A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Controles Climáticos Regionais Para a compreensão da dinâmica atmosférica de um lugar consideração dos controles de grande escala, perturbações de meso-escala.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Controles Climáticos Regionais Para a compreensão da dinâmica atmosférica de um lugar consideração dos controles de grande escala, perturbações de meso-escala."— Transcrição da apresentação:

1 Controles Climáticos Regionais Para a compreensão da dinâmica atmosférica de um lugar consideração dos controles de grande escala, perturbações de meso-escala (regional ou circulação secundária), condições locais de diversas naturezas (climático-botânicos, topográficos...) em interação dinâmica Controles climáticos: cristalizam-se no espaço geográfico seguindo organização espacial diversa das divisões administrativas, ainda que a definição dos climas segundo essa ordem possa ter interesse para fins de planejamento. AMÉRICA DO SUL Situação do escoamento atmosférico médio e condições oceânicas vizinhas reflexo da presença do centros de ação (AP e BP) e perturbações gerais, que influenciam a penetração dos sistemas tropicais e extra-tropicais –muitos mecanismos ao longo o ano: invasão de sistemas + frios, que contrastam com o domínio de sistemas + quentes e úmidos, da ZCIT, combinados com feições locais...

2 Unidades Morfológicas e Massas Oceânicas Centros de Ação (Figuras isobáricas de controle)

3 Correntes Perturbadas ( mecanis- mos frontais e suas extensões ) Regiões Climáticas da América do Sul

4 Massas de Ar que atuam na América do Sul Equatorial Continental (Ec ou cE): formada na Reg. Amazônica, dominada por BP. Forte convecção, intensificada pelos alísios de NE e SE Marítima (Em): sob o Atl. e Pacíf. devido a convergência dos alísios. Deslocamento latitudinal ao longo do ano Tropical Marítima: Tropical Atlântica(Ta) e Tropical Pacífica (Tp) associadas aos anticiclones do Atl. S e do Pacíf. S. A Tm Pacífica pode ultrapassar os Andes no verão, alimentando a Baixa do Chaco (brisa de montanha) Continental (Tc): Grande atividade convectiva, mas pouca precipitação; associação com a Baixa do Chaco Polar Marítima (Pm): associada aos anticiclones migratórios na região subártica. Estável em sua origem, mas com instabilidade crescente em seu deslocamento em direção a latitudes mais baixas Antártica Continental (A): bastante estável, fria e seca

5 Mecanismo da Circulação Atmosférica - América do Sul Massas de Ar Janeiro

6 Massas de Ar Julho Análise Sinótica

7 BRASIL Grande extensão latitudinal e longitudinal; grandes contrates (solo, vegetação, topografia, ocupação do solo...) Mecanismos físicos que controlam o clima no Brasil ZCIT - variabilidade espaço-temporal, decisiva nas condições de tempo e clima ZCAS (Zona de Convergência do Atl.Sul) – faixa de nebulosidade persistente, associada a escoamento na baixa troposfera do Sul da Amazônia ao Atlântico Sul central. Extende-se para Leste (orientação NO/SE, ) por milhares de Km., com posição média nos subtrópicos, sendo mais caracterizada no verão Outros (alísios, complexos convectivos de mesoescala...) Centros de Ação –Anticiclone do Atlântico Sul e do Pacífico Sul ( dinâmico ) –Baixa do Chaco ( térmico ) no verão / Alta da Bolívia –Altas Pressões Polares –Baixas Pressões Equatoriais

8 Apesar das especificidades dos climas no Brasil: no geral a variabilidade mais importante precipitação RegiãoInícioFinal Norteago-dezjun Nordestefevmai Centro oestesetmai Sudesteset-outabr Suljulnov

9 REGIÃO NORTE mecanismos: combinação entre a atuação da ZCIT, anticiclones do Atl. Sul e dos Açores ventos de leste. Eventualmente, penetração de sistema polar (instabilização); localmente: brisas sempre com intensa evapotranspiração precipitação predominantemente convectiva, com significativa heterogeneidade espaço-temporal; volumes mais elevados a leste (+4000mm/ano). Sensível ao El Niño (deslocamento da Circulação de Walker, instalando-se aí a subsidência de uma dos ramos da circulação seca) –período mais chuvoso: Norte: set-dez; Sul: jun-ago temperatura: constantemente alta (maor homogeneidade que a precipitação)

10 REGIÃO CENTRO-OESTE influência: Baixa do Chaco, Alta da Bolívia, anticiclones do Atl. Sul (tempo estável, subsidência, pouca nebulosidade, ventos de NE e Leste), além da ZCIT e sistema polar (instabilidade) todos alterados por linhas de instabilidade –chuvas: grande diferença quantitativa –temperatura: também diversidade mais ao sul (sist.tropicais e extra-tropicais) REGIÃO NORDESTE maior diferenciação: pluviosidade (1600 mm no litoral a < 400 mm no sertão) notável variabilidade intra e interanual - influência de mecanismos de circulação meridional de Hadley, zonal de Walker, ZCIT. Sensibilidade a anomalias oceânicas e fatores geográficos locais

11 REGIÃO SUL clima subtropical / temperado: ritmo sazonal mais definido, maior diferenciação térmica controles locais: fruto da posição latitudinal, na borda do oceano. Relevo relativamente simples; > extensão de terras entre 300 e 900 m.; (RS predominam altitudes de até 300m.) atingida pelos principais sistemas das baixas e altas latitudes (anticiclones do Atl. S, do Pacíf. S e polar, baixa do Chaco, tropical continental)

12 REGIÃO SUDESTE posição latitudinal e estar na borda do oceano região de maiores contrastes –maritimidade / continentalidade, –topografia: não tão elevada mas acidentada, promovendo turbulência constante e com disposição na borda atlântica WSW-ENE, contrária aos fluxos polares –diferentes sistemas atmosféricos originados a partir de centros de ação diversos (anticiclones do Atlântico Sul, Pacífico Sul, Polar, Baixa do Chaco, Alta da Bolívia...) faixa de conflito entre sistemas tropicais e extratropicais, tendo caráter transicional em níveis regional e zonal Mecanismos de circulação: sob controle da dinâmica da FP; elos destes mecanismos no decorrer do ano tipos de tempo

13 ESTADO DE SÃO PAULO posição latitudinal e fatores geográficos envolvido pelas principais correntes de circulação atmosférica da América do Sul faixa de conflito entre sistemas tropicais e extra-tropicais: correntes tropicais marítimas de E-NE, correntes polares de Sul e correntes do interior de W-NW. transição entre os regimes permanentemente úmidos do Brasil Meridional e alternadamente seco é úmido do Brasil Central mecanismos gerais da circulação atmosférica: comando da FPA –contraste entre sistemas antagônicos variados tipos de tempo

14 Feições Climáticas em São Paulo Monteiro, 1973

15 Fonte: Monteiro, 1973

16 Massa Polar atlânica atingindo S.Paulo – trajetória oceânica

17 CAMPINAS na bacia do Piracicaba / Capivari, diferencia-se sobretudo pelas condições de relevo –Ventos: influência da Serra do Japi e dos Cristais, que contribuem para as famosas rajadas: massas oceânicas úmidas que penetram no continente e se acumulam contra as serras, canalizando-os e induzindo-os para que soprem à sotavento (menor umidade) –Precipitação: aleatoriedade na distribuição anual, sazonal e mensal, com tendência a aumento a partir da década de 60, seguindo tendência mundial (provavelmente por ação antropogênica); verão: 39% dos totais ~675 mm; 50% dos dias chuvosos primavera: 36% ~342 mm; 30% dos dias chuvosos inverno: 11% ~117 mm; 14% dos dias chuvosos outono: 14% ~277 mm; 25% dos dias chuvosos –Temperatura: média anual: 20,3 0 C também aumento a partir da déc.60 verão: 22,7 0 C primavera: 19,6 0 C inverno: 17,4 0 C outono: 20,5 0 C

18 Anomalias de precipitação - Posto IAC (Campinas) (VICENTE, 2005)


Carregar ppt "Controles Climáticos Regionais Para a compreensão da dinâmica atmosférica de um lugar consideração dos controles de grande escala, perturbações de meso-escala."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google