A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PAUSA RESTAURADORA NA CAMINHADA RUMO AO CÉU Parte desse texto foi retirado do curso sobre a Eucaristia de Frei Faustino Paludo, OFMcap, e a outra parte.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PAUSA RESTAURADORA NA CAMINHADA RUMO AO CÉU Parte desse texto foi retirado do curso sobre a Eucaristia de Frei Faustino Paludo, OFMcap, e a outra parte."— Transcrição da apresentação:

1 PAUSA RESTAURADORA NA CAMINHADA RUMO AO CÉU Parte desse texto foi retirado do curso sobre a Eucaristia de Frei Faustino Paludo, OFMcap, e a outra parte foi adaptada por mim, Edemilton dos Santos.

2 A MISSA É UM ENCONTRO COMUNITÁRIO – sinal da presença de Jesus ressuscitado e do Espírito Santo vivificador MISSA NÃO É REZA INDIVIDUAL. A missa é uma ação simbólica. É uma ação feita em gestos e palavras,uma refeição comunitária (comida e bebida) em nome de Jesus, que torna presente o mistério de sua morte e ressurreição.

3 A MISSA É UMA AÇÃO RITUAL: são gestos, ações e palavras repetidas muitas vezes ao longo da vida, para aprender, aprofundar e tornar presente o mistério da salvação. O RITUAL DA MISSA é constituído por diferentes ritos – é um conjunto de ritos. A Missa como ação ritual tem suas normas e orientações (rubricas) para serem observadas e garantir sua verdade. Ação ritual ao serviço do tornar presente, vivo e atuante Cristo Ressuscitado.

4 Da última ceia de Jesus até hoje, fazemos basicamente a mesma coisa: comemos e bebemos juntos, dando graças a Deus em nome de Jesus e no Espírito Santo, fazendo memória da Páscoa do Cristo!

5 Na Missa, como ação simbólica e ritual, existem gestos, palavras e ações essenciais (que não mudam) e circunstanciais (adaptáveis ). = Essencial: é o que no rito não pode mudar – diz respeito às ações que tornam presente o mistério celebrado – só definidas pela Igreja. = Circunstanciais: diz respeito ao modo, ao estilo, ao jeito de fazer – ligado às culturas;

6 A MISSA É UMA AÇÃO COMUNITÁRIA. Quem celebra é toda a comunidade reunida e servida por ministros e servidores. É AÇÃO DO POVO DE DEUS – Um povo sacerdotal. A palavra MISSA vem de missão, despedida. O envio missionário era acompanhado da bênção solene, muito valorizada pelo povo. Assim, missa tem sentido de bênção e acaba sendo sinônimo de EUCARISTIA.

7 A palavra EUCARISTIA significa ação de graças – gratidão. A eucaristia é ação de reconhecimento e de agradecimento pela ação do amor de Deus, em Jesus Cristo e no Espírito Santo em favor de seu povo escolhido e reunido.

8 A Eucaristia é o memorial da Páscoa de Jesus Cristo – da obra realizada pela vida, morte e ressurreição, atualizada pela ação litúrgica. A Eucaristia é mistério de doação, de entrega incondicional – mistério de amor. Ninguém tem maior amor do que quem doa sua vida por amor. Na Eucaristia o cristão comunga do amor de doação de Cristo, ficando habilitado e comprometido a viver essa mesma caridade em todas as suas atitudes e comportamentos de vida.

9 A expressão central da celebração eucarística é: EIS O MISTÉRIO DA FÉ! Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde Senhor Jesus.

10 Na Eucaristia, Jesus revela-nos um amor levado até ao extremo. Um amor sem medida. Um amor que dá a própria vida pela vida da humanidade, pelo bem dos outros. A Eucaristia é banquete, ceia de comunhão – a meta da Eucaristia é sempre a COMUM- UNIÃO:

11 A mesa é simbólica: não é apenas o lugar para saciar a fome, mas espaço de relação. Comer é comungar. Ao me alimentar, comungo com o outro que também se alimenta, Compartilho com ele um pouco do meu ser, da minha intimidade, dos meus projetos e acolho e me alimento do que o outro compartilha. A experiência de comer sozinho é sempre triste!

12 A Eucaristia é ceia, mistério de comunhão : Na eucaristia comungamos: com Jesus; com os nossos semelhantes; com a natureza; com a Criação divina. Ao receber a hóstia consagrada - pão sem fermento - os cristãos comungam a presença viva de Jesus eucarístico. Nossa vida recebe a vida dele que nos revigora e fortalece. Tornamo-nos um com ele ("que todos sejam um" (Jo 17,21).

13 O pão eucarístico simboliza a vida cotidiana e, o vinho, aqueles momentos de profunda felicidade que nos faz sentir que vale a pena estar vivo. Não se pode comungar com Jesus sem comungar com os que foram criados à imagem e semelhança de Deus. Uma eucaristia que não se traduz em amor concretamente vivido é em si mesma incompleta. Não basta ir a Missa e comungar. É preciso fazer da vida uma Eucaristia. Em cada Eucaristia Jesus nos diz: façam isto em memória de mim. Vivam e tenham os mesmos gestos que eu tive. Comungando => tornamo-nos não apenas cristãos, mas o próprio Cristo (Sto Agostinho):

14 Os sinais essenciais do Sacramento da Eucaristia são o pão de trigo e o vinho de uva, sobre os quais o sacerdote invoca a força do Espírito Santo, transformando-os em Corpo e Sangue de Jesus. Nós vos suplicamos, Pai de bondade, que envieis o vosso Espírito Santo para santificar estes dons do pão e do vinho, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo. Mandai o vosso Espírito Santo!

15 Nos sinais do pão e do vinho deixados por Jesus, nós nos tornamos (hoje) contemporâneos da morte e da ressurreição de Jesus. Comendo do pão e bebendo do cálice participamos do acontecimento histórico, único e irrepetível de nossa salvação. O pão que repartimos é aquele que Jesus repartiu como entrega de seu corpo por nós, o cálice que bebemos é aquele que Jesus bebeu na última ceia, anunciando seu sangue derramado pela humanidade.

16 Ser Eucarísticos, dar graças, fazer de nossa vida um dom a Deus e aos irmãos – é a nossa vocação... nosso dever... nossa salvação – passamos da morte para a vida!

17 Desejei ardentemente comer essa Páscoa convosco (Lc 22,15)

18 Os ritos iniciais são um conjunto de vários elementos: a acolhida, o canto de abertura (a procissão); o beijo do altar, sinal da cruz e a saudação, o ato penitencial ou a aspersão com água, a ladainha do Senhor, tende piedade de nós, o hino de louvor. oração inicial ou oração da coleta.

19 A procissão e o canto de abertura colocam a Igreja no caminho Eucarístico e rememoram a caminhada para a terra prometida. O caminho da assembléia reunida que junta ao Ressuscitado, a Terra Prometida.

20 A inclinação diante do altar é sinal de reverência, humildade e confiança. O beijo é um sinal de amor, honra, amizade, união e reconciliação. Incenso é um gesto liturgico em reconhecimento de Jesus Cristo morto e ressuscitado, como centro da nossa fé e do nosso culto.

21 O sinal da cruz indica que a oração é litúrgica é trinitária e pelo gesto de traçar a cruz é cristológica, pois lembra a cruz em que Jesus se entregou. Com esse gesto é como se o presidente dissesse: declaro constituída essa assembléia litúrgica. A saudação inicial é um gesto do presidente que acolhe a todos os presentes para formarem a assembléia dos batizados com o tamanho do coração do Pai, conduzindo-os a uma particular disposição espiritual.

22 O Ato penitencial ajuda a assembléia a resgatar a dignidade fundamental de batizados ao mesmo tempo que manifesta o anseio de restauração da dignidade. Para isso é necessário um esvaziamento. O Hino de Louvor, de cunho natalino-pascal, por se enquadrar no tema da encarnação e da glorificação do filho ressuscitado a direita do Pai. A Oração da Coleta, trazendo o sentido litúrgico da celebração e reunindo todas as orações da assembléia, ditas no silencia depois do Oremos, é, também, a via de passagem para Liturgia da Palavra.

23 O QUE DESTACAR NOS RITOS INICIAIS DA CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA ? A acolhida alegre e fraterna das pessoas; O clima orante e de tranquilidade; A organização do espaço celebrativo; Tudo o que favoreça a constituição de um povo celebrante; O mistério celebrado; A harmonia da Equipe; A acolhida alegre e fraterna das pessoas; O clima orante e de tranquilidade; A organização do espaço celebrativo; Tudo o que favoreça a constituição de um povo celebrante; O mistério celebrado; A harmonia da Equipe;

24 Enquanto conversavam e discutiam entre si, o próprio Jesus aproximou-se e pôs-se a caminho com eles. (Lc 24,15).

25 A ESTRUTURA DA LITURGIA DA PALAVRA é dialogal: proposta, oferta da graça e resposta dos ouvintes. 1ª Leitura (A.Testamento e Atos do Apóstolos ); O Salmo Responsorial ( resposta orante do povo ); 2ª Leitura ( Cartas e Apocalipse de João ) Aclamação ao Evangelho ( expressão de alegria ); Proclamação do Evangelho; Homilia (atualização da Palavra) Credo ( resposta de fé à Palavra ); Oração dos Fiéis – súplica para que a Boa Nova seja acolhida e salve a todos ).

26 A liturgia da Palavra ajuda-nos a mergulhar no sonho, nos valores e nos métodos de Jesus. Constitui uma contínua restauração dos sonhos. A proclamação da Palavra de Deus constituiu uma ação ritual. O ato da proclamação da Palavra não é continuação de nada, mas fala por si só constitui-se como um ato inteiro e autônomo.

27 Três atitudes na proclamação da Palavra: 1ª) Absoluta necessidade do silêncio sagrado, que é um precioso instrumento litúrgico. 2ª) Leitores bem preparados, pois eles são elementos fundamentais do ministério da proclamação da Palavra. 3ª) Aprimoramento dos meios técnicos a serviço da escuta.

28 A Homilia faz parte da Liturgia da Palavra. Portanto, não é uma pregação isolada nem um discurso humano. É Palavra de Deus traduzida e contextualizada. O Credo faz-nos retomar nossa profissão de fé batismal. A Oração dos Fiéis estabelece a passagem entre a liturgia da Palavra e o sacrifício Eucarístico e constitui-se como um fruto maduro da Palavra celebrada. Representa a sensibilidade espiritual convocando a solidariedade os Filhos de Deus.

29 O que destacar na Liturgia da Palavra? Criar um clima de efetiva ESCUTA; Destacar a importância dos ministérios dos leitores, dos salmistas, de quem proclama o Evangelho e profere a homilia; Valorizar a mesa da Palavra – como lugar da proclamação das leituras, o evangelho, canto do salmo, a homilia e as preces dos fiéis; Valorizar o Livro da Palavra (e não o folheto) Zelar pelas atitudes corporais dos ministros, o tom da voz, a postura e atitudes diante da mesa da Palavra; Aprimorar a comunicação e qualidade da proclamação;

30 Entrou, então, para ficar com eles. ( Lc 24,29).

31 A Liturgia Eucarística compõe-se dos ritos: Preparação das oferendas; Oração Eucarística; Ritos de Comunhão: Pai Nosso; Gesto de Paz Fração do Pão Comunhão

32 A comunidade já de coração aquecido pelo encontro com o verbo ressuscitado no Rito da Palavra, agora caminha para um contato real e atual com o Cristo no pão e no vinho. Na Procissão das Oferendas o pão e o vinho são trazidos pelos fiéis até o altar, juntamente, se for o caso, com outros dons para a comunidade e para os pobres. A preparação do altar é um gesto ritual que se faz com elegancia e dignidade.

33 O mais importante é o que acontece sobre o altar: a terra e o céu unem-se na apresentação da oferenda pascal. Alegria e dor encontram-se na esperança da redenção. A Prece Eucarística abrange a parte central da missa, que vai desde o prefácio até a glorificação de Deus Pai por Cristo, com Cristo e em Cristo.

34 A oração Eucarística se compõe: do diálogo inicial do Prefácio do Santo da grande Prece: 1ª Invocação do Espírito Narração da Instituição; Memorial Oblação – oferta – 2ª Invocação do Espírito Intercessões; Doxologia final e AMÉM!

35 1ª Inovação do Espírito Santo sobre o pão e do vinho, transformando os dons ofertados em Corpo e Sangue de Cristo. O ministro dirige-se ao Pai e pede que envie o Espírito Santo sobre os dons, transformando-os no Corpo e Sangue de Jesus Cristo.

36 A narrativa da Instituição da Eucaristia = Evoca-se um momento histórico passado que vem iluminar e revelar o pleno sentido do momento presente: Jesus aceita o sofrimento da morte na cruz; Jesus reúne-se para a ceia com os discípulos; Jesus toma o pão e dá graças ao Pai - Jesus toma o cálice e agradece ao Pai – entrega para que todos comam e bebam; Evoca-se o mistério da nova e eterna aliança para a remissão dos pecados;

37 Jesus conclui dizendo: FAÇAM ISTO EM MEMÓRIA DE MIM! Fazendo memória da última ceia no momento presente, dentro da nossa realidade de vida, nós tornamos participantes, pela ação simbólico-ritual, da ceia de Jesus. Em cada Missa participamos da ação libertadora do Senhor, atualizada para o nosso tempo. Ação libertadora que se realiza por nossa vida eucarística.

38 O termo mais correto a ser utilizado é narrativa da instituição pois toda a prece Eucarística é uma narrativa que nos coloca em sintonia com o Mistério Pascal de Nosso Senhor Jesus Cristo. E nesse momento fizemos a memória de sua entrega pela salvação da humanidade. Temos aí as espécies do pão e do vinho eucaristizados, ou seja sacramentados e não transformados em carne e sangue.

39 EIS O MISTÉRIO DA FÉ! Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde Senhor Jesus. Cada vez que participamos da Eucaristia, ceia do Senhor, estabelece-se uma comum-união, o mesmo compromisso, a mesma alegria no anúncio da vitória de Jesus, esperança da nossa libertação!

40 Santo Agostinho compara o AMÉM com a nossa assinatura num documento. Quando se escreve um documento, o texto não tem valor enquanto não tiver a assinatura. O amém é a assinatura da assembleia à oração proclamada por aquele que a preside. É ela quem convalida a oração eucarística. Quem assina é o povo sacerdotal. A oração eucarística não é do padre que preside, mas é oração que ele faz em nome da assembleia. A assembleia, no final, confirma-a com o amém: Estamos de acordo. Assinamos. AMÉM!

41 Hoje depois do Concílio Vaticano II, que nos faz retornar para as fontes, faz mais sentido ficar em pé. É a posição dos ressuscitados em Cristo, com a liberdade e a dignidade de irmãos e irmãs de Jesus. Quando se fica em pé, assume-se uma atitude vigorosa e disciplinada. É a atitude dos anunciadores da Boa Nova de Jesus, dos missionários do Reino, prontos a receber e cumprir uma missão.

42 Porém ainda somos acostumados a ficar de joelhos. Isso precisa de uma longa conscientização. É preciso fazer aos poucos e não tudo de uma vez. Explicar o seu significado para não escandalizar nosso povo.

43 Partir o pão e repartí-lo fraternalmente é um gesto humano indispensável para estabelecer laços e nutrir a convivência, a comunhão de vida entre as pessoas.

44 Os ritos de comunhão têm a seguinte seqüência: Convite ao Pai Nosso; Oração do Pai Nosso... Oração pela paz e o abraço da paz; Fração do Pão e o Cordeiro de Deus; Comunhão e o canto; Momento de Silêncio, Oração após a comunhão;

45 A fração do Pão É um gesto profético. O pão é partido e partilhado entre todos, expressando que em Cristo somos um só Corpo: Nós somos muitos, mas formamos um só corpo, que é o Corpo do Senhor, a sua Igreja. O Ressuscitado foi reconhecido no gesto do repartir o pão (Lc 24,35).

46 Naquela mesma hora, levantaram-se e foram para Jerusalém (Lc 24,33).

47 A conclusão da celebração eucarística se dá com os ritos finais: Avisos (homenagens) Bênção final Envio – despedida IDEM EM PAZ!

48 Os ritos finais conduzem para a missão. A finalidade dos ritos finais é que os fiéis, dispersos na sociedade e imersos nas atividades, deem bom testemunho do Ressuscitado, manifestando com uma vida justa e santa a participação no mistério pascal realizada mediante a escuta da Palavra e a comunhão eucarística.

49 Reunidos, celebramos a memória do mistério pascal, que nos torna um corpo comunitário, ressuscitado e todo ministerial (de servidores). Unidos a Cristo, somos enviados em missão, para ser no mundo, portadores e agentes da boa-nova do amor, da solidariedade, da justiça, da paz, da transformação pascal da vida e da história, aliança entre todos os povos e culturas.

50 Os AVISOS, na perspectiva da missão e da ação comunitária, têm grande significado. Devem ser feitos com muita clareza e objetividade, motivando a comunidade a participar das várias tarefas, como engajamento na missão.

51 A BÊNÇÃO em nome da Trindade expressa que a celebração se prolonga na vida cotidiana em todas as suas dimensões: pessoal, familiar, social e política... Somos abençoados para sermos uma bênção – uma boa nova para todos!

52 A bênção final se traduz na garantia de que o Senhor estará sempre conosco. A bênção propriamente dita, foi a própria celebração da eucaristia – a bênção final está associada à celebração e em conformidade aos diferentes tempos do ano litúrgico – exprime a graça que se alcançou na celebração; As bênçãos solenes são compostas por três invocações, às quais a assembleia adere com o amém!

53 A BÊNÇÃO em nome da Trindade expressa que a celebração se prolonga na vida cotidiana em todas as suas dimensões: pessoal, familiar, social e política... Somos abençoados para sermos uma bênção – uma boa nova para todos!

54 Idem em paz..., (São João Crisostomo); palavras finais de despedida, devem ressaltar que a graça do Senhor nos acompanha dia-a-dia e nos ajuda a realizar, como nossa vida, um culto agradável ao Senhor. As palavras finais podem estar relacionadas com o Evangelho do dia.

55 A presença pascal de Cristo comporta sempre um duplo aspecto: ao mesmo tempo que é uma boa notícia, também é um envio em missão. A liturgia só será plenamente missionária se for plenamente experiência densa e transformadora de Cristo ressuscitado, a exemplo das primeiras comunidades que a cada dia viam o número de fiéis crescer porque "dia após dia, unânimes, mostravam-se assíduos no Templo e partiam o pão pelas casas, tomando o alimento com alegria e simplicidade de coração. Louvavam a Deus e gozavam da simpatia de todo o povo"(At 2,46-47).

56 Parte desse texto foi retirado do curso sobre a Eucaristia de Frei Faustino Paludo, OFMcap, e a outra parte foi adaptada por mim, Edemilton dos Santos. Utilizei para essa pesquisa os seguintes livros. CASEL, Odo. O mistério do Culto no Cristianismo. Trad Gemma Scardini. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

57 BUYST, Ione. O Espírito canta em nós. In: Liturgia em Mutirão: subsídios para a formação. Brasília, edições CNBB CNBB. Animação da Vida Litúrgica no Brasil. 20ª Ed. São Paulo: Paulinas, (Documento 43). DI SANTE, Carmine. Liturgia Judaica: fontes, estrutura, orações e festas. Tradução: João Anibal Garcia Soares Ferreira. São Paulo: Paulus, 2004.

58 MARSILI, Salvatore. Sinais do Mistério de Cristo: Teologia litúrgica dos Sacramentos, espiritualidade e Ano Litúrgico. Tradução: José Afonso Beraldin da Silva. São Paulo: Paulinas, MARTÍN, Julina López. A liturgia da Igreja: teologia, história, espiritualidade e pastoral. Trad. Antônio Efro Feltrin. São Paulo: Paulinas, SACROSANTUM CONCILIUM. In: Documentos do Concílio Ecumênico Vaticano II. São Paulo: Paulus, 2001.

59 MICHELETTI, Guilhermo. Catequese Litúrgica: a missa explicada. São Paulo: Editora Ave- Maria, COSTA, Valeriano Santos. Viver a Ritualidade Litúrgica como momento Histórico da Salvação: participação litúrgica segundo a Sacrosanctum Concilium. São Paulo: Paulinas, COSTA, Valeriano Santos. 2ª Ed. Celebrar a Eucaristia: tempo de restaurar a vida. São Paulo: Paulinas, 2008.


Carregar ppt "PAUSA RESTAURADORA NA CAMINHADA RUMO AO CÉU Parte desse texto foi retirado do curso sobre a Eucaristia de Frei Faustino Paludo, OFMcap, e a outra parte."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google