisseria, Clamídia e Streptococcus Tipo B em gestantes que realizam exames sorológicos de rotina na Fundação de Medicina Tropical do Amazonas e em parturientes com status sorológico desconhecido da Maternidade Nazira Daou (Hospital Universitário Dona Francisca Mendes) em Manaus. Perfil epidemiológico do doador de sangue com base na genotipagem dos vírus hepatotrópicos HBV e HCV e dos retrovírus HIV-1, HTLV-1 e HTLV-2 Estudo epidemiológico e molecular do HIV e do HTLV em quilombolas da Região Centro-Oeste. A influência do perfil imunogenético do hospedeiro e de fatores virais (coinfecção) no risco fetal em mulheres portadores do HIV-1 nos Estados do Pará, Amapá, Acre e Tocantins. Caracterização clínico-epidemiológica e molecular da infecção Vírus Linfotrópico de células T humanas em pacientes com Paraparesia Espástica Tropical/ Mielopatia Associada ao HTLV (PET/MAH) Avaliação clínico-epidemiológica de fatores de natureza viral e de cunho infeccioso (coinfecções virais e bacterianas) que influenciam o curso da doença no indivíduo infectado pelo vírus da imunodeficiência humana do tipo 1. Estudo epidemiológico da prevalência e fatores associados à infecção pelo HTLV I/II em puérperas da região metropolitana de Cuiabá, Janeiro a Junho Avaliação do impacto da coinfecção pelo HTLV na evolução clínica e laboratorial de crianças e adolescentes infectados pelo HIV-1, em Salvador, Bahia. Estudo clínico-epidemiológico das coinfecções do HIV com Hepatites B e C, HTLV-I e II na população de um município de porte médio do Rio Grande do Sul (Canoas). Retroviroses Humana (HIV/HTLV-1) no Brasil: Capacitação em Bioinformática para organização e análise de dados clínicos, epidemiológicos, resistência a droga antirretroviral e desenvolvimento de vacina anti-HIV/aids.

16 Unidade Básica de Saúde (diagnóstico e encaminhamento) Infectologista (seguimento anual, encaminhamento nos casos de complicações ) Outros especialistas (complicações) Hospital (complicações) Linha de cuidado

17 Obrigado Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais


Carregar ppt "MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais O HTLV e as ações do Ministério da Saúde Setembro de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google