A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O modelo do « coletivo de professores » Analisar uma equipe pedagógica dentro do ensino agrícola Jean-François MARCEL Professore do lensino Su perior Agricola.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O modelo do « coletivo de professores » Analisar uma equipe pedagógica dentro do ensino agrícola Jean-François MARCEL Professore do lensino Su perior Agricola."— Transcrição da apresentação:

1 O modelo do « coletivo de professores » Analisar uma equipe pedagógica dentro do ensino agrícola Jean-François MARCEL Professore do lensino Su perior Agricola em sciencias da educação ENFA, Université de Toulouse (France)

2 A equipe pedagógica A dimenção coletiva: trabalhar junto dentro de uma equipe pedagógica Lembrete das contribuições da psicologia social : o conjunto é diferente das somas das partes, um grupo não se reduz à agregação de seus membros Uma aproximação para a pesquisa: Esclarecimento plural da temática Modelização Ilustração Qual uso para a ação ? Caracterização das equipes com a ajuda do modelo Do modelo « para conhecer » o instrumento « para agir » J-F Marcel, Brésil, Mai 20092

3 Analíse da atividade coletiva (J. Leplat) J-F Marcel, Brésil, Mai Tarefa engate Groupo de trabalho Atividade coletiva Consequências para o sistema Consequências para o grupo Avaliação externa Avaluação interna

4 Esclarecimento do esquema A tarefa : Metas a atingir, prescrito (à variedade de graus) pela organização O grupo de trabalho: grupo de individuos que participam da execução da tarefa de maneira interdependente A atividade colectiva: intervenção coordenada dos membros que participam desta atividade O engate tarefa / grupo de trabalho: redefinição da tarefa pelo grupo (possibilidades, preferências, valores, etc.) J-F Marcel, Brésil, Mai 20094

5 Uma distinção importante « A equipe pedagógica » = Grupo de trabalho : previsto definido pelo organograma oficial O « coletivo de pofessores» = Grupo de trabalho : efetivo Por iniciativa dos membros que a constituem J-F Marcel, Brésil, Mai 20095

6 Os fundos (representação comum) Dimensão axiológica, antropológica : A cultura do estabelecimento, Gather Thurler A identidade escolar, Kherroubi O tipo profissional (Clot), o que os tarbalhadores : Conhecem e veem, Esperam e reconhecem, Apreciam ou temem Ethos profissional (Osty), O trabalho como : Uma construção social produzindo um referêncial comum A justificação (Boltansky et Thévenot) : A construção dos acordos O justo / o injusto J-F Marcel, Brésil, Mai 20096

7 A colaboração (A elaboração conjunta) Se basea numa dependência mutual entre os membros Há ajuda mútua (Trognon) quando os objetivos são convergentes É preciso destacar à importância da comunicação : funcional relacional J-F Marcel, Brésil, Mai 20097

8 A organização (Crozier et Friedberg) A noção de jogo Raciocínio estratégico (o ator no jogo) E raciocínio sistemático (a organização: o resultado do jogo) O sistema de ação concreta: Conjunto humano De ações coordonadas Por mecanismos do jogo As zonas de incerteza da organização: questões de poder J-F Marcel, Brésil, Mai 20098

9 A coordenação (Mintzberg) 6 mecanismos de coordenação das tarefas: Ajuste mutual, Supervisão direta, Padronização dos procedimentos de trabalho, dos resultados, das qualificações, Do conhecimento e das normas Distinção (Trognon) : Coordenação prescrita (heterônimo) Coordenação real (contextual) importante quando existe um « coordenador oficial » : professor principal, coordenador de curso J-F Marcel, Brésil, Mai 20099

10 As prescrições Ação prescrita, a atividade se diferencia dessa ação (Amigues, Six) : Frente a frente a «prescrição decrescente » (institucional, externa) A equipe elabora uma « prescrição crescente » (interna) : decisões coletivas, normas implícitas A organização cria regras dinâmicas (Reynaud) : Recursos de cooperação: troca, negociação, acordo J-F Marcel, Brésil, Mai

11 O modelo do « coletivo de professores » Prescrições (grupo de trabalho, equipe pedagógica) Coletivos de professores (coletivo de trabalho : autonomia, compromisso dos membros) - Nacionais (textos oficiais) formalizados A produção de regras endógenas : meio profissional, ordem negociado parcialmente implícito -Locales (coordenação da ação coletiva) em parte formalizados As modalidades de construção de um acordo Pode ser explícitos Os fundos: tipo profissional, ethos, cultura e identidade de escola, implícitos As práticas da colaboração Pode ser explícito As estratégias dos atores parcialmente implícitos J-F Marcel, Brésil, Mai

12 Ilustração : Dois projetos inovadores Um colégio difícil (ZEP) A escolha da direção de contratar dois projetos no plano nacional de inovação (depósito de títulos o ano 1) : A 3ª de inserção formação dos delegados 6 ª A Designação : De um « especialista » para o ano 2 (para a reitoria) De uma CPE para projeto (para a direção) Obrigação de produzir uma monografia do projeto (para a reitoria) J-F Marcel, Brésil, Mai

13 DimensõesProjeto 3 º de inserção Projeto de formação dos delegados 6 ª Prescrição nacionalNovo dispositivo : a 3 ª de inserção Novo dispositivo : a hora de vida de classe Prescrição e impulsão reitoral Seleção dos projetos, redação de uma monografia, acompagnamento por um especialista TemaUma empresa virtualUm filme sobre a cidadania no colégio RealizaçãoQuatro quadros de aviso Um filme usado nas aulas, uma exposição, duas saídas OrganizaçãoDurante as aulasDurante o tempo de meio-dia Laço disciplinas de ensino ForteFraco Dinámica (para os alunos) ObrigaçãoIniciativa própria J-F Marcel, Brésil, Mai

14 DimensõesProjeto 3º de inserção Projeto formação dos delegados 6 ª Público alunosTodos os alunos (de uma mesma turma) Os delegados de 6ª e seus suplementos Compromisso dos alunos RejeitoEntusiasma Avaliação pelos alunos Muito negativaMuito positivo Efetivo Professor 5 professores (60 % do potential) + la CPE 5 professores (80 % do potential) + la CPE. Mobilização de não- professores (assistentes de educação, estagiáros) Compromisso dos professores Limitado às reuniões do dispositivo Numerosas reuniões de trabalho Avaliação para os pofessores Muito negativoMuito positivo (seguindo o próximo ano) ReconhecimentoProjeto passado dispercebido Projeto conhecido e reconhecido dentro do estabelecimento e na retoria J-F Marcel, Brésil, Mai

15 O uso do modelo 1 Dimensões Coletivo dos professores de 3 ª de inserção Coletivo dos professores de 6ª A produção das regras endógenas Acordo mínimo sobre o tema da empresa virtual. A seguir, cada professor gera a articulação de seus professores e a contribuição ao projeto. Os coordonadores decidem metas sozinhos. Adesão e apropriação de uma ideia. Os coordenadores dinamizam, os participantes elaboram e põem em execusão coletivamente o dispositivo. J-F Marcel, Brésil, Mai

16 O uso do modelo 2 Dimensões Coletivo dos professores de 3 ª de inserção Coletivo dos professores de 6 ª As modalidades de construção de um acordo Discordia profunda, mas ocultado, entre os coordenadores e os outros professores a respeito das modalidades de administração de uma turma difícil. Acordo sobre os princípios pedagógicos comuns amplamente discutido e esclarecido J-F Marcel, Brésil, Mai

17 O uso do model 3 Dimensões Coletivo dos professores de 3 ª de inserção Coletivo dos professores de 6 ª Os fundosO compromisso se faz em nome do dever, uma carga suplementária inerente a lecionar em 3ª de inserção. O desacordo precedente se enraiza dentro de duas visões diferentes (a dominante instrução e a dominante educação) da profissão de professor. O compromisso se faz em nome de convicções pedagógicas e de uma visão (à dominante educação) da profissão de professor. J-F Marcel, Brésil, Mai

18 O uso do modelo 4 Dimensão Coletivo dos professores de 3ª de inserção Coletivo dos professores de 6ª As estratégias dos atores Os coordenadores, em nome de sua legitimadade institucional confiscam as decisões e as protegem fazendo obstrução a qualquer debate pedagógico durante as reuniões. O professor do primário e a CPE tomam o poder entre os professores do secundário J-F Marcel, Brésil, Mai

19 O uso do modelo 5 Dimensão Coletivo dos professores de 3ª de inserção Coletivo dos professores de 6ª As práticas de colaborações Quase nulas, cada um trabalho na sua sala de aula, as coordenações são mínimas Assíduos, tanto para a concepção e a regulação do projeto, que para seu funcionamento em trabalhos conduzidos por binômios J-F Marcel, Brésil, Mai

20 As contribuições do modelo Os limites da « prescrição decrescente » : um mesmo estabelecimento um modo de constituição similar Função da « prescrição crescente» : um coletivo de professores uma coleção de professores Eficiência = laço entre : Andamento (trabalhar junto) produto (o que é previsto) Duas questões: As aprendizagens? O lugar das disciplinas de ensino? J-F Marcel, Brésil, Mai

21 Um instrumento para a ação Com a ajuda das 5 dimensões do modelo: Descrever um coletivo dos professores de seu estabelecimento Propor alguns elementos de análise Adaptar o instrumento: Listar as dimensões que estão faltando Listar as dimensões que são pouco operatórias Elaborar: Uma tabela de apresentação de um coletivo de professores Usável pelos professores do ensino agrícola brasileiro Para analisar o funcionamento da sua equipe J-F Marcel, Brésil, Mai


Carregar ppt "O modelo do « coletivo de professores » Analisar uma equipe pedagógica dentro do ensino agrícola Jean-François MARCEL Professore do lensino Su perior Agricola."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google