A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Seminário Estadual em HTLV – RJ -2012 Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em HTLV Fundação Hemominas Dr. Luiz Cláudio Ferreira Romanelli.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Seminário Estadual em HTLV – RJ -2012 Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em HTLV Fundação Hemominas Dr. Luiz Cláudio Ferreira Romanelli."— Transcrição da apresentação:

1 Seminário Estadual em HTLV – RJ Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em HTLV Fundação Hemominas Dr. Luiz Cláudio Ferreira Romanelli

2 1993 – Teste sorológico para HTLV passou a ser obrigatório em doadores de sangue 1993 – 0,32% doadores FH positivos HTLV 1997 – Criado GIPH 2006 – 0,087% doadores FH positivos HTLV

3 Prestar assistência e orientação aos doadores com sorologia positiva para HTLV Aumentar o conhecimento sobre a infecção Desenvolver linhas de pesquisas dentro das subáreas

4 Coorte GIPH Doadores Pacientes HAM/TSP Parceiros sexuais e familaires anos Entrevista epidemiológica Entrevista clínica Exames laboratoriais

5 Doadores N = 736 Idade 33 ± 10,6 HAM/TSP N = 160 Idade 52,6 ± 14,6 Parceiros e Familiares N = 479

6 N = 324 HTLV-1 N = 9 HTLV-2 N = 237 Indeterminado N = 166 Controle

7 N = 89 HTLV-1 N = 2 HTLV-2 N = 6 Indeterminados N = 382 Soronegativos

8 Suporte Financeiro FAPEMIG CNPq CAPES Suporte Financeiro FAPEMIG CNPq CAPES

9 Epidemiologia Virologia Imunologia Ultramicroscopia Biologia molecular Neurologia Oftalmologia Otoneurologia Dermatologia Reumatologia Hematologia Psiquiatria

10 Políticas de saúde Portadores Profissionais da saúde Transmissão Pesquisa e publicações Formação de conhecimento Formação de profissionais Disseminação do conhecimento Assistência aos portadores OrientaçãoSuporte técnicoTratamento

11 Dissertações e teses Dissertações de Mestrado 14 finalizadas 6 andamento Teses de Doutorado 8 finalizadas 3 andamento

12

13

14

15 Caso Índice Mães Parceiros Sexuais Recém nascidos

16 Via predominante de transmissão é a sexual Destaca a maior prevalência em mulheres 42/117 (35,9%) Geral 24/55 (43,6%) Mulheres 18/62 (29,0%) Homens CATALAN-SOARES,2004

17 43 pares concordantes 21/43 (48.8%) 3/43 (7.0%) Não definido 19/43 (44.2%) 43 parceiros concordantes CATALAN-SOARES,2004

18 33/191 (17,3%) HTLV-1 1/3 (33,3%) HTLV-2 137/331 (41,4%) Perdas CATALAN-SOARES,2004

19 CASO ÍNDICE FOI UM PACIENTE COM HAM/TSP

20 Anti-HTLV IgG realizado em recém nascidos recém nascidos testado 42 confirmados positivos (7,6/10.000) Distribuição geográfica heterogênea, concentada em regiões do estado com os piores indicadores sociais e econômicos Ribeiro MA et al, 2010

21 As mães foram orientadas a interromper o aleitamento Leite foi oferecido as crianças Recém nascidos foram testados para HTLV-1/2 PCR e novamente testados (IgG and PCR) com 1 ano de idade Uma mãe recusou parar o aleitamento e realizar novo teste sorológico na criança Uma criança apresentou sorologia positiva, apesar da mãe relatar suspensão do aleitamneto

22 HAM/TSP – 15 casos (8 casos índices) ATL – 3 casos (1 caso índice)

23 Clínico Epidemiológico DermatológicoOtoneurológicoSARAHNeurológicoOftalmológicoLaboratorial

24 560 consultas agendadas 255 pacientes avaliados57 pacientes reavaliados106 não compareceram(19%)

25 255 AVALIAÇÕES13 EXCLUÍDOSN = 242

26 Fases Entrevista neurológica estruturada Exame neurológico Avaliação cognitiva Livre demanda Agendadas pelos pacientes Convocação fora da fase Projeto ressonância Convocação TCLE Acompanhamento dia do exame

27 Quando falo para outro médico que sou portador do HTLV ele acha que é HIV. Eu tenho que explicar que é diferente. Fui para a perícia com o relatório. O médico leu, abriu um livro grosso e disse que a minha doença não constava no livro. Qual o motivo do HTLV ser tão desconhecido pelos médicos? Já fui a vários médicos e quando falo que sou portador do vírus, eles falam que não conhecem.

28 Participantes HTLV-1 – N = 242 HAM/TSP – 27/242 (11,16%) Não HAM/TSP – 215/242 (88,54%)

29 ASSINTOMÁTICO N = 215 HAM/TSP N = 27 IDADEGÊNEROIDADEGÊNERO MDPMINMAXMFMDPMINMAXMF 45, 0 13, 3 16, 4 72, ,9% ,1% 50, 2 13, 1 26, 7 72, ,8% 23 85,2%

30 Assintomático N = 158 HAM/TSP N = 21 MDPNINMAXMDPMINMAX 268,0579,20,14452,0446,7537,40,022005,0

31 N = casos incidentes Taxa incidência acumulada – 3,31 % 1/76 (42%) homens 5/105 (58%) mulheres RR 3,62 (0,43

32 TEMPO (MESES)GRUPO N = 181 HAM/TSP N = 27 TOTAL15.781,95306,74 MÉDIA87,19 (50,54)51,12 (31,93) MÍNIMO1,106,40 MÁXIMO177,7390,77

33

34 Disfunção autonômica (intestinal, vesical, IE) Sinais piramidais (hiperreflexia, Sinal Babinski, fraqueza proximal MMII) Alteração marcha – paraparética espástica Alterações sensitivas

35 Cefaléia Depressão Fibromialgia Artrite Artrose Distúrbios do sono AVC Parkinson HAS Diabetes

36

37 Nestes 15 anos de existência, o GIPH, teve papel importante na disseminação do conhecimento sobre o HTLV. 1. Formação de profissionais 2. Informação aos portadores 3. Informação aos órgãos públicos para o desenvolvimento de políticas de saúde 4. Pesquisa e publicações científicas Apoio aos portadores do vírus, com redução da angustia dos mesmos, decorrente da falta de conhecimento na área.

38


Carregar ppt "Seminário Estadual em HTLV – RJ -2012 Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em HTLV Fundação Hemominas Dr. Luiz Cláudio Ferreira Romanelli."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google