A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CULTURA, IDENTIDADE E TERRITÓRIO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE PROF. DR. CLIFF WELCH.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CULTURA, IDENTIDADE E TERRITÓRIO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE PROF. DR. CLIFF WELCH."— Transcrição da apresentação:

1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CULTURA, IDENTIDADE E TERRITÓRIO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE PROF. DR. CLIFF WELCH

2 SEMINÁRIO 2 Novas identidades e resistências? Grupo: Ana Claudia Nogueira Djoni Roos Maria José da Costa Natália C. Alves Roberto Mancuzo

3 O autor no contexto HOMI BHABHA - Nasceu na Índia e leciona na Inglaterra e nos Estados Unidos. - Desenvolveu sua noção de hibridismo nos seus trabalhos sobre o discurso colonial. Em seu texto mais importante sobre o assunto, Signs Taken for Wonders: Questions of Ambivalence and Authority under a Tree Outside Delhi, May 1817, o autor reconhece influências de Foucault, Derrida, Freud e Fanon, mas não menciona nem por uma vez Bakhtin, de quem o conceito de hibridismo foi claramente emprestado. Em um artigo publicado oito anos antes, Culture's in Between, Bhabha ocasionalmente revela estar ciente do hibridismo na obra de Bakhtin e nos permite inferir, indiretamente, a influência deste no seu desenvolvimento do conceito. - O hibridismo de Bhabha parece implicar os dois: uma condição e um processo. É uma condição do discurso colonial na sua enunciação, dentro da qual a autoridade colonial/cultural é construída em situações de confronto político entre posições de poderes desiguais.

4 Texto Homi K. Bhabha O pós-colonial e o pós-moderno: A questão da agência _ A Sobrevivência da cultura –Novos tempos –Fora da sentença –Tanger ou Casablanca –Agente sem Causa –O texto Social Bakhtin e Arendt –Revisões

5 As contingências que jogam para a marginalidade um número gigantesco de excluídos são, para Bhabha, os fundamentos para uma mudança de postura.

6 No espaço-tempo onde a arbitrariedade do signo seja rediscutida. Bhabha entende o signo como elemento fundante de manutenção de colonialidade. É o poder do signo e o seu uso dirigido que impõe a colonização. Ele é rearticulado no discurso e posiciona os sujeitos. Culturas são rearticuladas no imaginário coletivo.

7 A mudança começa com os próprios colonizados e a ferramenta disto é a cultura, que deve ser cada vez mais distante em termos essenciais da comunidade imaginada. Culturas de sobrevivência – novas textualidades simbólicas, que se revelam transnacionais (porque se deslocam) e tradutórias (tentam explicar a complexidade)

8 Bhaba se inscreve com este pensamento em uma vertente de pensamento de perspectiva pós-colonial. O discurso pós-colonial, aliás, é crítico e dialético, com reconhecimento da alteridade (Eu no Outro)

9 Todo este pensamento, então, se refaz a partir de três questionamentos básicos: De que modo a desconstrução do signo transforma a noção do sujeito da cultura e do agente de mudança histórico? Quais alternativas seriam criadas ao se contestar as grandes narrativas? É preciso repensar a maneira como se concebem os termos Comunidade, cidadania, nacionalidade e a ética da aflição social?

10 A perspectiva pós-colonial obriga a novos olhares, onde as identidades cultural e política sejam construídas a partir da alteridade. Isso implica uma nova linguagem que elimine a homogeneização e fragmentação pós-moderna.

11 A cultura, então, como prerrogativa pós- colonial, torna-se uma prática desconfortável, perturbadora, de sobrevivência e de suplementaridade que se rearticula em prazer, esclarecimento e libertação. Seria esta o ponto de partida para a queda da noção de colonização do Ocidente?

12 Cultura como enunciação Trata-se da operação de confrontar o momento hegemônico. É sob a perspectiva enunciativa, e não epistemológica, que um novo sujeito se faz. O enunciativo é um processo mais dialógico que tenta rastrear deslocamentos e realinhamentos que são resultados de antagonismos e articulações culturais – subvertendo a razão do momento hegemônico e recolocando lugares híbridos, alternativos, de renegociação cultural. (BHABHA, 2003, p.248)

13 Para Bhaba, a articulação da cultura pelo viés enunciativo é a possibilidade dos objetificados serem transformados em sujeitos da história e de sua experiência.

14 IDENTIDADE É RESISTÊNCIA?


Carregar ppt "PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CULTURA, IDENTIDADE E TERRITÓRIO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE PROF. DR. CLIFF WELCH."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google