A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cooperação Sul-americano - Européia no campo de material de defesa Renato Dagnino (UNICAMP) Luiz Alberto Campos Filho (Faculdades Ibmec) Novembro 2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cooperação Sul-americano - Européia no campo de material de defesa Renato Dagnino (UNICAMP) Luiz Alberto Campos Filho (Faculdades Ibmec) Novembro 2004."— Transcrição da apresentação:

1 Cooperação Sul-americano - Européia no campo de material de defesa Renato Dagnino (UNICAMP) Luiz Alberto Campos Filho (Faculdades Ibmec) Novembro 2004

2 o Jogo da CSE e seus atores 1.os partidários da revitalização da IBD (empresários, burocratas, políticos etc) 2.os governos dos demais países da região 3.os governos dos países da Europa 4.os partidários da indústria de defesa norte-americana 5.os críticos ao projeto de revitalização da IBD

3 Agenda AtoresCaracteristicasProjetoAtrativo na CSE Questoes Partidarios da IDB Outros sul- americanos Europeus

4 Agenda AtoresCaracteristicasCSEQuestoes Partidarios da IDB recupercao integracao duas dinamicas viab.tecnica viab.politica baixo impacto Outros sul- americanos Europeusacesso mercado superioridade tecnologica US share US retaliation

5 o Brasil é o que gasta mais...

6 embora não muito em relação ao efetivo militar

7 o Brasil é o que mais importa

8 embora pouco, em relação ao gasto militar

9 e pouco, em relação ao efetivo militar

10 o Brasil é o que mais exporta

11

12 atrativos da CSE: amortizar os custos da revitalização da IBD adquirir capacidade para fabricação de sistemas de armas de maior intensidade tecnológica, hoje importados mediante acordos de off set unificar as dinâmicas de importação (aprestamento das FA) e de produção interna (nichos de mercado) desonerar a balança comercial brasileira via um efeito de substituição de importações

13

14 causas da crise da IDB possibilidade de reversão e reconstrução da capacidade instalada -final da guerra Irã x Iraque -conversão dos militares -relações civis x militares

15

16

17 revitalizacao = recuperar os anos dourados

18 Exportação segundo o SIPRI (major weapons), no pico (1984) a exportação foi 250 milhões dólares de 1990 segundo a USACDA (MD), foi em 1987: 570 milhões de dólares correntes e, a média ( ), 186 milhões anuais

19 duas dinamicas do setor de MD brasileiro

20 obstáculos à CSE: planos de um bilhão de dólares incompativeis com os 25 milhões de dólares anuais de exportação de sistemas de armas não-substituibilidade tecnológica: baixa elasticidade de substituição do MD nacional pelo importado baixo impacto

21 impacto econômico: comércio exterior, produção, emprego que benefícios se pode esperar à luz da experiência passada? e quais os custos?

22

23 nos anos 80, para uma produção de 100 dólares: importavaexportava IBD3060 Embraer5958 IBD + naval3040 IBD + naval + armas prontas 5340

24 produção IDB (anos 80): Empresas (militar e civil) = 24 mil Arsenal = 15) mil IDB/Indústria = 0,4% IDB/PEA = 0,06% emprego (no pico de 1986): IDB/Indústria = 0,9% IDB/PIB = 0,15%

25 causas da baixa demanda interna se eliminadas, haveria reativação da demanda diminuição do orçamento impossibilitou aquisição de armamento nacional ?

26 o orçamento não diminuiu depois do fim do regime militar...

27 e seguiu aumentando...

28 e aumentou o orçamento por efetivo...

29 Mesmo que orçamento aumente, é pouco provável que a demanda interna o faça não existe substituibilidade entre o armamento nacional e o importado, existe alta inflexibilidade tecnológica (ver anexo) não é aumentando a capacidade de produção que se diminuirá a importação

30 Regional Shares of the World Arms Import Market

31 Regional Arms Imports, (Millions of current dollars)

32

33 anti-radar technology is not releasable for national security reasons because this technology exceeds the level of capability approved for Brazil.

34

35 spiral antennas and channel switches would enable Brazil to produce anti-radiation missiles and to introduce this combat capability in Latin American Region is inconsistent with US National Security Interest.

36

37 Evolução da exportação de armas dos EUA ( )

38 Regional Shares of the World Arms Import Market

39 Os principais importadores:

40 os EUA captam na média 40% do mercado

41 e o gasto de P&D e aquisição vem crescendo

42 Caracteristicas Europa Demanda –Orcamentos declinantes –Compras desarticuladas Oferta –BAE Systems, Thales, EADS e Finmeccanica (entre os 10 maiores mundiais) –Vendas: US$ 40 B./2003 –Industria pouco consolidada

43 Projeto Europa Questoes externas –Escolher seu papel no novo contexto mundial –Escolher seus parcerios

44 Atrativo na CSE Fortalecer sua posicao no mercado sul- americano Plano geopolitico –Oportunidade economica e politica ?Gutten frage

45 Questoes Europa Dificuldade em resolver questoes internas necessarias para uma CSE –Estabelecer uma politica de defesa e aquisicao comuns –Continuar o processo de consolidacao de sua industria de defesa (national champions ) –Aumento de sua capacidade tecnologica Ate que ponto a Europa esta disposta a cutucar a onca?

46 84% representados de um total de US$ 172 B (6 vezes America do Sul)


Carregar ppt "Cooperação Sul-americano - Européia no campo de material de defesa Renato Dagnino (UNICAMP) Luiz Alberto Campos Filho (Faculdades Ibmec) Novembro 2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google