A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As viagens dos naturalistas ao redor do mundo (séculos XVII-XIX)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As viagens dos naturalistas ao redor do mundo (séculos XVII-XIX)"— Transcrição da apresentação:

1 As viagens dos naturalistas ao redor do mundo (séculos XVII-XIX)

2 Viajantes e naturalistas n Vasta literatura de viagens = gênero literário n Relação não automática entre viajantes e naturalistas n Contexto das viagens: –Mercantilismo; –nascimento e expansão de impérios ultramarinos (Portugal, Espanha, Holanda, França, Inglaterra); –demanda por terras e produtos naturais; –domínio de rotas comerciais;

3 Viajantes e naturalistas n História Natural classificações/variedade coleta X guarda viagem X museu campo X gabinete diário de campo X memória científica naturalista isolado X redes de naturalistas –Patrocínio das viagens = público e/ou privado (pessoal)

4 Viajantes e naturalistas n Itinerários: pré-determinados, em princípio Itinerários n Instruções de viagem: precisas n Material a ser levado: definido Material n Temas: História Natural, Arqueologia, Etnografia, (Bio)Geografia, organização política e religiosa, produções, comércio, saúde, etc. Temas

5 Algumas Grandes Expedições n ; Joseph Pitton de Tournefort à Grécia e Turquia n 1732: Carl von Linné à Lapônia n : Ch. Marie de la Condamine à região equatorial (forma da Terra) n : Louis Antoine de Bougainville ao redor do mundo n : Alexander von Humboldt e Aimé Bonpland à América do Sul n : Ch. Darwin à América do Sul n : Alfred Wallace e Henry Bates à Amazônia Amazônia

6 Instruções de viagem e de coleta n Questionários para os coletores - Robert Boyle, 1666 (Transactions of the Royal Society, vol.1,):General heads for the natural history of a country, great or small; drawn out for the use of travellers and navigators –o que observar: coisas do mundo superterrâneo, terrestre e subterrâneo –questões para confirmar ou refutar crenças: Se aqueles que cavam as minas alguma vez realmente se encontraram com algum demônio subterrâneo; e, em caso afirmativo, como eles são; quais seus poderes e o que eles fazem, etc.

7 Instruções de viagem e de coleta –John Woodward, Brief instructions for making observations in all parts of the world III. Na terra: Tome informações precisas sobre as brisas, e outros ventos ordinários, com a direção de onde sopram, a hora em que começam, e o tempo que duram; também de outros ventos, tempestades e furacões;... Das fontes: se algumas vezes não ocorrem irrupções extraordinárias, ou grandes descargas de água que brotam a partir delas, sem nenhuma causa aparente. Idem no caso dos lagos, e também concernente às grutas. Qual a profundidade das minas, e quais minerais estão presentes; quais são as doenças que atacam os mineiros; quais minas são particularmente nefastas à saúde, e se foi observada a diminuição da vida dos mineiros por causa de algumas delas; (...)

8 Instruções de viagem e de coleta –Frei Leandro do Sacramento, Instrucções p/ os viajantes e empregados nas colônias s/ a maneira de colher, conservar e remeter objectos de Historia Natural, arranjada pela administração do Real Museu de História Natural de Paris. Trad. por ordem de S. M. Fidelíssima do original francez impresso em Augmentado, em notas, de muitas instrucções aos correspondentes da Academia R. das Sciencias de Lisboa, impressas em 1781; e precedida de algumas reflexões s/ a Historia Natural do Brazil, e estabelecimento do Museu e Jd. Botânico em a Côrte do Rio de Janeiro.

9 Expedição ao Grão Pará, Rio Negro e Mato Grosso n Chefiada por Alexandre Rodrigues Ferreira Membros: Agostinho Joaquim do Cabo (jardineiro-botânico) e os artistas José Joaquim Freire e Joaquim José Codina.

10 Viagem a Goa & Moçambique n Chefiada por Manoel Galvão da Silva n Membros: José da Costa (jardineiro- botânico) e Antônio Gomes (escrevente)

11 Viagem a Angola n Chefiada por José Joaquim da Silva n Membros: Ângelo Donati e José Ântonio (artistas)

12 Viagem a Cabo Verde & Ceará n Chefiada e conduzida integralmente pelo engenheiro-militar e naturalista João da Silva Feijó

13 Exemplos de coletas de naturalistas estrangeiros no Brasil n Friedrich Sellow ( ): viagem ao Brasil de 1814 a 1828, c/ financiamento da Grã-Bretanha, Prússia e Portugal (Brasil) n Coleções do Museu de Berlim = 276 mamíferos, pássaros, insetos, 23 caixas de rochas e minerais, 39 caixas c/ plantas, 1 coleção de madeiras n Coleções do Museu Nacional = 9 caixas de amostras diversas

14 Exemplos no Brasil n Natterer: viagem ao Brasil de 1815 a 1817, na Missão Austríaca que acompanhou a Princesa Leopoldina por ocasião do casamento c/ D. Pedro I; financiamento das Coroas da Áustria, Bavária e Toscana n Coleções no Museu Real Brasileiro (Viena) e museus de Berlim, Praga, Mônaco, Londres, herbário von Martius = 430 minerais, vidros c/ vermes, 42 pedaços de animais em vidros, 409 crustáceos, insetos, peixes, anfíbios, aves, mamíferos, 125 ovos, 192 crânios, 242 sementes, 147 amostras de madeira, 216 moedas, objetos indígenas e 1 esposa índia (Murá)


Carregar ppt "As viagens dos naturalistas ao redor do mundo (séculos XVII-XIX)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google