A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TREINAMENTO DE FORÇA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dino de Aguiar Cintra Filho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TREINAMENTO DE FORÇA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dino de Aguiar Cintra Filho."— Transcrição da apresentação:

1 TREINAMENTO DE FORÇA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dino de Aguiar Cintra Filho

2 Força melhora conforme a massa muscular aumenta com a idade O pico de força é atingido por volta dos 20 anos nas mulheres e entre os 20 e 30 anos nos homens As modificações hormonais que acompanham a puberdade levam a significativos aumentos da força nos meninos na puberdade devido ao aumento da massa muscular Brooks e Fahey tem também observado que a extensão do desenvolvimento e da capacidade de performance muscular depende da maturação relativa do sistema nervoso

3 Alto níveis de força, potência, e agilidade são impossíveis se a criança ainda não atingiu a maturidade neural A mielinização de muitos nervos motores ainda está incompleta até a maturação sexual, fazendo com que o controle neural da função muscular esteja limitada antes desse período

4 Ganhos na força de perna com a idade de meninos acompanhados longitudinalmente por 12 anos.

5 Modificações na força com o desenvolvimento em meninos e meninas.

6 Por muitos anos, a utilização do treinamento com a utilização de resistência (pesos livres) para aumentar a força muscular e resistência em meninos pré- pubescentes e adolescentes era altamente controvertido. Meninos e meninas eram desencorajados a utilizar pesos livres sob a alegação de que poderiam machucarem-se e interromper prematuramente o processo de crescimento. Além disso, muitos cientistas especularam que o treinamento com resistência teriam pouco ou nenhum efeito na musculatura dos meninos pré-pubescentes porque os seus níveis de androgênio circulante estavam ainda baixos.

7 No desenvolvimento da força deve-se prestar atenção ás particularidades do organismo em crescimento: embora a estrutura óssea das crianças e jovens seja mais elástica, devido ao menor armazenamento de cálcio, ela é menos resistente a pressão e á torção. Isto tem como conseqüência que o aparelho locomotor passivo apresenta uma menor capacidade de suportar carga do que o adulto. Entretanto, também no aparelho locomotor passivo, através de exigências de pressão e tração do osso por atividade muscular, são desencadeados estímulos formativos e, com isto, manifestação de adaptação, que entre outros, se tornam claros na estrutura óssea e na maior resistência do tecido conjuntivo.

8 Como a musculatura, graças aos mecanismos de controle de fadiga, praticamente não pode ser treinada de forma excessiva, no geral não é necessário temer lesões na musculatura devida a um treinamento forçado. Kraemer e Fleck concluíram que o risco de lesão é muito baixo. Na verdade, o treinamento com resistência pode oferecer alguma proteção contra as lesões, por exemplo, fortalecendo os músculos que cruzam uma junta. Uma abordagem conservadora é ainda recomendada na prescrição do treinamento com resistência para criança, particularmente pré-pubescentes.

9 Alguns estudos Meninos e meninas pré-adolescentes – 9 semanas de treinamento de força (resistência) 42,9%, comparado com um de 9,5% no grupo controle dos não treinados 16 pré-pubescentes masculinos com idade entre 6 e 11 anos participaram de um programa de 14 semanas de treinamento de força utilizando a técnica isocinética com resistência hidráulica, enquanto outros 10 meninos participaram como grupo controle dos não treinados A força isocinética entre 18% a 37% no grupo treinado, mas pouca ou nenhuma mudança foi observada no grupo controle.

10 Como aconteceram esses aumentos na força? Melhoria da coordenação motora, Aumento das unidades motoras ativadas, e Outras adaptações neurológicas não determinadas.

11 Nascimento Puberdade Adulto Força Consolidação Ótimo primariamente dos fatores da Potencial via padrões motores força de força Modelo interativo teórico que integra vários fatores do desenvolvimento

12 Treinamento de força na fase pré-escolar e escolar Contra indicado um treinamento propriamente dito Utilizar, de forma dirigida, o impulso normal de movimentos da criança, para um desenvolvimento geral abrangente e variado dos aparelhos locomotores ativo e passivo, de modo a produzir efeitos suficientes para o crescimento dos ossos e desenvolvimento dos músculos. Especialmente apropriado ginástica com obstáculos, que ofereça trepa-trepa, pirâmide de cordas, aparelhos de apoio, suspensão e tração. O fortalecimento do aparelho postural e motor é o ponto central Treinamento em circuito Exercícios que contém o próprio peso corporal, ou ainda, através da utilização de pequenas cargas adicionais (medicine-ball, sacos de areia, etc)

13 Treinamento de força na pubescência e adolescência 1a. Fase puberal Relações de alavancas desfavoráveis Alterações morfológicas e funcionais na cartilagem de crescimento, reduzem a capacidade de suportar carga mecânica Faixa etária mais susceptível, principalmente no âmbito da coluna vertebral Maior taxa de crescimento de força Desenvolvimento de uma musculatura forte poupando amplamente a coluna vertebral Adolescência (2a. Fase puberal) Período de melhor treinabilidade da força Cargas e métodos de treinamento dos adultos podem ser amplamente utilizados

14 Recomendações Básicas para Progressão dos Exercícios com Resistência para Crianças IdadeConsiderações 7 ou abaixo Introdução da criança a exercícios básicos com pouco ou nenhum peso; desenvolvimento do conceito de sessão de treinamento; ensino das técnicas de exercício; progredir dos exercícios calistênicos com sobrecarga somente do peso corporal, exercícios com parceiros, e exercícios com resistência leve; manter o volume baixo. 8 – 10 Aumentar gradualmente o número de exercícios; praticar a técnica de exercício em todos os levantamentos; iniciar com aumentos gradual e progressivo dos exercícios; manter exercícios simples; aumentar gradualmente o volume de treinamento; monitorar cuidadosamente a tolerância ao exercício em stress. 11 – 13 Ensinar todas as técnicas básicas de exercício; aumentar continuamente e progressivamente a sobrecarga de cada exercício; enfatizar a técnica dos exercícios; introduzir exercícios mais avançados com pouca ou nenhuma resitência. 14 – 15 Progredir para programas de treinamento com resistência para jovens mais avançados; adicione exercícios com componentes específicos ao esporte ; enfatizar a técnica; aumentar o volume. 16 ou acima Colocar a criança no nível inicial em programas para adultos após todo background adquirido ter sido aperfeiçoado e ter adquirido um nível básico de experiência em treinamento.

15

16

17

18

19

20

21


Carregar ppt "TREINAMENTO DE FORÇA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dino de Aguiar Cintra Filho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google