A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Interação Paratisa-hospedeiro (Parte 1/2):

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Interação Paratisa-hospedeiro (Parte 1/2):"— Transcrição da apresentação:

1 Interação Paratisa-hospedeiro (Parte 1/2):
Microbiota Normal do Corpo Humano Epidemiologia das Infecções microbianas Elisabete José Vicente

2 Interação Ser Humano e Microrganismos
Bactérias, fungos, vírus 1. Colonização transitória, 2. Colonização permanente 3. Doença (processo patológico Lesão

3 Alguns microrganismos de interesse médico
1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.) aO que é M.N.C.H.? Alguns microrganismos de interesse médico produzem doenças sempre Raramente M.N.C.H. Freqüentemente

4 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Quando se forma? - Não é uniforme. Varia em: - Qualidade - Quantidade - Com a idade, alimentação, etc - Importâncias Benéficas: - Pode ser responsável por uma série de Doenças:

5 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Importâncias Benéficas: Produção de vitaminas K e do complexo B Estimulo ao desenvolvimento das defesas imunológicas Proteção dos intestinos X infecção por Salmonella Proteção dos intestinos X colite pseudomembranosa (Clostridium difficile) 5. Proteção da pele X infecções microbianas 6. Proteção das mucosas X infecções microbianas

6 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Pode ser responsável por uma série de Doenças: Chamadas de Infecções Endógenas Quando deixam o seu sítio normal e migram para um novo local no Corpo humano. (Ex. Cirurgias, perfurações) 2. Uso de antibióticos ou imunosupressores, 3. Pacientes na U.T.I.

7 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Distribuição: 1. pele Corynebacterium Propionibacterium (acnes) Streptococcus Staphylococcus epidermidis (90% das pessoas) Staphylococcus aureus % das pessoas (pele)50-70% das pessoas (fossas nasais) Peptococcus, Peptostreptococcus (outras) Pode ter alguns Fungos: Candida e Malassezia

8 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Distribuição: 2. Fossas Nasais Staphylococcus aureus % das pessoas Corynebacterium - Antibiótico b- lactâmico (ex. penicilina) Crescimento de: E. coli, Klebsilella e Pseudomonas Obs.: sempre há 10 a 100 vezes mais bactérias anaeróbias

9 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Distribuição: 3. Cavidade oral Numerosa e diversificada (Ex. saliva – 108 bactérias/ml, placas dentais 1010 bactérias/ml Staphylococcus Streptocococcus Neisseria Bactereoides Outros Grande importância Odontológica Medicina - carie dentária doenças periodontais - Endocardites

10 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Distribuição: 4. Aparelho Digestivo Estômago: número variado após as refeições Colos: bactérias /grama de bolo fecal extremamente variada em espécies 1 aeróbia: 100/1.00 anaeróbias mais de 50% do peso das fezes principal M.N.C.H. importante papel de defesa são os mais importantes agentes de Infecções endógenas

11 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Distribuição:                                                                    (103 bact/g) (103 bact/g) 4. Aparelho Digestivo (109 a 1011 bact/g) (106 a 108 bact/g)

12 1. Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.)
- Distribuição: 5. Conjuntiva Normalmente estéril 6. Vagina Microbiota varia com a idade, pH, secreção hormonal: - 1o. Mês, puberdade-menopausa Lactobacillus de Doderlein - infância, pós menopausa Corynebacterium, Staphylococcus epidermidis, Escherichia coli 7. Uretra Staphylococcus epidermidis Corynebacterium Streptococcus faecalis Escherichia coli

13 Hospedeiro Ambiente Microrganismo
2. Epidemiologia das doenças infecciosas Hospedeiro Ambiente Microrganismo DI = NV R DI= infecção N= carga infectante V= virulência R= resistência

14 Epidemiologia das Doenças Infecciosas
Epidemiologia é o estudo da ocorrência, distribuição e controle das doenças na população O risco de infecção não é somente dependente da suscetibilidade individual mas também de: distribuição da doença dentro da população, grau de miscegenação da população, imunidade herdada, período de transmissão, via de transmissão.

15 Exógenas (reservatório ou fonte externa)
Infecções Endógenas (causadas pela M.N.C.H.)

16 A) Infecções Endógenas

17 1. Fontes B) Infecções Exógenas Homem (MAIORIA) animais DOENTE
INTER-HUMANO: antroponoses 1. Fontes Portador “são” (ex. Mary Typhi) animais RESERVATÓRIOS ANIMAIS zoonoses/antropozoonoses

18 Transmissão horizontal é a transferência de um patógeno de um animal infectado para um animal sadio, independente do relacionamente de parentesco dos indivíduos. Transmissão vertical é a transferência de um patógeno de um dos pais, geralemente a mãe, para a prole através da reprodução. 2. Vias de transmissão

19

20 2. Vias de transmissão B) Infecções Exógenas Imediato (ex. DST)
Contato Direto mediato (ex. TB) Vetores (ex. lepstospirose) 2. Vias de transmissão Solo (107 bactéria e 105 fungos/grama) Alimentos (vegetais, frutas, carne, ovos, leite, peixes) Água (potabilidade/saneamento básico – cloro, recreacional) Ar atmosférico (poerira, sazonalidade, síndrome dos edifícios doentes) Soluções terapéuticas

21

22

23 Pele (rota: tegumentar) Mucosas Vias Aéreas (rota inalatória)
B) Infecções Exógenas Pele (rota: tegumentar) Mucosas Vias Aéreas (rota inalatória) Via Oral (rota oral-fecal) CONGÊNITA (transplacentária) IATROGÊNICA (instrumentos contaminados, agulhas, ou vacinas). 3. Portas de entrada

24 4. Infecção e Doença B) Infecções Exógenas
Instalação com sucesso no hospedeiro infecção DT= período de incubação A bactéria vence as defesas do organismo não vence as defesas do organismo Infecção acompanhada de manifestação clinica Não Causa doença Causa doença

25 interferências 5. Profilaxia B) Infecções Exógenas hospedeiro fonte
Vias de transmissão Geralmente complexas e de âmbito governamental Graças a elas muitas infecções exógenas são HOJE muito menos significativas

26 Principais problemas de saúde no mundo
Doença Região N° de casos Tuberculose cosmopolita 1/3 da população Diarréia bacteriana 3° mundo 1,5 bilhão/ano Malária Tropical milhões/ano Gonorréia 62 milhões novos/ano Sarampo 40 milhões/ano AIDS 40milhões-50 millh/ano Tétano neonatal 400 mil/ano Algumas Doenças de Notificação Compulsória no Brasil

27 Doenças de Notificação Compulsória no Brasil
AIDS, Cólera, Coqueluche, Dengue, Difteria, Dç meningocócica, Febre amarela, Febre tifóide, Hantavirus, Hanseníase, Hepatite (A, B e C), Leptospirose, Leishmaniose (tegumentar e visceral), Malária, Meningite por Haemophilus, Paralisia flácida aguda, Peste, Poliomielite, Raiva, Rubéola, Sarampo, Síndrome da Rubéola congênita, tétano (acidental e neonatal), Tuberculose

28 A seguir, vem uma série conceitos:

29 Índices Epidemiológicos
PREVALÊNCIA: - Nº total de casos de uma doença num período de tempo ou numa população Ex: 50 casos de tuberculose/2004 em Rib. Preto INCIDÊNCIA - Nº de casos novos de uma doença num certo período de tempo Ex: 8 casos novos de tuberculose/dezembro 2004/Rib Preto MORTALIDADE: - Nº óbitos / população EX: Raiva = 1/ habitantes LETALIDADE: = Nº de óbitos / nº casos da doença Ex: 100% para raiva, 30% para tuberculose

30 Evolução das doenças infecciosas
Exposição - Suscetibilidade ao microrganismo Período de incubação: intervalo entre a exposição à infecção e início dos sintomas específicos. Pródromos – sinais ou sintomas gerais Período de estado: fase sintomática (cura ou morte) Período de convalescença: desaparecimento dos sintomas latência ou recorrência  Período de transmissibilidade

31 Prevenção das doenças infecciosas
Educação Nutrição adequada Higiene e condições de vida Saneamento básico esgosto e água potável Imunização Controle de surtos e epidemias diagnóstico rápido e correto controle transmissão população de risco

32 Estratégias para controlar as Doenças Infecciosas
Princípios gerais = purificação da água, tratamento do esgoto, melhorar as defesas do hospedeiro (nutrição e imunidade), condições de vida Alimentos = refrigeração, cozimento, inspeção rigorosa Zoonoses e vetores = controle do vetor e controle dos reservatórios – imunização, enchentes Tratamento específico = quimioterápicos e vacinas Gerais = higiene pessoal, mudança de hábitos, droga-adidos, transfusão sanguínea, invasão.

33 Preservação de alimentos
Completa remoção de microrganismos e manutenção enlatados - 115°C por min Baixas temperaturas – geladeira, freezer Altas temperaturas – pasteurização, cozimento Remoção da água por osmolaridade – sal, açúcar liofilização Substâncias químicas – nitratos, radiações

34 Microrganismos geneticamente modificados e o meio ambiente
Agricultura – controle biológico Resistência a antibióticos – hopedeiro/vetor Novo nicho ecológico – bom x mau Vacinação – microrganismos atenuados Indústria – melhor rendimento compostos orgânicos, enzimas, antibióticos, toxinas

35 Fatores que pesam na tentativa de erradicação de Doenças Infecciosas
Doença limitada aos humanos Diagnóstico fácil e específico – vigilância Poucos sorotipos – vacina simples Estabilidade e efetividade da vacina Custo adequado em termos mundiais

36 No final desta Aula você deverá saber:
O que é microbiota normal do corpo humano (M.N.C.H.)? Qual o papel da M.N.C.H.? Cite um exemplo. Qual a diferença de infecção endógena e Infecção exógena? Citar 3 vias de transmissão de uma infecção exógena. Cite 3 portas de entrada de uma infecção exógena. Qual a diferença entre Infecção e Doença? Discutir, brevemente, o que são infecções endógenas e como elas ocorrem.

37 Interação Paratisa-hospedeiro (Parte 2/2):
Na Continuação Interação Paratisa-hospedeiro (Parte 2/2): - Fatores virulencia bacterianos - Mecanismos de defesa do Corpo Humano

38 Obrigada!


Carregar ppt "Interação Paratisa-hospedeiro (Parte 1/2):"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google