A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Injeção de Falhas Técnicas e Ferramentas. 2 Introdução n Avaliação da confiabilidade de um sistema envolve o estudo de defeitos e erros n Difícil identificar/recriar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Injeção de Falhas Técnicas e Ferramentas. 2 Introdução n Avaliação da confiabilidade de um sistema envolve o estudo de defeitos e erros n Difícil identificar/recriar."— Transcrição da apresentação:

1 1 Injeção de Falhas Técnicas e Ferramentas

2 2 Introdução n Avaliação da confiabilidade de um sistema envolve o estudo de defeitos e erros n Difícil identificar/recriar cenários defeituosos n Abordagem baseada em experimentos –Concepção –Prototipação –Operação n Instrumentos e ferramentas para injeção de falhas –Recriar cenários defeituosos –Monitorar efeitos

3 3 Introdução n Injeção de falhas –Detecção –Isolamentos –Recuperação n Ambiente para injeção de falhas

4 Implementação n Hardware ou Software n Escolha dependente do tipo de falha 4

5 Injeção de Falhas por Hardware n Com contato –Injetor tem contato físico com o sistema –Produz alterações de tensão/corrente externas ao sistema n Sem contato –Injetor não tem contato físico com o sistema –Fontes externas produzem fenomenos físicos causando alterações de tensão/corrente internas ao sistema 5

6 Injeção de Falhas com Contato n Pin-level injection –Contato direto com os pinos do chip n Principais técnicas –Active probes probes ligadas diretamente nos pinos do chip produzindo alteração de tensão/corrente podem danificar o chip –Socket insertion suporte entre o chip e a placa que injeta falhas podem gerar falhas mais complexas como inversão de pinos e and/or de pinos 6

7 Injeção de Falhas sem Contato n Fontes externas que produzem fenômenos físicos naturais n Principais técnicas –Radiação iônica emissão de iôns gera corrente dentro do chip –Campos eltromagnéticos corrente gerada por indução eletromagnética n Difíceis de controlar –Ativação –Localização 7

8 Ferramentas n Messaline –Injeção de falha com contato (pin-level injection) Active probes Socket insertion (e.g. stuck-at, open, bridging, logic) –Controla a duração e a frequência das falhas 8

9 Ferramentas n FIST (Fault Injection System for Study of Transient Fault Effect) –Injeção de falhas transientes com e sem contato –Radiação iônica 9

10 Injeção de Falhas por Software n Vantagens –Baixo custo (não requerem hardware extra) –Flexibilidade n Desvantagens –Acesso limitado –Alteração da estrutura original do software n Sistemas alvo –Aplicações –Sistemas operacionais 10

11 Injeção de Falhas por Software n Tempo de compilação –Falha inserida no código fonte (e.g. > <) –Emula falhas de hardware e software n Tempo de execução –Time out Timer pré-programado dispara a injeção de falhas –Exception/trap Baseada em eventos –Code insertion Instruções que disparam a injeção de falhas 11

12 Ferramentas n Ferrari (Fault and Error Automatic Real-Time Injection) –Software Traps (eventos) –Falhas: CPU, memória e barramento –Altera valores de registradores e posições de memória (dados corrompidos) 12

13 Ferramentas n Doctor (Integrated Software Fault Injection Enviroment) –Code modification (Compilação) –Time out, Software Traps (Execução) –Falhas: CPU, memória e rede 13

14 Ferramentas n Xception –Hardware Exception (interrupções) –Injeção de falhas implementada como ISR –Eventos Fetch em determinado endereço Load em determinado endereço Store em determinado endereço Time out Combinação de eventos 14

15 Comparação 15


Carregar ppt "1 Injeção de Falhas Técnicas e Ferramentas. 2 Introdução n Avaliação da confiabilidade de um sistema envolve o estudo de defeitos e erros n Difícil identificar/recriar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google